segunda-feira, 25 de abril de 2011

A IMPORTÂNCIA DOS DONS ESPIRITUAIS. Subsídio para Lição Bíblica da CPAD - 2º Trimestre 2011

Mais uma vez estudaremos sobre os Dons Espirituais em uma lição bíblica. O comentário abaixo foi publicado originalmente em 01/06/2009, como subsídio para a lição que estudou a 1ª carta de Paulos aos coríntios, comentada pelo pastor Antonio Gilberto.

Trago novamente algumas considerações, principalmente sobre o Batismo com o Espírito Santo e os Dons Espirituais, assunto este que divide opiniões no meio pentecostal assembleiano.

Algumas adaptações foram feitas no texto abaixo, para se adequar ao comentário da lição 5 do presente trimestre.

1. É o Espírito Santo quem realiza as manifestações sobrenaturais dos dons (1 Co 12.11a). Os dons não podem ser "usados" quando bem queremos. É Deus, por seu Espírito, que nos usa, e isto quando bem quer. Há muitos que tentam usar a Deus. Fico surpreso quando pregadores e ensinadores cristãos "mandam" que os seus ouvintes falem em línguas. Falamos em línguas quando queremos, ou nos é concedido falar pelo Espírito (1 Co 12.7)? Certa vez um irmão me falou que tinha recebido o dom de línguas. Para comprovar o fato me disse: "recebi sim o dom de línguas, olha aqui..." e começou a falar em línguas (um negócio realmente muito estranho). Numa igreja batista em J. Pessoa-PB, apareceu uma certa irmã tentando dar aulas de como falar em novas línguas. Tem até um padre na internet que ensina a falar em língua (CLICK AQUI). Demos aqui o exemplo do dom de línguas, mas nenhum outro dom pode ser manipulado por quem quer que seja. Pode-se manipular pessoas, mas não os verdadeiros dons espirituais aqui tratados, que manifestam-se eventualmente, inesperadamente e imprevisivelmente;

2. A concessão dos dons espirituais não está fundamentada nos méritos humanos (1 Co 12.11b, 18). É o Espírito que distribui os dons, a cada um, como bem quer (soberanamente). Cargos e funções na igreja podem ser concedidos pelos líderes por amizade, paternalismo, politicagem, interesses pessoais etc., mas o Espírito não age assim. Ele é santo e reto. Não se barganha com o Espírito, nem ninguém pode comprá-lo;

3. Os dons espirituais não nos tornam melhores do que ninguém (1 Co 12.10-27). O dons espirituais não são um atestado de boa conduta, nem transforma o caráter cristão. Apesar da manifestação dos dons na igreja de Corinto, uma série de problemas de ordem moral, familiar, eclesial etc. lá aconteciam. Os portadores dos dons espirituais não são crentes de primeira classe, nem devem se vangloriar pelos dons, pois são concedidos para a edificação pessoal e da igreja (1 Co 14.4) mediante a graça e a misericórdia de Jesus;

4. O dom de línguas (assim como os demais) não é concedido pelo Espírito a todos (1 Co 12.30). Resolvi enfatizar a concessão do dom de línguas, pela importância extremada que ele recebeu no meio pentecostal assembleiano. Temos pelo menos três maneiras de entender o que Paulo quiz dizer com: "Falam todos em outras linguas?". A primeira, é afirmar que nem todos poderão ser batizados com o Espírito Santo e por isso não falarão em outras línguas. A segunda, é dizer que as pessoas que falaram em línguas por ocasião do batismo e não mais voltaram a falar, negligenciaram o dom (é a forma mais comum de interpretar o fato). A terceira, entende que todos poderão ser batizados com o Espírito Santo, evidenciando-se tal batismo pela manifestação de línguas (At 2.1-13, 37-39; 8.14-19; 10.44-48). Neste caso, muitos só falaram (ou falarão) em línguas por ocasião do batismo, mas por não terem simultaneamente ou posteriormente recebido o dom de "variedade de línguas", nunca mais falarão. Particularmente, prefiro essa terceira hipótese por entender que se alinha melhor ao contexto da concessão dos dons.

5. O dom de profecia é mais útil e superior ao dom de línguas (1 Co 14.1-5). Deixemos que o próprio texto bíblico no fale: "Segui o amor e procurai, com zelo, os dons espirituais, mas principalmente que profetizeis. Pois quem fala em outra língua não fala a homens, senão a Deus, visto que ninguém o entende, e em espírito fala mistérios. Mas o que profetiza fala aos homens, edificando, exortando e consolando. O que fala em outra língua a si mesmo se edifica, mas o que profetiza edifica a igreja. Eu quisera que vós todos falásseis em outras línguas; muito mais, porém, que profetizásseis; pois quem profetiza é superior ao que fala em outras línguas, salvo se as interpretar, para que a igreja receba edificação." É triste e lamentável ver na igreja irmãos serem tidos por "menos" espirituais por não falar em línguas, ou não falar línguas em público. Haja ignorância e desconhecimento dos ensinamentos bíblicos! Por outro lado, há milhares de crentes que falam em línguas, ou manifestam algum outro dom do Espírito, que tratam mal a mulher e os filhos, são arrogantes, caloteiros, invejosos, maldizentes, com terríveis falhas de caráter e etc. Parecem ser espirituais, mais é somente "fachada". Não se espante. Saul, mesmo reprovado por Deus ainda profetizou (1 Sm 15.22-28; 19.20-24). Muitos que aparentam ter algum nível de espiritualidade, não são, nem serão conhecidos do Senhor (Mt 7.22-23);

6. O batismo com o Espírito Santo não é prerrogativa para se receber todos os dons espirituais (1 Co 1.1-7). A não ser no caso do dom de variedade de línguas (por questões lógicas e óbvias da Teologia Pentecostal), entendo que os demais dons de manifestação do Espírito não necessitam do batismo com o Espírito Santo para atuarem na vida do crente salvo (alguns declaram que para interpretar as línguas é necessário ser batizado com o Espírito Santo). Na vida de milhares de servos de Deus os dons de manifestação do Espírito estão presentes por se crer em sua atualidade, sem que todos estes sejam batizado com o Espírito Santo. O pastor Antonio Gilberto, comentando a lição bíblica do 2º Trimestre de 2009, afirma que Daniel tinha o dom da palavra da sabedoria (Dn 1.17; 5.11, 12; 10.1), em Eliseu operava o dom da palavra da ciência (2 Rs 5.25, 26) e em Aías (1 Rs 14.1-8), Moisés, Elias, Eliseu e inúmeros outros servos de Deus tinham o dom de operação de maravilhas (Js 10.12-14; Jo 6; At 8.6, 13; 19.11;). Eram Moisés, Daniel, Elias, e Eliseu batizados com o Espírito Santo, para que estes fenômenos através de suas vidas se manifestassem? Certamente você conhece irmãos e irmãs, servos e servas de Deus (das mais variadas igrejas, inclusive tradicionais) que manifestam em suas vidas alguns dos dons de manifestação do Espírito, sem serem batizados com o Espírito Santo (revestimento de poder evidenciado pelo falar em outras línguas).

7. A biblicidade dos dons (At 17.11). Nenhuma tradição, credo ou teologia está acima da verdade revelada nas Santas Escrituras. Nenhum ensino doutrinário e teológico dever ser recebido passivamente, sem a devida análise crítica e investigação, considerando os princípios da boa e saudável hermenêutica bíblica.

8. A não exclusividade dos dons (1 Co 12.4-6). Nenhuma denominação evangélica é detentora dos direitos e privilégios exclusivos da manifestação do Espírito, que opera tudo em todos.

9. A disponibilidade dos dons (1 Co 13.31 e 14.1). Nenhum crente salvo deve se privar destas bençãos e de ser uma benção, antes, deve buscar com zelo os melhores dons, e assim conhecer um caminho ainda mais excelente.

O estudo, o desejo e a busca pelos dons espirituais devem ser uma constante na vida dos filhos de Deus.

São José dos Campos-SP, 25/04/2011

14 comentários:

Ícaro Lenine disse...

A paz do Senhor, pastor Altair

Uma idéia me chamou atenção nesse texto e me fez pensar sobre a vontade de Deus em contraste com as determinações da religião. De acordo com o Estatuto da Ieadern, um irmão só poderá ser consagrado a pastor/dirigente de igreja, ser dentre outras coisas batizado com o Espírito Santo.

No entanto, a Bíblia nos revela que nem todos os crentes necessariamente receberão esse revestimento de poder como o senhor fala neste artigo.

Então, no caso de alguém ter um chamado de Deus para o episcopado e cumprir todos os requisitos expressos em 1 timóteo 3 e não ter o batismo no Espírito Santo, Deus teria que mudar esse irmão de estado para ele assumir o seu chamado?

Sei que essa pergunta está mais relacionada com as regras da denominação do que a referida questão bíblica mas ainda assim gostaria de saber a opnião do Senhor.

Abraço

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Ícaro,

analisando sua pergunta em termos "denominacionais", há basicamente dois caminhos diante da situação exposta:

1. Se há convicção de um chamado para o ministério, e a certeza de que Deus fará isso na denominação que exige o Batismo com o Espírito Santo, só resta esperar;

2. Se há convicação de um chamado ao ministério, mas não há certeza de que Deus fará isso na denominação que exige o Batismo com o Espírito Santo, sugiro que a pessoa não batizada ore sobre o assunto (sem deixar de buscar o batismo), que com certeza o Senhor dará a direção certa. Ele é o maior interessado nisso, e deixará tudo muito claro.

Abraços e paz do Senhor.

Abraços e paz do Senhor.

T.D disse...

Mas pelo que entendi o Pr. Altair em nenhum momento diz que Deus não reveste a todos com o seu poder. Ele disse que nem todos possuem o dom de línguas, o que é diferente.

Gideonitas Jovens e Adolescentes para Cristo disse...

A Paz do Senhor

Dentro do assunto "A Importância dos Dons Espirituais" o senhor colocou de uma forma clara:

1 - a evidência das línguas como prova do batismo com o Espírito Santo e
2 - dom do falar em outras línguas

Entendo que alguns pensamentos divergem em torno do assunto, por esta razão, insisto com uma pergunta, apesar é claro de ter encontrado a resposta na leitura de seu blog.

O crente batizado com o Espírito Santo falará em outra(s) Língua(s), isto é fato, mas ele obrigatoriamente continuará exercendo o falar em outra(s) língua(s)?

Débora Rejane disse...

A paz do Senhor Pr. Altair

O assunto desta lição é muito bom e edificante, abre nossa mente para buscar mais do que Deus tem pra nos oferecer.

Infelizmente, por falta de conhecimento, esse assunto tem provocado discussões entre muitos irmãos que citam o exemplo dos discípulos que primeiro foram revestidos com o poder do Espírito Santo, pra depois saírem proclamando as boas novas. Assim "alguns" entenderam que os não batizados com o Espírito Santo, não podem pregar o evangelho.

Fiquei muito triste com essa opnião...

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado TD, de fato a promessa é para todos conforme Atos 2.39.

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Gideonitas,

a promessa do batismo com o Espírito Santo com a evidência do falar em línguas é para todos (At 2.39), mas o dom de variedade de linguas não (1 Co 12.30.

Dessa forma, o que fala em línguas por ocasião do batismo com o Espírito Santo só continuará a falar caso receba o dom de variedade de línguas.

Abraços,

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezada Débora,

que o Senhor nos ajude na interpretação e entendimento de sua palavra.

Abraços,

Pr Valdecy Martins disse...

Parabens pela coerencia de ideias, gosto do seu blog, semre estou por aqui lendo e aprendendo. recentemente criei um blog tambem, fique avontade para dar uma olhadinha, aceito sugestoes. http://prvaldecymartins.blogspot.com/

Jardel disse...

A Paz do Senhor!
Pastor Altair, tenho acompanhado os seus posts e tem muito me edificado pela palavra pregada pelo sr.
Mas, vendo a sua resposta ao Gideonitas, na parte abaixo:

"Dessa forma, o que fala em línguas por ocasião do batismo com o Espírito Santo só continuará a falar caso receba o dom de variedade de línguas."

Essa foi a parte que não entendi, pois se sou batizado com o Espirito Santo falo em linguas apenas momento do batismo? Ou posso falar em linguas sem receber o Dom de Variedades de Linguas?
Desculpe se estou sendo ignorante, mas é que tive essa pequena duvida.
sds,
Jardel França

Mara Dallenna disse...

Pr. Altair, na lição dos professores, contém um quadro (pg. 35), onde diz que os dons espirituais vêm após o batismo com o Espírito Santo.
O seu comentário e eu também, discordo disso, pois acredito que o batismo não é pré-requisito para recebimento de dons espirituais.
Como podemos resolver isto? Acredito que o Pr. Elienai Cabral se equivocou e portanto seria interessante uma errata, enviada a todos os alunos da EBD, para que não se propaguem idéias errôneas acerca da doutrina bíblica!
um abraço!!!!

P.S.: Cadê meus textos, hein?? rsrsrs...

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezada Dallena,

- "como podemos resolver isto?":

Por enquanto o caso está sem solução devido a falta de clareza bíblica sobre o assunto, o que dá margens para as duas perspectivas. Entre as duas, minha opinião é a que foi exposta no post, que considra Escritura e experiência.

- No caso da lição, o quadro onde aparece a posição sobre os dons em relação ao batismo pode não expressar a opinião do comentarista, pois faz parte da edição da lição.

Abraços,

Mara Dallenna disse...

Mas que ficou estranho ficou. O pior: se corremos o risco de cair em erros por conta de um editor,isto também seria preocupante...
Lá em casa foi uma confusão só por conta disso no almoço do domingo! rsrsrs...

Dam disse...

Como assim o comentarista escreve a lição e o pessoal da edição pode colocar informações sem o comentarista saber??? que estranho...O pior de tudo é ouvir do professor de EBD que se está escrito na revista é verdade pq quem escreveu foi o pastor fulano de tal que é mto sábio. Para mim, ele pode ser o mais sábio do mundo inteiro mas se não está claro na Bíblia se trata apenas de um "achismo" e ele deveria deixar isso claro na lição e não colocar a coisa como bíblica.