quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

PASTORES E LÍDERES, AMEMO-NOS UNS AOS OUTROS



Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.

Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros.

(João 13:34-35)

Existem pastores e líderes que pregam sobre amor nas tribunas das igrejas que presidem, mas que não vivem o amor que pregam na relação com outros pastores. Dessa forma, não se enquadram no perfil de discípulos de Jesus. Sim, estou afirmando que é possível ter o cargo de pastor e não ser um verdadeiro discípulo de Jesus. 

Algumas atitudes demonstram claramente quando um pastor não manifesta amor pelo próximo, e principalmente quando este próximo é outro pastor.

Pastores e líderes que se amam não se invejam.

Pastores e líderes que se amam não se odeiam.

Pastores e líderes que se amam não se digladiam.

Pastores e líderes que se amam não se acusam.

Pastores e líderes que se amam não se apontam.

Pastores e líderes que se amam não se desconfiam.

Pastores e líderes que se amam não se caluniam.

Pastores e líderes que se amam não se agridem.

Pastores e líderes que se amam não se ameaçam.

Pastores e líderes que se amam não se processam.

Pastores e líderes que se amam não se derrubam.

Pastores e líderes que se amam não se traem.

Pastores e líderes que se amam não disputam o poder eclesiástico num verdadeiro “vale tudo” ministerial.

O amor precisar estar presente na vida do pastor e do líderes que de fato é discípulo de Jesus, que pelo Mestre foi vocacionado, chamado e comissionado. 

Devemos na condição de pastores e líderes, amar os nossos companheiros de ministério, e o padrão desse amor é do tipo com o qual Jesus nos amou. O amor de Jesus fez com que ele suportasse fraquezas, perdoasse pecados, e investisse no crescimento integral dos seus discípulos. Precisamos na condição de pastores e líderes vivermos esta realidade nas relações ministeriais. Precisamos na condição de pastores e líderes sermos misericordiosos e bondosos uns para com os outros. Precisamos na condição de pastores e líderes contribuirmos para o crescimento um dos outros.

O amor precisa estar presente não apenas nos púlpitos das igrejas onde o pastores e líderes pregam e ensinam, mas também nos púlpitos das sessões convencionais onde discursa, onde pede voto. O amor entre pastores e líderes precisa ser vivenciado em todas as circunstâncias e lugares.

Pastores e líderes, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus; e qualquer que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. O pastor e o líder que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor (1 Jo 4:7-8).

Pastores e líderes, amemos-nos uns aos outros para a glória de Deus, e para que todos conheçam que somos discípulos de Jesus.

2 comentários:

Ventura Neto disse...

Pastor Altair quero parabenizá-lo pela coragem e determinação em defender os princípios pautados nas sagradas escrituras, mas infelizmente muitos companheiros ja estão contaminados com o virus da soberba, e isso é muito decepcionante pra nós no Ministério, existem verdadeiros assassinos de Ministério que se comportam como Caim matando seus Irmãos através do desprezo e do favoritismo. Convido ao amado Irmão para ler um artigo em meu Blog sobre isso acesse http://www.venturaneto.blogspot.com.br/2013/02/favoritismo-sera-que-o-ministerio.html










Reginaldo Barbosa disse...

Que Deus continue a usá-lo como verdadeiro profeta nestes últimos dias.

É verídica a situação, pois conheço pastores que usam o púlpito para destilar veneno contra aqueles que discordam de suas teses.Lançam maldições e até expulsam da igreja os que divergem de seus ensinos.

Eu e minha família somos vítimas desse mal, pois apesar de servirmos a igreja há 26 anos, hoje somos proibidos de nos congregarmos, porque confrontei e denuncie alguns abusos no sistema eclesiástico.