terça-feira, 2 de novembro de 2010

POR UM CONCÍLIO DAS ASSEMBLEIAS DE DEUS NO BRASIL (3)

Com o propósito de justificar um Concílio das Assembleias de Deus no Brasil, passarei a expor algumas questões conflituosas e contraditórias no campo doutrinário e teológico:

CRISTOLOGIA (DOUTRINA DE CRISTO)

Inicio com a Cristologia, devido aos últimos acontecimentos e debates surgidos em torno da natureza humana de Cristo. Para um conhecimento geral dos fatos, click nos links abaixo:

- JESUS, HOMEM E DEUS: UMA DISCUSSÃO PENTECOSTAL ASSEMBLEIANA
- CEM POR CENTO HOMEM?

Nas discussões, o pastor Ciro Zibordi (conferencista e escritor com várias obras publicadas pela CPAD) defende a ideia de que a natureza humana de Cristo não foi igual a nossa, nem a de Adão antes do pecado, sem necessariamente deixar de ser humano.

Discordando do posicionamento do pastor Ciro Zibordi tivemos o pastor Luís Filipe (Ministro do Evangelho na AD em Angra dos Reis, teólogo, professor de Língua Portuguesa e Literaturas de Língua Portuguesa), o pastor César Moisés (Pedagogo, professor da FAECAD, conferencista e escritor), e o pastor Silas Daniel (Jornalista, conferencista e escritor).

Os posicionamentos do pastor Ciro Zibordi sobre a natureza de Cristo foram publicadas originalmente em seu livro "Erros que os Pregadores Devem Evitar", página 108, 2005, pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus (CPAD), órgão oficial da denominação, tendo ainda a aprovação do Conselho de Doutrina da CGADB.

Dessa forma, como solucionar o conflito na perspectiva denominacional? Quem está com a razão? Eis a questão.

O fato é que não existe nada em termos de documento na denominação que manifeste a posição oficial da mesma sobre o assunto. Aliás, o que existe de oficial é a aprovação do livro do pastor Ciro Zibordi pelo Conselho de Doutrina, e a sua publicação pela CPAD.

PNEUMATOLOGIA (DOUTRINA DO ESPÍRITO SANTO)


No campo da Pneumatologia as confusões são várias. Quero citar aqui apenas dois exemplos:

- Sobre os Dons Espirituais;

A Lição Bíblica 10, da CPAD, do 2º trimestre de 2009, comentada pelo pastor Antonio Gilberto (Consultor Teológico da CPAD), trouxe o tema "Dons Espirituais". Nesta lição, o pastor Antonio Gilberto afirma que Daniel tinha o dom da palavra da sabedoria (Dn 1.17; 5.11, 12; 10.1), em Eliseu operava o dom da palavra da ciência (2 Rs 5.25, 26) e em Aías (1 Rs 14.1-8), Moisés, Elias, Eliseu e inúmeros outros servos de Deus tinham o dom de operação de maravilhas (Jo 6; At 8.6, 13; 19.11; Js 10.12-14). Leia o subsídio que escrevi para a lição AQUI.

Acontece, que na obra "Verdades Pentecostais", do próprio pastor Antonio Gilberto (CPAD, 2006, p. 60 e 64), lemos:

"Embora o batismo seja um dom, uma dádiva de Deus para os seus filhos (At 2.38-39), ele precede os dons espirituais mencionados nas epístolas, principalmente em 1 Coríntios 12.1-11. [...] O batismo é também um meio para outorga por Deus, dos dons espirituais - 'falavam em línguas e profetizavam' (At 19.6)".

Qual das duas posições devemos seguir e ensinar, a que consta na Lição Bíblica, ou a publicada no livro? Qual a posição oficial da denominação sobre o assunto? Entre obreiros, teólogos e crentes em geral das Assembleias de Deus no Brasil não há unanimidade sobre esta questão. Um concílio determinaria isso

Lembro-me muito bem, na condição de Superintendente Geral da EBD em Abreu e Lima-PE (cargo que ocupei por 10 anos), de como tive que "administrar" a situação na época.

- Sobre o Batismo com o Espírito Santo;

Na obra "Introdução à Teologia Sistemática", escrita pelo missionário Eurico Bergstén (CPAD, 1. Ed., 1999, p. 116), o batismo com o Espírito Santo é classificado como o "Selo da Promessa", onde os textos de Jo 6.27; 2 Co 1.22; Ef 1.13 e 4.30, são utilizados para fundamentar esta ideia. Acontece que os textos citados, analisados exegeticamente, sinalizam para a presença do Espírito em nós como o "selo", e não o batismo com o Espírito Santo.

Tal fato é confirmado pelo pastor Claudionor de Andrade, em sua obra "Dicionário Teológico" (CPAD, 1998, p. 262), quando define o "Selo da Promessa":

"Evidência interna e intransferível que o crente recebe, com base nos méritos do sacrifício de Cristo, como sinal de sua adoção espiritual e como garantia de sua eternidade com Deus (Ef 4.30). Tal evidência manifesta-se através de uma convicção profunda gerada no coração do crente pelo Espírito Santo, através da qual o salvo dirige-se a Deus chamando-o Aba Pai."

Perceba que na definição de Andrade o selo é algo presente no interior (evidência interna, gerada no coração), contrastando com a ênfase externa dada por Bergstén.

Qual das duas posições adotar? Uma complementa a outra? Uma contradiz a outra? Qual a posição oficial da denominação sobre a questão?

O fato é que não há unanimidade entre pensadores e teólogos pentecostais sobre estas questões, que são geralmente classificadas como "periféricas". Poderia citar vários outros pensadores e exemplos sobre o assunto, o que prentendo fazer em breve, através de um projeto literário.

No próximo post tratarei de questões relacionadas com a Eclesiologia.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, Claudionor Corrêa de. Dicionário Teológico. Rio de Janeiro: CPAD, 1998.

BERGSTÉN, Eurico. Introdução à Teologia Sistemática. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.

GILBERTO, Antonio. Verdades Pentecostais: como obter e manter um genuíno avivamento pentecostal nos dias de hoje. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.

_____. Os Dons do Espírito. In: I Coríntios: Os problemas da Igreja e suas Soluções. Lição Bíblica 10, do 2º Trimestre de 2009: Rio de Janeiro, CPAD.

11 comentários:

Pr. Jesiel Freitas disse...

Paz Prezado Pr. Altair:

Concordo em número, gênero e grau. Estamos vivendo dissonâncias e discrepâncias gritantes em nossa teologia.

Evidente que existem visões corretas e incorretas. É preciso promover um concílio com urgência para resolver as diferenças e estabelecer padrão único doutrinário no que tange as normas absolutas. A Bíblia deverá nos reger em cada detalhe a ser ensinado e adotado.

Parabéns por sua posição e iniciativa temática.

Abraço fraterno.

No mais... Paz!

Pr. Jesiel Freitas

Leandro Araújo disse...

Concílio Doutrinário na AD Brasil?

é urgente e necessário.

a denominações irmãs e filhas também seriam beneficiadas com tal Concílio.

Graça e paz!

Victor Leonardo Barbosa disse...

Importante artigo pastor Altair, e novamente faço coro com o senhor para a AD estabeleça um documetno que possa ser disponível a todos com um conteúdo embasado na palavra de Deus.

Concernente a relação entre o o batismo com o Espírito santo e os dons espirituais, creio que pode haver inclusive certa liberdade nesta questão, desde que não se negue a atualidade dos dons e a busca pelo revestimento de poder.

Com relação a cristologia, estou convicto que devemos ser extremamente rigorosos em nossa fidelidade à ortodoxia cristã, histórica e evangélica.

Forte abraço e Paz do Senhor!

Victor Leonardo Barbosa disse...

Só mais uma observação pastor Altair.

Creio que o concílio é importante para ratificar, com base bíblica, as doutrina cristã histórica e ortodoxa da Encarnação do Verbo.

Creio que, o concílio seria útil para a produção de um a confissão de fé pentecostal & assembleiana bíblica, o que evitariua esse caos doutrinário absurdo.

zilomoreira disse...

Paz Prezado Pr. Altair:
Não sei o que pensar e realmente estou confuso na pagina 1613 da Bíblia de estudo pentecostal “A REGENERAÇÃO DOS DISCIPULOS” comentário sobre Jô 20.22 no parágrafo 4 diz assim “Foi , também , nessa ocasião , e não no Pentecoste , que a igreja nasceu”
Já na revista de escola dominical O PODER E O MINISTÉRIO DA ORAÇÃO 4 TRIMESTRE DE 2010 LIÇÃO 7 ( A oração da igreja e o Trabalho do Espírito Santo) esta escrito na introdução “ a Igreja foi instituída no dia de Pentecostes e sua formação inicial deu-se pelo o derramamento do Espírito Santo
afinal qual das duas posiçoes estao corretas?

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado pastor Jesiel Freitas,

conto com a vossa oração.

Abaços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Leandro,

muitos benefícios e para muitos podem ser colhidos.

abraços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Victor,

liberdade em qualquer questão doutrinária e teológica dá margem para mais confusão.

Continuaríamos, no mínimo, com a atual condição onde um desmancha o que o outro ensina, ou com as contradições apresentadas.

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Zilo Moreira,

constatei o fato. Dessa forma a pergunta continua.

Com qual das duas posições ficar?

A Igreja nasceu (ou foi instituída) em Jo 20.22, conforme a BEP ou em Atos 2.1-4, conforme a Lição Bíblica?

Abraços,

Carlos Eduardo disse...

A paz do Senhor Jesus.

Um concílio é necessário, até mesmo para definir os próximos 100, 200, . . . anos da AD no Brasil e no mundo. E caminharmos para uma igreja genuinamente Pentecostal e ortodoxa.
Parabéns pelo post e por colocar com bastante transparência cada envolvido neste fato.

Atenciosamente,

Fique na Paz.

Pr. Carlos Eduardo

wirley disse...

A Paz do Senhor!

"O fato é que não existe nada em termos de documento na denominação que manifeste a posição oficial da mesma sobre o assunto"

Gostaria de saber se a obra "Manual de Doutrinas das Assembleias de Deus no Brasil", elaborada pelo Conselho de Doutrina da CGADB e publicada pela CPAD serve como referência.

Confesso que nunca li esta obra e nem vi alguém citá-la como referência mas parece que foi publicada com este objetivo.

"Este livro consiste na explanação de nosso credo, ponto a ponto, e foi elaborado como propósito de fortalecer as posições doutrinárias das Assembléias de Deus e combater as heresias modernas. Cada líder ou membro de igreja deve estudá-lo a fim de resgatar a sã doutrina, tendo a Bíblia como a maior regra de fé"
(Fonte: http://www.livrariacpad.com.br)