sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

CGADB: O MEU CANDIDATO

IMAGEM: BLOG DO PASTOR CIRO ZIBORDI

Pegando carona no post do pastor Ciro Zibordi, que resolveu escolher Jesus como seu candidato para as eleições da CGADB, gostaria de mui respeitosamente dizer que não farei o mesmo. Não é que Jesus não tenha condições, mas sim, pelas questões que seguem:

- Em primeiro lugar, penso que Jesus não aceitaria ser o presidente da CGADB, sem que ficasse muito claro a atual razão de ser da mesma. Para nós, simples e falhos humanos, tal questão é por vezes ignorada. Por qual motivo falo isto? É pelo fato de que cada vez menos a CGADB interfere nas questões de usos e costumes, doutrinas, ordenações e litígios das Convenções Estaduais. Diante disto, o que sobra?

- Em segundo lugar, para participar do processo eleitoral, penso que Jesus não se submeteria ao baixo nível da campanha, ameaças de questões judiciais e às trocas de acusações que se já se tornaram públicas e notórias. Alguma dúvida sobre este fato?

- Em terceiro lugar, penso que Jesus não trocaria o cuidado com as ovelhas pela política eclesiástica, na forma em que ela se apresenta neste pleito. Não consigo perceber Jesus negociando e distribuindo cargos que na prática, na maioria dos casos, não servem para nada além de promover certo status, massagear o ego, ou dar uma sensação de poder para quem os possui.

Bem, com Jesus de fora como candidato nas eleições convencionais, quem fica?

Ficam homens falhos (como eu e você), com idéias e atitudes com as quais concordamos e discordamos, mas que precisamos acreditar que estão bem intencionados (a não ser que claramente contrariem isto), a quem devemos amar incondicionalmente e orar incansavelmente.

Sobre os rumos da CGADB, independente dos resultados das eleições? Só Jesus sabe!

Apesar de parecer utópico, creio ainda numa Reforma Institucional. Acredito no caráter, na idoneidade e numa tomada de consciência sobre as questões aqui expostas, por parte de homens que se declaram chamados por Deus para a realização de sua obra, com temor e tremor.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

CONFERÊNCIA DE ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL: AD PINHEIROS (MACEIÓ-AL)

Se o Senhor me permitir, estarei amanhã e sábado ministrando na Assembléia de Deus no Pinheiro (Maceió-AL) sobre os seguintes temas:

- A Escola Dominical e as Novas Tendências Pedagógicas (Sexta às 19h00 e Sábado às 14:00)
- Os Benefícios da Escola Dominical para a Igreja Cristã (Sábado às 19h00)

Para maiores informações:

ASSEMBLÉIA DE DEUS NO PINHEIRO
Endereço: Rua Coronel Lima Rocha, 682 - Pinheiro. Maceió - AL
Telefone: (82) 9309-4240
Pastor: José Laelson da Silva

MARKETING ASSEMBLEIANO (3)

FONTE : tirandoonda.com.br

Como escrevi nos comentários do post MARKETING ASSEMBLEIANO (2), com a devida autorização e informações nos dada pelo pastor Severino Ramos, da Assembléia de Deus em Ipojuca-PE (Convenção Recife-PE), publico acima foto relacionada ao batismo realizado na praia de Porto de Galinhas, no qual a citada jangada esteve presente (Veja outras imagens AQUI).

Volto a declarar que a divulgação se tratou de algo audacioso e inusitado, independente da realização do batismo. Se na ótica do pastor Ramos não há problema algum com este tipo de marketing, não vejo porque deixar de utilizá-lo após o evento. Opiniões contrárias e divergentes , sempre haverão em tudo que realizamos.

Parabéns ao nobre companheiro pelo crescimento da igreja!

PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO DE PASTORES INSCRISTOS PARA A 39ª AGO DA CGADB (2)

FONTE: BLOG DO PR. SAMUEL CÂMARA

O Blog do pastor Samuel Câmara está promovendo uma enquete sobre as impugnações solicitadas, em razão de alguns ministros terem sidos supostamente inscritos para as próximas eleições convencionais, fora do prazo estabelecido, descumprindo desta formar o atual Estatuto da CGADB.

Este espaço continua aberto para os devidos esclarecimentos sobre os fatos, e publicará qualquer declaração oficial da CGADB sobre o assunto.

A PREGUIÇA


"Preguiçoso, até quando você vai ficar deitado? Quando vai se levantar? Então o preguiçoso diz: 'Eu vou dormir somente um pouquinho, vou cruzar os braços e descansar mais um pouco.' Mas, enquanto ele dorme, a pobreza o atacará como um ladrão armado." (Pv 6.9-11, NTLH)

EMPURRANDO COM A BARRIGA (PROCRASTINANDO)

"Não obstante, a feiura não lhe subtrai popularidade: procrastinamos o início da dieta, as resoluções de ano-novo e o check-up médico, procrastinamos tudo que parece enfadonho e tudo que demanda muito trabalho, procrastinamos decisões difíceis e ações impopulares, procrastinamos no trabalho e na vida pessoal, procrastinamos o namoro (por temer o casamento) e o casamento (por temer o divórcio). Às vezes, procrastinamos a vida e até tentamos procrastinar a morte." (Leia em Carta Capital)

Nesta onda, muitos tentam também procrastinar a sua decisão de receber Jesus como Senhor e Salvador de suas vidas, ou de procurar se reconciliar com Deus. Será que este é o seu caso?

Lembre-se, ninguém poderá procrastinar as duras consequências de uma eternidade sem Deus e sem salvação!

"Pois então os senhores e todo o povo de Israel fiquem sabendo que este homem está aqui completamente curado pelo poder do nome de Jesus Cristo, de Nazaré - aquele que os senhores crucificaram e que Deus ressuscitou. Jesus é aquele de quem as Escrituras Sagradas dizem: 'A pedra que vocês, os construtores, rejeitaram veio a ser a mais importante de todas.' A salvação só pode ser conseguida por meio dele. Pois não há no mundo inteiro nenhum outro que Deus tenha dado aos seres humanos, por meio do qual possamos ser salvos." Atos 4.10-12, NTLH)

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

JUIZ ARBITRAL: O QUE É, E O QUE FAZ?

No último dia 20/02, durante as comemorações de seu 5º ano como presidente da Assembléia de Deus em Abreu e Lima-PE e da COMADALPE, o pastor Roberto José dos Santos recebeu a nomeação de Juiz Arbitral.

Devido ao grande número de irmãos que me abordam e que me ligam, buscando saber sobre o que é, e quais são as atribuições de um juiz arbitral, segue abaixo alguns links que ajudarão aos interessados:

- Lei 9307/1996
- Entenda o que é o Juizado Arbitral

MARKETING ASSEMBLEIANO (2)

JANGADA PENTECOSTAL

Vocês se lembram da "jangada pentecostal"? Pois é, quem navegou, navegou, e quem não navegou, não navega mais. Recebi informações que ela não circula mais no litoral pernambucano (Porto de Galinhas).

Será que a direção da igreja (em destaque na vela) não tinha conhecimento do fato?

Quem tiver maiores informações, favor me contactar.

A EFICÁCIA DO PROFESSOR DA ESCOLA BÍBLICA DOMINICAL

Não tenho dúvida alguma que a eficácia na docência cristã sempre foi avaliada através dos paradigmas teóricos de cada época. A igreja, em seu contexto cultural, por vezes influencia, e noutras é influenciada.


Nessa perspectiva, um professor de EBD, ao longo da história, teve sua prática pedagógica avaliada em termos de eficácia, de diferentes maneiras. Uma interessante abordagem sobre o assunto encontra-se em Psicologia do Ensino (SALVADOR, 2000, p.165-166), que percebe quatro momentos históricos, cada um deles com uma ênfase teórica distinta.


Num primeiro instante, as características de personalidade do professor, tais como a liderança, a prudência, a empatia, a cooperação, etc., ganha relevância. O professor eficaz, através de traços pessoais marcantes, conseguiria atingir os seus objetivos na sala de aula.


Os métodos de ensino tiveram também o seu momento como ferramentas prioritárias na vida de um professor eficaz. A habilidade de diversificar e aplicar o ensino expositivo, dialógico, as perguntas e respostas, a discussão, o seminário, o júri simulado e outros, era o foco das atenções.


A capacidade de promover um clima agradável e favorável na sala de aula para o processo ensino-aprendizagem, foi tido noutra época como capacidade fundamental para a eficácia do professor. O comportamento do professor ganhou destaque.


Antes de expor a quarta idéia de Salvador sobre a eficácia do professor, cabe citar, que o quanto o professor sabia, o domínio dos conteúdos, a intimidade com a disciplina ensinada, por muito tempo determinou quem era ou não eficaz em sala.


Por fim, veio a idéia do domínio de um conjunto de competências (conhecimentos, habilidades, qualidades etc.) determinando a eficácia do professor.


Entendo que nos momentos acima descritos, olhares diferentes foram lançados sobre importantes traços e aspectos da prática pedagógica eficaz, onde todos se complementam e se completam.


Vale ressaltar, que a eficácia de um professor de Escola Dominical não depende apenas da aplicação desta ou daquela teoria pedagógica. O processo-ensino aprendizagem deve ser considerado também a partir da interação entre professor/aluno, onde este aluno é percebido como agente ativo nesse processo, dotado de conhecimentos e experiências que colaboram na construção, aquisição e realização de saberes e fazeres.


Acima de tudo, é preciso lembrar que na docência cristã, para que se alcancem os seus reais objetivos, o professor eficaz precisa estar influenciado e depender do agir do Espírito Santo, que capacita, habilita, qualifica, orienta, revela, ajuda e promove a glória de Deus.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Hotel California Live - Eagles

HOTEL CALIFÓRNIA (EAGLES)

Numa estrada escura e abandonada, vento fresco em meus cabelos,
Cheiro morno de baseado se erguendo pelo ar.
Logo a frente a distância eu vi uma luz trêmula.
Minha cabeça ficou pesada e minha visão embaçou,
Eu tive que parar para dormir.

Lá estava ela na entrada da porta;
Eu ouvi o sino da recepção e estava pensando comigo mesmo:
"Isso poderia ser o Céu ou o Inferno".
Então ela acendeu um candelabro e me mostrou o caminho.
Havia vozes pelo corredor,
Eu acho que ouvi elas dizerem...

Bem-vindo ao Hotel Califórnia,
Que lugar encantador, Que rosto encantador.
Vários quartos no Hotel Califórnia,
Qualquer época do ano, você pode encontrar aqui.

Sua mente é depravada, ela tem um Mercedes-Benz,
Ela tem uma porção de lindos, lindos rapazes,
que chama de amigos.
Como eles dançam no jardim, doce suor de verão,
Alguns dançam para lembrar, alguns para esquecer.

Então eu chamei o Capitão,
"Por favor, traga-me meu vinho". Ele disse:
"Nós não temos este espírito aqui desde 1969.
E aquelas vozes continuavam a chamar, de bem distante,
Te acordando no meio da noite
Só para ouví-las dizerem...

Bem-vindo ao Hotel Califórnia,
Que encantador, que rosto encantador.
Eles estão vivendo no Hotel Califórnia,
Que surpresa agradável, traga seus pretextos.

Espelhos no teto, "Champagne Rosê no gelo,
E ela disse: "Nós somos todos apenas prisioneiros aqui Por nossa própria conta".
E no aposento do mestre,
Eles reunidos para a grande festa.
Eles apunhalavam aquilo com seus punhais de aço,
Mas simplesmente não podiam matar a besta.

A última coisa que me lembro, eu estava Fugindo pela porta. Eu tinha de encontrar a passagem de volta Para o lugar onde estava antes. "Relaxe", disse o porteiro da noite, "Nós somos programados para receber Você pode assinar a saída quantas vezes quiser, Mas você nunca poderá sair!"

Tradução: letras.terra

Entre os 15 e os 22 anos de idade, quando ainda não conhecia Jesus, fui um daqueles amantes do Rock. Do Pop ao Heavy Metal, curtia tudo. Assim como milhares de jovens (e adultos) rockeiros, me ligava mais no som do que nas letras. Dessa forma, viajava em canções de belas melodias sem ter o conhecimento das traduções das letras. Curtia minha própria desgraça, declarava meu total aprisionamento, tudo isto em total ignorância.

Uma destas canções era "Hotel Califórnia", da banda EAGLE, que já vendeu mais de 120 milhões de albúns em todo o mundo. Uma belíssima melodia.

Observando a tradução da letra, é no mínimo angustiante o quadro que ela descreve. Totalmente entorpecido e drogado, o protagonista da aventura musical entra numa daquelas "viagens" provocadas pelas drogas, e se depara com um lugar que não consegue discernir se é o ceú ou o inferno. Com certeza não era o céu.

No céu não há mentes depravadas, pois é habitado por aqueles que mantiveram espírito, alma e corpo santificados e irrepreensíveis para a vinda do Senhor Jesus (1 Ts 5.23).

No céu não há nehuma forma de prostituição. Diz a Bíblia que ficarão de fora do céu os adúlteros, os efeminados e os sodomitas (1 Co 6.10; Ap 22.15).

No céu não há prisioneiros. Os que lá se encontram são aqueles que foram libertos do poder do pecado e do Diabo (Lc 10.19; Rm 6.14-18), pela graça de Deus.

No céu não há desejo de fuga. O céu é constantemente buscado, anelado, desejado (Lc 23.42; Rm 8.18; 2 Co 5.1-3).

Para você que enveredou pelo mundo das drogas, numa viagem aparentemente sem volta, eu tenho uma boa notícia. Diferente daquilo que diz a letra da canção, você tem uma saída.

Jesus disse: "Se pois o Filhos vos libertar, verdadeiramente sereis livres" (Jo 8.36), e ainda "É-me dado todo o poder no céu e na terra" (Mt 28.18)

Basta você crer e orar agora dizendo: Jesus, eu te recebo como meu Senhor e Salvador. Perdoa os meus pecados e liberta-me plenamente.

Se você está afastado dos caminhos do Senhor, volte-se agora, enquanto é tempo!

ATRÁS DO TRIO ELÉTRICO...

Embora o nome “trio elétrico” só tenha começado a ser usado em 1951, todos concordam que a história do famoso carro de som remete a cerca de um ano antes, com Dodô e Osmar em cima de um Ford Bigode 1929 restaurado para esse fim, saindo pelas ruas do centro de Salvador, arrastando o povo.

Mas foi na década de 70 que Caetano Veloso ´eternizou´ o Trio com a canção “Atrás do trio elétrico”. Quase todo mundo conhece o refrão transcrito acima... porém arrisco afirmar também que quase todo mundo desconhece o último verso dessa cantiga:

Nem quero saber se o diabo nasceu foi na Bahia, foi na Bahia
O trio eletro-sol rompeu no meio-dia, no meio-dia.


Mesmo sem ter plena consciência, Caetano acertou em cheio... Mas na primeira linha:

Atrás do Trio Elétrico só não vai quem já morreu.


Basta que nos lembremos das palavras de Paulo em sua carta aos Gálatas (6.14 ), onde expõe com clareza a realidade do nascido de novo, como sendo alguém que, de fato, já morreu... Para o mundo. Tendo morrido para o mundo, a pessoa convertida não sente mais prazer em muitas coisas que antes enchiam de significado sua vida; quem nasce de novo tem sua vida ressignificada. Veja o texto de Paulo:

Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo,
pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo.
Sendo assim, a gente não precisa ir atrás um trio elétrico, pois morremos. E porque revivemos em Cristo, com nossa vida tendo sido ressignificada, nossa alegria não se fundamenta mais em momentos de euforia ou de estravasamento. Temos em nós a verdadeira alegria!

Assim, como já morremos (para o mundo), não vamos atrás do Trio Elétrico. E como já renascemos (para Deus), seguimos a trilha do Reino de Deus, o qual “não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo” ( Romanos 14.17 ).

E nós sabemos que o diabo não nasceu na Bahia... embora saibamos que ele tem crescido muito aqui, como em muitas partes do mundo. Mas também sabemos que os seus dias já estão contados (Apocalipse 20.1-6).

Desta forma, podemos fazer coro com as palavras de Paulo e declarar que para nós o viver é Cristo e o morrer é lucro ( Filipenses 1.21 ).

Autor: Lécio Dornas
Fonte: Prazer da Palavra

sábado, 21 de fevereiro de 2009

DANIEL: CRESCIMENTO EM TEMPOS DE CRISES


"Então, Daniel foi introduzido à presença do rei. Falou o rei e disse a Daniel: És tu aquele Daniel, dos cativos de Judá, que o rei, meu pai, trouxe de Judá?" (Dn 5.13)

Quem foi Daniel? No que sua vida e conduta são relevantes como exemplo para a geração atual? São algumas questões que tentaremos responder neste breve artigo.

Daniel (hb. Deus é meu juíz) foi descendente da alta nobreza judaica (Dn 1.3; Josefo, Anti. 10.10,1). Foi levado cativo para a Babilônia por Nabucodonosor em 605 a.C. juntamente com outros jovens judeus com as mesmas qualidades.

O Livro de Daniel nos revela que apesar das condições adversas, este grande servo de Deus conseguiu manter um padrão de conduta moral e de vida espiritual, que nos serve de exemplo para uma conduta cristã em meio a moderna Babilônia, caracterizada pela pluralidade religiosa, pelo relativismo moral, e por um academicismo frívolo e conivente com estas questões.

1. A Infância de Daniel: Tempo de Lançar as Bases

Não temos detalhes sobre a infância de Daniel. Há fortes evidências de que ela foi vivida em Jerusalém. Alguns historiadores afirmam que por volta dos doze e dezesseis anos de idade, Daniel já se encontrava na Babilônia. Apesar da falta de informações sobre a infância de Daniel, podemos deduzir algumas coisas.

1.1 A Educação de Daniel

Daniel, assim como toda criança judaica, teve como referencial teórico educacional o Livro da Lei (Dt 6.1-9). As realizações, os mandamentos e as promessas de Deus para o seu povo foram por ele conhecidas e apropriadas. Sua base educacional foi a família. Não havia escolas judaicas formais no tempo de Daniel. A educação se voltava para os aspectos práticos da vida, levando em consideração a moral, a vida espiritual, a cultura e outros aspectos sociais.

Nestes termos, a condição econômica/social da criança pouco importava. Nobre ou não, todos deveriam ser educados por seus pais com o mesmo amor, observando-se os mesmos princípios e fundamentos.

Como estamos cuidando da educação de nossos filhos? Como pais ou responsáveis, estamos fazendo a nossa parte, promovendo sólidos fundamentos morais e espirituais em nossos lares a partir do culto doméstico, da leitura e do estudo da Palavra, ou como muitos, já terceirizamos para a escola e para a igreja estas responsabilidades?

1.2 As Convicções de Daniel

Acredito que Daniel não apenas aprendeu com o que ouviu de seus pais, mas, acima de tudo, pelo exemplo dos mesmos. Onde não existe o exemplo as palavras perdem a força. Algumas questões precisam ser consideradas, e se encontram nas entrelinhas da narrativa histórica.

Imagine um jovem crente em plena adolescência, que aprendeu que o seu Deus era o criador e sustentador de todas as coisas, e que elegeu soberanamente sua nação como propriedade peculiar, vendo o templo de adoração a este Deus sendo destruído, a cidade devastada, e as propriedades de sua família confiscadas. Uma verdadeira tragédia e calamidade que podem abalar as estruturas de qualquer indivíduo, removendo-o em pouco tempo de sua fé para um estado de revolta e incredulidade.

Mas isso não aconteceu com Daniel. As calamidades não se tornaram maior do que as suas convicções. Daniel não conhecia apenas parte da Lei do Senhor, dos Escritos e dos Profetas, ele sabia que a mesma Escritura que prometia bençãos para a nação por sua obediência, alertava para as maldições face a desobediência e rebeldia do povo (Dt 28; 2 Cr 7.11-22; Jr 25.1-14). Conhecia também as promessas de restauração, quando arrependido este povo se voltasse para o Senhor (Jr 29.10-14; Dn 9.1-3); Dessa forma, submeteu-se a vontade de Deus sem reclamar, sem maldizer, sem blasfemar.

Daniel foi levado prisioneiro para Babilônia deixando para trás a sua terra, mas levando adiante a sua fé em Deus. As lembranças dos tristes acontecimentos não lhe ofuscaram a visão de uma gloriosa restauração.

2. A Juventude de Daniel: Tempo de Consolidar as Convicções

O Livro de Daniel, em seus primeiros capítulos, registra os desafios na vida de um jovem distante de sua terra, num ambiente hostil, permissivo e violento, em situações concretas de riscos e enfrentamentos.

2.1 A Faculdade Babilônica

Em Dn 1.3-6, lemos:

"Disse o rei a Aspenaz, chefe dos seus eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, tanto da linhagem real como dos nobres, jovens sem nenhum defeito, de boa aparência, instruídos em toda a sabedoria, doutos em ciência, versados no conhecimento e que fossem competentes para assistirem no palácio do rei e lhes ensinasse a cultura e a língua dos caldeus. Determinou-lhes o rei a ração diária, das finas iguarias da mesa real e do vinho que ele bebia, e que assim fossem mantidos por três anos, ao cabo dos quais assistiriam diante do rei. Entre eles, se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias."

Com o propósito de buscar assistentes para as diversas atividades em seu palácio, o rei promoveu um rígido processo seletivo, onde juntamente com outros jovens, Daniel foi escolhido. Estou pesquisando e buscando informações sobre a formação "em ciência", e sobre os "conhecimentos" em que Daniel era versado, visto que Israel, na época, não tinha tradição acadêmica. Como já mencionei na primeira parte deste artigo, a educação entre os judeus era ministrada para a vida prática. Não havia um conjunto de saberes científicos sistematizados, apropriados para a formação intelectual do jovem hebreu.

O fato é que um dos primeiros grandes desafios do jovem Daniel na Babilônia, foi participar de um curso onde o aprendizado da cultura e da língua dos caldeus faziam parte do currículo. Literatura, astrologia, astronomia, noções de magia e adivinhação, agricultura, arquitetura, leis, matemática e língua acádica, seriam algumas das disciplinas. Os estudos científicos mesclavam-se com magia e adivinhação.

O quadro é muito parecido com o que enfrenta os nosso jovens cristãos nas universidades e faculdades norteadas pelas idéias pós-modernas, onde nestes espaços a ciência e as experiências místicas se fundem, o espírito de "tolerância" e "pluralismo religioso" dá o tom, a vida moral é relativizada e onde a felicidade é confundida e reduzida ao mero prazer.

Percebo que o grande problema da atualidade é que muitos dos nossos jovens, diferentes de Daniel, não estão preparados para lidar com este ambiente hostil. A negligência com os estudos bíblicos informais e formais (cultos de doutrinas, escola dominical, seminários, conferências, congressos etc.) contribuem para isso. Mas a culpa não está apenas nos jovens. O descaso das famílias cristãs na formação moral e espiritual dos filhos, a falta de qualidade dos estudos bíblicos informais e formais, associado a dificuldade de uma leitura clara da realidade, da contextualização e aplicação dos princípios cristãos por parte da liderança, acaba agravando o quadro. O envolvimento cada vez maior dos pais e dos pastores com as coisas da igreja, em detrimento das pessoas, deixam os jovens expostos aos ataques, e o pior, sem terem em quem buscar ajuda e orientação.

O texto de Dn 1.8 nos diz que "Resolveu Daniel, firmemente, não contaminar-se com as finas iguarias do rei, nem com o vinho que ele bebia; então, pediu ao chefe dos eunucos que lhe permitisse não contaminar-se". Isto é muito bonito de ser lido e pregado, mas, esta firme decisão de Daniel não é fruto do acaso. Há uma história, há investimentos eternos, há experiências envolvidas que pesam e consolidam as convicções do jovem Daniel.

2.2 A Prosperidade do Jovem Daniel

A prosperidade de Daniel, resultado de sua aplicação aos estudos e da benção de Deus sobre a sua vida (Dn 1.9, 17-21), não mudou o seu caráter. Há ainda muitos jovens que querem a benção de Deus, a prosperidade nos estudos e nas realizações, mas não querem se aplicar, não investem em sua formação e carreira. Apesar das dificuldades que ainda vivenciou (Dn 2.1-13), Daniel via em cada situação a oportunidade de glorificar ao seu Deus, o que naturalmente fazia com que continuasse crescendo e prosperando em terras estranhas (Dn 2.46-48), além de ser canal de benção para o crescimento e a prosperidade de seus amigos que também encontravam-se devidamente qualificados para os cargos e funções que ocupariam (Dn 2.49). Atualmente existem milhares de vagas de emprego, que não são preenchidas por falta de mão de obra qualificada.

Muitos jovens se esquecem de Deus quando alcançam o "sucesso" acadêmico e profissional. Cuidado! Não se embriague, não se entorpeça, não se iluda com as ofertas, com os prazeres e com o sistema babilônico moderno. Continue temente a Deus. Consagre e mantenha dedicado a Ele todo o teu ser, todo o teu saber, todo o teu fazer.

3. A Maturidade e a Velhice de Daniel: Tempo de Vigiar e de Continuar Crescendo

Na vida moral e espiritual não basta começar bem, é preciso terminar bem. Na medida em que o tempo passava, o agora maduro e velho Daniel, crescia em intimidade e experiências com Deus. Muitos, a partir dos 40 anos, e proporcionalmente no avançar destes anos, dão uma certa "acomodada" e descuidam um pouco da moralidade e da espiritualidade. Muitos homens e mulheres de Deus, nesta fase da vida, caem e fracassam, causando grandes prejuízos para si mesmos e para o Reino de Deus.

3.1 O Desejo pelo Poder

Vários pesquisadores e escritores já afirmaram que nesta fase da vida surge uma certo desejo e busca desenfreada pelo "poder". Não foi o caso do maduro Daniel, cujo poder foi uma consequência natural do patrimônio sapiencial, moral e espiritual que construiu ao longos dos anos, e acima de tudo, dentro da vontade de Deus (Dn 5.29; Dn 6.28).

Nesta fome e sede de poder, características nesta fase da vida, o patrimônio sapiencial, moral e espiritual desaba, na medida em que o indivíduo, a todo o custo, tenta usurpar cargos, conquistar espaços e dominar sobre pessoas, negociando a própria alma com Satanás, quebrando todos os princípios éticos e morais, e passando por cima de todos que atravessam o seu caminho.

O desejo de ir além das possibilidades, da legalidade e da legitimidade no exercício do poder, o orgulho e a arrogância, derrubou Lúcifer e continuará derrubando todos os que pensam e agem desta forma (Is 14.12-15; Ez 28.11-19).

3.2 Frutos, Visões e Sonhos Proféticos

Os capítulos 5 a 12, fazem parte de um período que se inicia em aproximadamente 538 a.C, ou seja, quando Daniel já beirava os 70 anos de idade. Nesta época, encontramos o velho Daniel em plena atividade, atuando e prosperando nos negócios do reino (Dn 5.29; 6.1-3, 28), e melhor, mantendo uma vida de regularidade nas orações (Dn 6.10) e na leitura das sagradas escrituras (Dn 9.1-3).

O resultado desta vida devocional exemplar, foi que as visões, as revelações e a unção profética lhe acompanharam até ao final de seus dias (Dn 5.18-28; Dn 7.1ss; 8.1ss; 9.20ss; 10.1ss; 12.13).

Se cumpre em Daniel o que diz a Bíblia:

"O justo florescerá como a palmeira, crescerá como o cedro no Líbano. Plantados na Casa do SENHOR, florescerão nos átrios do nosso Deus. Na velhice darão ainda frutos, serão cheios de seiva e de verdor, para anunciar que o SENHOR é reto. Ele é a minha rocha, e nele não há injustiça." (Sl 92.12-15)

Que possamos assim como Daniel, manter o padrão, o equilíbrio o crescimento em todo o tempo e em todas as áreas de nossas vidas, para o louvor e a glória do nome do Senhor!

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

500.000 ACESSOS!


"Porque uma porta grande e eficaz se me abriu;" (1 Co 16.9a, ARC)

Acabamos de ultrapassar a marca dos 500.000 acessos ao blog, originários de várias partes do Brasil e do mundo, e gostaria de compartilhar com os nossos queridos leitores algumas coisas.

Em primeiro lugar, quero tributar toda honra e glória ao Senhor, pois foi ele quem me direcionou para este veículo de comunicação e informação quando algumas portas se fecharam (algumas continuam fechadas) ou estavam timidamente abertas.

Três nomes quero aqui mencionar, dentre tantos outros amados que ousaram me dar credibilidade e apoio, pela posição de grande importância que ocupam no cenário evangélico nacional, em especial no âmbito das Assembléias de Deus no Brasil. São eles o Pr. Geremias do Couto, Pr. Ciro S. Zibordi e o Pr. Carlos Roberto, que no início das publicações das postagens linkaram este blog e participaram ativamente comentando os posts.

Quero também destacar a importância do Pb. Valmir Nascimento e do Pr. Esdras Bentho, pois juntos idealizamos e criamos a UBE - União de Blogueiros Evangélicos, que hoje já consta com mais de 2.000 associados. Vale citar também o Pb. João Cruzué, este caríssimo irmão, apaixonado por blogs e por pessoas, criador do Prêmio Blogueiro Cristão do Ano. A lista de amigos e leitores é bastante significativa, basta conferir os comentários e os diversos links espalhados pela blogosfera e nos sites. Sou grato a todos.

Continuo contando com as vossas orações!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

O CRISTÃO E O MEIO AMBIENTE

"A glória de Deus não tem sido a grande preocupação nas lutas ambientais. Muito mais motivador do que isso têm sido os incentivos fiscais, os estímulos e benefícios de grandes organizações e o medo do que poderá acontecer em um futuro não muito distante. O grande problema é que não poucos cristãos têm se portado da mesma forma que os ímpios. Não cuidam da natureza por ser ela o jardim de Deus e por sermos nós seus jardineiros; não enxergam o zelo para com o meio ambiente como um meio de glorificar a Deus e de fazer com que os homens vejam suas boas obras e glorifiquem seu Pai que está no céu (Mt 5:16)." (Leia em Cristianismo Hoje)
Cuidar do planeta é essencial, mas não podemos esquecer que todas nossas ações devem buscar a glória de Deus (1 Co 10.31).

COMUNHÃO NA CAMPANHA PARA ELEIÇÕES DA CGADB

"Na terça, 17 de fevereiro de 2009, a equipe CGADB PRA TODOS esteve reunida para um dia de comunhão, oração, e planejamento estratégico. Os Pastores de todo Brasil chegaram muito animados e trazendo as boas notícias que vem de norte a sul do Brasil.

Amor , Coragem e Moderação são os sentimentos que nos tem trazido até aqui.
Vamos à "Vitória"!!!"

Fonte: Blog do Pastor Samuel Câmara

Que coisa linda é a comunhão. O Salmo 133.1 declara: "Oh! Como é bom e agradável viverem unidos os irmãos!".

Melhor ainda seria, se este "clima" de oração e comunhão, este amor e esta moderação estivessem expressos numa reunião entre os candidatos das chapas
, onde juntos pudessem estabelecer um "planejamento estratégico" para o bem das Assembléias de Deus no Brasil, independente dos resultados das eleições.

Peço desculpas por meus delírios e utopia, pois sei que agora o que interessa é apenas a "vitória".

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

TEXTO E CONTEXTO

“Diz o néscio no seu coração: Não há Deus” (Sl 14.1).

"Com certeza o leitor já ouviu alguém dizer que é muito perigoso utilizar-se um texto fora do seu contexto. A palavra texto está sendo empregada aqui num sentido bastante amplo, podendo significar um versículo ou até parte dele. Um exemplo bastante explorado para comprovar essa verdade é o primeiro versículo do Salmo 14. Basta que lhe retiremos a primeira parte para que fiquemos com a seguinte declaração bíblica: “Não há Deus”. Na realidade, não é a Bíblia que afirma isso. A íntegra do versículo esclarece que se trata de uma declaração do néscio (ignorante, estúpido, insensato).

Embora tenhamos consciência de que o contexto é fundamental na hora de utilizarmos um versículo, vez por outra, ouvimos, aqui e ali, alguém fazer certas citações sem levar em consideração esse princípio. É o que acontece frequentemente com o versículo 6 de Isaías 41: “Um ao outro ajudou, e ao seu companheiro disse: Esforça-te”.

Não resta dúvida de que esse versículo encerra uma das mensagens mais empolgantes que conhecemos, que podemos e devemos viver na hora de realizar um trabalho em conjunto, principalmente quando verificamos que alguns estão desmotivados e querendo desanimar. Ele guarda uma certa relação com a igreja, corpo de Cristo, que existe para funcionar articuladamente, de forma que todos caminhem na mesma direção, buscando alcançar objetivos comuns. Não foi à toa que até música foi composta para esse versículo.

Mas o que praticamente ninguém esclarece é que o versículo é citado num contexto de idolatria. Enquanto os idólatras estavam se dedicando à fabricação dos seus ídolos, ‘um ao outro ajudou, e ao seu companheiro disse: Esforça-te’. O versículo seguinte diz: “Assim o artífice animou ao ourives, e o que alisa com o martelo ao que bate na bigorna, dizendo da coisa soldada: Boa é. Então com pregos a segurou, para que não viesse a mover-se”.

Devemos deixar de usar o versículo por causa do contexto? Claro que não. Explicando-se o contexto, entretanto, não resta dúvida de que a sua aplicação torna-se ainda mais rica. Afinal, o que existe de errado nessa história é o objetivo do ímpio (produzir imagens) e não a motivação com que realiza o seu trabalho. Esta podemos copiar. Com sucesso."

O texto acima é de autoria de ADALBERTO ALVES DE SOUSA (Professor de Língua Portuguesa na Faculdade Batista do Rio de Janeiro, mantida pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil), publicado originalmente no site Prazer da Palavra.

O PERIGO DO ARDIL GIBEONITA. Subsídio para Lição Bíblica.

Na Lição Bíblica desta semana, em sua introdução, o comentarista antecipa seu objetivo principal nos seguintes termos: "...falaremos sobre o perigo do engano e da falsa aparência no meio do povo de Deus." Aproveitando o tema, transcrevo abaixo um texto já publicado neste blog, intitulado originalmente de "Cuidado com o Joio".

Em toda a história da igreja, sempre foi um fato a presença de cristãos nominais convivendo sutilmente em meio aos cristãos autênticos. O Senhor Jesus falou dessa possibilidade de forma muito clara, como podemos observar na parábola do joio ( Mt 13.24-30; 36-43 ). Apesar de ter uma interpretação mais ampla, onde o campo é o “mundo”, o princípio da presença do joio em meio ao trigo se aplica também na vida da igreja. È o falso com o verdadeiro, o aparente com o real, o ilegítimo com o legítimo. A semelhança entre o falso e o verdadeiro é tão grande, que na parábola do joio Jesus adverte que existe a possibilidade de que uma ação meramente humana, na tentativa de separá-los pode acabar arrancando o trigo junto com o joio. O fato de alguém se declarar salvo ou fazer uso do nome de Jesus no exercício de suas atividades “religiosas” não legitima ou autentica o verdadeiro caráter cristão. O falso e o verdadeiro estão presentes em todas as situações e segmentos na vida da igreja, conforme veremos a seguir.

FALSOS OBREIROS

Um dos grandes sinais do fim dos tempos ( Mt 24.3 ) é a aparição de um grande número de “falsos obreiros”, que enganarão com muita habilidade e astúcia o povo de Deus ( Mt 24.5,11 ), inclusive com a realização de grandes sinais e prodígios. Esses “falsos obreiros” se encontram exercendo várias funções na igreja;
FALSOS APÓSTOLOS ( II Co 11.13-15 )

Algumas igrejas no Brasil adotaram a função de apóstolo dentro de sua hierarquia eclesiástica ( o indivíduo é pastor, se auto-intitula depois bispo, e posteriormente apóstolo). O fato é que no exercício dessa função muitos acabam não se identificando com o apostolado bíblico, onde fazia parte da vida do apóstolo o romper barreiras, estabelecer igrejas e seguir adiante nesse propósito. Os pseudos apóstolos, geralmente são “pescadores de aquário”, ou seja, sua missão é atrair membros de outras igrejas. Não estão interessados em ganhar almas nos rincões da terra, mas sim, pregar nos grandes centros e ali se estabelecerem.

FALSOS PROFETAS ( Mt 7.15-20 )

Os falsos “profetas”, ou seja, aqueles que dizem falar em nome de Deus, são reconhecidos pela ausência de frutos ( caráter cristão e compromisso com Deus ) em suas vidas, ou pela má qualidade dos mesmos. Eles geralmente;

- Falam para agradar seus ouvintes ( I Rs 22.1-6 )
- Falam sem serem autorizados por Deus ( Ez 13.1-9 )
- Suas profecias tendem a afastar o povo da Palavra de Deus ( Dt 13.1-4 )
- Sempre estão procurando tirar vantagens dos seus “dons” ( Nm 22.7; Jd 11 )

FALSOS EVANGELISTAS ( Mt 7.22-23 )

O Ministério de evangelista é caracterizado pelos sinais que seguem a pregação do evangelho ( Atos 8.4-8 ). Esses sinais por si só não comprovam a autenticidade do ministério. Os falsos evangelistas geralmente são identificados;

- Pela comercialização da palavra de Deus. Pregam só visando grandes lucros ( II Pe 2.3 ), são os profissionais da palavra, cheios de exigências, buscando unicamente a sua própria glória (projeção pessoal ).

- Não tem origem muito clara. É preciso conhecer as raízes e a vida de tais obreiros, assim como seu nível de comprometimento com seus pastores e ministério.

- Suas “apresentações” não passam de meras exibições onde a unção do Espírito Santo é substituída por suas habilidades homiléticas e persuasivas.

FALSOS PASTORES ( Jr 23.1-4; Jd 12 )

Um título de pastor não é difícil de se obter em nossos dias. Homens sem a mínima vocação pastoral, consagrados em igrejas que surgem da rebeldia e do incontrolável desejo pela posição eclesiástica, recebendo imposição de mãos de outros em piores situações, estão por aí enganando o povo. Os falsos pastores não estão preocupados com o bem estar das ovelhas. Só pensam em si mesmo, em tirar proveito da lã e das gorduras das tais. Não querem servir ao rebanho, e sim, mediante a manipulação e força, dominar sobre o mesmo ( I Pe 5.2-4 ).

FALSOS MESTRES OU DOUTORES ( 2 Pe 2.1 )

As falsas doutrinas ( Ef 4.14 ), provenientes do ensino dos falsos mestres, têm invadido nossas igrejas. Falsos movimentos e modismos doutrinários foram notórios em nosso país, confundindo os desenformados, despreparados e meninos inconstantes, que teimam em não crescer no conhecimento da sã doutrina. A teologia da prosperidade, o movimento da fé, a quebra de maldições, batalhas espirituais “espalhafatosas” e mais recentemente as distorções e extremismos no Movimento G-12, na Igreja Emergente, no Teísmo aberto, na Teologia Quântica e no Evangelho da auto-ajuda, causaram sérios prejuízos em vários rebanhos. Quem está firmado na são doutrina ( I Tm 1.10; Tt 2.1 ), não se engana com o ensino dos falsos mestres, antes o repudia.

FALSOS CANTORES/ADORADORES/LEVITAS

O crescimento do povo evangélico no Brasil tem chamado a atenção de vários oportunistas. Dentre os tais estão alguns cantores que alegam ter sido chamados por Deus para o “ministério do louvor”, onde na realidade seus interesses se limitam em vender “CD” e cobrar altos cachês (gratificações financeiras) para seus shows (apresentações). É preciso mais uma vez distinguir entre o falso e o verdadeiro. É evidente a benção de Deus sobre a vida de daqueles que verdadeiramente têm na sua vida uma unção de Deus nos hinos que cantam, conduzindo o povo de Deus à verdadeira adoração, trazendo mensagens e melodias que glorificam a Deus e refrigera nossa alma. O “meio artístico” evangélico já tem a presença de ;

- Falso Crentes Empresários ( na maioria das vezes, empresários dos falsos cantores). Tem muito empresário artístico, inclusive não crente, ganhando boas somas de dinheiro em cima do fãs, que não perdem um show de seus cantores (ídolos) prediletos.

- Falsos Crentes Compositores ( às vezes nem se declaram crentes, são ímpios procurados por nossos cantores para escreverem sem nenhuma inspiração do Espírito Santo letras de músicas evangélicas ). Que Deus nos ajude a não trocarmos os cânticos espirituais pelos cânticos comerciais.

- Falsos Crentes Músicos ( tocadores meramente profissionais sem compromisso com Deus, que nunca nasceram de novo ). Precisamos de tocadores do tipo de Davi, que quando tocava sua harpa os demônios deixavam de oprimir a Saul ( I Sm 16.23 ). Não é a música evangélica que afugenta o Diabo, mas sim, a unção de Deus na vida do músico ( I Sm 16.13 ).

FALSOS CRISTÃOS POLÍTICOS

O crente tem dupla cidadania, a celestes ( Fl 3.20 ) e a terrestre ( At 22.25-28 ). Como cidadão da terra o cristão tem o direito de escolher seus candidatos aos cargos políticos, que em si mesmo são necessários para o governo e administração pública ( Rm 13.1-2; I Pe 2.13-14 ). É preciso Ter muito cuidado na hora de votar. Tem muito político de olho nos votos dos crentes sem o mínimo compromisso com a igreja e com Deus. Tem também muito político se fingindo de crente para ganhar voto. É preciso saber escolher bem na hora de votar. O perfil dos políticos que devem representar o povo de Deus pode ser descrito abaixo;

- Um homem comprometido com Deus ( Gn 45.5 )
- Um homem com valores espirituais ( Dn 6.10; Dn 9.1-2 )
- Um homem com valores morais ( Gn 39.7-9 )
- Um homem com valores sociais ( Gn 41.33-36 )

O papel desse representante do povo de Deus dever ser;

- Lutar pelo interesse e bem estar social de toda nação, estado, cidade ou município, com projetos que visem a melhoria da saúde, educação, moradia, emprego, liberdade, moralidade, segurança, etc.
- Ser luz em meio as trevas e corrupção que assolam os bastidores políticos da nossa nação ( Dn 2.48-49; Dn 3.12-18; Dn 6.4 )
- Glorificar a Deus mediante seu testemunho como político cristão ( Gn 41.38-40; Dn 2.47; Dn 3.28-30 ).

CONCLUSÃO

Os falsos irmãos estão por toda parte. Até o apóstolo Paulo foi vítima dos tais ( II Co 11.26 ). Conviver com o engano é perigoso. Muitos destes acima citados, ficam na espreita, aguardando uma oportunidade de tirar vantagem e de enganar a liderança e o povo de Deus. É preciso estar alerta. Há contudo sérias advertências bíblica para os tais;

“ Pelo que os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos. Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; mas o caminho dos ímpios perecerá ( Sl 1.5-6 ). ”

“ Então, vereis outra vez a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus e o que não serve ( Ml 3.18 ). ”

“ Em sua mão tem a pá, e limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca apagará ( Mt 3.12 ).”

“ Assim como o joio é colhido e queimado no fogo, assim será na consumação deste mundo. Mandará o Filho do Homem os seus anjos, e eles colherão do seu Reino tudo o que causa escândalo e os que cometem iniquidade. E lançá-los-ão na fornalha de fogo; ali, haverá pranto e ranger de dentes. Então, os justos resplandecerão como o sol, no Reino de seu Pai. Quem tem ouvidos para ouvir, que ouça ( Mt 13.40-43.”

“ Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! Entrará no Reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele Dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E, em teu nome, não expulsamos demônios? E, em teu nome, não fizemos muitas maravilhas? E, então lhe direi abertamente: Nunca vos conheci: apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade ( Mt 7.21-23 ).

Mais cedo ou mais tarde, a máscara da falsidade no seio da igreja cairá e a falsidade dos modernos gibeonitas se revelará!

SUPOSTO CHOQUE EM MICROFONE MATA ADOLESCENTE

"O bairro de Tabatinga, na cidade de Camaragibe, Região Metropolitana do Recife, parou ontem para acompanhar o enterro da garota Damares Pereira da Silva, 10 anos. Segundo informações de vizinhos, a menina teria morrido em decorrência de choque elétrico, enquanto participava de um ensaio do coral na igreja evangélica Assembleia de Deus, localizada na Avenida Luiza Medeiros. Ela estaria cantando com outros adolescentes por volta das 14h30 de sábado, um ensaio para uma apresentação à noite. Ao pegar no microfone, ela recebeu uma forte descarga elétrica e foi encaminhada para o Centro de Especialidades Médicas de Camaragibe (Cemec), mas faleceu antes de chegar no local." (leia no Diário de Pernambuco)

Manifestamos nossas condolências à família enlutada, ao mesmo tempo, em que mais uma vez , chamamos a atenção das lideranças das igrejas para as devidas manutenções em suas instalações.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

UMA RELEITURA DO SALMO 23

"Salmo 23 é um dos textos mais conhecidos da Bíblia. O seu primeiro versículo está estampado em toda parte, principalmente em adesivos colados nos vidros dos carros que circulam pelas nossas cidades.

Se o leitor parar a leitura agora, fechar os olhos e recitá-lo, é quase certo que o faça assim: “O Senhor é meu pastor, e nada me faltará.” Entretanto se abrirmos a Bíblia vamos verificar que não é bem assim que está lá. Vamos conferir: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.” Faz diferença? Faz. O artigo definido "o", em “o meu pastor”, determina o pastor. A falta desse artigo o indetermina. É como se disséssemos “é um pastor”; um, dentre outros. Um outro problema é que a conjunção aditiva "e", em “e nada me faltará”, nos dá uma idéia de adição, soma: “O Senhor é meu pastor e [além disso] nada me faltará.” Ocorre que a idéia que o versículo transmite não é de adição e, sim, de conclusão: “O Senhor é o meu pastor; [logo, portanto] nada me faltará.”

Se repetíssemos com o versículo 2 o mesmo procedimento adotado no anterior, tenho quase certeza de que o leitor repetiria: “... guia-me mansamente às águas tranqüilas.” De novo, não confere. O texto diz: “... guia-me mansamente a águas tranqüilas.” E continua fazendo diferença. Enquanto no primeiro versículo retirou-se o artigo, no segundo, acrescentou-se. As águas não são determinadas. A ovelha não é guiada sempre às mesmas águas, mas a águas que têm uma característica: são tranqüilas.

Uma outra curiosidade é que, quase sempre, quando alguém faz a leitura do salmo na Versão Revisada, lê o versículo 5: “... o meu cálice transborda.” Só que essa versão usou a forma variante “trasborda”. O difícil é enxergá-la na hora da leitura. A partir de agora, sempre que recitarmos o Salmo 23, sejamos fiéis ao texto"

O texto acima é de autoria de ADALBERTO ALVES DE SOUSA (Professor de Língua Portuguesa na Faculdade Batista do Rio de Janeiro, mantida pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil), publicado originalmente no site Prazer da Palavra.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

PEDOFILIA: O FUNDO DO POÇO DA PERVERSIDADE HUMANA


Participei na última sexta-feira do Seminário "Riscos que Correm a Família Brasileira", realizado pela Frente Parlamentar Evangélica, em parceria com o FENASP - Fórum Evangélico Nacional de Ação Social e Política, dentro da agenda da Jornada Nacional Evangélica em Defesa da Vida e da Família.

Tive o privilégio de ouvir a palestra do nobre Senador Magno Malta (foto), podendo comprovar o seu engajamento e a sua grande luta, diante do problema da pedofilia no Brasil.

Como Presidente da CPI da Pedofilia, pôde de formar brilhante, não apenas expor a realidade, mas diante de imagens mostradas, provocar também o sentimento de indignação e o comprometimento dos presentes na luta contra esse crime bárbaro, que vitima milhares de crianças em nossa nação.

Pude contemplar cenas onde uma criança de 22 dias de nascida é molestada por um médico, crianças de 2 e 3 anos de idades sendo abusadas sexualmente por adultos, inclusive pelos próprios pais. Foram imagens que jamais sairão de minha mente.

O mais assustador no caso da pedofilia, é que o pedófilo pode ser aquele indivíduo de quem menos suspeitamos, alguém inteligente, formado, amigo, parente, familiar, professor, médico, policial etc. A atenção com as nossas crianças, onde as deixamos, com quem as deixamos, a observação de mudanças em seu comportamento, devem se redobrados.

É urgente a necessidade de denunciar o pedófilo, para que as medidas legais possam ser tomadas. Não se omita, ore, mobilize-se e entre em ação. Atualmente, 18.500 álbuns fechados do orkut estão sendo investigados por peritos, dentro da CPI da pedofilia. A partir de agora, juntamente com a CPI, começarão a ocorrer operações da Polícia Federal, com base na quebra do sigilo do Orkut, amparadas pela lei que foi sancionada pelo presidente Lula, que criminaliza a posse do material pornográfico contra crianças - ressaltou o parlamentar (Fonte: Agência Senado).

Para maiores e melhores informações sobre denúncias e outros assuntos relacionados, acesse os sites abaixo:

todoscontraapedofilia.com.br
magnomalta.com


sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

CAMPANHA PARA O COLEGIADO APOSTÓLICO

A coisa pegou em Jerusalém. A igreja cresceu, a liderança tomou forma, mas precisava ser estabelecida. Pedro e Paulo eram os mais cotados nas eleições para a liderança do colegiado apostólico.

A campanha começou e logo ferveu. Todos começaram a se articular. Os marketeiros entraram em ação e trataram de elaborar os slogans dos candidatos. O slogan de Pedro era "Por uma identidade judaico-cristã", e o de Paulo "Evangelho para Todos".

Cavalos, camelos, navios e carruagens foram fretados pelos candidatos para transportar os seus eleitores, além da hospedagem e alimentação.Havia inclusive a chapa do "já ganhou", "essa tá mole", "vamos à vitória", "ou vai ou racha", "mudança já". O entusiasmo era total.

Enquanto isso, Jesus, eu falei Jesus? Desculpe-me, pois Jesus ficou de fora do pleito, sem ser procurado ou consultado. Oração? Nenhuma só vez os dois candidatos se reuniram para orar juntos. A disputa estava tão acirrada, que oração, só com os grupos separados, cada um no seu canto.

O dia da eleição ia se aproximando, e cada vez mais as acusações aumentavam em vez da apresentação de propostas. O Espírito Santo estava entristecido, e o mundo, juntamente com os crentes, escandalizados.

Acabo de acordar, foi apenas um pesadelo!

PEDIDO DE IMPUGNAÇÃO DE PASTORES INSCRISTOS PARA A 39ª AGO DA CGADB


Foi enviado um documento à Comissão Eleitoral da CGADB, inpugnando a inscrição de 1.626 Pastores, sob a alegação de que foram inscritos irregularmente após a data limite, 20 de janeiro de 2009. Leia no Blog do pastor Samuel Câmara.

Certamente a Comissão Eleitoral da CGADB se pronunciará sobre o caso.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

PARCERIA: PRAZER DA PALAVRA

Acabamos de firmar uma edificante parceria, que certamente abençoará mais ainda os nossos leitores. Trata-se de uma troca de links entre este blog e o site do pastor Israel Belo de Azevedo (Prazer da Palavra).

Pastor da Igreja Batista Itacuruçá e diretor geral do Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil, no Rio de Janeiro. Trabalhou também na Visão Mundial, em Belo Horizonte; na Universidade Metodista de Piracicaba, onde foi professor e editor de livros e revistas científicas, e na Universidade Gama Filho, onde foi diretor do curso de comunicação e vice-reitor acadêmico, Israel Belo é um grande promotor da leitura crítica.

Seus textos, marcados pela qualidade de grande pensador que é, podem ser conferidos no link abaixo:

prazerdapalavra.com.br

Boa leitura!

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

150 ANOS DA "TEORIA" DA EVOLUÇÃO: MINHA HOMENAGEM

IMAGEM: CAPA DA REVISTA VEJA EDIÇÃO Nº 2099

Aula de Filosofia da Educação, apresentação de seminário, e o professor sai em defesa das idéias materialistas e evolucionistas de Edgar Morin, sociólogo e filósofo francês, após uma agulhada que dei em sua visão "coisificada" do universo, da terra e do homem.

A velha teoria do big-bang vem à tona. Resolvo fazer uma metáfora sobre o big-bang:

Nobre professor, imagine misturados, e em seu estado mais rudimentar, os seguintes elementos: ferro, areia, água, bronze, cálcio, cascalho, plástico, cimento, tinta, madeira, alumínio, pvc, etc. Imagine agora uma explosão que joga todos estes elementos para o ar, transformando em um verdadeiro caos o ajuntamento dos materiais já citados. Agora pense, todos estes materiais, lentamente, se agrupando, transformando-se, e formando por si só a base de uma casa, as paredes, as colunas, o sistema elétrico e hidráulico, o telhado, as janelas as portas, a pintura, o desenho arquitetônico com formas bem definidas, os utensílos domésticos, enfim, toda a estrutura material. O senhor chamaria isto de absurdo?

Pois bem, imagine agora, de qualquer recipiente onde haja líquido na casa, a presença de uma ameba, e desta ameba, surge um gato, um cachorro, uns peixes ornamentais e alguns pássaros. Mais absurda ainda a idéia?

Imagine ainda, que desta mesma ameba, venha a surgir um homem e uma mulher, e posteriormente uma família, que habitarão na casa.

Pois bem nobre professor, eu chamo isto da versão doméstica da Teoria da Evolução. Só para concluir professor, coisas não geram pessoas. Só pessoas geram outras pessoas. Deus é uma pessoa. Ele criou as coisas e as pessoas da nossa grande casa chamada terra. Este planeta, descrito pelo senhor Edgar Morim como "marginal" em nossa constelação, é o centro das atenções de seu criador em meio meio a este universo devidamente planejado e arquitetado por Ele.

A classe silenciou, o professor pensou e não me deu resposta.

Esta é a minha homenagem aos 150 anos da Teoria da Evolução.

Sim, a minha nota na apresentação foi 9,0 (nove). Glória a Deus!

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

DA DERROTA À VITÓRIA: Subsídio para Lição Bíblica.

A derrota em Ai provocou um certo desânimo em Josué. Foi necessário que o Senhor intervisse e declarasse;

"Não temas e não te espantes; toma contigo toda a gente de guerra, e levanta-te, e sobe a Ai; olha que tenho dado na tua mão o rei de Ai, e o seu povo, e a sua cidade, e a sua terra." (Js 8.1)

Viver é estar em constante batalha na vida pessoal, familiar, conjugal, profissional, ministerial, espiritual etc. Nestas batalhas, podemos sair como vencendores ou perdedores. A Lição desta semana nos ensina a como lidar com as derrotas e os fracassos da vida, a superar o desânimo, e em como extrair lições destes episódios.

1. O Desânimo

Não somos super-crentes (embora alguns se acham). Estamos passíveis de sermos tomados pelo desânimo diante das adversidades, das perdas, das esperas e dos fracassos.

A Bíblia nos dá alguns exemplos de baluartes da fé, vitimados pelo desânimo temporário:

Abraão. Em Gn 15.1-3, lemos que "Depois destes acontecimentos, veio a palavra do SENHOR a Abrão, numa visão, e disse: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, e teu galardão será sobremodo grande. Respondeu Abrão: SENHOR Deus, que me haverás de dar, se continuo sem filhos e o herdeiro da minha casa é o damasceno Eliézer? Disse mais Abrão: A mim não me concedeste descendência, e um servo nascido na minha casa será o meu herdeiro." A espera demasiadamente longa (aos olhos humanos) por promessas divinas, pode provocar o desânimo. Em Pv 13.12 aprendemos que "A esperança que se adia faz adoecer o coração, mas o desejo cumprido é árvore de vida".

Elias. Depois um demonstração de grande ousadia e fé, em 1 Rs 19.14 "Ele mesmo (Elias), porém, se foi ao deserto, caminho de um dia, e veio, e se assentou debaixo de um zimbro; e pediu para si a morte e disse: Basta; toma agora, ó SENHOR, a minha alma, pois não sou melhor do que meus pais." Tendo Jezabel ouvido falar dos acontecimentos do Carmelo, manifestou seu desejo de mandar matar Elias. Fugindo da ira de sua perseguidora, e provavelmente experimentando um estresse pós-conflito, ele chegou ao ponto de não perceber perspectivas futuras encorajadoras. Deseperou-se e desanimou-se. Pensou em desistir de tudo e pediu a morte. "Elias era homem semelhante a nós, sujeitos aos mesmos sentimentos [...]" (Tg 5.17a)

Paulo. Em meio aos desafios, sofrendo constantes e grandes oposições (espirituais e humanas), o apóstolo Paulo, em Corinto, não ficou imune ao desânimo (Atos 18.5-6)

Nos três exemplos aqui citados, é notória a misericórdia de Deus, que conhece nossas necessidades, fraquezas e limitações, através de sua intervenção direta, com palavras encorajadoras:

Para Abraão disse o Senhor: "A isto respondeu logo o SENHOR, dizendo: Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti será o teu herdeiro. Então, conduziu-o até fora e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a tua posteridade. Ele creu no SENHOR, e isso lhe foi imputado para justiça." (Gn 15.4-6)

Elias ouviu do Anjo do Senhor: "Levanta-te e come, porque o caminho te será sobremodo longo. Levantou-se, pois, comeu e bebeu; e, com a força daquela comida, caminhou quarenta dias e quarenta noites até Horebe, o monte de Deus" (1 Rs 19.7-8)

Paulo foi confortado e encorajado por Jesus: "Teve Paulo durante a noite uma visão em que o Senhor lhe disse: Não temas; pelo contrário, fala e não te cales; porquanto eu estou contigo, e ninguém ousará fazer-te mal, pois tenho muito povo nesta cidade." (Atos 18.9-10)

As derrotas e adversidades produzem uma sensação de desamparo divino. É importante lembrar que não somos movidos por sensações, racionalizações ou qualquer outro aspecto dos sentimentos e da natureza humana, mas por fé: "Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem." (Hb 11.1). Embora você possa não sentir ou perceber, mas Deus está contigo!

A história também nos revela derrotas e fracassos que foram trampolim para a vitória e o sucesso:

Albert Eistein. Expulso de uma escola em Munique em razão de não ter interesse em seus estudos, reprovado em um exame de admissão numa escola politécnica em Zurique, rejeitado para ser monitor ou assistente de turma, não foi vencido pelo fracasso e pelo desânimo. Ele persistiu, se realizou e tornou-se um dos maiores gênios da humanidade.

Ludwig von Beethoven. Por não conseguir aprender as regras da composição musical, seu professor fez a seguinte declaração: "Aquele homem nunca aprendeu nada e, o que é pior, nunca comporá nada digno de nota". Beethoven tornou-se um dos grandes compositores da música clássica.

Luis Inácio Lula da Silva. De origem pobre, operário, derrotado por três vezes nas eleições presidenciais, não desanimou, e em 2002 foi eleito presidente do Brasil.

Quantos outros exemplos não poderíamos citar. Penso que a sua própria vida e experiência poderia ser aqui incluída.

2. Lições do Fracasso

O episódio de Js 7.1-15, nos ensina algumas lições:

- É preciso ter cuidado com o excesso de confiança (Js 7.3). Enquanto no primeiro episódio foi ordenado que apenas três mil homens lutassem, subestimando o adversário, na nova estratégia, dada pelo Senhor, toda a gente de guerra foi convocada (Js 8.1, 3).

- O Senhor não foi consultado, nem manifestou-se, como no caso da conquista de Jericó (Js 6.1-2ss). Enfrentar batalhas sem buscar a direção e a estratégia divina é sempre um grande risco, produzindo geralmente o fracasso.

- A desobediência às ordens de Deus. Obedecer ao Senhor é prerrogativa indispensável para aqueles que desejam ser bem sucedidos (Js 7.6-12)

- Ser derrotado em uma batalha nem sempre implica em perder a guerra. Derrotas servem de experiências e lições práticas, para que não erremos de novo, e para podermos aconselhar os que vivenciarão ou vivenciam as batalhas que já lutamos (Rm 8.28).

- Deus é Deus de oportunidades. Nossas falhas, deslizes e erros, não fazem com que Ele nos lance para sempre de sua presença. Graciosamente, mediante nosso arrependimento e confissão, Ele não apenas nos encoraja a tentarmos novamente, mas nos conduz em triunfo para o louvor de sua glória (Js 8.1-29)

3. Memoriais: recursos da pedagogia divina

Dois memoriais foram erguidos durantes este episódio: o memorial no vale de Acor (Js 7.26) e o memorial do monte Ebal (Js 8.30, 31). Como instrumentos pedagógicos, os memoriais serviram para fixar na memória dos atores históricos e dos futuros leitores ou ouvintes dos fatos, as lições extraídas da derrota e da conquista em Ai.

Aprendamos com as lições da história. Com as vitórias e com as derrotas!

REFORÇANDO AS TRINCHEIRAS: ROBISON CAVALCANTI

"Irônica e lamentavelmente, a Diocese do Recife sofrera dois cismas em 2002, quando perdeu membros para os grupos norte-americanos denominados "episcopal carismático" e "episcopal evangélico", sob a acusação maldosa e inverídica de ser "pró-gay", de "batizar animais" e de "promover o divórcio." (Robson Cavalcanti)

Já faz algum tempo que escuto informações e declarações sobre algumas questões envolvendo o nome do Bispo da Dioceses Episcopal Anglicana do Recife, Rev. Robson Cavalcanti, na maioria da vezes, em tom de acusações sobre algumas práticas e idéias defendidas pelo mesmo.

Seu livro Reforçando as trincheiras: Análise da problemática do homossexualismo à luz do cristianismo histórico, se propõe a rearfirmar a sua posição doutrinária contra as práticas sexuais ilícitas, e a revelar a verdade acerca dos fatos que culminaram em cismas e excomunhões dentro da denominação.

Uma leitura no mínimo esclarecedora, que nos leva também a pensarmos nos rumos que algumas denominações evangélicas brasileiras estão tomando, negociando princípios bíblicos e relativizando valores espirituais e morais.


sábado, 7 de fevereiro de 2009

LISTA DE INSCRITOS PARA A 39ª AGO DA CGADB


A CGADB publicou no seu site oficial a LISTA DOS INSCRITOS PARA A 39ª AGO a se realizar no Pavilhão de Exposições de Carapina, Vitória/ES, nos dias 20 a 24/04/2009.

A relação será utilizada para o Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Espírito Santo formar o caderno de votação.

O Convencional cujo nome não conste na lista de inscritos, não constará também no caderno de votação elaborado pelo TRE e será impedido de votar no dia da eleição que se realizará em 23/04/2009, nos termos do artigo 84 e parágrafos 1º e 2º do Regimento Interno. (Fonte: cgad.com.br)

Confira a sua inscrição AQUI.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

PALESTRA: SEXO PRECOCE E SUAS CONSEQUÊNCIAS

TEMPLO CENTRAL DA ASSEMBLEIA DE DEUS EM ABREU E LIMA-PE

Na próxima quinta-feira, 12/02, no Templo Central da AD em Abreu e Lima-PE, estarei ministrando uma palestra para adolecentes sobre o tema: Sexo Precoce e suas Consequências.
Na ocasião abordarei os seguintes assuntos:
- A origem do sexo
- Os propósitos do sexo
- Adolescência, puberdade, sexualidade e espiritualidade
- A prática sexual precoce, razões e consequências

Lhe espero lá, se Deus quiser.
Abraços!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

DESILUDIDO COM A POLÍTICA E COM A VIDA

"Perdi a pureza de coração. Era um homem muito diferente, crédulo total. Levei 15 anos sem ouvir um palavrão. A política mostra a crueza do que é o ser humano. Não há honradez, palavra, honestidade. Perdi minha vida, o que tinha de mais importante: minha santidade, a vida pura, limpa. Perdi a alegria" (Rodrigues, ex-bispo da Igreja Universal. Fonte: Folha Online)

Leia a matéria completa AQUI.

Deparando-me com a matéria citada, refleti mais uma vez sobre algumas questões muito sérias na vida de um obreiro.

Trocar o ministério cristão por uma carreira política secular, nem sempre é uma boa decisão.

Primeiramente, precisa ser algo feito sob a plena aprovação de Deus (alguns argumentam que Deus nunca aprova tal decisão). Depois, vem o desafio de se manter "limpo" em meio ao lamaçal de "esquemas" e de "corrupção" no meio político nacional, estadual e municipal.

Qualquer equívoco ou deslize, poderá promover uma verdadeira tragédia moral e espiritual, que poderá produzir desespero, remorso, infelicidade, culpa, vergonha e outras mazelas que oprimem a alma, enfraquecem o espírito e enfermam o corpo.

Que o Senhor restaure e cure a todos os que foram conduzidos por outros, ou por si mesmo, para longe da vontade de Deus em suas vidas.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

MODELOS DE PROJETO DE PESQUISA, REDAÇÃO, RESENHA, MONOGRAFIA, TESE, PAPER E ENSAIO.


O Pr. Israel Belo de Azevedo, em seu site "Prazer da Palavra", publicou algumas informações bem interessantes para aqueles que desejam ajuda na elaboração de projetos de pesquisas, redações e resenhas.

Confira AQUI.

Veja dicas de como fazer ensaios, paper, TCC, monografias e teses AQUI.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

A MALDIÇÃO DO PECADO. Subsídio para Lição Bíblica.

É interessante iniciar este comentário com uma breve abordagem sobre o significado e conceitos dos termos "maldição" e "pecado".

1. Maldição

Os vocábulos hebraicos que são traduzidos por maldição ('arar, qalal, 'ala, qababa, naqab e za'am), assim como as expressões gregas (kataran e anathema), de maneira geral, e em especial para o tema em questão, trazem a idéia de:

- Banimento (anatematizar) do convívio
- Impedimento para usufruir de privilégios
- Fórmula que exprime o afastamento da escolha ou favor divino
- Palavras proferidas com o propósito de anunciar o castigo decorrente da quebra de alianças
- Ausência ou rebaixamento de um estado abençoado

Maldição é tanto a sentença pronunciada, quanto a realidade que ela expressa.

2. Pecado

Os termos bíblicos para "pecado" (hb. het, hatta'a, hata'a, hatta't, cherem e gr. hamartia), expressam a idéia de:

- Errar um alvo ou um caminho
- Violar leis
- Falha em viver segundo as espectativas
- Desvio do alvo ou do padrão que Deus estabeleceu

Analisando os termos "maldição" e "pecado", o título da Lição Bíblica "A Maldição do Pecado", fala-nos da setença e da condição do homem, quando este se afasta dos alvos e padrões de conduta que o Senhor estabeleceu, violando desta forma as suas leis e ordens.

3. O Pecado de Acã: consequências coletivas e punições

O pecado de Acã, narrado em Js 7.1-26, revela-nos as consequências na coletividade do pecado de um indivíduo. Observemos as palavras do Senhor em relação ao episódio:

a) O Senhor responsabilizou todo o povo: "Israel pecou, e violaram a minha aliança, aquilo que eu lhes ordenara, pois tomaram das coisas condenadas, e furtaram, e dissimularam, e até debaixo da sua bagagem o puseram." (Js 7.11)

A aliança estabelecida exigia a obediência absoluta de todos, visto que a promessa e a terra era para todos. Enquanto a questão não foi resolvida e o erro corrigido, o povo de Israel foi responsabilizado pelo Senhor.

Tolerar o pecado é algo grave entre o povo de Deus. Além de promover fracassos, influencia de forma destruidora toda a comunidade.

b) O Senhor ordenou a sanificação e a eliminação das coisas condenadas: "Dispõe-te, santifica o povo e dize: Santificai-vos para amanhã, porque assim diz o SENHOR, Deus de Israel: Há coisas condenadas no vosso meio, ó Israel; aos vossos inimigos não podereis resistir, enquanto não eliminardes do vosso meio as coisas condenadas." (Js 7.13)

Este processo de santificação poderia incluir, conforme Champlin, o banho cerimonial (Lv 14.8, 16; 15.16; 17.15; Nm 8.7, 9; 19.7), orações de lamentações, votos e outros ritos.

A permanência daquilo que não agrada a Deus em nossa vida e comunidade cristã, resultará num baixo nível de moralidade e espiritualidade, e no impedimento de conquistas, avanços e crecimento.

c) O Senhor conduziu o processo de descoberta do indivíduo que escondeu "a coisa condenada": "Pela manhã, pois, vos chegareis, segundo as vossas tribos; e será que a tribo que o SENHOR designar por sorte se chegará, segundo as famílias; e a família que o SENHOR designar se chegará por casas; e a casa que o SENHOR designar se chegará homem por homem." (Js 7.14)

O texto não especifica os detalhes quanto a "sorte", embora a Bíblia Vida Nova, em seu comentário do texto afirma que "A 'sorte', heb. goral, derivado da raiz que significa 'rolar', era uma pedra preta e branca. Várias delas se guardavam numa caixa, e a cor da pedra que era tirada, numa determinada ocasião, estabelecia as respostas 'sim' ou 'não'. Daí a expressão 'sair a sorte', 18.11; 19.1. Considerava-se que a sorte era o método indicado para abafar o raciocínio humano em favor da soberania de Deus [...]." Veja ainda (Nm 26.55; Jl 3.3; Na 3.10; 1 Sm 14.42; Jn 1.7; Jz 20.10; Lv 16.8; 1 Sm 10.19; At 1.26). Embora alguns intérpretes discordem acerca do método utilizado, o que importa é que o oculto foi revelado (Mt 10.26).

Não adianta tentar encobrir o pecado, seja ele de qualquer natureza (1 Sm 12.1-7; At 5.1-11). Deus o conhece, e se não nos arrependermos, confessando-o e abandonando-o, estaremos debaixo de maldição, e prestes a receber o juízo divino.

d) O culpado foi executado conforme os moldes de Dt 13.10: "Então, Josué e todo o Israel com ele tomaram Acã, filho de Zera, e a prata, e a capa, e a barra de ouro, e seus filhos, e suas filhas, e seus bois, e seus jumentos, e suas ovelhas, e sua tenda, e tudo quanto tinha e levaram-nos ao vale de Acor. Disse Josué: Por que nos conturbaste? O SENHOR, hoje, te conturbará. E todo o Israel o apedrejou; e, depois de apedrejá-los, queimou-os. E levantaram sobre ele um montão de pedras, que permanece até ao dia de hoje; assim, o SENHOR apagou o furor da sua ira; pelo que aquele lugar se chama o vale de Acor até ao dia de hoje." (Js 7.24-26)

Para entender a punição da mulher e filhos de Acã, os comentarista declaram que eles foram coniventes com o pecado, omitindo, concordando e encorajando-o a não revelar prontamente o seu erro (veja o comentário da Bíblia de Estudo Pentecostal de Js 7.24).

A confissão de Acã (v.20), feita apenas após as evidências, não o livrou da punição. Querer saber se Acã, apesar das punições físicas, foi salvo, é ir além daquilo que as Escrituras nos revelam neste episódio. Só Deus conhece os corações (1 Sm 16.7).

A Lição desta semana deve nos conduzir ao temor e tremor, fazendo-nos entender que a medida da fidelidade e da benção de Deus, é também a de seu juízo e punição.

Adúlteros e praticantes de outros pecados sexuais, roubadores, mentirosos, charlatões, aproveitadores e praticantes de coisas semelhantes a estas (1 C0 6.9-11), assim como os coniventes com tais práticas (Rm 1.28-32), convertam-se, mudem de atitude diante do Senhor enquanto é tempo.

Livrem-se da maldição do pecado!