quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A ORGANIZAÇÃO DO SERVIÇO RELIGIOSO. SUBSÍDIO PARA LIÇÃO BÍBLICA DA CPAD - 4º TRIMESTRE/2011

O contexto da presente lição é de celebração pela construção e dedicação dos muros:

"E, na dedicação dos muros de Jerusalém, buscaram os levitas de todos os seus lugares, para os trazerem, a fim de fazerem a dedicação com alegria, louvores, canto, saltérios, alaúdes e harpas." (Ne 12.27)

A adoração, o louvor e o culto são temas abordados pelo comentarista.

OS LEVITAS CANTORES

"E se ajuntaram os filhos dos cantores, tanto da campina dos arredores de Jerusalém como das aldeias de Netofa, como também da casa de Gilgal e dos campos de Gibeá e Azmavete; porque os cantores tinham edificado para si aldeias nos arredores de Jerusalém." (Ne 12.28-29)

É equivocada a ideia de que o serviço dos levitas era apenas o de cantar. Na condição de auxiliares e cooperadores dos sacerdotes, estavam envolvidos nas tarefas do oferecimento dos sacrifícios e na administração geral do tabernáculo e do templo (Nm 1.47-54; 3.6-9)

Observe que Neemias nos informa que os levitas cantores "tinham edificados para si aldeias nos arredores de Jerusalém", e foram buscados. Com a restauração dos muros, veio também a restauração do serviço dos cantores.

O pastor Elinaldo Renovato, em seu livro "Neemias: integridade e coragem em tempos de crise", CPAD, 2011, p. 116, destaca a importância dos músicos e cantores no culto, mas relata uma triste realidade:

"Nessa área do louvor, infelizmente, há muitas distorções. Um verdadeiro mercantilismo vil tem prejudicado a adoração a Deus. Há cantores que se transformaram em mercadores do louvor. Só cantam se receberem 'polpudos' cachês, de acordo com a procura e a oferta pelos "artistas" gospel. Hoje, há muitos que se dizem levitas, mas não querem submeter-se aos sacerdotes líderes, que são pastores e dirigentes, nas igrejas. Boa parte deles não tem pastor. Tem empresários".

A prática do mercantilismo está associada ao profissionalismo, ou seja, o ganho financeiro tornou-se a razão última da atividade de muitos cantores e músicos cristãos. É absurdo o volume de CD´s gravados e lançados, de pessoas que apesar de bem intencionadas, não possuem o talento musical necessário (se desejar pode chamar de dom) para tal produção. É claro que a Bíblia diz que todo o ser que tem fôlego deve louvar ao Senhor (Sl 150.6), mas não diz que tem que gravar CD. O pior, é que depois que gravam, passam a querer que os pastores abram em todos cultos espaços para que cantem, para assim divulgar o "trabalho".

Muitos, além de desafinados são abusados. Testemunhei no último final de semana uma cena, onde a cantora insatisfeita por não ter sido chamada para sentar na tribuna, ficou mandando indireta para o dirigente do culto. Muitos destes "levitas", quando recebem a oportunidade para cantar, pregam, doutrinam, dão testemunho, ou seja, resolvem fazer o show completo, sem o mínimo respeito pelo dirigente e pela ordem do culto.

Há "levitas" que são adúlteros, insubmissos (ou sem pastor), beberrões, enganadores, mentirosos, iníquos disfarçados de santos, e que estão por aí enganando a todos e cantando para a sua própria glória e lucro. Precisam ser purificados pelo sangue de Jesus e abandonar a prática deliberada do pecado.

Outros "levitas" modernos querem também administrar até o som da igreja, sempre reclamam da qualidade ou da altura do mesmo.

O trabalhador é digno do seu salário (Lc 10.7), mas o abuso de alguns é descarado com a cobrança de cachês absurdos, que não se justificam. No Brasil, há levitas cantores (pregadores também) cobrando cachês de R$ 10, 20, 30 mil para se "apresentarem". Mas, como já escrevi, enquanto tiver quem pague, haverá quem cobre e ganhe. Aliás, muitos eventos promovem o mútuo interesse em ganhar público e dinheiro por parte de quem convida e de quem é convidado. Há casos de cobrança de ingressos. As ofertas são "rachadas" em alguns shows, chamados de cultos, entre o pastor empresário e o levita artista.

Felizmente, em meio a tanta distorção, há aqueles levitas cantores que horam a Deus e aos pastores através do seu canto, de sua música e da sua vida, e se alegram com a justa provisão de Deus.

A PURIFICAÇÃO DOS SACERDOTES E LEVITAS

"E purificaram-se os sacerdotes e os levitas; e logo purificaram o povo, e as portas, e o muro." (Ne 12.30)

O ato de purificar-se tem conotação com santidade de vida. Pensamentos, palavras e obras devem estar livres de qualquer coisa que torne o adorador "impuro".

A condição de "pureza" deve ser primeiro vista na liderança da igreja, para em seguida ser imitada e buscada pelo povo.

Fico perplexo com o discurso de alguns líderes, que dão ênfase a uma pureza "doutrinária" (equivocadamente com ênfase em usos e costumes), mas vivem uma verdadeira anarquia moral.

São líderes impecáveis no discurso, mas reprováveis na prática.

São líderes que combatem brincos, colares, pulseiras, maquiagem, televisão, internet, etc. mas, que estão envolvidos com corrupção, roubo, adultério, suborno, esquemas fraudulentos e toda a sorte de articulação para se manterem, ou tirar vantagem do "poder" da posição que ocupam.

São líderes rigorosos com os seus auxiliares e com o povo, mas não possuem o mesmo rigor com a sua familia. Com um discurso de falsa pureza, censuram as jovens da igreja que usam calça comprida, jóias e maquiagem, mas as próprias filhas (e até a esposa) se vestem e se adornam da mesma maneira. É preciso acabar com esta hipocrisia. É preciso combater tal incoerência.

São líderes que chamam de liberais os que não aceitam o seu legalismo e farisaísmo evangélico.

São líderes que falam do avanço do Reino, mas que negociam campos eclesiásticos e o patrimônio da igreja local. São empresários da fé metidos em questões judiciais, promotores de escândalos.

São líderes cínicos e loucos, que já perderam o temor de Deus, que já cauterizaram a própria consciência.

São líderes que se protegem na capa de "ungido", mas que já estão reprovados por Deus.

São líderes com aparência de espirituais, mas que são carnais.

São líderes que disputam e defendem a presidência de igrejas e de convenções a todo custo, mas que já foram vomitados pelo Senhor da Igreja.

São líderes que enriquecem às custas da exploração dos simples.

São líderes que afirmam combater o diabo, mas que já venderam a alma ao próprio.

Graças a Deus pelos líderes crentes e santos que ainda militam pela causa do mestre.

Que o Senhor nos purifique (líderes, levitas e cantores) dos nossos pecados, e que nos convertamos a Ele.

CULTO E LITURGIA SANTA

Muitas das mazelas que contemplamos em nossos cultos são decorrentes do estado moral e espiritual caóticos em que vive algumas lideranças e igrejas.

O culto e a forma de realizá-lo (liturgia), deixou de buscar a glória de Deus, e agora serve aos interesses humanos da busca por cura, libertação, prosperidade, problemas de justiça, etc. As necessidades humanas estão presentes na grande maioria das mensagens e hinos, em detrimento de um louvor e de uma adoração que proclame as obras e os atributos de Deus.

Para manter alguns cultos "cheios", a pregação da Palavra foi trocada por "atrações" ou por promessas de "bênçãos" aos espectadores ou clientes. Temos agora muitos templos cheios, mas igrejas doentes.

O culto perdeu a sua forma simples de ser, e agora, enquadrado na sua nova e moderna razão de ser (comercial), tem nomes atrativos, do tipo "Culto da Vitória", "Culto da Conquista", "Culto da Virada", "Culto do Milagre" etc.

Pois é, templos grandes e cultos cheios, na cabeça de muitos é sinônimo de status e poder de liderança. É uma marca do sucesso ministerial. Puro engano e tolice.

Culto e liturgia restaurados, só serão possíveis quando a liderança e o povo forem restaurados, purificados e libertos dos seus pecados.

Que tal começarmos restaurando a oração nos cultos. O relato abaixo, feito pelo historiador Emílio Conde sobre um culto realizado entre 1925-1926, nos revela o quanto precisamos retornar às boas e salutares práticas litúrgicas:

"Às sete horas da noite os crentes começavam a reunir-se. Vêm depressa e enchem o salão. A primeira coisa que fazem quando entram é dobrar os joelhos e orar. Alguns oram alto e outros em silêncio. Mais e mais pessoas chegam, todas alegres e cheias de zelo pela obra de Deus. Ninguém fica conversando antes do culto, mas todos estão orando fervorosamente a Deus pelo bom andamento do culto". (Texto extraído da obra "Diário do Pioneiro", de Ivar Vingren, publicado pela CPAD, 2010, p. 142)

Os estudos no livro de Neemias estão nos oferecendo uma boa oportunidade para refletirmos sobre a nossa própria condição.

Que esta reflexão produza em nós transformação para a glória de Deus.

5 comentários:

tadeu disse...

Pr Altair, é bíblico a igreja pagar ou dá ofertas a cantores evangélicos? quando as Escrituras dizem que o obreiro é digno de seu salário, se refere a qualquer obra, inclusive cantar? o N.T respalda outros ministérios que não estejam na bíblia e que sejam merecedores de ofertas e sustentos? Não estou desqualificando os que cantam; quero somente entender se 1 Co. 9.9-14 e 1Tm 5.17,18 se aplicam a outras atividades?

Pedro Henrique disse...

Olá, Pr. Altair Germano! A Paz do Senhor Jesus!

Admiro muito o teu trabalho, e tenho aprendido muito com o senhor. Que Deus o abençoe grandemente, para Sua própria glória!

Abraços,

PH


P.S: Como posso adquirir o teu livro "Batismo no Espírito Santo..."?

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Tadeu, no Antigo Testamento temos a evidência de que os levitas cantores recebiam a devida manutenção (Dt 12.19; Ne 13.10).

Entendo que a atual ajuda financeira que regentes, músicos e cantores recebem em algumas igrejas não fere os princípios da Palavra de Deus.

É necessário ter cuidado para que a ajuda financeira não se torne o principal objetivo do servo de Deus, seja ele músico, pregador, etc.

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Pedro, conto com as suas orações.

Abraços,

Samuel Borges disse...

Amado Pr. Altair,

Muito bom comentário. Em Neemias, encontramos uma reordenação do culto sagrado/mosaico. Para aplicar mais extensivamente a lição nos dias de hoje, teríamos que tocar em outros pontos: O culto à liturgia em muitos lugares está cansando a Igreja. Já vi oração "atrapalhar" o andamento de uma atividade da Igreja.Mas, como está na liturgia ninguém mexe; A questão finanças(entrada e saída) na Igreja organização, se não estabelecermos limites com a participação da Igreja,não só do ministério, teremos muitos escândalos adiante. É sério. Confesso que gostaria de está errado;Por justiça social, separar zeladoria do templo do "sagrado", pois é de ordem administrativa, remunerando dignamente. Hoje na igreja organização, quando a favorece, não se separa Israel da Igreja Cristã. Que Deus tenha misericórdia de nós.
De modo que, a contextualização da lição precisa ser mais realista. Com todo respeito.