sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

DÍZIMOS E OFERTAS. Subsídio para Lição Bíblica

Segue abaixo links de textos publicados neste blog sobre o tema "Dízimos e Ofertas":

Malaquias e o Dízimo

Dízimos e Ofertas - Uma disciplina abençoadora

Dízimos e Ofertas - Uma disciplina abençoadora (2)

Dízimos e Ofertas - Uma discilina abençoadora (3)

Boa aula!

11 comentários:

SEMADESGA disse...

muito obrigado Altair Germano por estes temas

T.Mendes disse...

A Paz do Senhor Pastor Germano,
Bem gostaria de contribuir com comentários interessantes a respeito desta Lição próxima, a saber:
- Existia um dízimo para sustentar os Levitas que não tinham herança em Canaâ(Lv 27.30-33);
- Um dízimo do produto da patrocinava festas em Jerusalém(Dt 14.22-27);
- Um dízimo do produto da terra arrecadado eram destinados aos órfãos , viúvas e estrangeiros(Dt 14.28,29;26.12,13).
Malaquias 3.5, o Senhor diz que julgará os que oprimem órfãos , viúvas e estrangeiros(desamparados).Estes eram dignos de receberem.Por reter os dízimos, Israeloprimiu estes três grupos. Deus se opôe a opressão aos pobres.
Não há dúvida quanto ao sustento do clero hoje na igreja, porém,quem seria este grupo "oprimido" que tem legalidade em receber os dízimos?
Tiago 2.14-16 identifíca-os como "nus"?Irmãos em prova(não preguiçosos), afinal, quem tem acesso ao alforje?
Prioridades. Aigreja necessita hoje de rever suas "prioridades".
Já tem cerâmica, porque gastar com porcelanato?Porque comprar instrumentos caros se existe o "roncar do estômago" no interior da igreja, ou "quão bom os irmãos vivam em união restringe-se a presença de 100% na congregação?
Não concordei o fato de utilizar o autor nobre, de Joel 2.25 para justificar uma heresia combatida na lição anterior(barganha). Ora, o contexto de restituição nesta passagens tem haver com o fato de Israel se arrepender (chamado está em Joel 1 e voltar-se para o Senhor)que aí sim sairíam do caiveiro e teriam as terras tomadas pelos gafanhotos, nada com o fato de terem dizimado para restituir as perdas.
Bem, dizimo por amor a obra, por acreditar que um dia não precisará um membro pagar revista, que o gasto com embelezamento de material caro de construção e acabamento seja destinado a cursos profissionalizantes aos jovens da igreja, cestas básicas não seja necessário adquirílas com mais campanhas e tosqueneamento de ovelhas,enfim, assim como as pessoas tem fé em muralhas derrubadas, tenho fé que os dízimos não são para que Deus seja chamado de "juros de banco", pois o que Ele deu nenhum dinheiro paga - Rm 5.8.
Espero ter contribuído.
A Paz.

Allam Jonh disse...

Caro T.Mendes gostei da sua abordagem.

Valdomiro Filho disse...

A doutrina do dízimo é uma de nossas contradições. Na ausência de ordenança à Igreja por Jesus e seus apóstolos fazemos uso do prescrito na Lei. Ou seja, a Lei foi cravada na Cruz, mas o dízimo que, em Malaquias é parte da lei, não foi cravado. E além de não ter sido cravado foi adaptado para a modernidade. A legislação bíblica sobre o quê dizimar é bem especifica e a quem dizimar também, mas o detalhamento é ignorado por nós; só usamos o "mandamento" em linhas gerais, ou seja, parte do mandamento (tropeçamos na outra parte). Alguns citam Mt. 23.23 e se esquecem a quem Jesus falou isso e quando: Aos fariseus, portando israelitas e antes da cruz, portanto quando a lei ainda estava em vigor (Lei que ele veio cumprir). Na mesma linha Jesus dá mandando ao leproso para apresentar a oferta que Moisés ordenou e nem por isso tal orientação significou transposição daquele mandamento à igreja. Como disse nosso irmão T. Mendes, a barganha que condenamos na lição anterior é usada nesse para este, fugindo do princípio neotestamentário de dar com liberalidade.
Bem, tem muito o que falar, mas vou parar por aqui.
Na Paz!

Amar EBD - Nossa Missão disse...

A paz do Senhor Pr. Altair. Esses comentários são de grande importancia para todos nós. Olhar os 2 lados da questão nos faz ter mais base para sermos dizimistas fiéis, pois tudo que temos vem do SENHOR. Aproveitei para postar em nosso blog. Faça uma visita: http://amarebd.blogspot.com/

Tiago Rosas disse...

Ilustre Pr. Altair,

Lamentavelmente quanto a mordomia dos bens ainda somos muito ignorantes, principalmente no que tange a dízimos e ofertas. Ignorância por falta de conhecimento, e ignorância por falta de educação e bom trato mesmo! E são muitas as incoerências em torno desse tema, dentre elas destaco:

"O dízimo não é obrigatório, deve ser voluntário" X "Se você não dá o dízimo você está roubando ao Senhor!" - ora, como algo pode ser voluntário se eu sou ladrão por não fazê-lo? Ou é voluntário ou é lei!

"O Novo Testamento não estipula um valor para contribuição" X "O Novo Testamento ordena a entrega do dízimo (10%)" - Ora, se o N.T. ordena a entrega do dízimo, logo o N.T. ordena a entrega de um valor mínimo mensal determinado!

Mas o meu lamento mesmo é porque quando tratamos desse tema só olhamos um lado da moeda: a "obrigação" do dar, pagar, entregar (ou outro verbo como entenderem melhor...). O crente que não paga o imposto mínimo dos 10% é infiel, indisciplinado, avarento, ladrão e outros adjetivos mais. "Ou dá ou desce!" Essa máxima é comum em nossas igrejas. Agora, estou pra ver uma lição, pregação, aula, palestra intitulada "Onde e como aplicar as contribuições dos fiéis", "Para onde vai nosso dízimo". Disso não se fala, é até deselegante tocar nesse assunto. Já ouvi de pastores a seguinte afirmação: "não importa pra onde vai seu dízimo, meu irmão; importa que você dizime!". Como assim? Sou membro de uma igreja, dou generosamente minha contribuição numa congregação e não me importa em que esse dinheiro será investido?! O que faremos com os milhares de crentes passando necessidade, enquanto colocamos piso de granito, púlpito de mármore e condicionadores de ar de última geração em nossos templos? O que diremos ao ex-dizimista fiel agora desempregado que necessita de uma feira, enquanto fazemos campanha pra comprar microfone sem fio pra igreja? Que perspectiva daremos aos irmãos que não tem 6 reais para comprar uma Revista da EBD, enquanto gastamos rios de dinheiro para equipar a igreja com uma banda eletrônica sofisticada? O que de fato é "mantimento na Casa do Senhor"? Em que dicionários foram parar as noções de "supérfluo" e "necessário"?

E mais uma vez vêm as conveniências, os corporativismos, a ultraortodoxia... Queria que alguém me explicasse com sinceridade o que Jesus disse em Marcos 7.10-13. Parece que não há interesse em ensinar essa verdade.

Paz.

T.Mendes disse...

Eita Glórias! Irmão Thiago, taói um tema que a dez anos comento na igreja e só escuto "silêncio".Insistem que sejamos igual a igreja primitiva sendo que o que eles arrecadom colocado em seus pés, não distribuem aos a necessitados Atos (4.34,35).
O problema da revista , não aqui querendo desmerecer José Gonçalves tendo em vista ser corajoso com o tema do Evangelho da prosperidade, é que foi um tanto superficial em alguns capítulos e sem foco no tema na lição de dízimos.
"PARA ONDE DEVEM IR" analogamente ao raciocínio do autor da revista, deveria ser ensinado. Mas enquanto isso,deleitam-se em churrascarias caras com a arrecadação.
Olha , quem assistiu ontem a sentença de morte de um pastor em um pais islâmico?Ele teria sido abonado da pena se regresasse a religião original. Negou três vezes e foi condenado.
Enquanto isso, muitos "brincam" de visitar Jerusalém , deixam de pregar Coríntios cap 7 ao vivo, para realizar em Caldas Novas encontros inesquecíveis de casais para acabar de vez com brigas mas aueles irmãos pobres sabe como é, meditam no chuveiro quente, Orar sem cessar é substituído por 4, 5, 8 quintas, ou sextas especiais, é o capim comendo o boi, é o evangelho da prosperidade, o crente está mais materialista do que quando era ímpio (1 João 2.16,17).
A PAZ A TODOS.

Furlaneto-Cerquilho disse...

Paz para todos!
POR QUE SERÁ QUE,SEMPRE QUE TEMOS A OPORTUNIDADE DE FALAR,APROVEITAMOS PARA CRITICAR?????????SE CADA UM QUE NÃO TIVESSE NADA DE BOM PARA ACRESCENTAR FICASSE CALADO,POURARIA NOSSOS OUVIDOS DAQUILO QUE TODOS NÓS SABEMOS!E NÃO PERDERÍAMOS O ESPAÇO QUE NOS FOI CONCEDIDO DE ACRESCENTAR ALGO DE BOM A UM MUNDO TÃO RUIM!
ALIÁS,LEMBRANDO:
De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus.
Romanos 14:12

T.Mendes disse...

Irmão Furlaneto, leia 1 Tm 4.16. Paulo não estava criticando, Paulo estava ALERTANDO! A "crítica" que você vê pode ser interpretada na Bíblia como "acautelai-vos", "quem tem ouvidos,ouça",e aí vai.
Considero este Blog uma oportunidade SÉRIA e assim agradecemos a Deus pela misericórdia na vida do Pastor Germano por esta abertura.
"Algo de bom" a qual o irmão se refere, ao meu ver, na Bíblia, nas Palavras de Cristo,não poupava vocabulários para "criticar" legalistas, lobos tosqueneadores, demônios que distorcem a palavra para que a humanidade perca a salvação. Lembre-se que moderação não é omissão.Ética nós temos, porém nomes não são citados aqui para não comprometer o Blog mas as doutrinas, essas não omitimos.A próxima lição é sobre Apocalipse e pouco dos fins dos tempos.Oportunidade para falar, desabafar um assunto "pouco falado, afinal, sermão profético não tem pesado nas balanças esses últimos dias em prol de pregações motivacionais,campanhas materialistas,cultos que parecem consultório humanista e pouca ,pouca Bíblia.
A Paz do Senhor

Edinei Siqueira disse...

Algumas ponderações acerca do dízimo.


- Onde acharam esta expressão"dizimista fiel" na Bíblia?

- Quer dizer que se alguém ficar um mês sem dar o dízimo ele é dizimista infiel? Será que vão criar um SPC gospel?

- É fácil chamar os crentes que não dizimam de "ladrões" com base em Ml. 3:8, mas quem está roubando quem mesmo?

- Onde está escrito que para ser ordenado ao ministério é preciso ser dizimista?

- Esses argumentos: "O dízimo é antes da lei" e "Tudo que temos é de Deus" já caducaram. Quem conhece a Bíblia não cai nessa lábia.

- Ml. 3: 10 é para a igreja? Então porque não guardam o sábado também?

- Se Ml. 3: 10 é para a igreja, porque os pastores estão divorciando de suas esposas? Ml. 2:16 não é para a igreja também não?

- Se Ml. 3: 10 é para a igreja, onde está o mantimento?

Pb. Edinei

Reginaldo Barbosa disse...

Sou grato a Deus por esta lição que veio me abrir os olhos para algumas verdades a respeito do dízimo :

É notório e triste que em algumas igrejas a DIZIMOLATRIA impera de forma explícita e descarada, pois a Bíblia chama o dinheiro (Mamom) de um deus. Nestes últimos dias Jesus deixou de ser o tema central nos sermões. Também, não mais ouvimos falar da necessidade de santificação e regeneração, mas assuntos relacionados a finanças têm sido exaustivamente ensinados nos púlpitos, e, diga-se de passagem, com incoerência e fora da hermenêutica bíblica. Citam-se textos isolados, sem atentarem para o contexto, modificando totalmente a mensagem que aquele texto realmente ensina.

Concordo que a igreja e a obra do Senhor precisem de dinheiro para sua sustentação, o que faço contribuindo com muito amor, mas não concordo que seja explorando a boa fé de muitos que não tem acesso ao conhecimento. Para defenderem essa prática, muitos apresentam a imagem de um Deus cruel e insensível, que a primeira falha na entrega do dízimo, envia espíritos malignos para atormentar e acabar com tudo o que o “infiel” possa ter.

Que Deus abra os olhos de seu povo.