domingo, 6 de dezembro de 2009

SEMANA TEOLÓGICA NA FATAD EM PORTO VELHO-RO: ENCERRAMENTO




O encerramento da Semana Teológica promovida pela FATAD em Porto Velho-RO, ontem, na Assembleia de Deus (CONAMAD), foi marcado pela presença de vários irmãos. Ao final da ministração do sub-tema "Ilusões da Teologia Gay e seus Perigos à Família", percebeu-se a satisfação de todos os presentes diante dos fatos expostos.

Mais uma vez quero parabenizar a Diretoria da FATAD, na pessoa do pastor Antônio Baltazar e do presbítero Niloney Ramos, pela grande iniciativa.

Abaixo, segue a 1ª parte do texto que serviu para a exposição sobre o referido tema:

Ilusões da Teologia Gay e seus Perigos à Família


A ordenação de homossexuais ao ministério pastoral, a realização de cerimônias de casamento entre pessoas do mesmo sexo, movimentos sociais e grandes passeatas promovidos por ativistas e simpatizantes do homossexualismo, Projetos de Leis que censuram o direito das pessoas de se manifestarem contrárias à prática homossexual, reinterpretação do conceito de família e outros fatos presentes em nossa época, são resultados de uma construção histórica, de movimentos sociais e religiosos.


1. ANTECEDENTES HISTÓRICOS


Dallas (1998, p. 68 ss) nos informa que a origem do movimento dos direitos dos homossexuais nos EUA pode ser traçada até 1950, com a fundação da Sociedade Mattachine (para homossexuais de ambos os sexos) e as Filhas de Bilitis (uma organização para lésbicas). Os objetivos do movimento eram melhorar a imagem pública dos homossexuais, descriminalizar as relações homossexuais e conseguir para eles a participação na vida americana.


Cinco anos depois, em 1955, foi publicada a primeira obra desafiadora à concepção bíblica do homossexualismo, pelo Dr. Derrick S. Bailey, teólogo anglicano que argumentava em seu livro Homosexuality and western Christian tradition, que a destruição de Sodoma em Gn 19 não teve por causa as práticas homossexuais, mas a falta de hospitalidade.


Em 1967 o livro Homosexual behavior among males, de Wainwright Churchill, favorável ao homossexualismo, pediu uma nova moral na esfera sexual.


Paralelo ao lançamento de publicações que defendiam a causa gay, dando fundamentações bíblico-teológicas para a mesma, crescia o movimento social dos ativistas homossexuais e simpatizantes.


Em 1968 foi formada a primeira denominação a favor do homossexualismo, pelo ex-pastor pentecostal de 28 anos Troy Perry. A denominação foi chamada de Universal Fellowship of Metropolitan Community Churches (UFMCC).


As tensões sociais fortalecidas pelo clima de insatisfação com a guerra e contra o “sistema” culminaram com a Rebelião de Stonewall,um conjunto de episódios de conflito violento entre gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros e a polícia de Nova Iorque que se iniciaram com uma carga policial em 28 de Junho de 1969 e duraram vários dias. Tiveram lugar no bar Stonewall Inn e nas ruas envolventes e são largamente reconhecidos como o evento catalizador dos modernos movimentos em defesa dos direitos civis LGBT. Stonewall foi um marco por ter sido a primeira vez que um grande número de gente LGBT se juntou para resistir aos maus tratos da polícia para com a sua comunidade, e é hoje considerado como o evento que deu origem aos movimentos de celebração do orgulho gay.” (Wikipédia)


Foi na década de 90 que o Movimento Gay Cristão buscou obter mais espaço e reconhecimento na Comunidade Cristã, com a tentativa da Associação Universal da Metropolitan Community Church (UFMCC) de filiar-se ao Conselho Nacional de Igrejas (NCC), porém, sem sucesso.


Segundo Dallas (idem, p. 102), o discurso e as reivindicações sociais e religiosas evoluíram da seguinte forma:


- Na esfera social:

a) “Somos seres humanos; tratem-nos de modo justo” (1950-1959);

b) “Somos normais e tão bons como qualquer outra pessoa” (1969-1979);

c) “Não toleramos nenhuma oposição pública ao nosso ponto de vista (1979 até os dias atuais).


- Na esfera religiosa:

a) “Deus também nos ama” (1969-1976);

b) “Deus não só nos ama, mas também concorda que sejamos homossexuais” (1976-1979);

c) “Qualquer pessoa que diga que não podemos ser homossexuais e cristãos precisa ser silenciada” (1980 até os dias atuais)



Continua...


2 comentários:

Matias Borba disse...

Fico feliz por ver seu ministério prosperando assim, quem conhece de perto sempre terá mais motivos para continuar orando.

Deus o abençoe ainda mais!

Ev Edvaldo Lima disse...

Este seminário foi uma benção e poder contar com o Pr Altair melhor ainda, Pr seus ensinos nos edificou, que Deus continue abençoando seu ministério, vida e família

Ev Edvaldo Lima AD Madureira Porto Velho