sexta-feira, 24 de agosto de 2018

UM BREVE TESTEMUNHO PESSOAL


Tenho convicções e posturas que sempre produziram desconforto em alguns. Me esforço para não relativizar ou negociar o que compreendo ser um caráter de acordo com os princípios e fundamentos bíblicos.

Não sou perfeito, mas procuro viver, com a graça de Deus, o mais próximo possível daquilo que entendo ser a Sua vontade revelada nas Escrituras.

Quando era ainda bem jovem, me disseram que a minha postura me "queimaria" diante da liderança da igreja. Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus, ainda jovem, fui professor de Escola Dominical e líder da juventude.

Depois que casei, me disseram que se eu não mudasse, não seria indicado para outras funções, e nem para o ministério da igreja. Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus, fui separado para o diaconato, para a direção local da Escola Dominical, e posteriormente para dirigir uma congregação.

Enquanto servia como diácono com ação pastoral, continuaram a falar que se eu não mudasse, não alcançaria outros cargos no ministério. Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus, fui separado para o ministério de evangelista, e posteriormente para o de pastor (no mesmo ano), assumindo também a Superintendência Geral da Escola Dominical, função esta que ocupei por dez anos. Ensinei e fui diretor da instituição de educação teológica.

Enquanto servia ao Senhor em funções de maior responsabilidade, insistiram que se eu não mudasse, não viriam outras responsabilidades (embora nunca busquei nenhuma das que me foram confiadas). Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus, ocupei funções em Conselhos de Convenções no âmbito estadual, regional e nacional dentro da denominação a que pertenço, e em instituições diversas, e cargos na Mesa Diretora da igreja onde sirvo ao Senhor.

Quando comecei a receber convites para atender algumas igrejas no Brasil, me alertaram que se eu não mudasse, não pregaria em alguns púlpitos "importantes" (me citaram dois deles como exemplo). Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus já preguei em ambos.

Pensei em publicar um livro pela editora oficial da minha denominação, mas me informaram que se eu não mudasse, o livro poderia não ser publicado. Mesmo assim, pela graça e vontade de Deus, dois livros foram publicados, e um deles foi premiado nacionalmente. Atualmente, por outras editoras, tenho cinco livros publicados e mais dois estão no prelo.

Depois de trinta anos de vida cristã, ainda procuro me manter fiel (diante de Deus e dos homens) aos princípios bíblicos, buscando ser verdadeiro e sincero naquilo em que creio, mesmo esbarrando em minhas limitações e imperfeições.

Continuo também ouvindo aqui e ali sobre a necessidade de mudar (abrir mão de alguns princípios e posturas), e o quanto isso poderia me "beneficiar" como pastor, escritor, pregador e ensinador.

Mas quem disse que eu almejo (ou almejei algum dia) tais "benefícios especiais"?  Estabeleci desde jovem um objetivo ou propósito na minha vida cristã e ministerial, que é o de nunca desejar para mim nada além daquilo que Deus pela sua graça e vontade planejou.

No ministério cristão, não é o que eu vou conquistar ou perder que norteia as minhas decisões e postura, mas se é o certo a fazer, se está em linha com as Escrituras, e com o plano de Deus para a minha vida.

Dessa forma, sigo avante com a minha consciência em paz, servindo ao meu Senhor com alegria, mesmo em meio às adversidades consequênciais, aguardando aquele dia onde o verei face a face, na expectativa de ser por Ele considerado um servo fiel naquilo em que me tem confiado.

A Ele toda honra, glória e louvor!

Nenhum comentário: