quarta-feira, 9 de maio de 2012

SARDES, A IGREJA MORTA. Subsídio para Lição Bíblica - 2º Trimestre/2012

A Fundação da Igreja em Sardes

Edificada sobre um promontório a 500 metros acima do nível do mar, quase inconquistável, Sardes teve um passado de glória, chegando a ser capital do reino de Lídia, e sinônimo de prosperidade e sucesso. Era uma grande fabricante de roupas de lã, próspera em comércio de produtos oriundos da agricultura. Em Sardes a deusa Ártemis era cultuada.

Assim como em Éfeso, Esmirna, Pérgamo e Tiatira, o Evangelho pode ter chegado naquela cidade através da obra missionária de Paulo (At 19.10), mas não devemos descartar a hipótese de que testemunhas e convertidos no dia de Pentecostes poderiam ter sido os primeiros a levar o Evangelho para aquela região (At 2.5-11).

A Condição da Igreja em Sardes

Ao anjo da igreja em Sardes escreve: Estas coisas diz aquele que tem os sete Espíritos de Deus e as sete estrelas: Conheço as tuas obras, que tens nome de que vives e estás morto. (Ap 3.1)

Em sua apresentação nesta carta, Jesus se revela de duas maneiras:

- Aquele que tem os sete espíritos. A expressão “sete espíritos” descreve a plenitude do Espírito Santo que é único. Não é por acaso que a plenitude do Espírito é aqui destacada. É o Espírito Santo quem dá plena vitalidade a uma igreja local. No Novo Testamento vemos o Espírito Santo atuando na igreja de várias formas, dentre as quais: Revestindo de poder (At 1.8; 2.1-4; 4.31), trasladando sobrenaturalmente (At 8.39-40), orientando na separação de obreiros (At 13.1-3), participando das decisões conciliares (At 15.28-29), direcionado as missões (At 16.6-10), distribuindo dons à igreja (1 Co 12.11). Ao mudar de atitude em relação ao Espírito, uma igreja local pode iniciar um processo de morte. Os passos para isso são geralmente os seguintes: Resistir ao Espírito (At 7.51), entristecer ao Espírito (Ef 4.30), extinguir /apagar o Espírito (1 Ts 5.19), blasfemar contra o Espírito (Mt 12.31-32).

- Aquele que tem as sete estrelas. Da mesma forma que no caso dos sete espíritos, as sete estrelas falam da plenitude do senhorio de Cristo sobre a sua Igreja. Ele é o Senhor absoluto sobre ela. A Igreja tem dono, e pode ter certeza que não é nenhum pastor ou líder nacional, regional ou local. Jesus não tem sócios na Igreja. Apesar de muitos na atualidade agirem como se fossem donos da Igreja de Jesus, na realidade, se portam (ou são) como donos das instituições religiosas por eles fundadas, herdadas ou dirigidas (igrejas locais). Essa postura inclui: Colocar o patrimônio físico da igreja (instituição) em seu nome, ou em nome de familiares e parentes, beneficiar-se financeiramente de forma absurda e escandalosa da igreja (instituição), além de beneficiar familiares, parentes e amigos, estabelecer o filho ou algum parente como sucessor, para assim manter os privilégios (afirmo que não há nada de errado quando os filhos ou parentes são devidamente qualificados para as funções ou divinamente vocacionados para o santo ministério, e quando não há interesse na manutenção de privilégios), ditar as normas, as regras, os costumes e a tradição da igreja (instituição), ameaçar aqueles que discordam de seus posicionamentos com cortes de salários, demissões, mudanças para campos, congregações ou trabalhos menores ou mais difíceis, perda de cargos e funções em mesas diretoras, supressão de oportunidades para ensino e pregação, etc. Os donos das igrejas (instituições) estão em toda parte, deitando e rolando, fazendo e acontecendo, se achando poderosos e irremovíveis.

Infelizmente, o quadro de saúde espiritual de Sardes tinha se agravado tanto que a igreja não estava mais em coma, e sim morta. Com cerca de 60 anos de fundação, a igreja chegou ao fundo do poço. Interessante é que a igreja mantinha a sua reputação de viva diante dos homens, mas diante de Deus, que não se engana com reputação, estava morta. Sardes se tornara esteticamente e aparentemente viva, mas espiritualmente e essencialmente morta.

Lições que Aprendermos com a Igreja em Sardes

As Assembleias de Deus no Brasil, assim como a igreja em Sardes, gozam de uma grande reputação nacional. Grandes e majestosos templos, excelentes estruturas, escolas, faculdades, hospitais, abrigos, creches, etc. Tudo isso sinaliza para uma boa condição financeira e econômica. No campo político já consegue espaço com vários representantes no legislativo e executivo. Juízes, promotores, advogados, médicos, engenheiros, administradores e educadores são encontrados entre pastores e membros da igreja. A maior igreja evangélica no Brasil impõe respeito aos de dentro e aos de fora.

Sua história, assim como a história das igrejas da Ásia Menor, foi marcada pelo poder atuante do Espírito, pelo ensino bíblico ortodoxo, pela marcante evangelização, pelo dedicado discipulado, pela fervorosa e sincera adoração, pela maravilhosa comunhão e por outras características e ações de uma igreja genuinamente cristã.

Assim como Sardes, e como qualquer outra igreja que já experimentou grandes momentos em sua história, não podemos de maneira alguma descuidar. Foi por isso que Jesus advertiu a igreja em Sardes com as seguintes palavras: “Sê vigilante e consolida o resto que estava para morrer, porque não tenho achado íntegras as tuas obras na presença do meu Deus”. (Ap 3.2)

É preciso estar atento e aprender com a história. Em 214 a.C, Antíoco o Grande, rei da Síria, enviou seus exércitos contra Sardes. Seus soldados escalaram os muros desprotegidos e capturaram quase que de forma idêntica ao que os guerreiros persas fizeram em 546 a.C. Semelhantemente, a igreja em Sardes não cuidou dos seus “muros”, permitindo que fossem escalados, para ser invadida, dominada e influenciada negativamente, promovendo morte. Não foi assim também com a história mundial da igreja? Já não lemos e testemunhamos em continentes, países, estados, cidades, distritos e bairros de igrejas locais que nasceram, experimentaram a plenitude da vida no Espírito, adoeceram e morreram?

Enquanto denominação evangélica, em que somos melhores que tais igrejas? Sendo assim, se não ficarmos alertas, também morreremos. Já há sinais de morte em vários lugares, mas temos vida do Espírito ainda presente em várias congregações. A ordem é para fortalecer as pessoas e aquilo que de bom ainda há na igreja. Não nos basta ser uma grande igreja, é preciso ser uma igreja de obras perfeitas. Quantidade sem qualidade não tem valor no Reino de Deus.

Lembra-te, pois, do que tens recebido e ouvido, guarda-o e arrepende-te. Porquanto, se não vigiares, virei como ladrão, e não conhecerás de modo algum em que hora virei contra ti. (Ap 3.3)

A ordem para a igreja em Sardes foi “lembra-te” (gr. mnemoneue). No grego o verbo se encontra no modo imperativo, no tempo presente e na voz ativa, ou seja, implica em uma ordem de Jesus que deveria ser cumprida durante todo o tempo pelos crentes em Sardes. A constante lembrança daquilo que recebemos e aprendemos é fator essencial para não entrarmos num processo de morte.

Assim como no caso de Éfeso, o arrependimento é também exigido. O arrependimento que possibilita novamente o perdão e aceitação de Deus é mais do que simples verbalização de frases prontas e impressionistas. O termo grego para “arrependimento” aqui se deriva de metanoeo, que implica em mudança de pensamento ou mentalidade que resulta em mudança de sentimentos e atitudes. É uma mudança plena de uma condição que desagrada a Deus, para uma outra condição de o alegra. Arrependimento é tristeza diante do pecado, e não simples remorso (2 Co 7.10).

Tens, contudo, em Sardes, umas poucas pessoas que não contaminaram as suas vestiduras e andarão de branco junto comigo, pois são dignas. (Ap 3.4)

Como bem colocado por Kistemaker: “Entre as cinzas do fogo se encontram uns poucos tições fumegantes, que com um lufada de vento arderão em chama”.[1]

No grego, lemos literalmente “tens poucos nomes” (echeis oliga onomata), o que implica na ideia de que o Senhor conhece os seus individual e nominalmente (Is 43.1). Esse pequeno grupo de crentes em Sardes não se dobrou diante do secularismo, do pluralismo religioso, nem do relativismo moral vigentes. A pureza e santidade dos tais foram simbolizadas pelas roupas de cor branca. Sim, é possível viver em meio à corrupção espiritual e moral, e mesmo assim manter as vestes limpas e incontaminadas. Tal condição é indispensável para andar, caminhar lado a lado com o Senhor.

Para aqueles que se enquadram no perfil do remanescente fiel da igreja em Sardes, fica a promessa:

O vencedor será assim vestido de vestiduras brancas, e de modo nenhum apagarei o seu nome do Livro da Vida; pelo contrário, confessarei o seu nome diante de meu Pai e diante dos seus anjos. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. (Ap 3.5-6)


[1]KISTEMAKER, Simon. Apocalipse. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p. 204.

Nenhum comentário: