quinta-feira, 26 de abril de 2012

A INFANTILIZAÇÃO DA VIDA CRISTÃ


A primeira infância na vida de um ser humano é marcada por um forte sentimento egoísta. Ao nascer, a criança deseja para si o amor, a atenção, a proteção dos pais e o peito da mãe. Tudo caminha relativamente bem, até que ela toma consciência que o amor da mãe, expresso e manifesto de todas as formas possíveis, não é apenas seu. Esse amor “exclusivo” precisa ser dividido, compartilhado, repartido. O nascimento de um irmão mais novo, ou a tomada de consciência da existência de um irmão mais velho, com certeza desencadeará o ciúme, a rivalidade e a competitividade entre irmãos, que se manifestarão das mais diversas formas, podendo ir do sentimento de ódio ao ato homicida. Mais do que uma teoria psicológica ou psicanalítica, o fato é encontrado nas primeiras páginas do livro do Gênesis.

Em Gênesis 4.1 a Bíblia nos relata o nascimento de Caim. O primogênito de Adão e Eva gozou de todos os privilégios, de toda a atenção, de toda a proteção, de todos os cuidados, de todos os mimos, de todos os abraços, do peito, do colo, do afago, do amor. Tudo, na própria concepção da criança Caim era dele e para ele. Foi a partir de Gênesis 4.2 (considerando o nascimento de Abel subsequente ao de Caim), que as coisas começaram a mudar para Caim. Tudo que pertencia a Caim, como citado acima, teria que ser repartido com o seu irmão. Com certeza, os sentimentos que afloraram em Caim não foram diferentes daqueles que nos dominavam na infância, quando queríamos que aquele ou aqueles que “roubavam” de nós os privilégios e a exclusividade não existissem, ou pelo menos, que estivessem bem longe.

Na primeira infância, não apenas sentimos tais coisas, mas somos por elas também movidos a agir, de forma que o ciúme e o ódio se manifestam em palavras e atos agressivos. Quem nunca tomou um brinquedo seu da mão do irmão? Mordidas, beliscões, tapas e socos nortearam o comportamento de muitas relações entre irmãos que se percebiam como rivais, que lutavam pelo direito de exclusividade e propriedade das mesmas coisas.

Caim perdeu a exclusividade do amor dos pais, e inclusive, na condição de filho, da adoração a Deus. Tudo que possuía teria que dividir com Abel.

Na medida em que envelhecemos, estes sentimentos infantis que geram disputas tendem a ser superados, ou ao contrário, podem nos dominar e serem reproduzidos nas mais diversas formas de relacionamentos adultos. Nesse caso, nem sempre a idade adulta cronológica é sinônimo de maturidade psicológica.

Em Abel não havia maldade ou algum desejo de usurpar o que era de Caim. O irmão mais novo só queria o seu espaço. Deus se agradava de Abel:

Abel, por sua vez, trouxe das primícias do seu rebanho e da gordura deste. Agradou-se o SENHOR de Abel e de sua oferta; (Gn 4.4).

Caim ganhava anos de vida, mas seus sentimentos e emoções permaneceram os mesmos da infância, sempre lutando por aquilo que entendia ter sido roubado ou tomado por seu irmão. Deus, em razão disso, não se agradava de Caim:

[...] ao passo que de Caim e de sua oferta não se agradou. Irou-se, pois, sobremaneira, Caim, e descaiu-lhe o semblante. Então, lhe disse o SENHOR: Por que andas irado, e por que descaiu o teu semblante? Se procederes bem, não é certo que serás aceito? Se, todavia, procederes mal, eis que o pecado jaz à porta; o seu desejo será contra ti, mas a ti cumpre dominá-lo. (Gn 4.5-7).

No colo, no peito e nos braços da mãe há lugar para todos os filhos. A atenção, a proteção e a provisão do pai, da mesma maneira, são também suficientes para todos. Mesmo em tempos de escassez, os pais tratam de dividir com os filhos tudo por igual. O ciúme e a rivalidade alimentados por Caim culminaram com um sentimento e um ato homicida (Gn 4.8).

As manifestações de rivalidades e contendas que vivenciamos ao longo de nossa vida adulta, mas nem sempre madura, geralmente são reproduções destes sentimentos de nossa primeira infância. É neste sentido que Paulo escreve aos coríntios:

Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo. Leite vos dei a beber, não vos dei alimento sólido; porque ainda não podíeis suportá-lo. Nem ainda agora podeis, porque ainda sois carnais. Porquanto, havendo entre vós ciúmes e contendas, não é assim que sois carnais e andais segundo o homem? (1 Co 3.1-3)

Percebam que Paulo associa os ciúmes e as contendas ao fato dos irmãos em Corinto serem “crianças em Cristo” disputando coisas, lugares e preferencias. Nos dias atuais as coisas não são diferentes, e encontramos ainda “crianças em Cristo” na igreja disputando cargos, posições e privilégios.

Uma relação transferencial acontece, onde os sentimentos que se tinham pelo pai são direcionados para Deus Pai e para o pastor-pai, e o sentimento que se tinha pela mãe, para a Igreja-mãe. Dessa maneira, as “crianças em Cristo” disputam a preferência, a atenção, a provisão e a proteção do Deus Pai e do pastor-pai, e a exclusividade do peito, dos braços, do colo e do amor da Igreja-mãe.

Ao percebermos que isso não é possível, e que precisamos dividir com os outros irmãos na fé estas coisas, os instintos infantis brotam, e a velha e infantil rivalidade, briga e intriga ressurge. Podemos, inclusive, desejar a distância e a morte dos nossos irmãos na fé.

O amadurecimento na vida cristã implica em entender que o Deus Pai, o pastor-pai e a Igreja-mãe têm amor e lugar para todos os filhos. Não precisamos ser irmãos rivais e competidores, mas leais e cooperadores. Precisamos ainda ajudar, consolar, socorrer, incentivar, apoiar e servir uns aos outros. Não devemos alimentar o ciúme e ódio infantil pelo fato de alguns irmãos ocuparem certos lugares e possuírem determinados dons e talentos. Completamo-nos através do que a cada um foi concedido em Cristo e pelo Espírito.

Alcancemos assim a varonilidade perfeita, a maturidade (gr. teleios), a medida da estatura da plenitude (gr. pleroma) de Cristo (Ef 4.13). Vivamos em unidade, harmonia e em comunhão, para o louvor e a glória de Deus. Seguindo a verdade e o amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo (Ef 4.15).

3 comentários:

Annylú Aragão disse...

O processo da "castração" não funcionou muito bem na vida de Caim(rsrs), esse é o grande exemplo(bíblico) de como o contexto social influência ou não para satanas agir nas nossas vidas, por isso que muitos dizem: "nem tudo é o inimigo", pq nós(PESSOAS) nos direcionamos ou não, por uma escolha particular ao abismo ou a céu; E falando da psicanalise, só pra constar, Deus Ele é um ser que age de uma forma atualizante em nossas vidas(ACP:ABORDAGEM CENTRADA NA PESSOA)ou seja, mesmo que a teoria de Freud seja correta, e que na infância definimos a nossa estrutura(neurótica/psicótica/perversa) Deus Ele é soberano o suficiente para modificar essa estrutura e nos padronizar a estrutura do Próprio(dele mesmo); Fica a dica, não há nada mesmo no contexto social, biológico, psicológico, etc, que Deus não possa intervir, transformar, e da um novo rumo, uma nova ESTRUTURA, isso é uma questão de decisão, minha e sua; ;)

Esse é meu comentário pastor, apenas uma continuação do que vc já falou; rs;

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezada Annylú, grato pela contribuição e comentário. Que o Senhor venha a usar jovens psicólogos cristãos para o louvor da sua glória!

kassia disse...

Belo pensamento!! E bela analogia da infância com as 'crianças em busca da maturidade!! É válida a grande contribuição da psicanálise nesse processo de maturação, identificação e constituição do sujeito. No âmbito estrutural (que de acordo com esse saber é uma questão irreversível) como também em relação à dinâmica dessa estrutura, que pode e ocorrem mudanças ao deparar-se com a cultura, e com os limites. Para além de uma decisão pessoal, falamos de um DEUS que fez A ESTRUTURA. "Pois ele conhece a nossa estrutura; lembra-se de que somos pó" Salmos 103.14. "Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe; e no teu livro todas estas coisas foram escritas; as quais em continuação foram formadas, quando nem ainda uma delas havia” Salmos 139:16. Primeiro, temos a proposição de uma verdade da ciência que procura compreender e ajudar o sujeito a fazer essas mudanças de posição e auxiliar que ele alcance essa ‘maturidade’ discutida no texto. Que ele seja sujeito de desejo, capaz de assumir os prós e contras de todas suas decisões. Em contrapartida temos o Deus onisciente, o conhecedor de todas as coisas, que fez o sujeito desta maneira ‘estrutural’ se assim posso inferir. Nosso desafio enquanto cristãos é justamente desenvolver a habilidade de uma auto análise (solitariamente ou não) reconhecendo nossas próprias limitações e lugares de acomodação. A transferência é comum acontecer, e que bom que aconteça! Mas que em todos os nossos pensamentos esteja encharcado o desejo de crescimento (pessoal, espiritual, ministerial, emocional, etc) E que este não impeça o desenvolver de outros. Mas que o nosso trabalho, voz e força sejam para cumprimento do projeto determinado por Deus (aquele a quem nos fez e nos conhece) e para o cumprimento de todas as suas leis e mandamentos. E não vos esqueçais: ameis uns aos outros! Com o Deus que nos conhece e nos move estruturalmente, dinamicamente, que nos fortalece através da sua palavra e com a auto busca de crescimento possamos, pois, ser frutos de amor para o seu bem!!