quarta-feira, 25 de julho de 2012

O CRENTE E O CAPITALISMO PARASITÁRIO: UMA REFLEXÃO SOBRE AS DÍVIDAS

Sem meias palavras, o capitalismo é um sistema parasitário. Como todos os parasitas, pode prosperar durante certo período, desde que encontre um organismo ainda não explorado que lhe forneça alimento. Mas não pode fazer isso sem prejudicar o hospedeiro, destruindo assim, cedo ou tarde, as condições de sua prosperidade ou mesmo de sua sobrevivência.”

Não adie a realização do seu desejo [...]. Desfrute agora e pague depois! Com o cartão de crédito você está livre para administrar sua satisfação, para obter as coisas quando desejar, não quando ganhar o suficiente para obtê-las. [...] Esta era a promessa, só que ela incluía uma cláusula difícil de decifrar, mas fácil de adivinhar, depois de um momento de reflexão: dizia que todo ‘depois’, cedo ou tarde, se transformará em ‘agora’. [...] Não pensar no depois significa, como sempre, acumular problemas.”

O que nenhuma publicidade declarava abertamente, deixando a verdade a cargo das mais sinistras premonições dos devedores, era que os bancos credores realmente não queriam que seus devedores pagassem suas dívidas. Se eles pagassem com diligência os seus débitos, não seriam mais devedores. [...] O cliente que paga prontamente o dinheiro que pediu emprestado é o pesadelo dos credores. [...] Para eles, o ‘devedor ideal’ é aquele que jamais paga integralmente suas dívidas.”

Resumindo: a atual ‘contração do crédito’ não é resultado do insucesso dos bancos. Ao contrário, é o fruto, plenamente previsível, embora não previsto, de seu extraordinário sucesso. Sucesso ao transformar uma enorme maioria de homens, mulheres, velhos e jovens numa raça de devedores. Alcançaram seu objetivo: uma raça de devedores eternos e a autoperpetuação do ‘estar endividado’, à medida que fazer mais dívidas é visto como o único instrumento verdadeiro de salvação das dívidas já contraídas.”

"Hoje, ingressar nessa condição é mais fácil do que nunca antes na história da humanidade, assim como escapar dessa condição jamais foi tão difícil. Todos os que podiam se transformar em devedores e milhões de outros que não podiam e não deviam ser induzidos a pedir empréstimos já foram fisgados e seduzidos para fazer dívidas."

Se o Estado assistencial hoje vê seus recursos minguarem, cai aos pedaços ou é desmantelado de forma deliberada, é porque as fontes de lucro do capitalismo se deslocaram ou foram deslocadas da exploração da mão de obra operária para a exploração dos consumidores. E também porque os pobres, despojados dos recursos necessários para responder às seduções dos mercados de consumo, precisam de dinheiro – não dos tipos de serviço oferecidos pelo Estado assistencial – para se tornarem úteis segundo a concepção capitalista de ‘utilidade’.”

Todas as frases acima são de Zygmunt Bauman, e foram extraídas do primeiro capítulo do seu livro Capitalismo Parasitário.

Sim, o capitalismo selvagem se alimenta de consumidores e devedores. “Rolar” a dívida é o produto “filé” dos cartões de crédito e dos empréstimos bancários, e não são poucos os crentes que se tornaram hospedeiros neste sistema parasitário.

As dívidas tiram a paz, provocam insônia, causam ansiedade e até desestabilizam famílias e casamentos. Contrair dívidas é algo que deveria ser evitado. O ideal é economizar para comprar, adiar a satisfação do ter, principalmente quando o objeto da possessão é algo supérfluo.

Há um texto bíblico que deveria ser observado e praticado, pois com certeza livraria os filhos de Deus do engano e das armadilhas do endividamento desnecessário:

A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei.” (Rm 13.8)

Um dos grandes fatores de endividamento do crente é a influência negativa de uma sociedade onde o “parecer que é” e o “parecer que tem” norteia os relacionamentos. A aparência, e não a essência é o que vale.

Somos a todo o momento bombardeados pelas propagandas e pelas grandes estratégias de marketing. O capitalismo selvagem não sobrevive sem compradores e devedores. Por isso, tentam nos convencer que os móveis, o carro, as roupas, a casa, o estilo de vida simples que levamos, tudo em nós é ultrapassado, precisa ser trocado.

Os bancos e as operadoras de cartões de crédito nos oferecem limites muito acima de nossa renda mensal. O objetivo é nos levar a entrar no cheque especial e no pagamento parcial das dívidas. Como já falado aqui, o capitalismo selvagem sobrevive de eternos devedores. Ele tentará nos oferecer tudo, todas as vantagens, todas as facilidades, para depois tirar tudo de nós, e ainda nos deixar devendo.

Sugiro a leitura do livro aqui citado, e acima de tudo, oro por uma tomada de consciência cristã que promova a libertação das dívidas parasitárias, e a superação do desejo da satisfação imediata, quando este pode ser inteligentemente e prudentemente adiado.

Nenhum comentário: