sábado, 2 de março de 2013

ELEIÇÕES CGADB 2013: O VOTO CONVENCIONAL E A COMUNHÃO DOS SANTOS


A opção em votar em determinados candidatos a cargos convencionais não deveria comprometer a comunhão entre nós eleitores, pois antes disso e acima disso somos irmãos em Cristo.

Votar em determinados candidatos não torna ninguém "inimigo" daqueles em quem não votaram. É somente uma questão de opção e de escolha.

Um voto convencional não deverá ser determinado por uma obediência cega a determinado líder, por mera simpatia a um candidato, apenas pelo caráter do candidato, por sua eloquência, por seu carisma ou por suas propostas. O que determina o direcionamento de um voto é a análise de um conjunto de fatores, que engloba entre outras questões as aqui listadas.

É bom lembrar que tal análise global é subjetiva, e por ser subjetiva ela nem sempre se alinhará a outras leituras feitas dos fatos e das pessoas.

É necessário também rever toda a história do candidato e conhecê-la a fundo. Aquele candidato é a melhor opção para a instituição no momento? Isso também é uma questão crucial.

Devemos também orar, e apresentar a Deus todo o processo e as nossas escolhas. A oração sincera desarma a alma de todo sentimento maligno e faccioso.

Para as próximas eleições da CGADB seguirei a orientação do meu pastor, a opção de minha Convenção Estadual e a minha análise geral dos candidatos e do momento.

Criticar determinado posicionamento de um candidato, ou optar por não votar nele, não me torna seu inimigo,  nem compromete a minha comunhão com o mesmo, nem com os seus eleitores.

A política eclesiástica não pode comprometer a nossa comunhão.

No amor de Cristo e em comunhão com todos os santos (candidatos e eleitores),

Altair Germano.

3 comentários:

Pastor Adelino Justo Salvador disse...

Somos cerca de 24 mil eleitores, convencionais, que iremos decidir os (novos) rumos da CGADB. Novos, porque a cada AGO, tudo é novo. Lamentavelmente há uma enorme quantidade destes que vão a Brasília só no dia da Eleição, para votar!... Completamente alheios à temática que foi tratada na AGO,sem participarem de uma plenária, cegamente votam e alienadamente voltam...
E nem percebem que alguma coisa mudou...
Por outro lado, há outros que discutem, debatem, xingam, ofendem, difamam, esquecendo-se do que ensinam sobre as obras da carne e o fruto do Espírito.
É nosso dever escolher, e votar bem, e permanecer unidos no Senhor, para tomarmos posse por eleição em Cristo!

MARCOS MARTINS disse...

Caríssimo Pr. Altair Germano,

Cada dia mais fico na expectativa de lhe conhece pessoalmente na 41 AGO. No arcaico italiano " É VERO" a sua dissertativa no que se refere a relação interpessoal e "inter-cristã". No Rio de Janeiro nos idos 1970 tinha uma corrente politica,o chaguismo que condenava a relação de amizade entre "inimigos políticos" isso era terrível porque do outro lado tinha muita gente boa e muita mesmo, não eram como em um dos últimos comentários seus semeadores de contenda. As plenárias passam com todo seu calor e eferverscência e a nossa rica igreja e denominação permanece até o dias do seu arrebatamento.No que tange ORAR, devo dizer que estou relendo um "Best Seller" de 1984 - ORAR É INVADIR O IMPOSSÍVEL de Jack W. Hayford da editora Vida. Recomendo a todos mas principalmente para os desavisados de plantão: A IGREJA PRECISA ORAR MAIS, PRINCIPALMENTE AQUELES QUE QUEREM NOS DIRIGIR POR 4 ANOS.

Marcos Rodrigues, Pr.

Nordestino de coração disse...

A Paz do Senhor !
A exemplo de um comentário aqui no post e sem nenhuma sombra de idolatria, eu também quero lhe conhecer pessoalmente. Ah, e concordando com o que o amado escreveu aqui, defini como frase de ouro desta postagem: "A política eclesiástica não pode comprometer a nossa comunhão."
QUE ESSA FRASE SEJA UMA VERDADE NA MENTE E NO CORAÇÃO DE TODOS OS MINISTROS FILIADOS A CGADB. ESTA É A MINHA ORAÇÃO PRÁ PRÓXIMA A.G.O !