sábado, 9 de junho de 2012

PROJETOS PESSOAIS E INSTITUCIONAIS DE PODER

Projetos pessoais e institucionais de poder não pensam o próximo, pensam as coisas.

Projetos pessoais e institucionais de poder não visam o bem de todos, mas de um grupo restrito.

Projetos pessoais e institucionais de poder não buscam os interesses do Reino de Deus, mas dos impérios particulares.

Projetos pessoais e institucionais de poder não unem, causam divisões.

Projetos pessoais e institucionais de poder não promovem edificação, mas destruição.

Projetos pessoais e institucionais de poder não se respaldam nas Escrituras, mas em estatutos.

Projetos pessoais e institucionais de poder são geralmente estabelecidos sobre os fundamentos da opressão, da exploração, do status, do privilégio e da visibilidade.

Projetos pessoais e institucionais de poder tentam se perpetuar ou serem alcançados na base da força, do vale tudo, da negociata, da injustiça, da compra, da mentira, da barganha, da briga, do grito, da vergonha, do escândalo.

Projetos pessoais e institucionais de poder promoverão o fracasso dos indivíduos e a falência das instituições.

Projetos pessoais e institucionais de poder não encontram em Jesus o referencial ou modelo, mas em Satanás.

Senhor, livra-nos da sedução e da ambição pelo poder!

3 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro amigo e pastor Altair Germano,

Onde posso assinar?

Parabéns!

Seu conservo,
Pr. Carlos Roberto

Marco Teles disse...

Olá Pr. Altair,

Amém ao que disse!

Realmente o institucionalismo particular (e não a instituição igreja de Cristo) é o que tem gerado mais desvios em nossas igrejas. Precisamos urgentemente de uma REFORMA nas igrejas genuinamente evangélicas contra isso.

Graças a Deus porque ele tem levantado homens de Deus com essa visão. Que Nosso Senhor nos abençoe para que tal visão transforme a ação da igreja em nossos dias.

Que Deus o abençoe!

O Assembleiano disse...

Pr Altair parabéns pelo tema;

Temos visto "PROJETOS PESSOAIS E INSTITUCIONAIS DE PODER" muito bem implementados, ao ponto de criar grandes impérios com uma forma de gestão hereditária que até os netos já aguardam o posto ora ocupado pelo avô.
Deus tenha compaixão de nós.