quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

A PEREGRINAÇÃO DE ISRAEL NO DESERTO ATÉ O SINAI (1) - SUBSÍDIO PARA LIÇÃO BÍBLICA

 Junto aos poços de Mara, onde o povo de Israel murmurou por causa das águas amargas

Afinal, chegaram a Mara; todavia, não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso, chamou-se-lhe Mara. E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber? Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou, e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara. Então, chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras; e se acamparam junto das águas. (Ex 15. 22.27)

O povo de Israel, depois de três dias dia de jornada, por não encontrar água, e se frustrando diante das águas amargas de Mara, adotou uma postura de murmuração. Num só momento todo o processo de libertação e de intervenção sobrenatural e poderosa de Deus foi esquecido. As pragas do Egito, o livramento do anjo da morte, a abertura do Mar Vermelho, a celebração pela grande vitória, nada foi considerado.

Quando murmuramos diante da adversidade, colocamos a integridade e a fidelidade de Deus em questão. Com os nossos sentimentos, pensamentos, palavras e ações declaramos que Deus não é tão bom o quanto parece ser. O ser humano tem uma facilidade muito grande de esquecer os grandes feitos de Deus.

Diante da murmuração do povo Moisés clamou ao Senhor, que lhe orientou mais uma vez. Deus sempre dará orientação aos líderes por Ele estabelecidos. Nos dias atuais há muitos líderes que não buscam mais a orientação de Deus. São soberbos e estão inchados de arrogância. A solução para aplacar a murmuração do povo veio de um ato de fé, através da utilização de uma vara, ou galho de árvore, que ao ser lançado nas águas tornaram-nas doces.

O Deus que nos libertou e que nos guia, sabe o melhor caminho para nós. Andar por fé é saber que na hora certa ele nos dará a provisão necessária. Ele cuidará de todo o suprimento em nossa jornada. Após o milagre realizado, a Bíblia nos narra que eles partiram para Elim, onde havia doze fontes de água (uma por tribo) e setenta palmeiras. Elim ficava, considerando as variantes dos estudos atuais, acerca de 50 a 200 km de Mara, ou seja, com mais um ou dois dias de viagem eles seriam supridos, porque o Senhor sabia por onde os conduzia. Não acontece o mesmo conosco? Murmuramos pelas situações amargas da vida, quando a solução de Deus já está bem próxima.

Deixemos qualquer manifestação de murmuração contra o Senhor, e no lugar disso tenhamos sentimentos e atitudes de celebração e gratidão, num ato de fé, que confia apesar de não perceber ou ver a solução que se encontra logo adiante.

O Deus que nos libertou é o mesmo que proverá dia após dia o nosso sustento. Guardemos e obedeçamos a sua Palavra, andando em fé e santidade para a sua glória.

Na graça do Pai,

Taba, Sul do Sinai, Egito, em 13/07/2012.

5 comentários:

Luciano de Paula Lourenço disse...

Querido Pr. Altair Germano, "Mara", o deserto de "Elim", "Sim" e "Refidim", bem como o "Monte Sinai", ficavam em Midiã (atual Arábia Saudita), onde morava Jetro, sogro de Moisés. Tire suas conclusões por Êx 3:12(final)e Gl 4:25, dentre outras provas. Sem levar em consideração provas arqueológicas irrefutáveis.
Desculpe-me a intromissão!Um abraço!

ALTAIR GERMANO, disse...

Estimado irmão Luciano, grato pela colaboração. Até onde pude pesquisar não há unanimidade sobre a questão geográfica, inclusive entre os atuais historiadores egípcios. quanto à prova arqueológica irrefutável, será de grande contribuição para todos os leitores, inclusive para mim, a indicação da referida fonte bibliográfica.
No amor de Cristo,

ALTAIR GERMANO, disse...

Em tempo: os mapas da própria Lição Bíblica, mesmo que com alguma incerteza (veja página 43 da Lição de Mestre, mantém a localização de Mara e Elim na península do Sinai.

Luciano de Paula Lourenço disse...

Prezado pr. Altair, graça e paz! Já assistir a alguns vídeos seus no Youtube. Você é um obreiro muito inteligente e estudioso.
Pastor Altair, já estive no “Monte Sinai”, que tradicionalmente é considerado, no Egito. Não precisa ser muito inteligente para perceber que em sua base jamais comportaria mais de dois milhões de pessoas.
Quando Moisés estava apascentando o rebanho de Jetro, indubitavelmente, ele estava em Midiã, não no Egito. Do lugar onde morava até o lugar onde é, tradicionalmente, considerado o Monte Sinai, no Egito, dista mais de 200 quilômetros. Um homem inteligente como Moisés não iria apascentar as ovelhas de seu sogro numa distância dessa!
Ao ser vocacionado para liderar o povo de Deus, tirando-o do Egito, Deus lhe falou: “... Certamente eu serei contigo; e isto te será por sinal de que eu te enviei: quando houveres tirado este povo do Egito, servireis a Deus neste monte” (Êx 3:12). “Neste monte” implica no mesmo lugar onde ele estava naquele momento apascentando o rebanho.
Logo, ao ser libertado do poder do Faraó, o anseio de Moisés foi conduzir o povo de Deus ao Monte Sinai (em Midiã), em atenção à ordem de Deus: “servireis a Deus neste monte”.
Querido pastor, não vou mais me delongar acerca disso. Veja você mesmo provas irrefutáveis, no link abaixo. Utilize as Escrituras para comparar. Não tenho mais dúvida: o Monte Sinai é em Midiã (Arábia Saudita).

http://tempodofim2.tripod.com/Exodo.htm

Um abraço!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado irmão Luciano, mais uma vez agradeço vossa colaboração. Caso a hipótese citada pelo irmão venha a ganhar reconhecimento no meio acadêmico através de publicações científicas, isso será de grande valia para nós.
Independente das questões geográficas, que são importantes, permanece aqui a lição sobre o perigo da murmuração.
Abraços fraternos.