sábado, 6 de outubro de 2012

FAMÍLIA: AGENTE DE PRESERVAÇÃO E TRANSMISSÃO DOS PRINCÍPIOS E VALORES BÍBLICOS (2)


Então, disse sua irmã à filha de Faraó: Queres que eu vá chamar uma das hebréias que sirva de ama e te crie a criança? Respondeu-lhe a filha de Faraó: Vai. Saiu, pois, a moça e chamou a mãe do menino. Então, lhe disse a filha de Faraó: Leva este menino e cria-mo; pagar-te-ei o teu salário. A mulher tomou o menino e o criou. Sendo o menino já grande, ela o trouxe à filha de Faraó, da qual passou ele a ser filho. Esta lhe chamou Moisés e disse: Porque das águas o tirei. (Êx 2.7-10)

Escrevendo aos Romanos 8.28, o apóstolo Paulo, na direção do Espírito, nos diz que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, dos que são chamados por seu soberano decreto. Na vida de Moisés podemos testemunhar tal verdade.

Em meio à perseguição e diante da ordem do rei do Egito para que as parteiras matassem as crianças do sexo masculino (Êx 1.8-17), e posteriormente, também a ordem de lançar os filhos no rio (Êx 1.22), Moisés escapou com vida (Êx 2.1-6).

Não bastasse isso, a providência divina possibilitou que Moisés fosse educado pela própria mãe (2.9). Sendo assim, nos anos fundamentais para a formação de sua personalidade, para modelagem de seu caráter e vida moral, para norteamento de sua fé, Moisés não poderia ter recebido melhores cuidados e atenção. Temos a certeza, e a história nos confirma isso, que Joquebede, sua mãe, transmitiu para o seu filho os fundamentos da fé dos hebreus no Criador de todas as coisas (Gn 1.1-31), no Deus que em justiça julgou o mundo com o dilúvio, poupando a Noé e sua família (Gn 6-8), no Deus que soberanamente confundiu as línguas em Babel (Gn 11.1-9), no Deus que em graça chamou a Abraão e lhe fez promessas maravilhosas (Gn 12.1-3), no Deus que poupou Isaque ao provar a fé de seu pai (Gn 22.1-19), no Deus que em Jaboque teve um encontro transformador com Jacó (Gn 32.22-32), no Deus que amparou e honrou José (Gn 37- 46).

Ao conhecer a história de seu povo e a sua própria história através de uma educação em família, Moisés foi se conscientizando do plano de Deus para a sua vida, no sentido de se tornar o libertador do seu povo. Isso fica claro conforme o texto de Atos 7.23-25:

Quando completou quarenta anos, veio-lhe a idéia de visitar seus irmãos, os filhos de Israel. Vendo um homem tratado injustamente, tomou-lhe a defesa e vingou o oprimido, matando o egípcio. Ora, Moisés cuidava que seus irmãos entenderiam que Deus os queria salvar por intermédio dele; eles, porém, não compreenderam.

Perceba que o texto diz que: “Moisés cuidava que seus irmãos entenderiam que Deus os queria salvar por intermédio dele”.

Tenho escutado ao longo de minha jornada cristã alguns argumentos que se relacionam com a educação de Moisés, que não se sustentam à luz do exame das Escrituras. Um deles é o de que Moisés precisou fugir e viver no deserto para desaprender tudo que aprendeu em seus estudos de toda a ciência dos egípcios (At 7.22).

Em lugar algum a Bíblia afirma isso. Como já vimos em Atos 7.23-25, os estudos em toda ciência dos egípcios não ofuscaram, nem tiraram de Moisés a preocupação com o seu povo, nem a convicção de seu chamado. A educação em família, conforme insistimos em afirmar, é a mais marcante na vida de um indivíduo. Os ensinamentos de sua mãe, com certeza, ficaram guardados em sua mente, e firmemente arraigados em seu ser. O problema de Moisés não foi a ciência dos egípcios, mas o agir fora da vontade, da forma e do tempo de Deus.

Ele assumiu o papel de libertador, mas da maneira e no tempo errado. Moisés usou a própria força e métodos, quando deveria esperar e buscar em Deus a direção:

Naqueles dias, sendo Moisés já homem, saiu a seus irmãos e viu os seus labores penosos; e viu que certo egípcio espancava um hebreu, um do seu povo. Olhou de um e de outro lado, e, vendo que não havia ali ninguém, matou o egípcio, e o escondeu na areia. (Êx 2.11-12)

Quando agimos de forma semelhante a de Moisés, ficamos também sem respostas para a pergunta que se seguiu num outro episódio:

Saiu no dia seguinte, e eis que dois hebreus estavam brigando; e disse ao culpado: Por que espancas o teu próximo? O qual respondeu: Quem te pôs por príncipe e juiz sobre nós? Pensas matar-me, como mataste o egípcio? Temeu, pois, Moisés e disse: Com certeza o descobriram. (Êx 2.13-14)

Em outras palavras, a questão que foi levantada era sobre de onde provinha a autoridade espiritual que Moisés demonstrava ter. Ele simplesmente silenciou. Na sequência dos fatos, a atitude de Moisés culminou com o intento de Faraó em matá-lo, e em sua fuga para a terra de Midiã (Êx 2.15; At 7.29), onde passou quarenta anos (At 7.30), não para esquecer a ciência dos egípcios, mas para aprender a esperar a forma e o tempo de Deus em sua vida.

Quando Deus se revela a Moisés em uma chama de fogo, no meio de uma sarça que não se consumia (Êx 3.2), algo é digno de nota. A maneira de Deus se apresentar a Moisés é bastante significativa:

Disse mais: Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó. Moisés escondeu o rosto, porque temeu olhar para Deus. (Êx 3.6)

O Senhor se apresenta como o Deus da família de Moisés, o Deus de se pai e de seus ancestrais. Essa ligação com a família, com certeza, trabalharia as lembranças de Moisés dos ensinos e da educação que recebeu de sua mãe Joquebede. Não há faculdade ou deserto que apague isso!

Agora as coisas seriam diferentes, pois o tempo de Deus chegara, e o Senhor revelaria o método adequado para a libertação do seu povo, por aquele que já tinha escolhido, e na vida de quem tinha trabalhado (Êx 3.7-12).
Quando o tempo de Deus chega para nós, não ficamos sem respostas acerca da origem de nossa autoridade espiritual, pois sabemos que foi o próprio Senhor que em seu nome nos comissionou:

Disse Moisés a Deus: Eis que, quando eu vier aos filhos de Israel e lhes disser: O Deus de vossos pais me enviou a vós outros; e eles me perguntarem: Qual é o seu nome? Que lhes direi? Disse Deus a Moisés: EU SOU O QUE SOU. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: EU SOU me enviou a vós outros. Disse Deus ainda mais a Moisés: Assim dirás aos filhos de Israel: O SENHOR, o Deus de vossos pais, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, me enviou a vós outros; este é o meu nome eternamente, e assim serei lembrado de geração em geração. (Êx 3.13-15)

Nossa autoridade espiritual será também confirmada pelo agir sobrenatural de Deus em nossa vida e ministério, com grande poder e milagres (Êx 4.1-9), durante toda a nossa trajetória, na medida em que nos submetermos plenamente à sua voz, vontade e direção.

Invista na educação bíblica de seus filhos em família, pois dessa forma eles poderão posteriormente ser instruídos na ciência secular sem abrir mão de sua fé em Deus, mantendo-se firmes nos princípios da Palavra, e  nas grandiosas promessas do Pai celestial.

Natal-RN, 06/10/2012

Nenhum comentário: