sexta-feira, 10 de abril de 2015

TEOLOGIA REFORMADA CALVINISTA É DIFUNDIDA ATRAVÉS DE PUBLICAÇÕES E ÓRGÃOS OFICIAIS DA CGADB (1)


A discussão sobre calvinismo e arminianismo faz parte da atual agenda pentecostal assembleiana, e isso acontece em razão da influência da teologia reformada no contexto pentecostal assembleiano brasileiro.

O grave, como já escrevemos, é que com a falta de um posicionamento teológico denominacional mais claro e específico, os próprios órgão oficiais das Assembleias de Deus no Brasil difundem e apresentam a teologia reformada com o endosso do Conselho de doutrina da CGADB (Convenção Geral Geral Geral das Assembleias de Deus no Brasil), causando no mínimo mais confusão nas mentes imaturas e indefinidas teologicamente, que acabam por ouvir um discurso oficial que não é coerente com as publicações oficiais.

O Dicionário Bíblico Wycliffe, publicado pela CPAD com sua 1ª Edição em 2006, é um clássico exemplo desta realidade. Em seu verbete sobre "eleição", "eleito" e "salvação" fica evidente sua linha teológica reformada. Observe algumas citações da obra:

"A eleição não é uma simples previsão, nem depende dela. Ela inclui a previsão de Deus quanto àquilo que o homem irá fazer com sua própria liberdade, mas depende, para sua realização da graça soberana de Deus. As Escrituras ensinam que Deus aceita o que o homem fará com sua própria liberdade, acrescentando  que Ele fará através de sua graça para salvá-lo" (p. 623)

"Da mesma maneira, quando Deus nos 'escolhe' na eternidade (Ef 1.4) está igualmente evidente que Ele não escolhe a todos" (p. 624)

"Esses que 'foram dados' são 'atraídos' a Cristo por uma compulsão divina (Jo 3.37, 44, 47). (p. 624)

"Aqueles que Cristo conheceu como suas ovelhas 'nunca perecerão' (Jo 10.14, 27ss). Aqueles que foram chamados eternamente nunca será separados 'do amor de Deus' (Rm 8.30, 33, 35-39). (p. 624)

Eleição incondicional, graça irresistível e perseverança dos santos são aspectos da soteriologia reformada, reafirmadas nas citações acima.

Citando o teólogo reformado e calvinista J. I. Packer, a salvação é ensinada no Dicionário Bíblico Wycliffe como algo que o homem recebe em absoluta passividade, ou seja, mais uma apologia a doutrina da graça irresistível, onde a liberdade de decisão humana é absolutamente neutralizada, e que não se alinha a doutrina arminiana da graça preveniente.

Fica aqui mais uma vez o alerta geral, e a crítica para um maior cuidado na análise e publicações de obras por parte dos órgão oficiais das Assembleias de Deus no Brasil.

No amor de Cristo,

Altair Germano.

15 comentários:

disse...

Louvado seja Deus, que Deus continue iluminando a CGADB, que eles possam cada vez mais difundir a fé Reformada, Biblica para os irmãos Assembleianos. Pastor Altair, não lute contra Deus, Deus esta trazendo um avivamento Reformado a todos, essa é a Reforma que todo mundo desejava no meio Evangélico, Deus esta no controle. "De volta as Escrituras" Descanse meu irmão, falo no amor que tenho pelo senhor em Cristo Jesus, eu ja fui assembleiana, se acontecer uma mudança, até eu volto para a AD. Paz seja contigo!

Personaret disse...

Excelente artigo pastor Altair. Nós como pentecostais não precisamos beber águas de fontes amargosas, fazemos parte da linda tradição wesleyana em relação a soteriologia, a qual não é inferior em nada, teologicamente falando, em comparação com a reformada calvinista.

Saulo Correia disse...

Parabéns pelo postar pastor, ė sempre bom quando alguém com notoriedade com o sr. Se manifesta está maneira, quem sabe o conselho doutrinário da CPAD acorda.

IBEP TEOLOGIA BÍBLICA SEM. VICENTE LEÃO disse...

Graça e paz pastor.
No meu ver esta questão é preocupante pela relevancia da identidade teológica da igreja e isso deveria,como o senhor mesmo avaliou, ser visto de uma maneira mais cuidadosa e séria na igreja, não somente no sentido de publicações, mas como algo a ser discutido de forma mais pratica a ser aplicada no dia a dia nas congregações. Eu entendo que a visão teológica da Assembleia de Deus, dentro da sua maioria é arminiana, mas pouco se ensina, se prega e se estimula a conhecer este aspecto tão importante da nossa doutrina, acredito que por não se levar este aspecto tão a serio como os reformados que sabem quem são, o que fazem e para onde vão teologicamente falando. Creio que se não houver um despertamento em relação a esta necessidade, vamos viver com este paradoxo teológico por muito tempo ainda. Deus o abençoe!

victor disse...

Graça e Paz, pr.
Faço minhas as palavras da Rô, a primeira a postar um comentário.Se me permitir, vou ainda mais longe citando o sábio conselho de Gamaliel :
E agora digo-vos: Dai de mão a estes homens, e deixai-os, porque, se este conselho ou esta obra é de homens, se desfará,
Mas, se é de Deus, não podereis desfazê-la; para que não aconteça serdes também achados combatendo contra Deus.(Atos 5:38-39).
"Maranata".

Gilmar Batista disse...

Paz do Senhor,

Alguns ensinos da teologia calvinista, inseridas em algumas literaturas publicadas pela CPAD, não estão ali por descuido, nem mesmo por um desconhecimento da questão (pois temos excelentes teólogos) e muito menos por ingenuidade. Esta situação envolve finanças. Vamos publicar, publicar e publicar; sem averiguar o conteúdo teológico Aliás, o que importa são as vendas.

Pastor Altair, parabéns pelo post e que o senhor continue defendendo o Evangelho sem temer aos homens.

Abraços.

Apologeta disse...

A paz do Senhor, pastor Altair! Quero parabenizá-lo pelo excelente artigo com profundo e cuidadoso discernimento espiritual diante de uma obra da magnitude do grande dicionário bíblico de Wycliffe. É triste a falta de identidade soteriológica na nossa denominação, a qual acarreta para um encruzilhada entre calvinismo e arminianismo na AD. Os que possuem pouca instrução (como bem pontuado pelo senhor), ficam confusos diante da falta de uma confessionalidade na questão salvífica em nossa denominação.
Oro para que o Senhor desperte a igreja nesse tão pertinente tema, e venhamos a afirmar corajosamente que somos arminianos não por falta de opção, ou fraca teologia, mas sim por convicção à luz das Escrituras.

Agora, quanto a afirmação dessa senhora chamada "Rô", discordo completamente. Onde, nas Escrituras, existe a menção de "avivamento reformado"? Desde quando o calvinismo é a única doutrina que ensina avivamento? Ademais, quando é que o calvinismo em seu bojo é unicamente bíblico, desconsiderando as fartas documentações escriturísticas do arminianismo? E quem disse que é Deus que está trazendo esse suposto "avivamento" como se a AD estivesse completamente desviada dos caminhos do Senhor?

Gostaria de dizer à essa senhora que tome cuidado extremo com a "calvinolatria" que tem tomado a mente de muitos calvinistas que tem defendido mais o sistema soteriológico exposto por Calvino, do que as Escrituras. Se formos para a Bíblia, há de forma gigantesca, muitos mais coerência no arminianismo do que no calvinismo, só para constar.
Robert Charles Sproul (chamado R. C. Sproul), deixou claro que ao calvinismo é uma doutrina horrível no que tange a inescapavelmente considerar Deus como autor do pecado, que o faria pior do que o diabo.

Sem mais, espero ter contribuído para o debate.

Apologeta

Clayton Góis disse...

Concordo em boa parte com a “ RÔ” do primeiro comentário,
Fui um assembleiano semipelagiano, vivia constantemente temeroso de "perder a salvação" por não observar os " usos e costumes" da denominação ( fui ensinado assim).Depois que conheci a sistematização reformada das Escrituras, as escamas caíram dos meus olhos e, minha permanência na AD ficou insustentável(fui praticamente expurgado).Hoje sou um Batista Reformado.

Interessante que, muitos são contra a "calvinização" das Assembleias de Deus, entretanto engolem "guela abaixo" (sem generalizar) as práticas neopentecostais, teologia da prosperidade e confissão positiva.

Muitos falam de identidade Assembleiana, mas qual identidade é esta? As Assembleias de Deus estão totalmente fragmentadas, divididas em "feudos hereditários" onde a única preocupação da liderança é a permanência no poder.
Eu até via alguns esforços, principalmente dos comentaristas de revista da escola dominical (fui professor de jovens) em combater algumas heresias, entretanto o que era ensinado pela manhã na EBD, no culto noturno era totalmente rejeitado e antagonizado.
A verdade é que a grande maioria dos obreiros da AD não possuem um preparo teológico e ministerial adequado.A maioria dos assembleianos não suportam uma pregação expositiva, querem uma pregação temática, onde o texto Sagrado é totalmente alegorizado com técnicas apelativas ao emocionalismo. Esta é a identidade Assembleiana na prática.

Lógico que no meio assembleiano,em igrejas onde existem teólogos renomados, as coisas são um pouco diferentes, entretanto a maioria do povo esta nas pequenas igrejas , espalhadas pelas periferias do Brasil afora. Estes ( nem todos) estão totalmente desamparados com obreiros despreparados teologicamente, tornam-se verdadeiras esponjas de ensinos estranhos. Que bom seria se os assembleianos verdadeiramente se transformassem em calvinistas, ou ate mesmo em verdadeiros arminianos clássicos, não veríamos tantas mazelas doutrinárias por ai.
Quanto ao declarado pelo irmão Eduardo França, que a doutrina reformada faz de Deus o autor do pecado, deixo apenas trechos da confissão de Westminster (calvinista), da confissão Batista de 1689 (calvinista) e da confissão Belga ( calvinista):

“CAPÍTULO III – Confissão de Westminster
DOS ETERNOS DECRETOS DE DEUS
I. Desde toda a eternidade, Deus, pelo muito sábio e santo conselho da sua própria vontade, ordenou livre e inalteravelmente tudo quanto acontece, porém de modo que nem Deus é o autor do pecado, nem violentada é a vontade da criatura, nem é tirada a liberdade ou contingência das causas secundárias, antes estabelecidas. “

“CAPÍTULO 3 - O DECRETO DE DEUS -Confissão Batista de 1689
1. Desde toda a eternidade, Deus mesmo decretou todas as coisas que iriam acontecer no tempo; e isto Ele fez segundo o conselho da sua própria vontade, muita sábia e muito santa. 1 Fê-lo, porém, de um modo em que Deus em nenhum sentido é o autor do pecado, 2 nem se torna co-responsável pelo pecado, nem faz violência à vontade de suas criaturas, nem impede a livre ação das causas secundárias ou contingentes. Pelo contrário, estas causas secundárias são confirmadas; 3 e em tudo isso aparece a sabedoria de Deus em dispor de todas as coisas, e o seu poder e fidelidade em fazer cumprir seu decreto. 4”

“ARTIGO 13 – Confissão belga
A PROVIDÊNCIA DE DEUS

Cremos que o bom Deus, depois de ter criado todas as coisas, não as abandonou, nem as entregou ao acaso ou a sorte1, mas que as dirige e governa conforme sua santa vontade, de tal maneira que neste mundo nada acontece sem sua determinação2. Contudo, Deus não é o autor, nem tem culpa do pecado que se comete 3. Pois seu poder e bondade são tão grandes e incompreensíveis, que Ele ordena e faz sua obra muito bem e com justiça, mesmo que os demónios e os ímpios ajam injustamente4.”

E outra R. C. SPROUL é calvinista meu irmão Eduardo França!!!

Clayton Góis

Valdomiro Filho disse...

Pastor Altair, mas uma vez parabéns pelo artigo. Dificilmente um calvinista levaria a visão dele as últimas consequências. Essa teologia é admitida até certo ponto, sem levar em conta todos os aspectos envolvidos. Há versículos na Bíblia que dá possibilidade para as duas interpretações. A questão é...: Qual delas apresenta o Deus que é Amor revelado por Jesus Cristo ao mundo?
Eu não creio, pelo que tenho aprendido de Jesus, que Deus estava só (ou em três como queiram) e resolveu criar o universo. Insatisfeito criou o mundo. Ainda insatisfeito criou o homem em paz e harmonia com Ele. Insatisfeito "retirou graça" suficiente de Adão para ele pecar. Insatisfeito condenou toda raça humana por causa de Adão. Insatisfeito criou um Inferno de fogo eterno. Insatisfeito resolveu colocar a todos lá para sofrer eternamente. Insatisfeito, resolveu, por um critério desconhecido, salvar uma ínfima minoria. Este seria o Deus teria enviado pessoas a pregar a "má nova de perdição". Um Deus que criou as pessoas, não para salvá-las, mas para condenar TODO MUNDO. Do todo mundo condenado escolheu poucos para salvar. Onde está a bondade daquele que podendo salvar um Maracanã lotado, salva um só? Há mais maldade no mundo ou mais bondade? Se Ele causa todas as coisas e se há MUITO MAIS MALDADE no mundo, então, Ele é um Deus de amor? Quem em primeira e última instância causou o estupro da criancinha de 1 ano que depois foi esquartejada. Quem escreveu esse script? Se eu mato mil e salvo um eu sou bom? A visão calvinista destrói o caráter bondoso de Deus. E faz a Bíblia perder o sentido com tanta insistência de Deus para que seus filhos o obedeçam, se ele mesmo causa a desobediência, e faz, também, com o ato de orar para que Deus mude determinada situação uma ação inócua e sem sentido. Para quem se acha um escolhido o mundo é lindo, mas a questão é a que preço (do caráter de Desu) tal pessoa é um escolhido?

Paz amado Pastor!

Paulo Mororó disse...

Excelente postagem

Maxwell Melo disse...

Tanta discussão entorno desse tema, mas sabemos que nunca chegaremos a lugar nenhum. Apesar de ser Assembleiano, admito que essa doutrina da soberania Divida e responsabilidade e liberdade humana, se enquadra nas doutrinas da Trindade, Deidade e humanidade de Cristo. Não sei como explicar e entender plenamente! Agora sinceramente, em ouvir a pregação de muitos reformados e a de muitos "pentecostais" , eu prefiro mil vezes os MUITOS reformados. Grande parte das pregações e músicas pentecostais são totalmente voltadas para o homem e seu EGO, e isso pra mim e muito pior do que ser calvinista. Nem se compara! Não, não sou um calvinista, pois não acredito na eleição incondicional e graça irresistível, mas também não caiu nessa de uma pessoas que se arrependeu e se converteu verdadeiramente pode perder a salvação.

Valdomiro Filho disse...

Paz a todos!

1) Alguém passar a ser calvinista não lhe garante eterna salvação, e nem deixar de ser assembleiano (ou arminiano) lhe garantirá a eleição. Na verdade, ter receio de perder a salvação por ser arminiano, ou ter a eterna certeza da salvação ao abraçar o calvinismo tem muito mais a ver com a questão psicológica do que com espiritual, pois no campo espiritual os adotantes de ambos os seguimentos receberão a testificação espiritual de que são filhos de Deus.

Na verdade o calvinismo é muito mais problemático nessa questão porque se Deus não houver eleito alguém, então, comamos e babamos porque amanhã se poderá ir para o inferno sem aviso prévio, apesar de uma possível vida cristã dedicada, pois, a final das contas, a vida cristã digna não garante eleição de ninguém.

Sem entrar nos méritos da pessoa do Caio Fábio, há um vídeo interessante sobre um telespectador e a perspectiva calvinista em https://www.youtube.com./watch?v=lbj00zol76U . Para esse telespectador em vez de conforto a ideia calvinista trouxe tormento.

2) O ensinamento arminiano, adotado pela AD, em nada choca com a soberania de Deus e a responsabilidade humana. Na verdade a responsabilidade humana só pode ser imputada ao homem dentro da visão arminiana, pois quem não é livre para agir não pode ser legitimamente responsabilizado por um ato que NÃO fez livremente e nem o poderia fazer diferente do que fez porque fora predestinado a fazer exatamente o que fez. A visão compatibilista adotada por alguns calvinistas também não resolve satisfatoriamente a questão e gera outros.

Uma pregação ou música não anula uma posição teológica, muito mais quando se sabe que nem todas as pregações e músicas são baseadas em determinada posição teológica sadia. Na verdade época e lugar conta, pois tem coisas que são modismo temporais. Aliás se há um Soberano que determina tudo que, a priori, teria predestinado tais pregações e músicas, somada a isso todo o resto que acontece no mundo, não há razão para questionar? A não ser que nosso questionamento também tenha sido predestinado e não podemos fazer nada para mudar nosso desejo de questionar!

Paz!
Valdomiro.

Clayton Góis disse...

Questões soteriológicas são secundárias, embora seja reformado( creio ser uma posição mais coerente biblicamente), não tenho problemas com quem adota o verdadeiro arminianismo clássico (sem pelagianismo ou semipelagianismo), estes são meus irmãos em Cristo mesmo discordando de alguns pontos.
A verdadeira problemática é negar doutrinas centrais, ortodoxas e bíblicas da fé cristã. Problemático é negar a doutrina da trindade, em nome de um errôneo “unitarismo supostamente bíblico”.

Valdomiro Filho disse...

Paz a todos!

Acredito que problemas existam em todas as direções. Uma pergunta subjacente, ao que classificam como centrais e ortodoxia centras doutrinas, seria: Quem determinou as chamadas doutrinas centrais e a ortodoxia? Tanto uma coisa quanto outra mudou de um polo para outro na historia da igreja. UM exemplo, a olhos vistos, se reflete naquilo que acharam e passaram a achar de Orígenes. Ele foi ortodoxo, em uma época, e heterodoxo, em épocas posteriores. Achar central aquilo que todos os mais eminentes teólogos reconhecem como não sendo claramente um ensino bíblico deveria ser fortemente questionado. Mas, isso é um assunto que distanciaria desse tópico

Paz a todos!

Gilson Barbosa disse...

A paz do Senhor pastor Altair!

Gostaria de parabenizar a CPAD por levar aos irmãos assembleianos as maravilhosas doutrinas da graça.

Concordo com um dos comentários que afirma o conhecimentos dos especialistas da CPAD quanto ao conteúdo de suas obras.

Precisamos abandonar a mente estreita e periférica ao qualificar o calvinismo como algo que deve ser repudiado.

Grande abraço: Do irmão Gilson Barbosa (www.pbteologil.blogspot.com)