segunda-feira, 12 de julho de 2010

AS FUNÇÕES SOCIAIS E POLÍTICAS DA PROFECIA. Subsídio e Plano de Aula para Lição Bíblica

A Lição 3 deste trimestre destaca a atividade profética e suas implicações políticas e sociais. Como o título já sugere, os profetas não estavam alienados das grandes questões de sua época. Esse tipo de posicionamento nos remete a seguinte pergunta: Em sua função profética, os pregadores, ensinadores e a Igreja nos dias atuais estão cumprindo o seu papel, denunciando o pecado e declarando a vontade de Deus para uma sociedade onde a injustiça, a violência, a exploração, a fome, a corrupção e outros males prevalecem?


PLANO DE AULA

1. OBJETIVOS DA LIÇÃO (Extraídos da Lição Bíblica-CPAD)

-Explicar o papel político e social da profecia.
-Conhecer a relação do profeta com a questão de ordem social da nação.
-Conscientizar-se de que a Igreja tem o mesmo princípio profético de denunciar as injustiças, amparando os injustiçados.

2. CONTEÚDO

Texto Bíblico: Jr 34.8-11, 16, 16

O QUE É POLÍTICA

Quando o assunto é política, a primeira coisa que vem na mente de muitos crentes são as questões pertinentes às eleições, candidatos, governos, câmaras, assembleias legislativas, senado etc. Acontece que política é algo bem mais amplo que isso, embora essas coisas estejam inclusas.

Conforme a Wikipédia:

Política denomina arte ou ciência da organização, direção e administração de nações ou Estados; aplicação desta arte aos negócios internos da nação (política interna) ou aos negócios externos (política externa). Nos regimes democráticos, a ciência política é a atividade dos cidadãos que se ocupam dos assuntos públicos com seu voto ou com sua militância.

A palavra tem origem nos tempos em que os gregos estavam organizados em cidades-estado chamadas "polis", nome do qual se derivaram palavras como "politiké" (política em geral) e "politikós" (dos cidadãos, pertencente aos cidadãos), que estenderam-se ao latim "politicus" e chegaram às línguas européias modernas através do francês "politique" que, em 1265 já era definida nesse idioma como "ciência do governo dos Estados".

O termo política é derivado do grego antigo πολιτεία (politeía), que indicava todos os procedimentos relativos à pólis, ou cidade-Estado. Por extensão, poderia significar tanto cidade-estado quanto sociedade, comunidade, coletividade e outras definições referentes à vida urbana.

Como se pode observar, o cristão e a Igreja não podem viver desassociados, indiferentes e alienados às questões políticas, pois é num ambiente político onde nascemos, crescemos, estudamos, trabalhamos, casamos, convivemos etc.

O QUE É JUSTIÇA SOCIAL?

A justiça social busca o bem comum, através de ações que visão suprimir toda forma de injustiça na vida em sociedade.

Conforme a Wikipédia:

O termo justiça (do latim iustitia, por via semi-erudita), de maneira simples, diz respeito à igualdade de todos os cidadão. É o principio básico de um acordo que objetiva manter a ordem social através da preservação dos direitos em sua forma legal (constitucionalidade das leis) ou na sua aplicação a casos específicos (litígio).

Sua ordem máxima, representada em Roma por uma estátua, com olhos vendados, visa seus valores máximos onde "todos são iguais perante a lei" e "todos têm iguais garantias legais", ou ainda, "todos têm iguais direitos". A justiça deve buscar a igualdade entre os cidadãos.

Para a Igreja, a lei maior e os princípios para a aplicação da verdadeira justiça se encontram na Bíblia Sagrada, que é a Palavra de Deus.

Sobre justiça social:

Parece ter sido o filósofo social neo-escolástico Luiz Taparelli, falecido em 1862, quem pela primeira vez usou a expressão justiça social e que foi adotada pela Igreja. [...] A expressão hoje é do domínio público, mas sua definição depende da concepção político-econômica de cada autor. Há tanta dificuldade em defini-la quanta existe para definir o bem comum, que é o elemento fundamental de qualquer doutrina de justiça social. A noção econômica de justiça social é a mais difundida: justa distribuição da renda ou riqueza, de acordo com as necessidades e a capacidade das pessoas; aumento do nível de renda das massas; diluição progressiva das diferenças de classe; fazer com que um número cada vez maior de pessoas participe da propriedade dos meios de produção e do consumo de bens. Questão totalmente diferente, é saber qual o melhor regime político para atingir a justiça social: pode haver mais justiça social em regimes de força do que em democracias desorganizadas ou puramente formais. (Fonte: UJE Brasil)

Diante das definições ou conceitos acima, entendemos como cristãos que somos, que o melhor regime político para atingir a justiça social é aquele que aplica os fundamento norteadores da Palavra de Deus. Dessa forma, os poderes legislativo, judiciário e executivo das sociedades deveriam ter como fundamentos para a criação de leis, para as decisões judiciais e para um governo realmente justo, os princípios das Sagradas Escrituras.

PROFETAS, PROFECIA, POLÍTICA E JUSTIÇA SOCIAL

Como já coloquei na introdução, percebe-se claramente nas Escrituras que a função profética nunca esteve alienada das questões de ordem social, que buscam o entendimento e a aplicação da justiça, visando o bem maior para cada indivíduo numa sociedade e para esta sociedade como um todo.

Os profetas e as profecias não se limitam a falar sobre "as coisas do céu" ou sobre o futuro glorioso de povo de Deus. Eles estão comprometidos com o bem do povo de Deus e da humanidade aqui e agora.

O profeta de Deus é também porta-voz de uma mensagem que anuncia, denuncia e alerta diante de situações presentes e conhecidas. Ele tem a mente iluminada por Deus, que lhe possibilita uma tomada de consciência, um forte senso de justiça e o conhecimento dos grandes dilemas do seu povo e do seu tempo. Ele é alguém com quem Deus pode contar e usar para proclamar a sua mensagem.

O profeta de Deus tem consciência que a sua vocação, comissão, sustento, segurança, autoridade e mensagem provém do Senhor. Ele não está livre de temores, mas buscará superar a si mesmo, suas limitações, paixões e fraquezas, confiando e contando com a ajuda de quem o separou desde o ventre de sua mãe (Jr 1.5; Sl 139.16; Gl 1.15).

MONARQUIA EM ISRAEL, PROFETAS E PROFECIAS

Com o advento da monarquia em Israel, a atividade e a mensagem profética com fins políticos e de justiça social foi algo bastante evidente.

No campo político, a confiança dos governantes no Poder temporal em substituição ao Senhor, fez com que as práticas abaixo fossem abertamente e contundentemente denunciadas e combatidas pelos profetas:

- A difusão da idolatria cultual por conveniência política;
- O casamento de reis com mulheres ímpias e idólatras, também por conveniência política;
- As guerras injustas;
- A divinização do rei (ungido intocável e absoluto) e manutenção a todo custo do "status quo" político, ou seja, de deixar as coisas como estão;
- O culto ou confiança no poderio militar
- O culto ou confiança aos grandes impérios, como os quais Israel fez alianças políticas

As questões acima estiveram presentes, por exemplo, na mensagem de Oséias (7.8,11; 12.1-2) e de Isaías (30.1-2; 31.1).

Sobre as questões econômicas e sociais que promoviam a injustiça social, foram denunciadas e combatidas as seguintes práticas:

- A substituição do Senhor pelas riquezas
- A ganância
- O suborno recebido pelo juiz
- A exploração dos trabalhadores para a manutenção do luxo no palácio, do rei e da corte
- A concentração de riquezas nas mãos de poucos
- O empobrecimento da maioria da população
- A administração fraudulenta
- A impunidade
- A violência
- A opressão

Contra estas coisas foram levantados e falaram claramente, por exemplo, Amós (8.4-6), Isaías (1.15, 21-31; 3.16-17), Miquéias (2.1-2), Jeremias (34.8-11, 16, 17).

IGREJA, POLÍTICA E JUSTIÇA SOCIAL

Em sua função profética, como pastores, pregadores, ensinadores e a Igreja estão se posicionando diante dos dilemas sociais de nossa época? Tenho algumas considerações, muitas delas já conhecidas de meus leitores e tratadas em outras postagens neste blog.

Penso que algumas questões graves contribuem para que pastores, pregadores, ensinadores, líderes cristãos em geral e algumas igrejas silenciem diante das injustiças sociais em nossos dias.

Muitos profetas e a atividade profética da igreja está comprometida nos dia atuais por diversas questões, onde cito aqui algumas delas:

- Com a institucionalização da igreja, dentro da própria igreja observamos a prática da injustiça, quando algumas lideranças exploram os dízimos dos pobres (dos ricos também) para manter o seu luxo palaciano. Há líderes que deixam de investir no socorro aos necessitados, na educação e na evangelização para que sobre dinheiro para a compra de carros e apartamentos, apartamentos, mansões, fazendas, aviões etc. Outros investem timidamente nestas obras, para tentar passar uma falsa imagem ou mascarar a realidade. Volto a repetir que um líder deve viver dignamente, mas não deve destoar absurdamente da realidade social e econômica de sua comunidade cristã. Não sou apologista da mendicância, nem da ostentação luxuosa desnecessária e extremamente vaidosa;

- Pastores, pregadores, ensinadores e outras lideranças fazem a cada eleição alianças com candidatos e políticos corruptos, ladrões, devassos e arrogantes. Se vendem e negociam o voto da igreja em troca de favores como terrenos, comissões, cargos para familiares, parentes e amigos, ajuda para realização de festividades ou obras. Nestas questões, há uma verdadeira promiscuidade em nossos dias. Ao fazerem tais alianças, este líderes ou igrejas perdem a sua autoridade profética, visto que tal autoridade está associada à nossa integridade moral e princípios;

- Algumas de nossas organizações (escolas, universidades, faculdades, convenções estaduais, regionais e nacionais de igrejas e ministros, etc.) deixaram de ser relevantes, existindo atualmente para basicamente servir para distribuição de cargos, ser fonte de vantagens financeiras, privilégios, roubos, extorsões, esquemas, fraudes, corrupções, promotoras de brigas, facções, dissensões e de escândalos internos e externos, locais, regionais e nacionais. Os que tem acesso às provas desta realidade se omitem, geralmente, por terem sidos ou por serem beneficiados de alguma forma pela situação.

Dessa forma, pode-se entender o silêncio profético de muitos para com as questões políticas e sociais de nossa época.

Não dá para confrontar Acabe (os líderes políticos de fora e os líderes "políticos" e religiosos de dentro) quando se compactua do seu pecado, ou quando se teme perder o emprego, o salário, algum cargo ou função alcançada, ou ainda a perda de oportunidades, convites ou agendas. Tal postura é covarde e mercenária. Precisamos seguir o exemplo de Micaías (1 Rs 22.13-14).

Não dá para denunciar o "pecado de Herodes" (Mt 14.3-12) quando se senta na mesa com "Herodes" para negociar ou buscar favores ilícitos ou imorais. É interessante lembrar que nem sempre legalidade é sinônimo de moralidade.

Apesar do momento crítico, o ministério profético na Igreja voltado para as questões políticas e sociais não será extinto. Tenho viajado por este Brasil e conhecido muitas lideranças e instituições sérias, honestas e ainda comprometidas com o bem comum, com a justiça social e com os princípios e prioridades do Reino de Deus.

Sempre haverá um profeta (ou profetas) no campo, nos grandes centros urbanos e nos palácios prontos para serem convocados, capacitados e usados pelo Senhor.

Ele pode contar com você?


3. MÉTODOS E ESTRATÉGIAS DE ENSINO

Fale aos alunos sobre as grandes questões políticas e sociais de nossa época, fazendo um paralelo com as questões e ministério profético nos tempos bíblicos, para depois discutir a atividade profética e o discurso profético em nossos dias associados a esses temas.


4. RECURSOS DIDÁTICOS

TV, vídeo, computador, quadro, mapa, cartolina, pincel ou giz, etc.


5. SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

- Bíblia de Estudo Pentecostal, CPAD.

- Bíblia de Estudo Almeida, SBB.

- Conheça Melhor o Antigo Testamento, VIDA.

- A Voz Necessária: encontro com os profetas do século VIII a.C., Paulus.


Desejo a todos uma excelente aula para a glória de Deus!

Siga-me no TWITTER.

13 comentários:

EBDicas disse...

Muito bom auxílio, apesar de não comentar todas as vezes, sou um seguidor assíduo deste abençoado blog.
Fique com a Paz do Senhor Jesus.

O Pastor disse...

Dei uma passada, lí e gostei.
PAZ.

Cêça Santos disse...

"Os pregadores, ensinadores e a Igreja nos dias atuais estão cumprindo o seu papel, denunciando o pecado e declarando a vontade de Deus para uma sociedade onde a injustiça, a violência, a exploração, a fome, a corrupção e outros males prevalecem?"

Gostaria de lhe fazer a mesma pergunta...

Poucos são os que querem hoje, pagar o preço, para ouvir e obedecer a voz de DEUS. Acorrida hoje é pelo ouro, poder, status, holofotes... é lamentável.

GRAÇA E PAZ!!!

Lucidarc disse...

Deus abençõe todos vocês que amam a palavra de Deus!!! Obrigado pastor pelo o excelente comentário.

anononima disse...

Sou professora da ebd e enriqueço muito minhas aulas com seus comentários fiquei bastante feliz em saber que o senhor vira ministrar no congresso da ebd aqui na minha cidade em camaçari-ba,que Deus continue te abençoando e te capacitanto pois a igreja de Cristo necessita de homens que tenham compromisso com a Sua Palavra.A paz de Cristo

Andréia disse...

Obrigada pelo riquíssimo comentário Pr. Altair Germano, meditando mais uma vez lembrei-me de como é difícil ser "Profeta" de Deus neste tempo...Que Deus nos de coragem para falar a Sua Verdade e nos faça fiéis em tudo! Um forte Abraço!!!

irmão Valmir disse...

Amados,
Graça e Paz!
Abri o Blog e fui lendo de cima para baixo. Encontrei muitas tantas "propagandas" de "congressos", pensei: "Ai Jesus! O irmão Altair foi cooptado!". Mas continuei descendo, até encontrar este post. Então percebi que realmente o Senhor precisa do irmão Altair naqueles Congressos. Permaneça na simplicidade do Evangelho de Cristo amado.

paulinho disse...

Gostei muito dos seus comentários que nos ajudaram muito na EBD. Parabéns. Deus te abençoe.
Paulinho - AD Pontal - SG

Deda santos disse...

a paz do Senhor Pr. Altair Germano. Verdadeirmante Deus é contigo. O seu comentário é muito esclarecedor, um sermão defato. Todos os fatos registrados aqui, denotam um verdadeira profecia, dias atuais, profecias cumpridas. Assim como Jeremias, devemos denunciar as pragas comteporâneas. Sem ter que agradar aos magistrados de plantão. O Senhor é um desses "Jeremias" Deus o abençõe.

proftiagorodrigues disse...

Querido Pr Altair, que a imerecida graça do Eterno continue te abençoando e te dando discernimento para ensinar a palavra de Deus.

Os textos de sua autoria têm sido uma benção para mim e enriquecido muito minhas aulas.

Muito obrigado.

Fique na paz de cristo.

lauzinho disse...

É admirável o comentário do PR Altair. estudos sobre o assunto são necessários,inclusive um fato que não foi abordado: Pastores deixando a chamada para serem pescador de almas, para se envolverem com uma atmosfera carregada de vidas egocentricas.Creio que há várias maneiras de um Pastor realizar política sem pleitear cargos públicos.

Pr. Isaias disse...

Muito rico tem sido os recursos que o amado pastor e colega tem disponibilizado semanalmente neste seu espaço. A nossa EBD tem sido abençoada, pois o professor tem conseguido ajuda pedagógica para as aulas. Obrigado.
Pr. Isaías Oliveira Soares / Assembléia de Deus de Conceição da Feira Bahia

pr_isaiasoliveira@hotmail.com

O NOSSO BLOG disse...

A Paz do Senhor Jesus! Sou professor da Escola Domincal da Assembleia de Deus Belem no Japao,e este blog tem me auxiliado muito pois é muito rico em informações e ensinamentos, que Deus continue a capacitar e ungir o Senhor para esse tão maravilhoso e grandioso trabalho que é ensinar a Palavra de Deus. Deus os abençoes...