domingo, 7 de fevereiro de 2010

ARMINISTA OU CALVINIANO


Comprei o livro acima "A Soberania de Deus e a Responsabilidade do Homem", e o li calmamente e atenciosamente em 4 horas (terminei a poucos minutos).

A posição do autor sobre o tema, embora identificando-se como reformado ou calvinista, e defendendo estas perspectivas teológicas, expressa o sentimento daqueles que com sinceridade e equilíbrio tratam sobre a soberania de Deus e a responsabilidade do homem (livre-arbítrio). Observe as citações abaixo extraídas da obra:

"A Bíblia não nos permite resolver a aparente contradição [...]" (p. 37)

"Mais uma vez, afirmamos a impossibilidade de reconciliar os diferentes conceitos bíblicos em um sistema lógico. De um lado temos visto claramente que a salvação é pela graça, que Deus pelo seu Espírito dá fé ao homem e que a salvação de nenhuma maneira é devida ao homem. De outro lado, é ordenado ao homem que se arrependa e creia no evangelho, e deixa bem claro que se o homem se perde é por não ter crido no evangelho. Temos de afirmar as duas coisas, por mais que pareçam irreconciliáveis, porque se negamos a primeira parte (a graça irresistível) a salvação chega a ser condicional, e se negamos a segunda parte (a responsabilidade do homem) Deus se torna a causa da perdição daqueles que não aceitam o evangelho." (p. 61)

"A evidência bíblica nos leva a afirmar ao mesmo tempo a soberania de Deus e a responsabilidade do homem, mesmo que as duas pareçam logicamente incompatíveis. A negação de uma das duas leva inevitavelmente a uma tergiversação da teologia bíblica". (p. 76)

"Não é nosso propósito defender os teólogos de um ou outro partido, nem é de nossa alçada fazê-lo. Nossa responsabilidade é defender a doutrina bíblica e reconhecer com amor e humildade que nem todos os cristãos compartilham a mesma interpretação da Bíblia e nossa interpretação não é infalível." (p. 78)

Qualquer calvinista ou arminiano que compreende a dificuldade do tema "predestinação e livre-arbítrio" chegará onde Donner chegou, mesmo sendo mais inclinado para uma ou outra posição teológica.

Dessa forma, se alguém me perguntar se sou calvinista ou arminiano, com base no aqui exposto, vou responder o seguinte: sou arminista ou calviniano.

Há muitos arministas ou calvinianos nas igrejas pentecostais, históricas e reformadas. Acontece, que os tais não assumem esta posição de equilíbrio, ou seja, não reconhecem as duas verdades bíblicas mesmo sem poder conciliá-las logicamente, com receio de serem perseguidos, excomungados ou "queimados" pelas atuais "Santas Inquisições Denominacionais" .

Abraços!

21 comentários:

zwinglio rodrigues disse...

Pr. Germano, paz!

Eu comungo com a idéia de que há um mistério nisso tudo... por diversas vezes eu disse, por exemplo, no blog 5 Solas, que a Bíblia ensina as duas coisas e que é difícil a conciliação de ambas...
.
Tenho andado por blogs e sites calvinistas e tenho encontrado uma unilaterilidade a revelia das Escrituras... por conta disso, tenho debatido enfatizado o "q" arminiano e tenho escrito alguns textos em meu blog com essa ênfase...
.
No sentido do que diz o autor do livro resenahdo por ti, também, sou, como você, tanto uma coisa como outra... porém... não me furto em dizer que o pensar arminianista parece ser mais contundente nas páginas da Bíblia.
.
Abraços!

Raidson Jenner Negreiros de Alencar disse...

Muito interessante este ponto de vista. Parabéns Pr. Altair pela exposição. Realmente, tenho mantido alguns debates, até certo ponto acalorados, em alguns sites, seja da linha calvinista, seja da linha arminiana. E percebo que ambos os pontos de vistas são aceitáveis, apesar de realmente inrreconciliáveis. A partir de hoje adotarei esta postura se me perguntarem de que linha teológica sou adepto responderei "Arminista calviniana"
A Paz!supeup

Saulo Vale disse...

Uma postura bastante equilibrada. Creio na soberania de Deus, mas também creio na responsabilidade do homem. Se me perguntarem se sou calvinista ou arminiano, irei responder: Creio no que a Bíblia me ensina.

Valdomiro Filho disse...

Tenho uma visão meio arminiana da predestinação. Mas, fiquei feliz em saber que mesmo sendo calvinista o autor do livro não se furtou em chegar a simples conclusão de que "calvinismo" puro leva a condenação do homem à responsabilidade de Deus, o que isentaria, em última instância, o homem de sua culpa.

De qualquer forma acredito que a Graça de Deus é ποικίλης. I Pe. 4.10

Antonio disse...

Tanto a doutrina de Calvino como a de Arminio contém verdades a serem consideradas, no entanto em ambas também podemos encontrar erros doutrinários concernente a salvação do homem, os dois extremos de cada doutrina se opõem, penso ser mais coerente assumir uma posição teológica neutra quanto ao Calvinismo e Arminianismo, pois quando digo que sou ambos (Calvino e Arminio), também concordo com seus erros.

Joabe disse...

Eu não vejo nenhum problema em algum cristão ser calvinista de fato e se declarar como tal, nem em ser arminiano de fato e assim se declarar. Isto são “questões teológicas secundarias”.
Eu não li esse livro, mas uma coisa que alguns não percebem são os termos que são usados e o que eles representam para quem os usou.
Pelas palavras que estão entre aspas, que são as citações diretas do autor, percebo que o mesmo não usou o termo LIVRE ARBITRIO. Ele usa simplesmente o termo RESPONSABILIDADE DO HOMEM. Sabe por quê? Porque calvinistas não acreditam em livre arbítrio. E se em algum lugar um calvinista usar esse termo veja em que sentido ele o entende.
Aos irmãos que se dizem arminista ou calviniano pergunto:
1. O homem é totalmente (100%) depravado?
2. Deus já determinou individualmente todos que irão para o inferno?
3. Jesus morreu APENAS pelos eleitos?
4. Um ELEITO pode se desviar e deixar de ser salvo? Uma vez salvo, sempre salvo?
5. O homem tem livre arbítrio?

Como falei acima, considero essas questões secundarias e tanto arminianos como calvinistas que são realmente crentes serão salvos.

carlos disse...

UM DOS GRANDES PREGADORES DO SECULO19 DISSE UMA VEZ,"...SE EU DECLARASSE QUE O HOMEM TEM LIBERDADE SUFICIENTE PARA QUE PUDESSE AGIR SEM O CONTROLE DE DEUS SOBRE SUAS ATITUDES,EU ESTARIA MUITO PROXIMO DO ATEISMO.SE,POR OUTRO LADO,EU DECLARASSE QUE DEUS CONTROLA TUDO DE TAL MANEIRA QUE O HOMEM DEIXA DE SER LIVRE O SUFICIENTE PARA SER RESPONSAVEL,EU ESTARIA MUITO PRÓXIMO ANTINOMIANISMO OU DO FATALISMO.QUE DEUS PREDESTINA E QUE O HOMEN É RESPONSÁVEL,SÃO DOIS FATOS QUE POUCOS PODEM VER CLARAMENTE..."(ESSE FOI SPURGEOM FALANDO).PARTINDO DESSAS PALAVRAS EU NÃO TENHO TENHO TANTAS DÚVIDAS QUANDO TINHA NA DECADA DE 90 QUANDO AINDA ESTUDAVA A BIBLIA EM CASA SOZINHO E OUVINDO MENSAGENS.APRENDI E APRENDO MUITO COM AS ESCRITURAS,ENCIMA DOS OMBROS DE SPURGEOM ENTRE OUTROS IRMÃOS CALVINISTAS(AUTENTICOS COMO MARTIM LLOYD JONES,JONATHAN EDWARDS,JOHN OWEN...)POSSO ME CONSIDERAR UM ASSEMLEIANO EM BUSCA DE COMPREENSSÃO.

NilmaBostonRio disse...

.
Hoje mesmo escrevi o meu parecer em um topico sobre um assunto semelhante a este na Comunidade Assembleia de Deus la no Orkut:

Foi feita auma pergunta:
O homem vem a Cristo pela sua própria vontade?

O meu comentario foi:

O homem vai a Cristo por sua vontade quando a mesma é constrangida pelo proprio Espirito de Deus.

Não vejo nenhum merito humano nessa situacao, mas obra exclusiva de Deus sem determinar ou predeterminar a vontade humana, que ao ser convencida pelo próprio Deus do seu estado de condenacao e a necessidade de salvacao - se ve diante da escolha de rejeitar ou aceitar a salvacao da parte de Deus.


Portanto, nao tenho problema nenhum em aceitar a ideia do autor do livro:
" A Soberania de Deus e a Responsabilidade do Homem ".
by Theo G. Donner


by NilmaBostonRio

( link para o Orkut:
http://www.orkut.com/Main#CommMsgs?cmm=371618&tid=5435374614988253577 )

.

Caio Augusto disse...

Paz Pastor ALtair

Venho acompanhando esse debate à respeito do arminianismo e calvinismo no blog do pastor Ciro Zibordi, e tbm venho estudado esses pontos pra saber e pra ouvir de Deus o que é certo, e isso que o senhor disse é exatamente o que eu pensava....que há como existir um meio termo, mesmo que racionalmente não seja possivel.

Que Deus abençoe seu ministério.

Paulo Silvano disse...

Caro Pastor Altair,

O arminianismo é uma tese capenga, justamente por não ser concludente em termos de soteriologia. O Calvinismo sim, embora padeça de antinomias (que na verdade são paradoxos) e dependa de um mosaico forçado de versículos para se sustentar, acaba, em tese, oferecendo argumentação conclusiva.

O arminianismo não passa de uma muleta que calvinismo tético precisa para se viabilizar na vida (na praxis).
O arminianismo, tal como entendido pela maioria cristã, não passa de um afluente importante que se vale do (e do qual se vale o) rio chamado calvinismo, para chegar ao mar.
O desentendimento entre arminianos e calvinistas é apenas um jogo de cena, necessário a sustentação de ambos.
Todo arminiano, que sinceramente resolve levar o arminianismo às últimas consequências, vai padecer um problema lascado, no tange aos chamados atributos de Deus. Por isso, a determinada altura do reflexão soteriológica, a maioria dos arminianos acabam calvinistas, para não ter que mexer no vespeiro teológico.

Penso que nessa discussão o que de fato incomoda os interessados em teologia não é a existência das duas teses, delineadas nos séculos do cristianismo, mas os altos esforços necessários para que a abertura de uma delas(no caso o arminianismo) não ameace o equilíbrio e a perpetuação de ambas. Parece que a questão que carece resposta é: Vamos manter o suposto equilíbrio e a “paz” reinante entre esses dois postulados, mantendo as formas como nos foram oferecidas pela tradição teológica ou vamos nos orientar pelo correto entendimento da natureza e do caráter de Deus?

Alguém tem coragem para desequilibrar esse "debate"?

Um abraço
Paulo Silvano

Paulo Mororó disse...

Caro pastor Altair, a Paz do Senhor.

Acho que já ouvi duas frases pertinentes ao assunto:
1. "Não consigo ser calvinista, pois já nasci predestinado para ser arminiano".

2."Não me deixo levar por outras correntes teológicas, pois tenho livre-arbítrio para escolher ser calvinista".

Como vimos, as incoerência existem mesmo numa disputa entre "firmes" convicções.

Um abraço
PAULO MORORÓ

Jonas disse...

Pr. Altair, Graça e Paz
Um outro livro muito bom que trata do tema de maneira equilibrada é ELEITOS, NAS LIVRES de Norman Geisler, Editora Vida.
Na verdade a polarização extremada de tal tema teológico, fincadas em partidarismos pessoais (Eu sou de Calvino ou Eu Sou de Armínio etc) vem produzido entendimentos distoantes do verdadeiro compreensão bíblica e da complexidade que o binômio Eleição x responsabilidade humana impõe.
Uma boa definição para predestinação É: "Deus presdestinou para a salvação todos aqueles que aceitariam livremente a mensagem do evangelho."
O grande problema dos calvinistas é que ao exaltarem a soberania de Deus na escolha humana para a salvação, esquecem que "os não eleitos" não teriam outra opção a não ser a condenação. E se Deus poderia salvá-los e não o faz, em última analíse Ele seria responsável pela condenação dos mesmos.
Eu fico imaginando a cena no dia do Juízo, caso os Pontos do Calvinismo fossem todos verdades.
Um "não eleito" ao ser condenado por seus pecados, argumentaria com Deus: -Mas Senhor tu não me deste outra opção de vida, pois você, Senhor, escolheu outros e não a mim para ser salvo, e agora tu vens me condenar.

Geraldo B. A. J. disse...

Olá pastor Altair Germano!

Seu blog está entre os "meus favoritos" e, tenho que confessar, é um dos melhores que acesso. Informa, estimula o debate, promove o conhecimento e edifica. Reconheço, desta forma, o valor das suas publicações: com a web tudo ficou mais fácil!

Fui membro da Assembleia de Deus até 2002 e hoje sou presbiteriano. O senhor me conhece, embora acredito que não se lembre de mim. Honestamente, sempre tive muita consideração e respeito pelo senhor. Queira Deus podermos conversar novamente um dia, pois, podemos ser amigos além de irmãos.

Arminista ou Calviniano? Parece uma proposta atraente para quem pensa ser possível fundir estes dois sistemas teológicos: arminianismo e calvinismo. Naturalmente não estou dizendo que esta é sua proposta (pode até ser), mas, apenas afirmando que para muitos irmãos que acessam seu blog (especialmente os arminianos) o conteúdo deste post pode satisfazer a consciência dos santos que estão inconformados com a soteriologia arminiana e estão começando a perceber que o calvinismo é mais coerente com a Bíblia. Infelizmente, quando o calvinismo é apresentado dentro das igrejas pentecostais (talvez haja exceções) por aqueles que defendem o arminianismo percebe-se a incongruência a que é submetida a doutrina reformada. Isto demonstra apenas a falta de honestidade ou a ignorância por parte de alguns arminianos que, em vez de apresentarem o sistema calvinista com base nos documentos e nos livros de autores como Calvino, Hodge, Spurgeon, Lloyd-jones, Hoekema – fazendo uma interpretação correta, é claro – e muitos outros que de fato exprimem este sistema religioso, simplesmente usam conclusões ilógicas para difamarem a teologia reformada, tais como: "se já nasci predestinado então posso fazer o que quero" ou "se já nasci predestinado à salvação então não preciso me arrepender, pois, de todo jeito vou para o ceu". Acontece que isto não passa de uma caricatura (das piores mesmo) do calvinismo. É só ler os autores supracitados e perceber-se-á a veracidade do que estou afirmando.
O calvinismo não nega a responsabilidade humana, de forma que uma tentativa de unir soberania divina e responsabilidade humana não são coisas incompatíveis dentro do calvinismo. Incompatível sim é a tentativa de conciliar, por exemplo, soberania divina e LIVRE-ARBÍTRIO. Pois são coisas totalmente excludentes: ou Deus é soberano e o homem não é livre ou o homem é livre e Deus não é soberano. Afirmar a liberdade humana levará consequentemente e coerentemente, ao Teísmo Aberto: doutrina que afirma a liberdade humana em detrimento da soberania de Deus.
...

Geraldo B. A. J. disse...

Assim, repito (em outras palavras) não é de admirar que haja um calvinista que afirme a soberania e a responsabilidade ao mesmo tempo. Por outro lado, o senhor não encontrará um reformado coerente que afirme a soberania e o livre-arbítrio, pois, estes sim, são incompatíveis.
Além do mais, ninguém pode ser chamado de calvinista simplesmente porque acredita na predestinação. Há uma gama de outras implicações que podem ser discutidas a respeito do que é um reformado. Sinceramente não considero como “questões teológicas sencudárias” estes assuntos concernentes à salvação, pois, não se trata de uma única doutrina, porém, de várias que são essenciais à fé cristã e que estão interligadas entre si. Creio que no ceu não haverá arminiano nem calvinista, mas, cristãos. Como também creio que nossas crenças influenciam nosso modo de viver. Um arminiano fica preocupado, em algumas situações, se perdeu ou não a salvação. Um calvinista não tem esta preocupação, pois acredita que sua salvação depende exclusivamente de Deus, arrepende-se e descansa naquele que lhe deu a vida que não perece, a vida eterna. Assim, uma das implicações práticas são o conforto e a segurança que a doutrina reformada oferece. Naturalmente quando tal conforto e segurança são vistos como uma permissão para pecar o suposto “reformado” deve ser convidado a repensar sobre sua própria vida: a fim de saber se de fato ele está em Cristo, pois, aqueles que nele estão não vivem na prática daquilo que causa repulsa no seu Deus!

Em Cristo que nos ama,
Soli Deo Gloria!

Laudinei- NEI disse...

" Pois são coisas totalmente excludentes: ou Deus é soberano e o homem não é livre ou o homem é livre e Deus não é soberano"

PORQUE?

Deus como soberano não pode criar seres livres? Se não pode não é tão soberano assim.
Liberdade humana, dada por Deus, não arranha sua soberania, alias nada arranha a soberania divina, então diferente do citado acima eu posso afirmar que Deus é soberano e o homem é livre.
Se isso é calvinismo ou arminismo não importa importe se é biblico e tanto a liberdade como a soberania divina são biblicas.


Laudinei
exemplobereano.blogspot.com/

Osmar Neves disse...

Tenho esse livro também e a vontade que tenho é de jogá-lo fora! Depois de ler "A Soberania Banida" de R. K. McGregor Wright (Editora Cultura Cristã) e os livros do Vincent Cheung (Editora Monergismo), não me permito ser condescendente com quem prega o irracionalismo na fé cristã. Deus é um ser lógico ("No princípio era o Logos"), Ele é soberano sobre toda a realidade, determina todas as coisas, o homem não é livre, e somos responsáveis porque Deus nos declara responsáveis. Desde a eternidade Deus escolheu os seus eleitos, predestinando-os para a glória e destinou os ímpios para o tormento eterno (Romanos 9 é esclarecedor!). A Deus toda a Glória!

Geraldo B. A. J. disse...

Concordo com você Osmar Neves!
Ipsis Literis(Literalmente)!!!

Vanderly disse...

Parabéns pela indicação e pelo comentário do livro, EMBORA
Só gostaria de fazer uma observação. Quando o senhor (Altair) diz que a posição do autor (Donner) sobre o tema,
“EMBORA identificando-se como reformado ou calvinista, expressa o sentimento daqueles que com sinceridade e equilíbrio tratam sobre a soberania de Deus e a responsabilidade do homem”.
A expressão EMBORA fortalece o estereótipo de que os calvinistas seja fatalistas e descrentes na responsabilidade humana (diferente de livre arbítrio).
Na verdade Donner está em sintonia com o pensamento reformado calvinista histórico e moderno, pois Historicamente os reformados condenam o Hiper-Calvinismo como uma heresia que surge por falta de equilíbrio da doutrina de Deus.
Anthony Hoekema, no livro “Criados À Imagem de Deus” (São Paulo, Ed. Cultura Cristã , 1999), tem um capítulo sobre o homem como Pessoa Criada. Diz que o homem como é ao mesmo tempo uma pessoa responsável e uma criatura dependente. Chega as mesmas conclusões que Donner na obra citada.
J. I. Packer (brilhante teólogo Anglicano Reformado) tem um livro chamado “A Evangelização e a Soberania de Deus” (Editora Cultura Cristã), no qual chega à mesma conclusão.
John Piper, Batista Calvinista, diz que sobre esse precisamos pensar primeiro biblicamente e depois logicamente.
A teóloga Presbiteriana Drª Jane Dempsey Douglass observa que: “Se houver um estereótipo popular de presbiterianismo, é que os presbiterianos acreditam na predestinação como um tipo de convicção fatalista que Deus determina tudo com antecedência”.
O EMBORA deu a entender que os teólogos reformados calvinistas não tratam a soberania de Deus e a responsabilidade do homem com sinceridade e equilíbrio. Na verdade Donner não é exceção, mas regra entre os calvinistas.

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Vanderli, fico feliz pelos esclarecimentos.

O meu "embora", parece que não ficou muito claro, diz respeito ao pensamento hipercalvinista.

Deus lhe abençoe!

Helvecio.p disse...

Li com a devida atenção todos os comentários. Tenho acompanhado a cerca de um ano ou mais pela web debates calorosos e apaixonados sobre o assunto. Aparentemente calvinistas se concentram mais em defenderem as suas posições, arminianos nem tanto. Aparentemente o calvinismo se sustenta na oposição vislumbrada no arminianismo. Antes e agora tenho convicção e argumentos para ignorar completamente o calvinismo ( não os irmãos calvinistas ). A colocação que3 faço é a seguinte: se alguém conhecer as Escrituras e não souber nem de longe que foram e as idéias de calvino e Arminius faz alguma falta? Um abraço.

Helvecio.p disse...

desculpe...o meu blog é :

http://mensagemdopregador.blogspot.com/2011/01/so-ha-um-evangelho.html

Visitem e deixem lá seus comentários.

Em Cristo.