sexta-feira, 13 de julho de 2012

AS ÁGUAS DE MARA: A PROVISÃO DE DEUS DIANTE DA MURMURAÇÃO DO POVO DE ISRAEL

Junto aos poços de Mara, onde o povo de Israel murmurou por causa das águas amargas

Fez Moisés partir a Israel do mar Vermelho, e saíram para o deserto de Sur; caminharam três dias no deserto e não acharam água. Afinal, chegaram a Mara; todavia, não puderam beber as águas de Mara, porque eram amargas; por isso, chamou-se-lhe Mara. E o povo murmurou contra Moisés, dizendo: Que havemos de beber? Então, Moisés clamou ao SENHOR, e o SENHOR lhe mostrou uma árvore; lançou-a Moisés nas águas, e as águas se tornaram doces. Deu-lhes ali estatutos e uma ordenação, e ali os provou, e disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR, teu Deus, e fizeres o que é reto diante dos seus olhos, e deres ouvido aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma enfermidade virá sobre ti, das que enviei sobre os egípcios; pois eu sou o SENHOR, que te sara. Então, chegaram a Elim, onde havia doze fontes de água e setenta palmeiras; e se acamparam junto das águas. (Ex 15. 22.27)

O povo de Israel, depois de três dias dia de jornada, por não encontrar água, e se frustrando diante das águas amargas de Mara, adotou uma postura de murmuração. Num só momento todo o processo de libertação e de intervenção sobrenatural e poderosa de Deus foi esquecido. As pragas do Egito, o livramento do anjo da morte, a abertura do Mar Vermelho, a celebração pela grande vitória, nada foi considerado.

Quando murmuramos diante da adversidade, colocamos a integridade e a fidelidade de Deus em questão. Com os nossos sentimentos, pensamentos, palavras e ações declaramos que Deus não é tão bom o quanto parece ser. O ser humano tem uma facilidade muito grande de esquecer os grandes feitos de Deus.

Diante da murmuração do povo Moisés clamou ao Senhor, que lhe orientou mais uma vez. Deus sempre dará orientação aos líderes por Ele estabelecidos. Nos dias atuais há muitos líderes que não buscam mais a orientação de Deus. São soberbos e estão inchados de arrogância. A solução para aplacar a murmuração do povo veio de um ato de fé, através da utilização de uma vara, ou galho de árvore, que ao ser lançado nas águas tornaram-nas doces.

O Deus que nos libertou e que nos guia, sabe o melhor caminho para nós. Andar por fé é saber que na hora certa ele nos dará a provisão necessária. Ele cuidará de todo o suprimento em nossa jornada. Após o milagre realizado, a Bíblia nos narra que eles partiram para Elim, onde havia doze fontes de água (uma por tribo) e setenta palmeiras. Elim ficava, considerando as variantes dos estudos atuais, acerca de 50 a 200 km de Mara, ou seja, com mais um ou dois dias de viagem eles seriam supridos, porque o Senhor sabia por onde os conduzia. Não acontece o mesmo conosco? Murmuramos pelas situações amargas da vida, quando a solução de Deus já está bem próxima.

Deixemos qualquer manifestação de murmuração contra o Senhor, e no lugar disso tenhamos sentimentos e atitudes de celebração e gratidão, num ato de fé, que confia apesar de não perceber ou ver a solução que se encontra logo adiante.

O Deus que nos libertou é o mesmo que proverá dia após dia o nosso sustento. Guardemos e obedeçamos a sua Palavra, andando em fé e santidade para a sua glória.

Na graça do Pai,

Taba, Sul do Sinai, Egito, em 13/07/2012.

Um comentário:

Luis Alberto disse...

Paz do Senhor pastor,

Muitíssimo interessante e importante essas postagens da viagem.

Uma pergunta: nesse poço ainda há água? Ou já está seco ?

Deus abençoe

Pb Luis Alberto
Roseira - SP