segunda-feira, 6 de agosto de 2012

O CHEFE E O SILÊNCIO DOS ASSESSORES

O chefe se expõe, mas ninguém fala.

O chefe não deveria ir, mas ninguém fala.

O chefe não deveria apoiar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria falar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria fazer, mas ninguém fala.

O chefe não deveria aceitar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria se posicionar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria continuar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria insistir, mas ninguém fala.

O chefe não deveria concorrer, mas ninguém fala.

O chefe não deveria punir, mas ninguém fala.

O chefe não deveria mudar, mas ninguém fala.

O chefe não deveria substituir, mas ninguém fala.

O chefe não deveria escolher, mas ninguém fala.

O chefe não deveria receber, mas ninguém fala.

Respeitoso ou covarde silêncio dos assessores?

Respeitoso ou omisso silêncio dos assessores?

Respeitoso ou conveniente silêncio dos assessore?

Respeitoso ou prudente silêncio dos assessores?

Você falou? Então, agora é com o chefe e com Deus!

7 comentários:

Ismael Maia disse...

Pr. Altair Germanos a Paz do Senhor!

Nem sempre é o silêncio dos assessores que inviabiliza a mudança contra a ação precipitada ou errada do chefe.

Em dadas situações ocorre que o chefe não aceita nenhum tipo de opinião de seus assessores por receio de perder o seu lugar.

Em outras situações seu receio recai sobre um sentimento de medo, passando a defender-se de modo incisivo, chegando a ferir os seus subordinado, os quais deveria servir.

Nessas situações geralmente vociferam: "Ai daqueles que se levantarem contra o ungido do Senhor, ai daqueles"...

Como se apenas eles fossem os ungidos.

Falta transparência nas ações dos chefes. Chegamos a um momento em nossa sociedade onde precisamos saber de cada passo dado pelas nossas lideranças, cada centavo que está sendo gasto. Se esse tipo de ação recai sobre governos temporais, porque não sobre a Igreja.

Transparência inviabiliza murmurações...Cala a boca de muitos.

E tudo para a Glória de Deus.

A Palavra diz: Corrige o Sábio e ele te amará. Mas quando alguém vai tentar falar alguma coisa para os chefes se não tiver alta patente não é ouvido...

Triste cenário...

Estou no Fórum em Rio Branco - Acre.

Abraços e Paz do Senhor!

Pr. José Santana disse...

A Paz do Senhor estimado pastor. Serei bem simplório: Assessores covardes e chefes ditadores.

ALTAIR GERMANO, disse...

Ismael,

sem dúvida é preciso entender que há "ungidos", sem esquecer o princípio de autoridade daquele que dentro um sistema de governo é o líder maior, a quem se deve respeito e submissão (inteligente).
Vale também lembrar que nem sempre o "chefe" é um presidente de Convenção ou Igreja, podendo ser um dirigente ou pastor de congregação, além de algum dirigente ou superintendente de departamento.
O fato é quem em todas as situações a transparência é fundamental, e as ameaças geralmente sinalizam algum tipo de procedimento ilícito, imoral ou injusto.

Abraços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Estimado pastor Santana, casos extremos deste tipo são lamentáveis.

Abraços,

ASSEMBLEIA DE DEUS CEARENSE disse...

Como sempre o Mestre Altair com seus pensamentos, crônicas e opiniões bem abalizados. Parabéns meu amigo pelo artigo, excelente obra. Digna de uma Mestre. Pr. Jorge Luiz.

ALTAIR GERMANO, disse...

Caro amigo e pastor Jorge Luiz, provavelmente não estarei na AGO da UMADENE, mas fica aqui meus abraços aos amigos pastores do Ceará.

Abraços,

Jornal do Grande Recife disse...

O que vemos na maioria dos casos são assessores dizendo: "Assim seja, chefe". São os "assessores lagartixas", só balançam com a cabeça em sinal de aprovação. Uns fazem isso com medo medosesagradar ao chefe e se queimar com ele, outros por pura bajulação.