quinta-feira, 19 de agosto de 2010

JOÃO BATISTA - O ÚLTIMO PROFETA DO ANTIGO PACTO. Subsídio para Lição Bíblica da CPAD

A lição 8 deste trimestre nos permite, mais uma vez, discorrer sobre o ministério de João Batista.

Sobre a vida e ministério de João Batista, recomendo os links abaixo, sempre alertando para uma leitura crítica:





A Missão de João Batista no Contexto Profético

Ao afirmar que a missão de João Batista "era converter os filhos de Israel a Deus e preparar ao Senhor um povo bem disposto (Lc 1.16-17)", o comentarista da lição corrobora com a essência da missão do ministério profético, que é o de buscar a conversão dos corações ao Senhor:

"Eis que eu vos enviarei o profeta Elias, antes que venha o grande e terrível dia do SENHOR;E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição." (Ml 4.5-6)

"Então falou Samuel a toda a casa de Israel, dizendo: Se com todo o vosso coração vos converterdes ao SENHOR, tirai dentre vós os deuses estranhos e os astarotes, e preparai o vosso coração ao SENHOR, e servi a ele só, e vos livrará da mão dos filisteus." (1 Sm 7.3)

"Se voltares, ó Israel, diz o SENHOR, volta para mim; se removeres as tuas abominações de diante de mim, não mais andarás vagueando;" (Jr 4.1)

"Vinde, e tornemos ao SENHOR, porque ele despedaçou, e nos sarará; feriu, e nos atará a ferida." (Os 6.1)

"Ainda assim, agora mesmo diz o SENHOR: Convertei-vos a mim de todo o vosso coração; e isso com jejuns, e com choro, e com pranto." (Jl 2.12)

"Portanto, dize-lhes: Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Tornai-vos para mim, diz o SENHOR dos Exércitos, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos." (Zc 1.3)

"Desde os dias de vossos pais, vos desviastes dos meus estatutos e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós outros, diz o SENHOR dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar?" (Ml 3.7)

João Batista, um Homem Destemido e Cheio do Espírito Santo

João Batista foi cheio do Espírito Santo desde o ventre de sua mãe (Lc 1.15). Quando iniciou seu ministério, sua voz ecou em pleno deserto com poder e unção.

O deserto foi um lugar estratégico para o ministério de João Batista. O sistema e as instituições religiosas em Isarel estavam falidas. Desde o período pós-cativeiro algumas insitituições se multiplicaram e se fortaleceram, como no caso da sinagoga, e juntamente com elas um grupo de especialista e doutores da Lei se formou, os escribas, que logo ocuparam o papel dos sacerdotes na interpretação e ensino das Sagradas Escrituras.

Associado a esta nova realidade, o templo rescontruído por Herodes era puro explendor, com suas cerimônias e rituais marcados por uma liturgia rígida e formal.

Tínhamos dessa forma novos espaços para o ensino da Escrituras, tínhamos também especialistas, mestres e doutores, e um belo templo. Mas, em todas estas novas realidades que passaram a fazer parte da vida da nação, não havia a presença real e poderosa de Deus. Não havia a unção do Espírito sobre os ministros religiosos.

Foi neste contexto que João começou estrategicamente a pregar no deserto da Judéia (Mt 3.1; Lc 3.3). O povo que afluia para a cidade, no sentido de cumprir suas obrigações e tradições religiosas, eram impactadas com as palavras de poder do simples e rude homem do deserto.

Um fenômeno aconteceu. O povo começou a sair de Jerusalém (centro da religião oficial) e das demais cidades da Judéia, e de toda circunvizinhança do Jordão (Mt 3.5) para ouvir João Batista. Temos aqui uma clara manifestação da insatisfação do povo com sistema falido, associado a fome e a sede de ouvir a voz de Deus tocando a sua alma.

Esses fatos inquietaram os líderes e autoridades religiosas, que logo começaram a ir aos locais onde João pregava para se certicarem do que de fato acontecia (Mt 3.7). Isso não o intimidou. Cada vez mais, com a autoridade e o poder lhe outorgado, convidava a todos ao arrependimento (Mt 3.8-12).

Nestes dias de pregadores formais, profissionais, atores, animadores de auditório e mercenários da Palavra de Deus, precisamos de homens como João Batista, que na sua simplicidade e verdadeiro compromisso com Deus, era cheios do Espírito Santo, compromissado e fiel aos princípios do Reino de Deus.

João Batista, um Homem que não Temia as Ameaças dos Poderosos

Rei, Sumo sacerdote, sacerdote, escriba, fariseu, saduceu, não importava. João não se intimidava com os poderosos e influentes de sua época. Ele não se intimidava, pelo menos, pelas seguintes razões:

- Não tinha conchavo político (secular ou religioso) com ninguém. Muitos pregadores hoje se acovardam, silenciando diante dos pecados da liderança e da igreja, com medo de perderem cargos em igrejas e convenções, ou por terem "rabo preso" em torno destas questões. João não tinha cargos ou títulos a perder. Ele simplesmente era a "voz" (Mt 3.3; Mc 1.3; Lc 3.4; Jo 1.23).

- Não tinha medo de perder o "emprego". Uma outra razão do fracasso da pregação nos dias atuais é o medo de se perder cargos remunerados, e empregos nos setores administrativos das igrejas, das convenções e de outras organizações ligadas a estas instituições. João Batista não tinha emprego, mas tinha fé num Deus que garante e cuida de seus profetas (1 Rs 17.1-16; Mt 6.25-34). Enquanto houver rios e corvos, não faltará sustento e proteção para o profeta de Deus. Enquanto houver viúvas com um pouco de farinha e azeite, não faltará sustento e proteção para o profeta de Deus. Enquanto houver gafanhoto, mel silvestre e pêlos de camelo, não faltará sustento e proteção para o profeta de Deus.

- Não tinha medo de perder "agendas". Uma miséria aconteceu nos últimos anos no Brasil, alimentada e sustentada por muitos pastores, líderes e igreja. Trata-se de um grupo pregadores mercenários, sem compromisso com a mensagem autêntica, verdadeira e necessária da Palavra de Deus. Pregam por conveniência. Suas mensagens são para provocar agrados e fortes emoções em seus ouvintes. Distorcem a interpretação e o texto bíblico com mensagens absurdas, sem nenhum temor a Deus, diante do que fazem. Se o pastor da igreja é contra o uso de televisão, tendo uma postura mais tradicional quanto aos usos e costumes, prega contra a televisão e contra a liberação de alguns usos e costumes. Se vai noutra igreja onde o pastor é a favor do uso da televisão, e favorável a abolição de alguns usos e costumes, prega favoravelmente. Tais pregadores são verdadeiros hipócritas. Fazem estas coisas, e muito mais, para garantirem o retorno àquela igreja, garantirem uma nova "agenda" e um novo "cachê", que inclusive, por alguns é até "tabelado". Esses pregadores prestarão contas diante de Deus por suas posturas e práticas. Precisam aprender com João Batista.

Por sua postura íntegra, por sua vida reta e sincera diante de Deus, por sua fidelidade à missão lhe confiada, João Batista foi honrado por Jesus (Mt 11.7-11). Todos que seguirem o exemplo de João Batista, com certeza, serão da mesma maneira honrados pelo Senhor.

Siga-me no TWITTER

3 comentários:

Marcos Alencar disse...

Pr. Altair, é a pura realidade que vivemos,infelizmente. Se Joao Batista ressuscitasse hoje veria a corrupçao imperando na igreja. "Mardoqueu sendo infocado e Hama exaltado". Parabens! Que Deus continue te abençoando.

Carlos Barros disse...

Carlos Barros...
Pr.Altair, é gratitficante saber que ainda existem Joãos Batistas hoje, que tem coragem de pregar a verdade a estas reças de víboras que se vestem de ovelhas para deturpar a verdade bíblica.
Estamos orando por você, que Deus te abençoe.

DC. ADRIANO TAVARES disse...

Agradeço pelo artigo e a afirmação é muito séria, poi é o que falta hoje em dia!!!
Saudações