quarta-feira, 17 de agosto de 2011

SE LIBERTE DA FALÁCIA DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE E DA VITÓRIA FINANCEIRA



A ASCENSÃO DA TEOLOGIA DA PROSPERIDADE NAS IGREJAS PENTECOSTAIS


"Como movimento “doutrinário”, a Teologia da Prosperidade se desenvolveu após os anos 70, encontrando espaço nos grupos evangélicos pentecostais. Sobre isto comenta Pieratt (1993, p. 21):


[...] o pentecostalismo não foi o pai desse novo evangelho, embora talvez possa ser chamado de padrasto, por causa da forma como o abraçou e seguiu seus ensinos. Então, a primeira pergunta que se levanta é por que as denominações pentecostais têm sido mais abertas a esse ensino do que qualquer outro grupo protestante. A resposta parece estar na tendência que elas têm de aceitar dons de profecia e profetas dos dias atuais que afirmam exercer esses dons. Por causa da abertura para visões, revelações e orientações espirituais contínuas fora da Bíblia, cria-se um espaço para a entrada das afirmações do evangelho da prosperidade.


Uma afirmação muito interessante neste enunciado de Pieratt é o fato de que o evangelho da prosperidade não se sustenta na autoridade das Santas Escrituras, mas, na autoridade dos “profetas” da atualidade (ou dos carismas). O motivo disto é a sua fraca sustentação à luz de uma análise exegética e hermenêutica séria e ortodoxa, baseada numa interpretação histórico-gramatical da Bíblia. Observe o que escreveu Hagin: “O próprio Senhor me ensinou sobre a prosperidade [...] recebi isso diretamente do céu.” (in How God Taugh Me About Prosperith, 1991 apud ANKERBERG e WELDON, 1996, p. 32). Em Solving the Mystery of the Miracle Money (Resolvendo o Mistério do Dinheiro Milagroso), Robert Tilton afirma que: “As palavras deste livro não são minhas; são palavras do [...] Espírito Santos [...].” (apud idem, p.33).


Em qualquer época, toda reivindicação de autoridade profética, ou de veracidade da profecia, esteve relacionado à revelação de Deus em seus escritos inspirados:


Quando profeta ou sonhador se levantar no meio de ti e te anunciar um sinal ou prodígio, e suceder o tal sinal ou prodígio de que te houver falado, e disser: Vamos após outros deuses, que não conheceste, e sirvamo-los, não ouvirás as palavras desse profeta ou sonhador; porquanto o SENHOR, vosso Deus, vos prova, para saber se amais o SENHOR, vosso Deus, de todo o vosso coração e de toda a vossa alma. Andareis após o SENHOR, vosso Deus, e a ele temereis; guardareis os seus mandamentos, ouvireis a sua voz, a ele servireis e a ele vos achegareis. (Dt 13.1-4, ARA)


Profecia e teologia devem caminhar de mãos dadas, sendo toda profecia passiva de julgamento (1 Co 14.29) pela teologia (interpretação e sistematização dos mandamentos). A voz de Deus nos mandamentos (texto inspirado), não pode destoar da voz de Deus na profecia (carisma inspirado). Desta forma, teologia e profecia se complementam, em vez de serem entendidas como manifestações antagônicas.


Outro fato digno de nota foi que a doutrina da prosperidade em sua origem, esteve intimamente relacionada à expansão do televangelismo norte-americano:


A origem das doutrinas sobre prosperidade manteve íntima conexão com a expansão do televangelismo norte-americano. Segundo Hadden e Shupe (1987, p. 66-69), em função do aumento da competição entre os televangelistas, o tempo na TV tornou-se muito caro para eles. O custo dos programas subiu mais que a audiência. Pressionados pelas despesas crescentes de seus projetos, que foram se tornando cada vez mais ambiciosos, os televangelistas refinaram as formas de levantar fundos, integrando os apelos financeiros à teologia, que, entre os anos 50 e 60, passou a absorver os ensinos de Hagin. Deste modo, as exigências econômicas do veículo de transmissão da mensagem religiosa acabaram por integrar e, em parte, moldar seu conteúdo. Não é a toa que a Teologia da Prosperidade ingressou no Brasil e se espraiou em diversos segmentos evangélicos por meio dos neopentecostais, justamente os mais ativos difusores do televangelismo entre nós. (MARIANO, ibdem)"


A história se repete no Brasil.

Leia todo o artigo acima em "Uma Igreja com Saúde", meu novo livro lançado pela Arte Editorial, e saiba a verdade sobre a heresia e os profetas da Teologia da Prosperidade e da Vitória Financeira.

Mantenho o meu repúdio diante desta vergonha para a igreja evangélica no Brasil.

3 comentários:

O IRMÃO FÉLIX disse...

Pr. Altair,é lamentável que nos dias atuais, muitas Igrejas ditas cristãs, façam tanta apologia à essa pseuda doutrina da prosperidade! e o pior, muitos crentes estão se deixando levar por essa falácia. A nossa prosperidae está no Senhor. Fora Dele ninguém consegue dar um passo.

Eliel Moura disse...

Preazado Pr. Altair,Paz do Senhor!

Oportunissimo seu artigo sbre a teologia da prosperidade,visto que grassa em nossos pulpitos pregadores ensinando tal doutrina. Gostaria de ouvir um artigo seu sobre os 5 pontos do calvinismo,ja que temos nas nossas igrejas pentecostais,tanto pessoas que pregam o calvinismo, com arminianismo e nem sabem de que se trata. Um abraço. Pb. Eliel Moura.

Eliel Moura disse...

Prezado Pr. Altair, Paz do Senhor! Oportunissimo o artigo sobre a Teologia da Prosperidade, pois ,embora tenha iniciado nos anos 70, hj vemos em plenos pulpitos das assembleias de Deus, obreiros incautos, pregando tal heresia. Gostaria que falasse sobre os 5 pontos do calvinismo, visto que muitos nas nossas igrejas pregam e nem sabem o que ´´e, assim como sobre arminianismo e qual a posiçao doutrinaria da A.D.(. Eliel Barbosa )