segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

TEOLOGIA DA PROSPERIDADE E DA VITÓRIA FINANCEIRA: MEU PRIMEIRO MILHÃO


6 comentários:

xavier campos joaquim disse...

Essa doeu!!
Promessa de 1 milhão não chega,mas os milhões estão entrando.

Emmanuel Martins disse...

Paz do Senhor Pr. Altair!
Olha eu aqui!
Quando for possivel faça uma visita em meu blog:
http://pregadoremmanuelmartins.blogspot.com/

Newton Carpintero, pr. e servo disse...

Bem antes era de almas... antes de ontem por milhões de reais... ontem por um avião... amanhã por DIVÓRCIOS.

Os pastores estarão passando por uma das maiores provas de sua vida: A MENOPAUSA DA ESPOSA.

E muitos, conheço um que já trocou, a sua de 30 anos de casado por uma de 34 anos de idade.

Vigiar e orar!

O Senhor seja contigo, nobre pastor,

O menor de todos os menores.

Elisomar disse...

As almas que se quiserem vão pro beleleo. rsrs

CRISTO BREVE VOLTARÁ disse...

QUERO COMPARTILHAR

Capitalismo Evangélico ou Gospel

A grosso modo, capitalismo é a influência ou supremacia do capital ou do dinheiro. Em outras palavras, é um sistema pelo qual alguém investe capital ou dinheiro numa atividade produtiva com o objetivo de gerar lucros. Mas, qual a relação que isso tem com o Evangelho?
Bem. Com o Evangelho genuinamente bíblico, nenhuma; contudo, com o evangelho que muitos pregam em nossos dias, há uma intrínseca convivência. Lamentavelmente, o Evangelho tornou-se para um grande número de pessoas, num meio totalmente eficaz de enriquecimento, numa fórmula perfeita de ascensão financeira.
Grandes empresas, principalmente do ramo fonográfico e editorial, que nunca nutriram nenhum vínculo que o povo de Deus, infiltraram-se no meio evangélico, buscando dessa forma ampliar seus lucros; atingir um “mercado” em fase de expansão, afinal só no Brasil somos mais de 20 milhões! Utilizam-se do Evangelho de forma, muitas vezes, inescrupulosa, bombardeando os crentes com um marketing estrategicamente elaborado, fazendo uso de uma linguagem cristã, dando uma roupagem aparentemente evangélica ou gospel aos seus produtos. É comum ouvirmos falar de “Plano de Saúde Evangélico”, “Cartão de Crédito Evangélico”, “Shopping Evangélico” etc. Em um periódico, uma agência de turismo anunciava uma excursão à “Disney Gospel”. Até Sindicato de Pastores já foi cogitado entre nós! O capitalismo, sob uma camuflagem cristã, penetrou no seio da igreja, conduzindo muitos crentes ao consumismo exacerbado e ao materialismo desenfreado. O desejo pela prosperidade financeira suplanta, em algumas denominações, o anseio pela intimidade com Deus. E o pior: a ambição pelo dinheiro ganhou respaldo bíblico. Fazem uso da Bíblia para justificar suas doutrinas de prosperidade. O dízimo, que deveria ser dado com o intuito de manter a obra de Deus, tornou-se numa espécie de “investimento” ou numa “fórmula mágica” para se obter dinheiro de Deus: “Se você der tudo, receberá em dobro”, dizem alguns; e outros: “O diabo segura a carteira do crente para ele não dar oferta”.
A famigerada Teologia da Prosperidade, que é motivo de controvérsia entre as diversas denominações evangélicas, ganhou terreno e já é naturalmente aceita por inúmeras igrejas. Em muitos casos é utilizada de forma apelativa, como um chamamento para os que enfrentam algum tipo de dificuldade financeira ou males físicos: “Se Jesus estivesse entre nós, hoje, ele sairia num Boeing particular e compraria emissoras de rádio e televisão para pregar o mais rápido possível a sua Palavra”, foi o que afirmou um pastor ligado ao movimento. Para muitos que compartilham essas idéias, Jesus foi um grande milionário e até usava roupas de grife. Frases tais como “eu peço”, “eu clamo”, “eu imploro”, “eu suplico” foram substituídas por “eu exijo”, “eu decreto”, “eu determino”, “eu reivindico” etc.. São, no dizer de um escritor cristão, os “super-crentes”, àqueles que podem tudo, que estão sempre “amarrando satanás” e que, aparentemente, estão isentos dos dissabores da vida. Quando algumas pessoas ricas chegavam para Jesus, como é o caso de Zaqueu e do jovem rico, foram motivados por ele a dividirem seus bens com o próximo. A Igreja primitiva tinha esse hábito. Diz a Bíblia que os irmãos prósperos dividiam com os menos favorecidos socialmente os seus bens. Que o Senhor tenha misericórdia!

PB. JOÃO PEDRO - CARPINA - PE

Edinei Siqueira disse...

Pb. João Pedro,

Assim não dá, você disse tudo que eeu gostaria de dizer. kkkkkkkkk

Valeu irmão!

Pb. Edinei, Th.B