sexta-feira, 17 de agosto de 2012

A AUTORIDADE DE SAUL E A POPULARIDADE DE DAVI

E saía Davi aonde quer que Saul o enviava e conduzia-se com prudência; e Saul o pôs sobre a gente de guerra, e era aceito aos olhos de todo o povo e até aos olhos dos servos de Saul. Sucedeu, porém, que, vindo eles, quando Davi voltava de ferir os filisteus, as mulheres de todas as cidades de Israel saíram ao encontro do rei Saul, cantando e em danças, com adufes, com alegria e com instrumentos de música. E as mulheres, tangendo, respondiam umas às outras e diziam: Saul feriu os seus milhares, porém Davi, os seus dez milhares. Então, Saul se indignou muito, e aquela palavra pareceu mal aos seus olhos; e disse: Dez milhares deram a Davi, e a mim somente milhares; na verdade, que lhe falta, senão só o reino? E, desde aquele dia em diante, Saul tinha Davi em suspeita. (I Sm 18.5-9)

O nível de popularidade de alguém nem sempre corresponde ao seu nível de autoridade. O inversos também é verdade. Nem sempre o nível de autoridade de uma pessoa corresponde ao seu nível de popularidade. Na relação entre Saul e Davi isso fica bem claro.

Saul, na condição de rei de Israel tinha mais autoridade que Davi, mas Davi gozava de mais popularidade que Saul. Quando Saul e Davi voltaram de uma das batalhas contra os filisteus, as mulheres de Israel foram ao encontro do rei Saul celebrando a conquista, e neste momento, de forma clara, a popularidade de Davi foi de uma vez por todas evidenciada em forma de canção (I Sm 18.7). Davi não pediu, não buscou, não articulou, não desejou, mas aconteceu.

A reação de Saul diante do episódio foi de indignação, chegando ao ponto de ter Davi em suspeita, mesmo sem nenhuma razão ou motivo concreto. A fidelidade demonstrada por Davi não superou o ciúme de Saul por sua popularidade.

Há vários fatores que podem fazer com que um liderado alcance niveís de popularidade maiores do que o seu líder, e isso dentro da própria vontade de Deus. Se bem compreendida, tal realidade pode evitar desgastes desnecessários.

Da parte do liderado, é importante que ele entenda que deve submissão e respeito ao seu líder, e que a sua alta popularidade não modifica essa postura. Ser mais popular não coloca o liderado no mesmo nível de autoridade do seu líder, nem num nível maior, nem significa também que poderá ocupar o lugar (a curto, médio ou longo prazo) do seu líder. No caso de Saul e Davi isso aconteceu, mas não é regra geral. O liderado não deve se envaidecer, nem alimentar, por bem intecionados que sejam, os rios de elogios com os quais os seus admiradores lhe banham. Precisa administrar isso com humildade, e não tomar para isso a glória que pertence a Deus, que exalta a quem quer, e na dimensão que quer. Davi, na condição de liderado, e respeitando a autoridade de Saul, entendeu que diante da crise de seu rei o melhor a fazer era desenvolver a habilidade de se desviar de lanças (v. 11), e fugir, aguardando o tempo e o trabalhar de Deus em sua vida.

Da parte do líder, alguns cuidados diante de tais casos são também necessários. Ele deve administar a situação, e não temer, nem ter inveja ou ciúme da popularidade de seu liderado. Se dentro da vontade de Deus, vivendo uma vida de santidade, justiça e misericórdia, associada a uma boa e participativa administração, o próprio Deus trata de cuidar e proteger contra atos de rebeldia e traição os seus líderes, a quem sua autoridade foi delegada. O líder não deve alimentar conversas de pessoas mal intencionadas, que tentam convencê-lo de que o liderado mais popular está “armando” algo, ao ponto de que isso venha a desencadear suspeitas, além de uma ferrenha e injusta perseguição. Somente líderes inseguros ou mal influenciados agem como Saul agiu.

Para cada um dos seus filhos Deus tem um plano e um lugar no Reino. Ninguém deve correr em busca de popularidade, visibilidade, notoriedade, fama, etc. Deus é Senhor sobre tudo e todos, e dá isso a quem quer, estando seus servos em posição de maior ou menor autoridade.

O importante para líderes e liderados é estar na vontade de Deus, com a consciência tranquila, e fazendo aquilo para qual o Senhor os vocacionou. Não importa o nome que está na boca do povo em termos de popularidade, importa é que aprendamos a lidar com isso, e que entendamos que precisamos uns dos outros, mesmo estando em maior ou menor posição de autoridade, mesmo desfrutando de maior ou menor popularidade.

4 comentários:

Márcio Cruz disse...

EXCELENTE!!!

O Senhor te abençoe, nobre pastor!

Andreia Alves disse...

Paz e honra da parte do Senhor Jesus Pastor!
Muito pertinente sua mensagem,em uma situação como esta é necessário muita sabedoria divina, pois com a sabedoria humana a vaidade geralmente fala mais alto.
Deus o abençõe, paz!

Nordestino de coração disse...

Que a Paz do Senhor seja contigo !
Nobre Pastor,
Excelente e muito necessário este artigo prá Igreja Evangélica como um todo. Obrigado.

adm disse...

sou da congregaçao crista no brasil mas gosto muito de ler seu blog. Parabéns.