quarta-feira, 3 de novembro de 2010

POR UM CONCÍLIO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL (5)

Daniel Berg e Gunnar Vingren, os pioneiros das Assembleias de Deus no Brasil
(Fonte: www.centenarioadbrasil.org.br)


Com este post concluo as minhas considerações sobre a necessidade de um concílio (ou como queiram chamar) das Assembleias de Deus no Brasil, desde que as questões por mim citadas, e outras mais que poderíamos citar, sejam discutidas, analisadas e decididas à luz da Bíblia Sagrada.

Como resposta dos leitores ao exposto em meus textos, trabalho com as seguintes possibilidades:

1. A ideia de um concílio, ou de algo parecido, é totalmente impraticável, tendo em vista as complexidades locais, estaduais e regionais das Assembleias de Deus no Brasil. Nossa igreja não possui uma sede nacional. Cada convenção e igrejas nos estados são autônomos e livres para decidirem suas questões;

2. É melhor deixar isso quieto. Há outras questões para nos preocuparmos. Aliás, poderia ser gerado mais problemas e divisões do que já temos;

3. Esse negócio de concílio é coisa de cabeça de teólogo. É bom não remover os "marcos antigos";

4. Um concílio seria interessante apenas para tratar de questões "essenciais" da fé (aquelas resumidas no credo). As questões periféricas deixaríamos em aberto;

5. Um concílio, ou como queiram chamar, é algo de extrema importância para tratar de assuntos "essenciais" e "periféricos" da fé. Tal ideia se sustenta à luz do Novo Testamento, onde a busca pela unidade doutrinária é claramente incentivada (2 Tm 2.1-2; 3.10-17).

Espero com tudo isso, às vésperas do centenário, estar de alguma forma contribuíndo para o bem (presente e futuro) das Assembleias de Deus no Brasil, mesmo correndo o risco de ser mal compreendido por uns e ignorado por outros.

Deus vos abençoe e orem por mim.

11 comentários:

Matias Borba disse...

Pastor Altair,
a Paz!

De todos os seus posts em que propõe um concílio, uma pequena parte de seus textos me chamou a atenção para algumas reflexões, onde o senhor diz:

"Nos dias atuais, em muitas instituições de ensino teológico, o que vemos ainda é a simples reprodução de doutrina e de teologia, sem nenhum pensamento ou argumento crítico, aliás, quando alguém esboça tal iniciativa corre o risco de ser enquadrado no rol dos hereges ou dos subversivos. "É proibido pensar"(...)

Bem, o que fico a pensar é que, a AD está tão fraguimentada, que a aceitação 'da necessidade' de um concílio é algo que eu realmente me pergunto se os pincípais lideris irão concordar pois, nós não conseguimos nem resolver coisas voltadas para nossos conflitos denominacionais (a começar aqui em PE, se o senhor me entende), o que dizer quanto a uestões doutrinárias?

Se em escolas teológicas o aluno é "proibido de pensar (assim como no ensino secular), como iremos chegar a uma concordância de que já passou da hora de termos um concílio?

Enquanto não chegarmos a um denominador comum, de quê quem mais sofre com nossos "conflitos" doutrinário é o ensino em nossas igrejas, temo que as coisas só venham a piorar em pleno centenário.

Agora veja uma coisa: o peso do ministério de um homem de Deus. A questão sob a qual o senhor propôs o concílio, se deu logo após o pastor Ciro tratar de uma questão muito polêmica, até então nunca exposto de da forma que foi por alguém que participa dos eventos da CPAD Então me pergunto: será que outros obreiros filiados a CGADB também não pensam, ou podem pensar diferente do que se propõe a fazer a casa?

Acho que a questão pode ser grave, mas a gravidade das coisas somos nós quem definimos. Se deixarmos certas questões passar em branco, então a natureza de Cristo não é algo grave a ser discutido, porém, se dermos uma atenção especial a isto, creio que estaremos no melhor caminho para a AD no Brasil.

Um abraço e parabéns pela proposta!

EMMERSON disse...

PAZ PASTOR ALTAIR!
E SOBRE O PROBLEMA ECLESIÁSTICO: EVANGELISTA, DIÁCONO, PRESBÍTERO ETC. VENHO CORROBORAR COM O POST PASSADO REFERINDO-ME AO QUE DIZ RESPEITO AO EVANGELISTA.
SEGUNDO CALVINO (E COM ELE CONCORDO) EVANGELISTA ERA UMA FUNÇÃO IDÊNTICO AO DOS APÓSTOLOS. “PORÉM DE UMA CATEGORIA INFERIOR. NESSA CLASSE INCLUÍAM-SE TIMÓTEIO E AQUELES COMO ELE, POIS, ENQUANTO PAULO O ASSOCIA CONSIGO EM SUAS SAUDAÇÕES, ELE NÃO O INCLUI NO ROL DOS COMPANHEIROS DE APOSTOLADO, SENÃO QUE REIVINDICA ESSE TÍTULO COMO PECULIARMENTE SEU. PORTANTO, O SENHOR OS USOU COMO SUBSIDÁRIOS AOS APÓSTOLOS, A QUEM SE ASSEMELHAVAM EM CATEGORIA”. (FIEL, 2007, P.96,97.)
“Por evangelistas entendo aqueles que, embora fossem menores que os
apóstolos em dignidade, entretanto mais perto estavam em seu ofício, e até às vezes
se assemelhavam a eles, como, por exemplo, Lucas, Timóteo, Tito e demais como
eles; e talvez também os setenta discípulos que Cristo designou em segundo lugar
após os apóstolos [Lc 10.1].
Segundo esta interpretação, a qual me parece coerente tanto com as palavras
68 LIVRO IV
quanto com a opinião de Paulo, essas três funções não foram por isso instituídas na
igreja para que fossem perpétuas, mas apenas para esse tempo em que deveriam ser
implantadas igrejas onde nenhuma havia antes existido, ou certamente tinham de
ser transpostas de Moisés para Cristo. Embora eu não negue que depois houve também
apóstolos, ou pelo menos evangelistas no lugar deles, Deus às vezes os suscitava,
como ocorreu em nosso tempo. Pois por meio deles se fez necessário que reconduzissem,
da defecção do Anticristo, de volta a Igreja. Contudo, ao próprio ofício
chamo extraordinário, porquanto ele não tem lugar nas igrejas regularmente constituídas”.(UNESP, 2009, tomo 2, p. 504,505).

EMMERSON disse...

PAZ DO SENHOR PASTOR!

NOVAMENTE SOBRE OS CARGOS ECLESIÁSTICOS, O PROBLEMA MAIOR NÃO É NA TEOLOGIA, OU SEJA, SE É TÍTULO, OFÍCIO, DE DIREITO , DE FATO... ESTÁ NO SIMPLES DEVER DE SER! HOJE UM EVANGELISTA NÃO É UM EVANGELISTA! COMO ASSIM? O EVANGELISTA COMO NÓS SABEMOS E TEMOS MUITOS SUBSÍDIOS PARA PREENCHERMOS NOSSAS DÚVIDAS, ELE ESTÁ CONFIGURADO NA POSIÇÃO DE EVANGELIZAR! HOJE O EVANGELISTA TOMA CONTA DE "ÁREA", TOMA CONTA DE "CONGREGAÇÃO" E OUTROS NEM FAZEM O SEU PAPEL! O DIÁCONO PREGA TOMA CONTA DE "CONGREGAÇÃO" EU NÃO ENTENDO? SERÁ QUE ESTE É OUTRO EVANGELHO?

Luis disse...

Pr. Altair.

Se é impossível fazer um concílio nas Assembleias de Deus pelos motivos que o Sr. citou, isto não se aplica à internet.

Porque não se reune os pastores e teologos blogueiros e formam um concílio na internet. Não estou falando de um concílio oficial, mas para delimear as atividades na internet.

Hoje, você sai de um blog e quando entra no outro encontra uma grande contradição.

Isto seria possível?

klebersantos disse...

A paz do Senhor Jesus!,Pr:Altair...

pastor altair eu não tenho nem 0000% da capacidade dos teologos que descuti o assunto (100%),em relação ao conhecimento bíblico que voces tem.(com muito respeito)

Mais eu fico pensando comigo mesmo,o que o A postolo Paulo escreveu na sua espitola aos Romanos no capitulo 11,vv 33-36.

Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos!

Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro?

Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído?

Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!


agora eu pergunto pastor Altair! quem é que nunca deu um só deslize.
ou que ensinou algo e que não depois mudou de opinião?

escutando uma palestra do pastor Paulo Romeiro ele disse...NINGUEM TEM UMA TEOLOGIA PERFEITA.

Equilibrio Sim.....

em Cristo Jesus
kleber de sá

EMMERSON disse...

Caro irmão Kleber Santos!
Também me enquadro no que você disse sobre a capacidade que temos comparada com a do nosso pastor Altair e dos demais teólogos. Mas é muito importante definirmos nossas crenças e teologia, pois a assembléia de Deus não tem unidade! Nossa interpretação bíblica pelo o que eu conheço, é adotada a interpretação histórica gramatical, e hoje o que vemos nos nossos púlpitos é um show de horrores! Pastores interpretando de sua maneira, as santas Escrituras, alegorias insanas, pontos de vistas inacreditáveis, novas “revelações”, profecias absurdas, misticismos e crendices, pura sandice!
É difícil você assimilar a teologia assembleiana, são muitas controvérsias. Pastores pregam uma coisa e outro diz outra, um ensina uma doutrina, e outro desfaz o que o pastor pregou na sua própria congregação. Nós temos quatorze (14) credos! Sete (07) deles são baseados em um ou dois versículos, veja... Com todo respeito, a pobreza de embasamento bíblico. E se perguntar na sua congregação quais são esses credos? 90% não sabem que credos são esses. Isso sugere urgentemente um concílio desde que seja presidida por Cristo e direcionada pelo Espírito!
Os reformados dispõem de muitos documentos além das Escrituras, para trazer uma interpretação pelo menos mais coerente e embasada, eles abraçam as confissões e os catecismos, que são um tipo de interpretação resumida da Bíblia, e isso é muito considerável e extremamente importante, pois alguém pode dizer: e não pode conter erros nesses documentos? Sim! Pode conter porque o homem é falho, mas é muito provável que esses documentos tenham mais valor do que a interpretação de um teólogo do século xx ou xxI. Pois foram pessoas que já examinaram, sopesaram outros documentos mais próximos da época da igreja primitiva e dos pais apostólicos, e até mesmo da era de Cristo! E esses documentos lembrando? Foram constituídos em concílios e sínodos.
Esta é uma maneira saudável para conservarmos as santas doutrinas, que por vários séculos foram bombardeadas por heresias e contradições de pessoas em dado momento inocentes, por não ter subsídios para uma boa interpretação, e outras em contrapartida, com um fim de malignidade mesmo. Hoje não posso dizer que erram por inocência, pois existem várias e várias formas e maneiras para uma boa interpretação bíblica. A tecnologia, a arqueologia, a ciência em si, dão estas oportunidades para os pastores e estudiosos das Escrituras.
Paulo por uma revelação de Deus lhe obedeceu ensinar e explicar a mensagem do Evangelho aos não judeus, segundo Gálatas 2
”Catorze anos depois, eu voltei para Jerusalém com Barnabé e levei Tito comigo. Voltei para lá porque Deus me revelou que eu devia fazer isso. Ali, numa reunião particular com os líderes da igreja, eu expliquei a eles a mensagem do evangelho que anuncio aos não-judeus”.

Os apóstolos fizeram um concílio! Veja em At 15?
“Um concílio já”
Paz para todos!

Ivomar Schüler da Costa disse...

As teorias organizacionais explicam sobejamente algo que aprenderam com as igrejas: nenhuma organização sobrevive se não houver uma comunhão de pensamentos, uma unidade de visão e de princípios. Para que haja unificação de atividades é necessário antes a unidade de principios e principalmente união de sentimentos. O apostolo Paulo já dizia que: se a trombeta soar em falso como se aprestarão os soldados para o combate (ou algo parecido)? Essa é uma verdade que as empresas aprenderam.

A melhor maneira de dirimir dúvidas e estabelecer fundamentos sólidos é o diálogo. Um concílio é o momento e o espaço adequado para isso. Lembremos, porém, que o amor não aceita a imposição. Mesmo que nesse debate e diálogo não surja o consenso desejável é melhor aceitar as divergências e ir trabalhando aos poucos as consciências, para o entendendimento. Se houver qualquer tipo de imposição corremos o risco de fragmentação e divisões desnecessárias.

Valdomiro Filho disse...

Caro Pr. Altair, paz!

Nobre amigo ciente que esses itens são as impressões do leitores, talvez com exceção do último.
Discordo da maioria deles, talvez com exceção do último.

Primeiro: Todos os concílios da antiguidade eram primariamente locais. Niceia mesmo só foi recepcionado como ecumênico por causa do vulto que a questão ariana tomou, exatamente depois do concílio. Mas, lá só havia, praticamente, bispos do lado grego do império.

Segundo: Se é para deixar quieto, então,não deveríamos ser protestantes. Martinho deveria ter deixado quieto.

Terceiro: Idem

Quarto: A "permissão" de pluralidade em praticamente tudo, na nossa amada Assembleia, trouxe a perda de sua identidade. Quem elege o que é "essencial" à FÉ?

Quinto: Vejo a necessidade de um Concílio para ratificar as doutrinas realmente bíblicas. Mas, sabemos que o próprio "sínodo" iria demorar bastante, porque há muito o que tratar. E certamente causaria algunas divisões e "heresias"(aqui no sentido simples da palavra), mas Jesus e Paulo foram hereges (também no sentido simples da palavra). Se dentre os "enfermos" aparecerem os sãos, então, amém.

Particularmente acho que, pela inércia de nosso povo, ai envolvendo absolutamente todos, não haverá concílio. A acomodação e o receio da mudança é uma característica do Brasileiro, seja ele crente ou não.

Na Paz!
Valdomiro

EMMERSON disse...

Paz pastor Altair!
Caro irmão Valdomiro! De tudo o que o senhor nos proporcionou em seu comentário é louvável sua opinião! Mas tenho que lhe dizer que: Pensamentos como o do senhor e o nosso outro irmão que apostilou antes do vosso irmão, são algumas das causas maiores, de não chegarmos a uma consonância geral sobre o assunto! Vocês criam um estorvo desmedido, sobre o que nós queremos para o benefício maior da nossa denominação. Como cidadão e como cristão, respeito às opiniões citadas, mas não posso jazer na Assembléia de Deus ouvindo pastores embutir que Jesus Cristo batizou galinhas, e que galos profetizaram? Não posso coexistir com irmãos que ensinam que ofertas dadas nas igrejas são apenas meras barganhas com Deus, não posso concordar com pastores que trazem outros pastores para fixar no Brasil, e vir pregar Tiger Woods e Jordan, e deixar de pregar Cristo! Não posso aceitar pessoas em nossas próprias denominações, dando valor maior aos carismas do quê ao caráter! Não posso aceitar o liberalismo teológico nas nossas próprias igrejas, pervertendo as doutrinas bíblicas e o nosso Senhor e salvador Cristo! Já pensou se Lutero dissesse: não vou colocar estas teses na porta da catedral? Pois a igreja pode se dividir, há muitos leigos! Divisões já existem na igreja e faz séculos! Quando se fala a verdade (sola scriptura) ela liberta... não divide! João 8.32, pois foi Cristo quem nos libertou Gl 5.1. Não podemos fechar os olhos quanto a tanta aberração em nossas igrejas, se quisermos subsistir? Faremos, pois um concílio! Se quisermos ficar desgarrados como ovelhas sem pastor...? Então esqueçamos tudo isso e voltemos a viver no erro! É tanto erro teológico doutrinário quê...! Não sou um santarrão nem muito menos dono das verdades bíblicas, longe de mim! Mas, é melhor os pastores serem julgados pelo que só pregaram e pregam dentro das Escrituras, do quê ser julgado por arrumar subsídios, caminhos, desviando-se da verdade, para no final dizer: “é porque existiam muitas pessoas que não entenderiam, havia muitas pessoas que podiam se dividir, e por isso fomos bonzinhos para com eles, nós tínhamos muito cuidado com aquela gente, eles não podiam ouvir alimento sólido, eles precisavam ouvir o que gostavam de ouvir, se não? Não viriam mais para igreja, eles gostavam de ouvir que iam ganhar muito dinheiro, e que o Senhor iria ajudar financeiramente todos!” Por que eram meninos durante séculos, ou por que eram carnais? (grifo meu). Não é justificativo usar de outros métodos, não sendo somente as Escrituras, apta para o ensino, e negligenciarmos a lei de Deus por vaidade ou por ser bonzinho demais! Nas escrituras ensinam á usar métodos para não escandalizarmos nossos irmãos, e muito mais, a não dividirmos, pois visto quê, esta, não é nossa intenção, nem foi a dos reformadores do passado!

“Um concílio já”!

Paz!

Pastor Emerson Gomes disse...

Pastor Altair Germano,
que a Paz de Cristo enunde o teu coração!

Essa discursão salutar sobre a possibilidade de um concilio das Assembeias de Deus no Brasil, agredito que todos nós estamos de acordo pelo menos de uma coisa;

Que não há como ficar "quieto" diante de tantas "barbarias" que tem acontecido no meio das Assembleias de Deus, e no meu entender observo que Deus levantou homens corajosos como o senhor e todos os pastores, seminaristas e membros de nossa denominação que se preocupam como a grande responsabilidade que Cristo nos confiou; de sermos um povo eleito,escolhido , separado e que sempre primou pela genuina Palavra de Deu.

Que Deus continue ti/mim abençoando

ANILTON disse...

Amados Irmãos,
A Paz do Senhor!

Um grupo de cientistas colocou cinco macacos numa jaula. No meio, uma escada e sobre ela um cacho de
bananas. Quando um macaco subia na escada para pegar as bananas, jogavam um jato de água fria nos que estavam no chão. Depois de certo tempo, quando um macaco ia subir a escada os outros o pegavam e enchiam de pancada. Com mais algum tempo, nenhum macaco subia
mais a escada, apesar da tentação das bananas.

Então substituíram um dos macacos por um novo.

A primeira coisa que ele fez foi subir a escada, dela sendo retirado pelos outros, que o surraram.
Depois de algumas surras, o novo integrante do grupo não subia mais a escada. Um segundo foi substituído
e o mesmo ocorreu, tendo o primeiro substituto participado com entusiasmo na surra ao novato.
Um terceiro foi trocado e o mesmo ocorreu. Um quarto e afinal o ultimo dos veteranos foi substituído.

Os cientistas então ficaram com um grupo de cinco macacos que mesmo nunca tendo tomado um banho frio,
continuavam batendo naquele que tentasse pegar as bananas. Se possível fosse perguntar a algum deles porque eles batiam em quem tentasse subir a escada,
com certeza a resposta seria:

"Não sei, mas as coisas sempre foram assim por aqui".


Talvez alguns se sintam ofendidos achando que estamos nos comparando a macacos, no entanto, isto exemplifica como, com o passar do tempo, alguns grupos vão desenvolvendo dificuldades em aceitar novas formas de pensar, baseados simplesmente no continuísmo.

O simples fato de provocar o pensamento não significa que o que esta estabelecido sera mudado, mas que podemos sim tentar entender o porque das coisas serem como são.

Creio que a partir desse raciocínio poderemos entender se os marcos antigos efetivamente ainda estão nos devidos lugares, ou já foram movidos e ninguém se deu conta.