sexta-feira, 30 de setembro de 2011

PALESTRA TEOLÓGICA NA FAFITEAL (UMA IGREJA COM SAÚDE: DESAFIOS ATUAIS PARA O TEÓLOGO PENTECOSTAL)

PALESTRA TEOLÓGICA NA FAFITEAL - FACULDADE DE FILOSOFIA E TEOLOGIA DE ALAGOAS

Amanhã, se Deus quiser, estarei ministrando na Faculdade de Filosofia e Teologia de Alagoas - FAFITEAL sobre os temas: "O Batismo com o Espírito Santo: perspectivas sob um olhar crítico do pentecostalismo clássico" e "Uma Igreja com Saúde: Possibilidades e desafios atuais para o teólogo pentecostal" .

As palestras acontecerão nos períodos da manhã (9h00) e tarde (14h00).

A FAFITEAL fica na Av. Cleto Campelo, s/n, Jacintinho - Maceió-AL, fones: (082) 3320-1810 e 3320-6286.

Abraços e paz do Senhor.

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

A BÍBLIA PARA O JOVEM: LANÇAMENTO DO TEMA PARA O DIA DA BÍBLIA - 2011 EM RECIFE-PE


Pastores, líderes de jovens, autoridades, funcionários da Secretaria Regional da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), grupo e dirigentes de Casas de Recuperação, estiveram presentes no lançamento do tema para o Dia da Bíblia deste ano (2º domingo de Dezembro). O evento foi realizado nas dependências do Seminário de Educação Cristã (Recife-PE).

Além da divulgação do tema deste ano "A Bíblia para o Jovem", foi também apresentado o hotsite www.diadabiblia.org.br e anunciado as festividades em Recife -PE, que inclue uma grande celebração no marco zero (Recife), no dia 10/12 (sábado), às 18h00.

Para maiores informações e dicas para celebração do Dia da Bíblia em sua igreja, bairro ou cidade, acesse o link abaixo:

A BÍBLIA PAR AO JOVEM

MINHA AGENDA - OUTUBRO/2011


  • 01/10 - Palestra Teológica na FAFITEAL (Maceió-AL)
  • 02/10 - Assembleia de Deus no Pinheiro (Maceió-AL)
  • 08/10 - Encontro de Líderes na AD em Casa Caiada (Olinda-PE)
  • 08/10 - Capacitação para Professores de EBD na AD em Abreu e Lima-PE
  • 12 a 14/10 - Escola Bíblica na AD em Araçatuba-SP
  • 14 e 15/10 - Congresso de Jovens na AD em Araçatuba-SP
  • 22 e 23 /10 - Festividades de Aniversário da AD em Gleba B 1 (Camaçari-BA)
  • 29 e 30/10 - Escola Bíblica de Obreiros na AD em Goianinha-RN

terça-feira, 27 de setembro de 2011

LANÇAMENTO DO LIVRO "O LÍDER CRISTÃO E O HÁBITO DE LEITURA" NA VIII BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE PERNAMBUCO

Além da beleza e ótima estrutura, o stand de vendas da CPAD é um dos mais concorridos da Bienal

Com Elizabeth, esposa e companheira de todas as horas

Presbítero Edgard Pereira, Gerente da CPAD em Recife

Alunos da rede municipal de ensino vsitando o stand da CPAD

Professores e alunos da FATEADAL prestigiando o evento

No primeiro dia de lançamento do livro "O Líder Cristão e o Hábito de Leitura" na VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco , para a glória de Deus, a obra já é sucesso de vendas no stand da CPAD.

Com uma bela estrutura e um layout arrojado, o stand de vendas da CPAD é sensação de público e de vendas na Bienal.

Junto com o amado presbítero Edgard Pereira (Gerente da Filial CPAD em Recife) e com a sua competente equipe, estarei amanhã (tarde e noite) aguardando a vossa visita.

Até lá, se Deus quiser!

domingo, 25 de setembro de 2011

"O LÍDER CRISTÃO E O HÁBITO DE LEITURA" NA VIII BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE PERNAMBUCO


Amados, durante a realização da VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, especificamente nos dias 27 (terça) e 28/09 (quarta), estarei no stand da Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), promovendo o lançamento do meu livro O Líder Cristão e o Hábito de Leitura. Serão duas tardes e noites de autográfos.

A Bienal acontecerá no período de 23/09 a 02/10/2011, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda. A expectativa é que cerca de 700 mil pessoas participem do evento.

Conforme o gerente da filial Recife, o presbítero Edgard Pereira, a Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD) montará um stand com 100 m2, onde o público em geral poderá conhecer e adquirir os mais recentes lançamentos de livros e bíblias da editora.

Mobilize a sua igreja, família e amigos, e participe deste tradicional evento cultural.

Abraços e até lá, se Deus quiser!

sábado, 24 de setembro de 2011

II SEMINÁRIO DA FAMÍLIA NA AD EM JARDIM PRIMAVERA (CUIABÁ-MT)


Amados, desde ontem estou ministrando para casais, jovens e à família na Assembleia de Deus em Jardim Primavera (Cuiabá-MT), conforme a programação abaixo:

23/09 às 19h00 - Palestra para Casais
24/09 às 14h00 - Palestra para Jovens
24/09 às 19h00 - Palestra para Casais
25/09 às 08h30 - Palestra para Casais
25/09 às 19h00 - Culto de Celebração a Deus pela Família

Para maiores informações e inscrições ligue (65) 3321 2457 ou (65) 8111 0595 com Helenir ou Davi.

Nos encontraremos lá, se Deus quiser!

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

ROBOÃO: O LÍDER INSENSÍVEL E INSENSATO

"Foi Roboão a Siquém, porque todo o Israel se reuniu lá, para o fazer rei. Tendo Jeroboão, filho de Nebate, ouvido isso (pois estava ainda no Egito, para onde fugira da presença do rei Salomão, onde habitava e donde o mandaram chamar), veio com toda a congregação de Israel a Roboão, e lhe falaram: Teu pai fez pesado o nosso jugo; agora, pois, alivia tu a dura servidão de teu pai e o seu pesado jugo que nos impôs, e nós te serviremos." (1 Rs 12.1-4)

Roboão, filho de Salomão, assumiu o lugar de seu pai quando tinha a idade de 41 anos (2 Cr 12.13). Podemos afirmar que se tratava de um jovem rei. De início o novo monarca precisou lidar com as reivindicações do povo, que reclamava do pesado jugo a que fora submetido. O referido jugo pode ser entendido como trabalho forçado (2 Cr 10.18) ou uma alta carga de impostos.

Diante do pedido do povo, a atitude do rei foi inicialmente sensata, digna de um governante prudente:

"Ele lhes respondeu: Ide-vos e, após três dias, voltai a mim. E o povo se foi." (1 Rs 12.5)

Ao assumir uma liderança, seja ela em qualquer nível, é comum que os líderes tenham uma certa preocupação em agradar o povo, e em buscar meios de promover a sua aceitação imediata. Neste momento muitos falham, pois no desejo de agradar e ser aceito, acabam atendendo algumas solicitações do povo sem analisar melhor a questão.

No caso de Roboão, ele não se afobou, antes pediu um prazo para pensar e decidir sobre a questão. A alteração na carga de trabalho ou de impostos teria que ser avaliada, e as consequências administrativas, econômicas e sociais precisariam ser analisadas. Os efeitos de uma decisão precisam ser pensados a curto, médio e longo prazo. O passo seguinte de Roboão dentro do tempo pedido foi o de consultar os homens idosos que faziam parte do grupo de conselheiros de seu pai.

"Tomou o rei Roboão conselho com os homens idosos que estiveram na presença de Salomão, seu pai, quando este ainda vivia, dizendo: Como aconselhais que se responda a este povo?" (1 Rs 12.6)

Um jovem e sábio líder terá ao seu lado idosos experientes, que poderão lhe auxiliar das mais diversas formas e maneiras, principalmente na condição de conselheiros. Fico impressionado com líderes jovens que não conseguem enxergar o valor dos idosos. Conheço o caso de um companheiro que ao assumir uma congregação percebeu que havia vários diáconos e presbíteros idosos. Expressando um certo ar de preocupação, perguntou ao pastor presidente: - Eu não sei o que vou fazer com tantos velhos. Igual a este jovem líder e obreiro, há muitos precisando entender e descobrir o valor do "velhos".

Roboão, até então, parecia estar indo na direção certa. Diante de seu pedido, os conselheiros idosos responderam:

"Eles lhe disseram: Se, hoje, te tornares servo deste povo, e o servires, e, atendendo, falares boas palavras, eles se farão teus servos para sempre." (1 Rs 12.7)

A resposta dos anciãos precisa ser bem entendida. Em primeiro lugar, encontramos nesse texto o princípio da liderança servidora, que será ampliado nos ensinos e vida de Jesus. O rei não deveria ter uma postura dominadora, mas servidora. Deveria ser alguém que estivesse disposto a colocar os interesses do povo antes dos seus próprios interesses. Há nos dias atuais uma geração de líderes e obreiros que só pensam em seu próprio bem-estar, e no bem-estar da sua família, não se importando com o povo. Não é difícil percebê-los. Quando alguém ousa questioná-los, logo se escondem, se defendem e se protegem por trás do manto do "ungido". Em última instância, tenho a certeza que Deus tratará com os tais líderes que assim procedem. A rica sabedoria do conselheiros idosos deixa claro que o serviço voluntário é algo que se conquista. A verdadeira liderança não se sustenta no cargo ou no título do líder, mas em sua disposição de servir e amar o povo, de pensar nas pessoas antes das coisas. De enxergar e tratar gente, como gente deve ser tratada.

Em segundo lugar, o conselho de "falar boas palavras" não implica que o líder sempre deva atender e agradar ao povo. As boas palavras aqui implicam uma questão de justiça. Nem sempre aquilo que o povo pensa ser o melhor pra si, na realidade o é. A percepção e visão do povo nem sempre é sistêmica, ou seja, nem sempre contempla e considera todas as partes, e as consequências envolvidas na decisão ou escolha a ser tomada. Quando geralmente um grupo procura um líder para fazer uma solicitação, essa solicitação na maioria dos casos visa apenas o melhor par ao próprio grupo. Um líder, antes de atender positivamente um pedido de determinado grupo, precisar analisar as consequências para os demais grupos, e para o trabalho como um todo. Na ânsia de agradar grupos específicos, muitos líderes comprometeram a saúde administrativa e até espiritual da obra. Quando um líder e obreiro não consegue dizer um "não", justificando plausivelmente sua decisão, logo promoverá confusão e perderá o controle em sua gestão. Há casos em que o medo de responder negativamente ao povo está associado ao medo de perder liderados, membros ou congregados. Para fecharmos este ponto, duas coisas precisam ser consideradas e lembradas: o pedido do povo é justo? a solução promoverá um bem maior para todos?

"Porém ele desprezou o conselho que os anciãos lhe tinham dado e tomou conselho com os jovens que haviam crescido com ele e o serviam. E disse-lhes: Que aconselhais vós que respondamos a este povo que me falou, dizendo: Alivia o jugo que teu pai nos impôs?" (1 Rs 12.8-9)

É a partir deste ponto que a insensibilidade e insensatez de Roboão se manifestam. Ele simplesmente desprezou o sábio conselho dos homens idosos, e se voltou agora para buscar orientação com os conselheiros jovens. Voltemos a fazer aqui algumas considerações. Primeiro, o fato de um líder ser jovem, como no caso de Roboão, não significa que todos os líderes jovens são insensíveis e insensatos. Conheço lideranças jovens e sábias, que não abrem mão de bons conselhos. Segundo, nem todo conselho que vem de idosos significa que é bom para o momento e circunstâncias. Idosos também podem falhar em suas análises dos fatos. É preciso que o líder sempre pondere sobre o que escuta, para depois buscar a ação necessária. Terceiro, percebemos no texto que Roboão tinha conselheiros idosos e jovens. Essa mescla é muito boa. Todo líder deveria ter ao seu lado conselheiros e assessores com idade, formação e outras características diversificadas, pois desta forma poderia ter opiniões que contemplariam um mesmo problema e alternativas de soluções por vários ângulos e visões distintas. Assim, como nem todo conselho de um idoso é bom, nem todo conselho de um jovem é ruim. Idosos e jovens se completam, e quando há o respeito e a consideração entre ambos, grandes ideias e ações brotam. No caso dos jovens procurados por Roboão, a insensibilidade e a insensatez prevaleceram:

"E os jovens que haviam crescido com ele lhe disseram: Assim falarás a este povo que disse: Teu pai fez pesado o nosso jugo, mas tu alivia-o de sobre nós; assim lhe falarás: Meu dedo mínimo é mais grosso do que os lombos de meu pai. Assim que, se meu pai vos impôs jugo pesado, eu ainda vo-lo aumentarei; meu pai vos castigou com açoites, porém eu vos castigarei com escorpiões." (1 Rs 12.10-11)

O justo pedido do povo não foi atendido, pior, a decisão do rei Roboão implicaria em mais injustiça, opressão e exploração:

"Veio, pois, Jeroboão e todo o povo, ao terceiro dia, a Roboão, como o rei lhes ordenara, dizendo: Voltai a mim ao terceiro dia. Dura resposta deu o rei ao povo, porque desprezara o conselho que os anciãos lhe haviam dado; e lhe falou segundo o conselho dos jovens, dizendo: Meu pai fez pesado o vosso jugo, porém eu ainda o agravarei; meu pai vos castigou com açoites; eu, porém, vos castigarei com escorpiões." (1 Rs 12.12-14)

Diante dos fatos, o pior aconteceu, uma indignação geral desencadeou um processo que culminou na divisão do reino:

"Vendo, pois, todo o Israel que o rei não lhe dava ouvidos, reagiu, dizendo: Que parte temos nós com Davi? Não há para nós herança no filho de Jessé! Às vossas tendas, ó Israel! Cuida, agora, da tua casa, ó Davi! Então, Israel se foi às suas tendas." ( 1 Rs 12.15-16)

Quando analisamos todo o acontecimento, dois textos nos chamam a atenção:

"O rei, pois, não deu ouvidos ao povo; porque este acontecimento vinha do SENHOR, para confirmar a palavra que o SENHOR tinha dito por intermédio de Aías, o silonita, a Jeroboão, filho de Nebate." (1 Rs 12.15)

"Assim diz o SENHOR: Não subireis, nem pelejareis contra vossos irmãos, os filhos de Israel; cada um volte para a sua casa, porque eu é que fiz isto. E, obedecendo eles à palavra do SENHOR, voltaram como este lhes ordenara." (1 Rs 12.24)

Longe de promover qualquer tipo de rebeldia e divisão, a lição que extraímos dos versículos acima citados, que claramente afirmam que este "acontecimento vinha do SENHOR", e que "Ele é que fez isto", é a de que Deus trata com lideranças e líderes insensíveis e insensatos das mais diversas formas e maneiras.

Fica aqui o alerta para a atual geração de líderes!

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

QUANDO A CRISE MOSTRA A SUA FACE. Subsídio para Lição Bíblica da CPAD - 4º Trimestre/2011

Iniciarei o presente subsídio com um breve comentário sobre o tema geral do trimestre "Neemias: integridade e coragem em tempos de crise".

É muito pertinente o texto do editorial no quadro "interação" da Lição do Mestre, quando afirma:

"[...] Vivemos em meio a uma sociedade ética e moralmente falida. Por isso, a fim de influenciar nossa nação, precisamos de uma liderança comprometida com os valores do Reino de Deus [...]."

Como promover tal influência quando uma crise na liderança se instaura, impedindo ou comprometendo gravemente a sua capacidade de influenciar positivamente? Sim, a face da crise está exposta para todo mundo vê, inclusive em rede aberta de TV. Com isso, os dois elementos ou qualidades desejáveis do título do trimestres estão em falta: integridade e coragem.

Crise (do grego κρίσις,-εως,ἡ translit. krisis; em português, distinção, decisão, sentença, juízo, separação) é um conceito utilizado na sociologia, na política, na economia, na medicina, na psicopatologia, entre outras áreas de conhecimento. A crise pode ser definida como uma fase de perda, ou uma fase de substituições rápidas, em que se pode colocar em questão o equilíbrio da pessoa. Torna-se, então, muito importante a atitude e comportamento da pessoa face a momentos como este. É fundamental a forma como os componentes da crise são vividos, elaborados e utilizados subjectivamente. (Wikipédia)

Partindo do conceito acima, e contextualizando para o campo religioso ou moral, a crise envolve a perda ou a substituição de valores e princípios que norteiam a vida do sujeito ou do grupo, promovendo um certo desequilíbrio pessoal ou social, e consequentemente uma clara e significativa mudança de comportamento.

A face da crise na atual liderança cristã evangélica (cada um contextualize considerando a sua realidade) é notória nas seguintes áreas:

- Crise na política eclesiástica. A maneira de se conduzir eleições para presidentes de convenções ou igrejas ganhou contornos seculares e mundanos. A compra de votos por meio de benefícios ou vantagens (pessoais ou institucionais) é realizada de forma escandalosa. Jovens e irmãos imaturos são ordenados e recebem credenciais de obreiro para votar em quem os ordenou. Líderes eclesiásticos se tornam inimigos públicos, e com muita dificuldade tentam mascarar tal realidade. Troca de acusações, difamações, calúnias, agressões físicas e verbais fazem parte deste universo caótico. As disputas acabam geralmente nos tribunais. Vivemos no campo da política eclesiástica um retrocesso pré-reforma, com direito a nepotismo e simonia:

Nepotismo
(do latim nepos, neto ou descendente) é o termo utilizado para designar o favorecimento de parentes (ou amigos próximos) em detrimento de pessoas mais qualificadas, especialmente no que diz respeito à nomeação ou elevação de cargos. Originalmente a palavra aplicava-se exclusivamente ao âmbito das relações do papa com seus parentes (particularmente com o cardeal-sobrinho - (em latim: cardinalis nepos[1]; em italiano: cardinale nipote[2]), mas atualmente é utilizado como sinônimo da concessão de privilégios ou cargos a parentes no funcionalismo público. Distingue-se do favoritismo simples, que não implica relações familiares com o favorecido. (Wikipédia)

Simonia é a venda de "favores divinos", benções, cargos eclesiásticos, promessa de prosperidade material, bens espirituais, coisas sagradas, etc. em troca de dinheiro. A etimologia da palavra provém de Simão Mago, personagem referido nos Atos dos Apóstolos (8, 18-19), que procurou comprar de São Pedro o poder de transmitir pela imposição das mãos o Espírito Santo ou de efetuar milagres. (Wikipédia)

- Crise nas relações convencionais e ministeriais.
A crise nessa área é aguda. Dentro de um mesmo estado não se consegue ver uma relação pacífica, cordial e respeitosas entre convenções e ministérios (com as devidas exceções). Não se respeitam os chamados "campos eclesiásticos". Igrejas de uma mesma denominação são abertas literalmente de frente para a outra, numa clara atitude de afronta, por líderes que perderam já a muito tempo o bom senso e o equilíbrio. Obreiros problemáticos e disciplinados são recebidos sem o mínimo critério, e sem se buscar na convenção ou ministério de origem informações sobre os mesmos. Um outro fato notório nos dias atuais é a abertura de alguns trabalhos, por certos líderes que afirmam estar na direção do Espírito. É vergonhoso o qua acontece no Brasil, quando igrejas são abertas com o claro interesse de se ganhar dinheiro ou por mera competição. Todos os dias, inclusive noticiado em plena televisão, os "donos" de algumas igrejas anunciam que estão abrindo novos trabalhos para "abençoar o povo de Deus" e "ganhar almas para Jesus".

- Crise na liturgia ou culto cristão. A neopentecostalização do pentecostalismo clássico assembleiano já atingiu os cultos,, onde vale de tudo para atrair o povo e levantar uma "boa oferta". Quem disse que as sete voltas de Jericó, os sete mergulhos no Jordão, o culto da vitória, o culto da prosperidade, o culto de quebra de maldição, a determinação de bênçãos e coisas semelhantes a estas ainda são "privilégios" de alguns grupos neopentecostais. Pois é amados, muitos já adeririam àquilo que alguns teólogos e sociólogos chamam de "a terceira onda do pentecostalismo".

- Crise na doutrina. Fico perplexo quando no meio pentecostal, uma vez questionados sobre certas "doutrinas" ou "modelos" pseudo-bíblicos, alguns líderes e irmãos respondem: "não deu certo até agora, por que mudar?", ou ainda, "aprendemos assim, não é bom remover os marcos antigos". Geralmente, respostas e declarações como estas são meramente pragmáticas e utilitaristas. É bom lembrar que nem sempre o crescimento é sinal de "bênção" ou "aprovação divina". É necessário deixar bem claro que Deus só aprova o que fundamenta nos princípios da Palavra, pois nela está manifesta a sua vontade e revelação (Gl 1.8). A tradição não é maior do que a Palavra (Mt 15.1-9). Apenas as boas tradições (fundamentadas em princípios bíblicos) devem ser guardadas (2 Ts 2.15). Quando doutrinas centrais ou essenciais começam a ser relativizadas, temos um claro sinal de crise.

A exposição desta realidade pode causar desconforto para alguns, mas acredito que em tempos onde os fundamentos e as colunas estão seriamente comprometidos, não é inteligente perder tempo com paliativos, consertando rebocos e pintando paredes.

O pastor Ernandes Dias Lopes afirma que:

"Uma reforma torna-se imperativa quando os problemas se agigantam e parecem insolúveis. [...] Uma reforma torna-se urgente quando os crentes estão desanimados, enfraquecidos e desunidos; quando os inimigos parecem prevalecer contra a Igreja, intimidando-a e fazendo-a paralisar a obra; quando faltam líderes comprometidos com Deus que ousam desafiar e conduzir o povo a uma reação para restaurar a Igreja." (Neemias: o líder que restaurou uma nação, Hagnos, 2006, p. 47)

Seguindo o exemplo de Neemias, precisamos ser sensíveis diante da crise. É preciso percebê-la, assumi-la e agir para mudar a situação. É preciso se dispor e se expor. É preciso ir em busca da restauração dos valores bíblicos e das práticas abandonadas e esquecidas, não importando o preço que se tenha a pagar.

Tal atitude implica em integridade e coragem. Ainda temos referenciais em nossa liderança? É claro que sim. Mas, por outro lado, parece que a frase do poeta que diz "meus heróis morreram de overdose" é atual e real em nosso meio. Não falo aqui da overdose de drogas, falo sim, da overdose do orgulho, da arrogância, da insensatez, do amor ao dinheiro, aos cargos, ao luxo, aos privilégios, ao prestígio, a notoriedade, etc. Sim, alguns dos meus heróis (referenciais) morreram ou estão morrendo de overdose. Macularam a sua integridade, perdendo com isso a sua autoridade. Seus discursos não me impressionam mais (nem a muitos da minha e das novas gerações). Alguns declaram-se ortodoxos na doutrina, mas na vida e prática cotidiana são liberais. Outros já são liberais em ambas as áreas, na ortodoxia e na práxis.

O pastor Elinaldo Renovato declara com precisão que:

"Muitos obreiros do Senhor que lideravam ministérios profícuos e reconhecidos, nacional e internacionalmente, são hoje sombras do passado. vivem no ostracismo eclesiástico porque não foram prudentes. Seus ministérios desabaram sob o peso dos escândalos ou envolvimentos com práticas desabonadoras para a liderança cristã." (Livro de Neemias: integridade e coragem em tempos de crise, CPAD, 2011, p. 23).

Lamentavelmente, a crise mostra a sua face e as víceras apodrecidas de algumas lideranças.

Onde estão os "Neemias" para assumir a crise e chorar pela grande miséria, pelo desprezo, pelo muro fendido e pelas portas queimadas? Onde estão os "Neemias" dispostos a trabalhar neste desafiador, mas gratificante projeto de reconstrução, de restauração e revitalização. Talvez alguns prefiram a covarde omissão que lhes garante a estabilidade, o conforto e o emprego palaciano.

Amados pastores, obreiros, superintendentes, dirigentes, professores e alunos, se não acordarmos e formos sensíveis diante da realidade da crise que vivenciamos em nossos dias, nossos grandes, belos, suntuosos, luxuosos, magníficos e confortáveis templos se transformarão em sepulcros esplendorosos de evangélicos alienados, para em seguida serem transformados em shoppings, restaurantes e em casas de espetáculo (não o espetáculo da fé já vivenciado).

É tempo de choro, de intercessão, de confissão de pecados, de conversão e de ação.

Um bom trimestre a todos!

DICAS LITERÁRIAS PARA O TRIMESTRE:

- BARBER, Cyril J. Neemias e a dinâmica da liderança eficaz. São Paulo: Vida, 2003.
- ELLISEN, Stanley A. Conheça melhor o Antigo Testamento. São Paulo, Vida, 1991.
- KIDNER, Derek. Esdras e Neemias: introdução e comentário. São Paulo, Vida Nova, 2006.
- LOPES, Hernandes Dias. Neemias: o líder que restaurou uma nação. São Paulo: Hagnos, 2006.
- PACKER, J. I. Neemias: paixão pela fidelidade. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.
- RENOVATO, Elinaldo. Livro de Neemias: integridade e coragem em tempos de crise. Rio de Janeiro: CPAD, 2011.

terça-feira, 20 de setembro de 2011

A BÍBLIA PARA O JOVEM: LANÇAMENTO DO TEMA PARA O DIA DA BÍBLIA 2011 EM RECIFE-PE



A Sociedade Bíblica do Brasil (Secretaria Regional em Recife-PE), estará promovendo no dia 28/09, às 8h00, no Seminário de Educação Cristã (Rua Padre Inglês, 143, Boa Vista - Recife-PE), o lançamento do tema para o Dia da Bíblia 2011. No evento será realizado VII Café de Confraternização com Pastores e Líderes.

O tema do Dia da Bíblia para este ano, que se comemora no segundo domingo de dezembro, será: A Bíblia para o Jovem.

Na ocasião estarei trazendo a mensagem da Palavra de Deus. Desde já conto com as vossas orações.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

NAAMÃ: O LÍDER QUE SABIA OUVIR

Sempre que o nome de Naamã é citado, a associação que se faz é com a maneira sobrenatural com que foi curado de sua lepra. Acontece, é que o comandante do exército do rei da Síria tem muito o que ensinar aos líderes de hoje.

As qualidades da liderança de Naamã são logo percebidas pelo conceito que gozava da parte de seu rei:

"Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era grande homem diante do seu senhor e de muito conceito, porque por ele o SENHOR dera vitória à Síria; era ele herói da guerra, porém leproso." (2 Rs 5.1)

Um grande homem, de muito conceito e herói de guerra. Um guerreiro valente, íntegro, hábil, inteligente, e estrategista, são qualificações que sem dúvida alguma cooperaram para o alto conceito e respeito que Naamã conquistou. Contudo, dentre tantas qualidades que este líder tinha, a que vamos explorar aqui é a sua capacidade de ouvir. Observemos de que forma essa virtude se manifestou na vida de Naamã.

NAAMÃ SABIA OUVIR A SUA ESPOSA

"Saíram tropas da Síria, e da terra de Israel levaram cativa uma menina, que ficou ao serviço da mulher de Naamã. Disse ela à sua senhora: Tomara o meu senhor estivesse diante do profeta que está em Samaria; ele o restauraria da sua lepra." (2 Rs 5.2-3)

A esposa de Naamã ouviu da menina que lhe servia sobre a possibilidade de cura para o seu esposo. Amando o seu marido, e desejosa de vê-lo curado de sua lepra, embora não explícito no texto, entende-se pela sequência dos fatos que esta dedicada esposa comunicou ao seu marido o que ouviu da garota. Antes de avançarmos na história, cabe aqui algumas observações e lições a serem aprendidas:

- Líderes precisam dedicar tempo para ouvir a opinião da esposa em assuntos relacionados à sua liderança. Muitos líderes na atualidade não param mais para ouvir a esposa. As mulheres possuem uma série de qualidades, e um jeito diferente e detalhado de perceber a realidade, que em muito pode ajudar o seu marido. A esposa pode cooperar com a sua opinião em questões relacionadas à liderança do marido na igreja. Não há nada de errado, diante das mais diversas situações que implicam numa decisão do líder, deste buscar o conselho, a opinião e orientação da sua esposa. Tal opinião deve ser analisada, ponderada, objeto de oração, e sendo entendida como a melhor solução ou sugestão, deve ser aplicada. É preciso alertar, que em algumas situações, a busca pela orientação e conselho da esposa acaba indo para um outro extremo. Há lideres que se tornaram plenamente dependentes da opinião da esposa, ao ponto de deixarem de ter opinião própria. Deixaram de liderar ou pastorear, para serem liderados ou pastoreados pela esposa. Geralmente quando isso acontece, a igreja ou os liderados logo percebem. As consequências para a reputação e autoridade deste líder são trágicas. Um pastor amigo meu contou-me, que certo obreiro foi chamado ao gabinete do pastor presidente para prestar contas de como estava o trabalho em seu setor ou área eclesiástica. Como o referido obreiro se enquadrava no rol daqueles que terceirizaram para a esposa as decisões em torno do trabalho, além do próprio trabalho, levou-a consigo para conversar com o seu pastor presidente. No gabinete, quando o pastor presidente dirigiu a palavra ao pastor setorial perguntando sobre o trabalho, de imediato o pastor setorial pediu que a esposa relatasse os fatos. O pastor presidente logo retrucou: - Quem é o pastor lá? Você ou a sua esposa? Envergonhado e tentando sem sucesso justificar a sua postura, o pastor setorial teve que ser corrigido e orientado na maneira de se conduzir como líder diante da igreja.

- Líderes precisam dedicar tempo para ouvir a opinião da esposa em assuntos relacionados à vida no lar. Mesmo na condição de mantenedor do lar, um líder sensato sempre buscará ouvir a sua esposa nas questões domésticas. Na hora fazer um grande investimento, de comprar ou trocar um terreno, uma casa, um apartamento ou um carro, o líder deve buscar a opinião da sua mulher. Em se tratando da compra de móveis ou eletrodomésticos, ninguém está mais habilitado em saber das reais necessidade do lar do que a esposa, que é quem geralmente lida com o cotidiano das tarefas domésticas. Em boas parte dos casos de aquisições mal feitas, o desejo do marido é o de fazer uma surpresa. Acontece, que a surpresa pode acabar sendo desagradável aos olhos da esposa.

- Líderes precisam dedicar tempo para ouvir a opinião da esposa em assuntos relacionados à vida pessoal. Os líderes estão cada vez mais envolvidos com o trabalho, o que leva a falta de tempo para pensarem e cuidarem de si próprios. Uma esposa zelosa, ao observar que o marido está "esticando demais a corda", buscará a oportunidade para lhe aconselhar no sentido de que ele tenha cuidado com o excesso da carga de trabalho. Uma outra área pessoal onde os líderes pecam por não ouvir a esposa é a financeira. Há muitos maridos endividados, pendurados, "quebrados" e em grande dificuldade financeira por não ouvir a sua esposa. Há esposas que não sabem quanto o seu marido ganha, ou pior, quanto devem na "praça". Além disso, assim como a esposa de Naamã, uma esposa amorosa e cuidadosa se preocupará também com a saúde do marido. No caso de Naamã, temos alguém enfermo, que precisa de tratamento urgente. Percebendo a possibilidade da cura de seu esposo, e sabendo que tinha um marido que lhe dava ouvidos, ela não perdeu tempo. Na condição de bom ouvinte, Naamã buscou logo em providenciar os meios necessários para possibilitar o seu tratamento. Diferente de Naamã, há líderes na atualidade que além de não terem tempo para ouvir a esposa em assuntos relacionados a sua vida pessoal, quando a escuta, não age imediatamente, e fica protelando o tratamento urgente e necessário.

NAAMÃ SABIA OUVIR O SEU REI

"Então, foi Naamã e disse ao seu senhor: Assim e assim falou a jovem que é da terra de Israel. Respondeu o rei da Síria: Vai, anda, e enviarei uma carta ao rei de Israel. Ele partiu e levou consigo dez talentos de prata, seis mil siclos de ouro e dez vestes festivais." (2 Rs 5.4-5)

Naamã não abusava do grande conceito que tinha diante de seu rei. Aliás, um grande conceito para com quem está investido de autoridade sobre nós não se conquista apenas com uma notória habilidade ou qualificação na realização de coisas. Conquistar e preservar a confiança contribui para melhorar o nosso conceito diante daqueles a quem temos de prestar contas. Em vez de partir imediatamente para Israel em busca de sua cura, Naamã foi relatar o fato ao seu senhor. Foi ouvi-lo.

Tenho observado que há muitos líderes achando que não precisam mais prestar contas a ninguém. Cresceram demais. Conheço casos de pastores auxiliares e outros obreiros que se ausentam de suas cidades ou estados sem que o seu pastor presidente ou líder imediato tome conhecimento. Vão passear, atender agendas, fazer visitas, cuidar de um problema de saúde, e não se preocupam ou se interessam em comunicar tal fato. Nesse grupo se enquadram alguns pregadores (ou conferencistas), que no anseio de ganhar projeção local, regional, nacional ou internacional, não consideram as necessidades e responsabilidades do trabalho local, firmando agendas e compromissos sem a devida aprovação ou conhecimento do seu pastor. Se você sente uma chamada para um ministério itinerante, compartilhe isso com o seu pastor, e acima de tudo, ouça-o com atenção, atendendo o seu conselho.

Uma outra área onde os líderes devem buscar orientação é no cotidiano do trabalho. Desejosos em "mostrar serviço", alguns líderes tomam decisões em questões delicadas sem consultar os seus líderes imediatos. Quando compartilhamos as decisões com os mais experientes e experimentados, temos com isso a oportunidade de errarmos menos.

Naamã foi ouvir o seu líder. Soube honrar e foi honrado. Saiu com uma carta de recomendação nas mãos e partiu para o seu destino. A submissão nos torna recomendáveis.

NAAMÃ SABIA OUVIR OS SEUS OFICIAIS

"Naamã, porém, muito se indignou e se foi, dizendo: Pensava eu que ele sairia a ter comigo, pôr-se-ia de pé, invocaria o nome do SENHOR, seu Deus, moveria a mão sobre o lugar da lepra e restauraria o leproso. Não são, porventura, Abana e Farfar, rios de Damasco, melhores do que todas as águas de Israel? Não poderia eu lavar-me neles e ficar limpo? E voltou-se e se foi com indignação. Então, se chegaram a ele os seus oficiais e lhe disseram: Meu pai, se te houvesse dito o profeta alguma coisa difícil, acaso, não a farias? Quanto mais, já que apenas te disse: Lava-te e ficarás limpo. Então, desceu e mergulhou no Jordão sete vezes, consoante a palavra do homem de Deus; e a sua carne se tornou como a carne de uma criança, e ficou limpo." (2 Rs 5.11-14)

As coisas não saíram exatamente como planejadas por Naamã. Esperando talvez um tratamento mais "adequado", indignou-se ao ponto de querer abrir mão da cura de sua enfermidade. É nesse exato momento que os seus oficiais (ou assessores) interferem com um conselho.

Há pelo menos dois tipos de oficiais auxiliares ou assessores: Os cooperadores e os bajuladores. Os cooperadores são aqueles cuja atividades e conselhos agregam valor e ajudam o seu líder. Com muita sabedoria e respeito, sempre que observam o líder agindo de maneira equivocada procuram convencê-lo a mudar o curso da ação, mesmo correndo o risco de não serem bem compreendidos. Já os bajuladores, concordam com todas as palavras e ações de seus líderes. Nunca omitem opinião contrária com receio de perderem prestígio ou posição. Não agregam valor algum.

Aqui, Naamã nos deixa dois grandes exemplos. O primeiro, é que devemos nos cercar sempre de bons auxiliares e assessores. Há líderes que fazem questão de ter ao seu lado apenas bajuladores. Dessa forma, ninguém lhes contesta, nem se sentem ameaçados por ninguém. São líderes fracos e inseguros. A qualidade e o perfil de um líder pode ser percebida pela qualidade e perfil de seus auxiliares e assessores.

O segundo exemplo que Naamã nos deixa é com respeito a humildade em ouvir os seus oficiais auxiliares (ou assessores). Há líderes que não escutam os bons conselhos de seus auxiliares e assessores. Não basta se cercar de gente que pode agregar valor. É preciso saber ouvi-los. Há lideres que fingem ouvir. Convocam reuniões para ouvir os seus oficiais auxiliares, mas já tem posição firmada e irredutível sobre as questões que serão discutidas. Fazem de conta que são bons ouvintes, mas não são. Fingem estar abertos para opiniões, quando na verdade estão fechados em suas próprias obstinações. Demonstram um estilo de liderança participativa, mas na realidade são ditadores camuflados.

O habilidoso líder e bom ouvinte Naamã alcançou os seus objetivos. Foi curado (2 Rs 5.14). Quais são os teus atuais objetivos ou desafios? Quais são os planos para alcançá-los ou superá-los? Você já procurou ouvir as pessoas que lhe cercam sobre o assunto?

Saber ouvir é uma grande qualidade e necessidade na vida de um líder. Saber ouvir é condição indispensável para o sucesso na liderança.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

A INTEGRIDADE DA DOUTRINA CRISTÃ (2). Subsídio para Lição Bíblica da CPAD. 3º Trimestre/2011


Amados, para um entendimento centrado e equilibrado sobre a Integridade da Doutrina Cristã, recomendo a leitura do livro "História das Controvérsias na Teologia Cristã: 2000 anos de unidade e diversidade", de Roger Olson. Dentre outras questões, o autor trata sobre:

1 - Teologia mediadora
2 - Doutrina cristã autêntica
3 - Doutrinas essenciais e não-essenciais, centrais e periféricas
4 - Ortodoxia e heresia
5 - Sectarismo radical e liberalismo doutrinário
6 - Teologia e doutrina
7 - Indiferença e hostilidade doutrinária
8 - Construção e reconstrução de doutrinas
9 - A grande tradição
10 - Subjetivismo popular e dogmatismo inquisitório

Boa leitura!

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

LIDERANÇA COM SAÚDE, IGREJA COM SAÚDE

Amados, tenho ministrado em encontros com lideranças e escolas bíblicas de obreiros sobre o tema "Liderança com Saúde, Igreja com Saúde". Entendo que somente uma liderança com saúde integral poderá promover saúde integral para a igreja.

Um líder precisar cuidar de sua saúde pessoal (espírito, alma e corpo), familiar e ministerial. Não são poucos os líderes que cuidam bastante da igreja (congregação, sede, setor, campo, etc.), e acabam esquecendo-se de cuidar de si mesmos e de seus familiares.

Segue abaixo um esboço de nossa abordagem:


LIDERANÇA COM SAÚDE, IGREJA COM SAÚDE

Texto: “Amado, desejo que te vá bem em todas as coisas e que tenhas saúde, assim como bem vai a tua alma.” (3 Jo 2)

Introdução: Apenas uma liderança com saúde integral poderá promover e conservar a saúde integral da igreja.

1 – Saúde Pessoal

“Tem cuidado de ti mesmo [...]” (1 Tm 4.16 a)

“E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 23.39)

1.1 Saúde Espiritual e Mental (cansaço, sentimento de solidão, desânimo, estresse, transtorno bipolar, mau-humor crônico, ansiedade, síndrome do pânico, distúrbio do sono, depressão, etc). Ações:

- Vida devocional (leitura não-instrumental e oração)

- Estabelecendo limites, buscando auxílio pastoral e clínico

1.2 Saúde Corporal (Física e Orgânica)

Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.” (1 Co 6.20)

Porque o exercício corporal para pouco aproveita, mas a piedade para tudo é proveitosa, tendo a promessa da vida presente e da que há de vir.” (1 Tm 4.8)

Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas frequentes enfermidades” (1 Tm 5.23)

2 Saúde Familiar

que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia.” (1 Tm 3.4)

Mas, se alguém não tem cuidado dos seus e principalmente dos da sua família, negou a fé e é pior do que o infiel.” (1 Tm 5.8)

aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes.” (Tt 1.6)

2.1 Com o Cônjuge

2.1.1 Promovendo Satisfação Sexual (1 Co 7.1-5)

1 Ora, quanto às coisas que me escrevestes, bom seria que o homem não tocasse em mulher; 2 mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. 3 O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher, ao marido. 4 A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também, da mesma maneira, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. 5 Não vos defraudeis um ao outro, senão por consentimento mútuo, por algum tempo, para vos aplicardes à oração; e, depois, ajuntai-vos outra vez, para que Satanás vos não tente pela vossa incontinência.”

2.1.2 Dedicando Tempo e Atenção (1 Co 7.32-35)

32 E bem quisera eu que estivésseis sem cuidado. O solteiro cuida das coisas do Senhor, em como há de agradar ao Senhor;33 mas o que é casado cuida das coisas do mundo, em como há de agradar à mulher.34 Há diferença entre a mulher casada e a virgem: a solteira cuida das coisas do Senhor para ser santa, tanto no corpo como no espírito; porém a casada cuida das coisas do mundo, em como há de agradar ao marido.35 E digo isso para proveito vosso; não para vos enlaçar, mas para o que é decente e conveniente, para vos unirdes ao Senhor, sem distração alguma.”

2.1.3 Honrando e Considerando (1 Pe 3.7)

Igualmente vós, maridos, coabitai com ela com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida; para que não sejam impedidas as vossas orações.”

2.1.4 Amando e Cuidando (Ef 5.25-28)

25 Vós, maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, 26 para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, 27 para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível. 28 Assim devem os maridos amar a sua própria mulher como a seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher ama-se a si mesmo.

2.2 Com os Filhos (Sl 127.3)

Eis que os filhos são herança do SENHOR, e o fruto do ventre, o seu galardão.”

2.2.1 Dedicando Tempo e Atenção (Dt 6.7)

e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te.”

2.2.2 Educando na Doutrina e Admoestação do Senhor (Ef 6.4)

E vós, pais, não provoqueis a ira a vossos filhos, mas criai-os na doutrina e admoestação do Senhor.”

2.2.3 Reconciliando-se (Ml 4.6)

e converterá o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha e fira a terra com maldição.”

2.2.4Beijando e Abraçando (Lc 15.20)

E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão, e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço, e o beijou.”

3 Saúde Ministerial (Ef 4.11)

E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores,”

3.1 Reconhecendo a soberania de Deus na distribuição de dons e talentos (Dn 1.17; 1 Co 12.11, Ef 4.11a)

3.2 Reconhecendo a soberania de Deus na distribuição de cargos (Gn 25.23; 37.5-11; Jz 6.14-15; 1 Sm 16.6-13; 1 Cr 28.4; Mt 20.20-28 )

3.3 Cooperando com o crescimento e desenvolvimento de novos obreiros (Dn 2.49; Ef 4.11-12)

3.4 Delegando autoridade (2 Tm 2.1-2)

3.5 Submetendo-se à autoridade (Fl 2.5-10)

4 - Saúde Doutrinária (At 2.42)

Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.” (2 Tm 2.15)

4.1 Saúde no Ensino e na Pregação da Palavra

4.2 Saúde no Estudo da Palavra (Estudo Formal e Informal; Pesquisa e Dependência do Espírito)

4.3 Saúde na Interpretação da Palavra (Método e Iluminação)

4.4 Saúde na Comunicação da Palavra (Profundidade, Simplicidade, Objetividade)


AGENDA

No próximo final de semana (17 e 18/09), se Deus quiser, estarei ministrando no Encontro Regional de Obreiros, que será realizado na Assembleia de Deus em Arenápolis-MT (COMADEMAT).

terça-feira, 13 de setembro de 2011

LIVROS DO PR. ALTAIR GERMANO NAS LIVRARIAS SARAIVA E IMPERATRIZ EM RECIFE-PE


Amados leitores, através de uma parceria firmada, as livrarias Saraiva (Shopping Recife) e Imperatriz (Shopping Tacaruna) de Recife-PE já se encontram com meus livros disponíveis para vendas.

Para maiores informações e contatos, click nos links abaixo:

LIVRARIA SARAIVA

LIVRARIA IMPERATRIZ

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

A QUEDA DE GIGANTES


Gigantes (pessoas ou organizações) que não se abrem para a crítica, cairão prostrados no chão da insensatez.

VIII BIENAL DO LIVRO DE PERNAMBUCO


Sobre a VIII Bienal do Livro de Pernambuco

Entre os dias 23 de setembro e 02 de outubro de 2011, será realizado mais um capítulo da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. Com o tema “Literatura e Cidadania”, a Bienal chega a sua 8ª edição e o pavilhão de exposições do Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda (PE), volta a ser palco das discussões e debates que fomentam a feira literária.
Nesta oitava edição do evento, livreiros, editores e distribuidores de todo o Brasil estarão reunidos mais uma vez, consolidando o Estado como um dos mais importantes pólos literários do país. O evento, que já faz parte do calendário cultural pernambucano, contempla leitores de todas as idades e escritores de todos os estilos. Um grande acontecimento que estimula o hábito da leitura em todas as camadas sociais, democratizando a informação inteligente.
O poeta recifense Mauro Mota e o escritor cearense Ronaldo Correia de Brito serão os grandes homenageados desta 8ª edição.
Escolas devem agendar visitas com Marluce Laurentino no telefone (81) 3231-5196.
Entre números e letras
Promovida pela Cia de Eventos, a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco é uma grande oportunidade comercial. É o terceiro maior evento literário do Brasil, atrás apenas das bienais do Rio de Janeiro e de São Paulo. A cada ano, mais personalidades da literatura internacional marcam presença, mais investimentos e receitas são geradas e mais pessoas comparecem, batendo recordes sucessivos de público. Mesmo sendo um evento com foco nas Letras, os números são expressivos.
O grande objetivo da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco é fazer uma grande celebração em torno de um produto nobre como é o livro, que sempre agrega valor e estimula a capacidade criativa das pessoas. Por isso, existe uma preocupação da organização em sempre abrir espaço para editoras ainda de pouca visibilidade, possibilitando uma maior diversidade na oferta de títulos. A idéia é apresentar livros que não são achados na maioria das livrarias. E sempre com o cuidado de viabilizar estas ofertas com preços acessíveis.
Para as editoras interessadas em participar da VII Bienal, a planta já está definida (baixe a planta clicando aqui), e os stands podem ser procurados na Cia de Eventos, por meio do telefone (81) 3231 5196.
O evento conta com apoio da Câmara Brasileira do Livro, Governo do Estado de Pernambuco e Prefeitura do Recife.
Uma estrutura antes só vista em livros
Para estimular o hábito da leitura, a VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco desenvolveu iniciativas como palestras, oficinas literárias, bate-papos literários, apresentações infantis e muitas outras. E tudo isso aconteceu numa grande estrutura, com quatro espaços exclusivos. O Auditório Carlos Pena Filho, o Café Cultural, o Espaço Pedagógico e o Palco de Idéias. Todos excelentes lugares para sua marca se aproximar do consumidor.
Agindo conjuntamente com a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, a Bienal Internacional do Livro desenvolveu também um projeto pioneiro de investimento na Educação e desenvolvimento do hábito da leitura. Através da distribuição de bônus para os professores da rede estadual, deu um passo significativo na aquisição, pelo docente, de material didático, promovendo a renovação da biblioteca do docente pernambucano.
O caso da Bienal Internacional do Livro e do Governo do Estado é pioneiro no Brasil e de maior sucesso, tido como um passo significativo nas políticas de investimento educacional, sendo um exemplo para outras ações em todo o país.
Faça parte do maior evento literário do Nordeste
No meio de tantos livros, de tantos autores consagrados, sua empresa é que pode ser a grande best-seller do evento. Essa é a grande oportunidade para sua marca estar no maior evento literário da Região: um evento em que na sua última edição foi visitado por 610 mil pessoas, entre formadores de opinião, estudantes, entusiastas da literatura, jovens e adultos de todas as camadas sociais.
Entre em contato com nossa equipe de produção e saiba como garantir seu espaço na VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco.
Veja como na página de Contato.
Para informações à imprensa, visite nossa Sala de Imprensa.

Entre os dias 23 de setembro e 02 de outubro de 2011, será realizado mais um capítulo da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco. Com o tema “Literatura e Cidadania”, a Bienal chega a sua 8ª edição e o pavilhão de exposições do Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda (PE), volta a ser palco das discussões e debates que fomentam a feira literária referência de Pernambuco.

Nesta oitava edição do evento, livreiros, editores e distribuidores de todo o Brasil estarão reunidos mais uma vez, consolidando o Estado como um dos mais importantes pólos literários do país. O evento, que já faz parte do calendário cultural pernambucano, contempla leitores de todas as idades e escritores de todos os estilos. Um grande acontecimento que estimula o hábito da leitura em todas as camadas sociais, democratizando a informação inteligente.

O poeta recifense Mauro Mota e o escritor cearense Ronaldo Correia de Brito serão os grandes homenageados desta 8ª edição.

Uma estrutura antes só vista em livros

Para estimular o hábito da leitura, a VIII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco terá uma extensaprogramação de palestras, oficinas literárias, bate-papos, apresentações infantis e muitas outras atividades. E tudo isso numa grande estrutura, com espaços exclusivos.

Esses espaços são pensados estrategicamente para tipos diferentes de públicos:

Auditórios Beberibe, Brum e Ribeira

Pela primeira vez utilizados na Bienal, os auditórios Beberibe, Brum e Ribeira receberão uma intensa programação acadêmica desenvolvida por diversas instituições como UNICAP, UFPE, APL, UBE, Clube do Livro Espírita e Colégio Damas. No auditório Ribeira o SESC reeditará o CineSESC, que exibirá filmes sobre a temática de literatura e cidadania em todos os dias do evento.

Círculo das Letras

Aqui as crianças poderão conhecer o mundo dos livros. Serão realizadas apresentações culturais, recitais poéticos e narrações de histórias para crianças de todas as faixas etárias.

Café Cultural

Espaço intimista e informal, sob coordenação da Fafire, onde escritores, jornalistas e professores farão leituras abertas, participarão de debates, minicursos e estabelecerão um contato mais próximo com o público.

Círculo das Ideias

O coração dos debates da Bienal. Por aqui passarão os principais autores convidados do evento, além de contar com uma programação variada de oficinas, seminários e mesas de debates.

*****

Escolas devem agendar visitas com a Cia de Eventos no telefone (81) 3231-5196.

A Bienal entre números e letras

Promovida pela Cia de Eventos, a Bienal Internacional do Livro de Pernambuco é uma grande oportunidade comercial. É o terceiro maior evento literário do Brasil, referência em todo o país, atrás apenas das bienais do Rio de Janeiro e de São Paulo.

A cada ano, mais personalidades da literatura internacional marcam presença, mais investimentos e receitas são geradas e mais pessoas comparecem, batendo recordes sucessivos de público. Mesmo sendo um evento com foco nas Letras, os números são expressivos.

Numeros Imagem Bienal

O maior objetivo da Bienal Internacional do Livro de Pernambuco é fazer uma grande celebração em torno de um produto nobre como é o livro, que sempre agrega valor e estimula a capacidade criativa das pessoas.

Por isso, existe uma preocupação da organização em sempre abrir espaço para editoras ainda de pouca visibilidade, possibilitando uma maior diversidade na oferta de títulos. A idéia é apresentar livros que não são achados na maioria das livrarias. E sempre com o cuidado de viabilizar estas ofertas com preços acessíveis.

*****

Agindo conjuntamente com a Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, a Bienal Internacional do Livro desenvolveu também um projeto pioneiro de investimento na Educação e desenvolvimento do hábito da leitura.

Através da distribuição de bônus para os professores da Rede Estadual de Ensino, deu um passo significativo na aquisição, pelo docente, de material didático, promovendo a renovação da biblioteca do docente pernambucano. O bônus mais uma vez está garantido para esta 8º edição.

O caso da Bienal Internacional do Livro e do Governo do Estado é pioneiro no Brasil e de maior sucesso, tido como um passo significativo nas políticas de investimento educacional, sendo um exemplo para outras ações em todo o país.

*****

Fonte: www.bienalpernambuco.com