terça-feira, 3 de julho de 2012

A CAMINHO DE UMA CONFISSÃO DE FÉ AMPLIADA PARA AS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL

Em 02 de novembro de 2010 levantei pela primeira vez aqui no blog a questão sobre a necessidade de se discutir com mais profundidade e maturidade os fundamentos teológicos e doutrinários das Assembleias de Deus no Brasil. Os textos podem ser lidos nos links abaixo:

Por um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil (1)

Por um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil (2)

Por um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil (3)

Por um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil (4)

Por um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil (5)

Usei a terminologia “concílio”, mas deixei em aberto para que qualquer outro nome fosse dado, desde que resultasse em medidas urgentes, tendo em vista as várias divergências teológicas na denominação em questões que envolviam desde a cristologia até a eclesiologia.

Na época os artigos promoveram certo desconforto, o que é comum na perspectiva institucional, mas os propósitos dos mesmos estavam bem definidos. A ideia era provocar uma discussão e reflexão para o bem da denominação.

Levantei também aqui neste espaço, em 11 de outubro de 2011, a questão do nosso “Cremos” ou “Credo”, conforme link abaixo:

A Origem do “Cremos” das Assembleias de Deus no Brasil

Na ocasião escrevi:

Particularmente, sou a favor não apenas de um Credo nas Assembleias de Deus no Brasil, mas, de um documento mais amplo (Confissão de Fé), para minimizar a crise de identidade doutrinária que nos assola.

O fato, é que depois de um ano e seis meses dos artigos publicados aqui no blog, motivadas por várias questões, a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil resolveu aprovar a criação de uma Comissão Especial para tratar a questão. A informação pode ser lida no Mensageiro da Paz de Julho/2012, pág. 11, numa entrevista com o pastor Esequias Soares (presidente da Comissão de Apologética).

A Comissão Especial é formada pelos pastores do Conselho de Doutrina, Conselho de Educação, e Comissões Jurídica e de Apologética, além dos pastores Elinaldo Renovato (RN), Elienai Cabral (DF) e Claudionor de Andrade (RJ).

Aguardemos em oração o prosseguimento do processo.

Manterei os amados leitores informados sobre fatos novos.

Abraços!

2 comentários:

Raidson Jenner Negreiros de Alencar disse...

Amado Pastor Altair,

Creio que a questão da elaboração de uma confissão de fé seria urgente nas AD. Talvez isso atenue o caos teológico em que se encontra a nossa igreja totalmente vilipendiada pela doutrina neopentecostal e por aberrações e invencionices pseudo-cristãs. Que Deus possa dar sabedoria aos nossos líderes e nos guie na Sua vontade.

Victor Leonardo Barbosa disse...

Olá pastor Altair! Creio que o surgimento de uma confissão de fé pentecostal é de grande valor e pertinente e excelente, porém por certo sua elaboração deveria ser tratada cm muito cuidado em determinados pontos doutrinários, por exemplo, na questão do falar em línguas.

Muitos teólogos pentecostais defendem que as línguas em 1 Coríntios 14 são idiomas desconhecidos, outros afirmam que se trata de línguas desconhecidas na terra. Creio que tais minúcias são importantes de serem resolvidas, mas não deveriam ser tratadas dentro da confissão. Outro fato importante é acerca da doutrina da eleição. O calvinismo está crescendo mesmo dentro dos círculos pentecostais; creio que uma confissão de fé que definisse os assembleianos unicamente os arminianos poria uma desnecessária exclusão a outros que têm contribuído para a saúde da igreja.

Creio que nossa confissão deveria ser basear em confissões mais "abertas" Como a confissão de fé Helvética, e que tratasse temas pertinentes concernentes à igreja como povo e a ordem de culto, como por exemplo:

- Uma estrutura eclesiástica saudável e mais de acordo com o Novo Testamento (uma congregação com presbíteros, ou pelo menos então uma estrutura puramente congregacional, diferente da estrutura piramidal que temos hoje).

- Expurgo do pragmatismo existente em muitos cultos adolescentes (danças, teatros, e todo o culto carnavalesco de hoje).

- Expurgo do neopentecostalismo(e toda a teologia da prosperidade que se assenhoreia de nossos púlpitos com seus chavões, costumes perniciosos e ideologia triunfalista).

- Tratamento adequado (segundo o Novo testamento) do correto uso dos dons espirituais.


Um forte abraço e Deus o abençoe!