quarta-feira, 8 de setembro de 2010

PREGAÇÃO, DESEJO E MOTIVO: UM ALERTA PARA OS JOVENS PREGADORES NUMA CULTURA NARCÍSICA E NA SOCIEDADE DO ESPETÁCULO

Narciso (1594-1596), por Caravaggio.

"Com frequência, tem acontecido que alguns jovens com determinados dons, ao ouvirem um grande pregador, sentem-se cativados por ele e pelo que ele está fazendo. Ficam atraídos por sua personalidade ou por sua eloquência, deixam-se comover por ele e, insconscientemente, começam a sentir o desejo de ser semelhantes a ele e de fazer o que ele está fazendo. Ora, isso pode estar certo, mas pode estar inteiramente errado. Os jovens podem ficar fascinados somente pelo encanto da pregação, atraídos pela ideia de ministrarem a Palavra a audiências e de influenciá-las. Todas as formas de motivos falsos e errôneos podem se instroduzir sorrateiramente. A maneira de nos precavermos desse perigo é perguntar-nos: por que desejo fazer isso? Por que estou preocupado com isso? E, a menos que descubramos um interesse genuíno pelas pessoas, pelo seu estado e condição e tenhamos desejo de ajudá-las, estaremos corretos em duvidar de nossos motivos." (D. Martyn Lloyd-Jones)

O texto acima foi publicado originalmente em 1972, na obra intitulada Preaching and Preachers, traduzida para o português sob o título "Pregação e Pregadores", pela Editora Fiel. Apesar dos trinta e oito anos passados desde a sua primeira publicação, ele se mantém indiscutivelmente atualizado.

Há na atualidade, de formar clara, o risco de muitos jovens desejarem seguir carreira como pregadores, motivados pelos aspectos estéticos da pregação, e pela sensação de poder que ela provoca. Como bem colocou Lloyde-Jones, o interesse genuíno em ajudar as pessoas é que deve ser a razão central, o motivo único deste desejo.

Uma outra questão cabe aqui ser abordada. Muitos pregadores na atualidade, estão influenciando negativamente os mais jovens, pelo fato de que os motivos que o levaram ao ministério da pregação, terem uma relação direta e estarem sob a influência da chamada cultura do narcisismo e da sociedade do espetáculo.

Narciso, de onde se deriva o termo narcisismo, segundo a mitologia grego-romana, era um jovem de incomparável beleza. Ele pensava, em razão disto, ser semelhante a um deus. Como resultado de seus pensamentos, Narciso rejeitou a afeição de Eco, uma bela jovem até que esta, desesperada, definhou, deixando apenas um sussurro débil e melancólico. Para dar uma lição ao rapaz frívolo, a deusa Némesis condenou Narciso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco. Encantado pela sua própria beleza, Narciso deitou-se no banco do rio e definhou, olhando-se na água e se embelezando. Outras versões dizem que enquanto caminhava pelos jardins de Eco, ele descobriu a lagoa de Eco e viu o seu reflexo na água. Apaixonando-se profundamente por si próprio, inclinou-se cada vez mais para o seu reflexo na água, acabando por cair na lagoa e se afogar.

A conceito de cultura do narcisismo, pode ser compreendido através da breve exposição sobre o tema, feita pela Dra. Ana Almeida em seu blog:

"A sociedade actual estimula a cultura do narcisismo. Cada vez mais competimos de forma acirrada por um “lugar ao sol” num mundo em que impera a lei do mais capaz e do sucesso ou da aparência dele. As exigências de sucesso provocam um enorme desgaste. As pessoas sentem-se obrigadas a atingir metas idealizadas e a ultrapassarem a qualquer custo as suas limitações. Instala-se um conflito entre o “eu idealizado” e o “eu real” que nos leva a desenvolvermos a crença de que valemos mais pelo que temos ou aparentamos ser do que pelo que realmente somos. A ânsia de reconhecimento faz com que a aparência tenha um enorme valor; quando somos confrontados com a diferença entre aquilo que pretendemos ser e aquilo que somos verdadeiramente a nossa auto-estima sofre, e esta diminuição da auto-estima torna-nos vulneráveis à depressão."

Sobre a sociedade do espetáculo, e comentando a obra A Sociedade do Espetáculo, de Guy Debord, José Arbex Jr. escreveu no livro Showrnalismo: a notícia como espetáculo (Editora Casa Amarela, São Paulo, 2001):

"O espetáculo – diz Debord – consiste na multiplicação de ícones e imagens, principalmente através dos meios de comunicação de massa, mas também dos rituais políticos, religiosos e hábitos de consumo, de tudo aquilo que falta à vida real do homem comum: celebridades, atores, políticos, personalidades, gurus, mensagens publicitárias – tudo transmite uma sensação de permanente aventura, felicidade, grandiosidade e ousadia. O espetáculo é a aparência que confere integridade e sentido a uma sociedade esfacelada e dividida"

Como bem coloca Joel Birman no livro Mal-estar na atualidade: A psicanálise e as novas formas de subjetividade, a cultura do narcisismo e a sociedade do espetáculo enfatizam a exterioridade e o autocentramento. Dessa forma, em se tratando de pregação e pregadores, o motivo e o desejo ficam comprometidos, visto que as necessidades do outro deixam de ser relevantes e de terem primazia, na mesma proporção em que as necessidades do próprio sujeito, norteadas pelo pensamento, sentimento e desejo narcísico, mediante o exibicionismo espetacular, ganham exclusividade.

O outro se torna objeto de mero usufruto do sujeito narcísico, lhe servindo apenas como instrumento para o incremento da auto-imagem, mediante a manipulação através dos meios de comunicação de massa, e de uma forte ênfase na estetização da pregação, em detrimento do legítimo, salutar e bíblico propósito da pregação, e da verdadeira e bíblica razão de ser e fazer do pregador.

Apesar do triste e atual quadro, percebo mudanças no cenário evangélico nacional, onde vislumbro a restauração da verdadeira pregação bíblica, realizada por pregadores santos e vocacionados por Deus para esta privilegiada missão, movidos pelos mais nobres e excelentes motivos, e desejosos de proporcionar o bem maior ao seu próximo, ou seja, a sua salvação, libertação, restauração, transformação, edificação, consolação e exortação, tendo como base e fundamento a Bíblia Sagrada.

Leia ainda os meus artigos: Como se Tornar um Pregador Famoso (A Trajetória de um Fenômeno) e o Ministério Evangélico Narcisista e Metrosexual

11 comentários:

Pr. Flavio Constantino disse...

Querido Pastor Altair Germano,

A Paz do Senhor,

Muito inteligente e esclarecedor o texto.

Que Deus continue dando graça ao querido Pastor.

Se o senhor permitir estarei postando em meu singelo blog colocando a fonte é claro.

Visite lá: www.pastorflavioconstantino.blogspot.com

Um grande abraço,

No Amor de Cristo,

Pastor Flavio Constantino.

Reverendo Paulo Cesar disse...

Tipos de Narcisistas:
. Caráter Fálico-Narcisista. É um tipo de comportamento masculino cujos egos estão envolvidos e na sedução de mulheres. Seu relacionamento é mais objeto-libidinal. São fortes, produtivos, impulsivos e energéticos (sexualidade é tudo). O primeiro quer ser bom sexualmente nas relações íntimas, o segundo publicamente...
. Caráter Narcisista. Grandiosidade de seu ego. Ex.: Não são simplesmente os melhores, são o máximo. Não são simplesmente atraentes, são os mais atraentes... Tem necessidade de serem perfeitos e de fazerem com que os outros os vejam como indivíduos perfeitos. Buscam poder e dinheiro.
. Personalidade de Fronteira. Demonstra grandiosidade e arrogância (se considera onipotente), e por isso tem uma fraqueza evidente. Qualquer perda ou fracasso o abate sobremaneira. Desmorona facilmente sob stress emocional e passa a revelar sua impotência de alguém assustado que existe em seu íntimo. Por exemplo: famosos que tentam suicídios quando não estão mais no auge.
. Personalidade Psicopática. Tem uma arrogância que beira o desprezo pela humanidade comum. Tende a transformar em atos seus impulsos de comportamento, se tornando um modelo anti-social. Mentem, fraudam, roubam, matam sem culpa nem remorso... Também demonstram uma necessidade de satisfação imediata, uma incapacidade para conter o desejo ou tolerar frustrações.
. Personalidade Paranóide. Denota nítida megalomania. Elas acreditam que as pessoas olham e falam, conspiram por elas serem especiais. Chegam a perder a noção entre fantasia e realidade, podendo surtar...

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DESTAS PERSONALIDADES

. As famintas de espelho. Procuram vínculos com aqueles que lhes dê respostas de admiração e confirmação de sua imagem.
. As famintas de ideal. Buscam sempre pessoas que admirem seu prestígio, poder, beleza, inteligência e virtudes morais.
. Personalidade Alter Ego: Se relacionam com opiniões que confirmem seus valores de existência e realidade.

Características Gerais:
. Ambição intensa
. Fantasia de grandeza
. Sentimentos de superioridade (inferioridade por trás),
. Excessiva dependência de admiração e aprovação externa...

www.gloriosojesusblogger disse...

Essa síndrome narcísica é comum em alguns pregadores por aí que insistem em ser estrelas, esquecendo que Jesus, é a luz resplandecente do evangelho da glória de Deus.

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado pastor Flavio Constantino,

fique a vontade para publicação do texto.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Reverendo Paulo Cesar,

grato pela colaboração e ampliação da abordagem teórica.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Irmã Isabel,

sua participação é sempre bem vinda.

Paz do Senhor.

PR MARCOS CRUZ disse...

Caro pastor Germano,
A paz do Senhor!

Agradeço a Deus por sua vida. Penso que os pastores que estão na liderança das igrejas quer sejam grandes ou pequenas tem parte nessa sociedade referida, pois os mesmos financiam isso semanalmente. Apesar da mudança mencionada em seu texto, o que não discordo, acredito que a tranformação deveria iniciar não nos pregadores em si, mas nos mantenedores e nesse caso envolve uma mudança nos criterios e motivos que levam os pastores a convidar um indivíduo para pregar.
Porque se convida um pregador?
Os efeitos das Mensagens na maioria das vezes estão sendo contratados também?
Aquela fala do condutor do culto... ontem Deus operou grandemente e hoje... não é uma espécie de pressão pelo resultado?
e quando se convida um produtor de espetáculo como o irmão mencionou, o convite em si, não transmite uma mensagem aos jovens sonhadores de que esse é o modelo que eu apoio e que vc deve seguir?
enfim, pastor o sr fez uma abordagem maravilhosa mas gostaria de conhecer seu pensamento sobre isso.
Abraços!

Heitor disse...

A Paz do Senhor !
Pr.Altair,
Há alguns anos atrás (+/- 5 anos) vi um Pastor do RS pregar e dizer-nos que DEUS iria fazer descer muitos pregadores e cantores dos púlpitos do Brasil pois o "estrelismo" de alguns o estava irritando. Realmente a única estrela que deve brilhar em nossos corações, mentes e em nossas Igrejas é o único digno de toda adoração : Nosso Senhor e Salvador JESUS CRISTO. Mais uma vez lhe parabenizo pelo excelente artigo. Caso me permita, gostaria de imprimir e distribuir algumas cópias prá irmãos que conheço que estão começando na pregação itinerante. Será valiosa a colaboração a eles.

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre pastor Marcio Cruz,

sem dúvida alguma parte da liderança da igreja é responsável.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Caro Heitor,

todos os artigos de minha autoria publicados neste blog, poderão ser copiados e divulgados por quaisquer meios, com a devida citação da fonte.

Abraços,

Elisomar disse...

Ao meu ver, narcisismo é símbolo de imaturidade.