quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

A QUESTÃO HOMOSSEXUAL E A FÉ CRISTÃ CONFORME O TEXTO DE 1 CORÍNTIOS 6. 9-11




Ou não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem impuros, nem idólatras, nem adúlteros, nem efeminados, nem sodomitas, nem ladrões, nem avarentos, nem bêbados, nem maldizentes, nem roubadores herdarão o reino de Deus. Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.” (1 Co 6.9-11)

No sentido de buscar fundamentos para a causa gay, alguns ativistas estão tentando encontrar na Bíblia apoio para a prática homossexual, inclusive, reportando-se ao texto original.

Através de uma análise exegética não tendenciosa de 1 Co 6.9-11, pode-se perceber que este texto não fundamenta a interpretação deste ativistas.

Três termos merecem destaque no texto:

1 - O adjetivo pronominal, nominativo, masculino, plural μαλακοι (malakoí)

Nos principais léxicos podemos encontrar as seguintes definições para o termo grego malakoí;

Suave, macio ao toque, delicado [...]; um meio de luxúria contrário à natureza, efeminado.” (MULTON, Léxico grego-analítico, Cultura Cristã, 2007, p. 269);

Efeminado, um termo técnico para o parceiro passivo em relações homossexuais.” (RIENECKER e ROGERS, Chave línguística do N.T. grego, Vida Nova, 1995, p. 297);

Macio, roupa fina, mole, efeminado (de um homem que submete seu corpo à concupiscência desnatural).” (TAYLOR, Dicionário do N.T. grego, JUERP, 1991, p. 131)

"Tornar-se fraco, mole. 1. adj.: mole, macio: Lc 7.25; 2. subst.: a. neut. pl.: vestes macias, luxuosas: Mt 11.8; b. masc. pl.: efeminado: 1 Co 6, 9." (RUSCONI, Dicionário do Grego do Novo Testamento, Paulus, 2003, p. 294)

"Suave, suave ao toque" (em latim, mollis; em português, "molificar, emoliente"), é usado para descrever: (a) roupas (Mt 11.8, duas vezes, "finas", ARA; Lc 7.25, "delicadas"); (b) metaforicamente, num sentido ruim, diz respeito a "efeminados" (1 Co 6.10), não simplesmente acerca de um homem que pratica formas lascívia, mas, a pessoas em geral, que são culpadas do hábito dos pecados da carne, voluptuoso" (VINE; UNGER; WHITE JR., Dicionário VINE, CPAD, 2003, p. 583)

"Nos autores clássicos, o termo (malakia) originalmente significava "maciez", mas também veio a ser usado para homens efeminados. Nos escritores médicos, descrevia "fraqueza" ou "doença" generalizada. O uso grego posterior o vinculava com nosos, "enfermidade", para indicar a doença do corpo". (COENEN; BROWN, Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, Vida Nova, 2000, p. 884)

"Mole, macio, suave (Mt 18.18; Lc 7.25); efeminado (1 Co 6.9)." (GINGRICH; DANKER, Léxico do N.T. Grego/Português, Vida Nova, 1984, p. 129)

As melhores versões da Bíblia em português traduziram malakoi da seguinte maneira;

- Almeida Revista e Corrigida: efeminados
- Almeida Revista e Atualizada: efeminados
- Nova Versão Internacional: homossexuais passivos
- Nova Tradução na Linguagem de Hoje: homossexuais
- Bíblia de Jerusalém: efeminados

2 - O substantivo nominativo, masculino, plural αρσενοκοιται (arsenokoitai)

Observe as definições para o termo:

Homossexual masculino.” (BROWN e COENEN, Dicionário Internacional de Teologia do N.T, Vida Nova, p. 971)

Um homem que tem ralações sexuais com outro homem, homossexual.” (RIENECKER e ROGERS, Chave línguística do N.T. grego, Vida Nova, 1995)

"Alguém que se deita com um macho, sodomita (1 Co 6.9; 1 Tm 1.10)." (MOULTON, Léxico Grego Analítico, Cultura Cristã, 2007, p. 59)

"Homossexual, sodomita: 1 Co 6,9." (RUSCONI, Dicionário do Grego do Novo Testamento, Paulus, 2003, p. 78)

"Homossexual, sodomita, pederasta (1 Co 6.9; 1 Tm 1.10)." (GINGRICH; DANKER, Léxico do N.T. Grego/Português, Vida Nova, 1984, p. 35)

As principais versões da Bíblia em português traduziram o termo conforme abaixo:

- Almeida Revista e Corrigida: sodomitas
- Almeida Revista e Atualizada: sodomitas
- Nova Versão Internacional: homossexuais ativos
- Nova Tradução na Linguagem de Hoje: homossexuais
- Bíblia de Jerusalém: sodomitas

3- O verbo indicativo, imperfeito, acusativo ητε (ête)

O verbo grego ête foi traduzido por “fostes” (ARA), “têm sido” (ARC), “eram” (NTLH), “foram” (NVI) e “fostes” (Bíblia de Jerusalém).

O imperfeito expressa uma ação prolongada ou recorrente no tempo passado (MOULTON, 2007, xlix).

O verso 11 deixa claro, que se espera uma nova postura e conduta por parte daqueles que viveram na prática homossexual, uma vez que mediante a fé foram lavados, santificados e justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus:

Tais fostes alguns de vós; mas vós vos lavastes, mas fostes santificados, mas fostes justificados em o nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus.”

Tentar afirmar que o texto de 1 C0 6.9-11 aprova a prática homossexual entre os cristãos é uma agressão ao bom senso, ao texto original grego e às regras de interpretação da Bíblia.

Sendo assim, os teólogos que tentam encontrar na exegese e na hermenêutica bíblica os fundamentos para defender tal idéia, precisariam:

- Forçar a interpretação do texto (eisegese);
- Negar a autoridade da Bíblia;
- Duvidar da inerrância da Bíblia;
- Acusar os escritores bíblicos de “machistas” ou “tradicionalistas”;
- Desconstruir hermenêuticamente o texto sagrado.
- Desacreditar os sérios e altamente capacitados exegetas e hermenêutas do passado e da atualidade;
- Relativizar a inspiração da Bíblia.


No amor de Cristo e pela defesa da fé que uma vez nos foi dada,

Altair Germano

18 comentários:

zwinglio rodrigues disse...

Pr. Germano, paz!

Perfeito seu "post".

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Zwínglio,

continuemos firmes na defesa da fé, amando as pessoas, mas, combatendo as
heresias.

Abraços amigão.

eu disse...

muito bem colocado pastor...
e com verdadeira repulsa que assistimos pessoas tentando usar a biblia, erroneamente, para defender suas práticas pecaminosas..
Pior, que eles tem uma certa "biblia de estuda do homossexual"...
como ja disseram. "Achei q não estaria vivo pra assistir essas coisas".
Fique na Paz do Senhor e sempre na defesa de nossa fé.

Valdomiro Filho disse...

Prezado Pr. Altair!

Parabéns pela postagem.
São argumentos assim que desarmam quem pretende colocar dentro da Bíblia aquilo que ela não ensina.

Laguardia disse...

Provérbios 6: 16 - 19 - Seis coisas o SENHOR aborrece, e a sétima a sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre irmãos.

Prezados Irmãos
Nunca antes na história do Brasil vimos tantos casos de corrupção, falta de ética e de moralidade por parte de nossos governantes.
O que vemos em Provérbios se enquadra bem aos nossos governantes e parlamentares.
1. Olhos altivos - pensam estar acima da lei. É comum ouvirmos a frase "Fulano de tal com a biografia que tem deveria ter tratamento diferenciado". Se esquecem que para Deus todos somos iguais e nossa Constituição também determina que todos são iguais perante a lei.
2. Língua Mentirosa - Quantas mentiras ouvimos todos os dias -"Eu não sabia", ou "o apagão foi causado por raios", "o mensalão não existiu", ou ainda falsificar o curriculum vitae dizendo que tem títulos que não tem.
3. Mãos que derramam sangue inocentes - Pessoas que participaram de atos terroristas no passado levando dor e sofrimento a centenas de famílias inocentes, hoje além de ganhar altas pensões do governo se candidatam e ocupam altos cargos no governo.
4. Coração que trama projetos iníquos - Governantes e parlamentares que não respeitam a legislação e a Constituição e tramam ações que permita sua perpetuação no poder. Cometem atos de corrupção enquanto o povo necessitado é mal atendido pela rede pública de saúde, nossos filhos não tem um ensino de qualidade na rede publica, nossa integridade física está sempre ameaçada pela violência, pelas balas perdidas, pelo crime, pelas drogas.
5. Pés que se apressam a correr para o mal - Projetos como o Ficha Limpa, de iniciativa popular com mais de um milhão e trezentas mil assinaturas são colocados em segundo plano, já os projetos que prevêem benefícios para governantes e parlamentares são rapidamente aprovados, inclusive por atos secretos.
6. Testemunha falsa que profere mentiras - O célebre "eu não sabia", ou "rouba mas faz", ou mesmo "todo o político é assim", são inaceitáveis para Deus.
7. O que semeia contendas entre irmãos - leis que em vez de beneficiar o cidadão independente de raça, religião ou sexo, servem para semear a desunião e o conflito entre irmãos, se esquecendo, que independentemente de nossa raça, somos todos criaturas de Deus, feitos a Sua imagem e semelhança.
Como Cristãos temos o dever profético de elevar nossa voz contra a iniqüidade de nossos governantes. Temos o dever de exortá-los a agir de acordo com os ensinamentos das Sagradas Escrituras.
Ou nos unimos agora na batalha contra o mal, ou em breve estaremos novamente adorando nosso Deus escondidos em cavernas, sendo perseguidos como são os verdadeiros cristãos em Cuba, na Coréia do Norte, no Irã, nos países muçulmanos e em diversas outras partes do mundo.
Convidamos para que se junte a nós na luta por um Brasil de que possamos nos orgulhar, com políticos mais éticos, honestos e com senso de moral. http://bralilivreedemocrata.blogspot.com.br. Brava Gente Brasileira http://bravagentebrasileira.ning.com/. Contamos com você!

Ev.Jailson Trajano disse...

Parabéns pelo comentário!
Paz!

oassembleiano disse...

A paz do Senhor!

Prezado Pr. Germano,
Diante do valor doutrinário desta produção textual, tomei a liberdade de postá-la integralmente em nosso humilde blog (oassembleiano.com), buscando edificar os servos do Senhor neste momento tão delicado que enfrentamos.
Meu agradecimento, consideração e reconhecimento pelo vosso trabalho desempenhado em defesa da genuína fé cristã.
Que o Senhor proteja a vossa família e ministério.

Oliveira e Oliveira disse...

Prezado Pr. Altair Germano,

Paz e Bem!

Parabéns pela realização de um belo exercício exegético. Além de fundamentar uma excelente defesa da fé cristã, somos brindados por um belo exemplo de exegese em um texto bíblico neotestamentário.

Um abraço fraterno,
Oliveira e Oliveira - RJ

Elisomar disse...

Já ouvi crente dizer que tinha dúvidas quanto ao texto da Bíblia onde Davi diz, que o amor de Jonathas era superior ao amor das mulheres.

Luís Pires disse...

Elisomar

Também ouço isso direto!

Aliás, parabéns, pastor Altair, post nota 10 como de costume.

sousa disse...

QUE DEUS VÓS ABENÇOE.

Delio Visterine disse...

Pastor Altair Germano,
Gostei muito do post.
Gostaria de saber se há a possibilidade de mostrar como a palavra μαλακοι que, em todas as pesquisas que fiz, (significa mole, macio, suave e portanto sem nenhuma referencia direta a questão homossexual, desculpa mas não encontrei), de que forma ela derivou ou está ligada a questão homossexual ou efeminado. O que por exemplo Paulo teria em mente dentro do contexto social em que escreveu o texto bíblico.

Forte abraço.

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Delio Visterine,

muito pertinente o vosso questionamento.

O termo grego "malakoi", no sentido "conotativo" utilizado em 1 Co 6.9, até onde pesquisei, não se faz presente na literatura grega da época. Tudo sinaliza para um neologismo paulino. Diante disto, partimos para as seguintes observações:

- Dentro do contexto textual de 1 Co 6.9, onde uma lista de pecados está sendo exposta, não teria sentido algum malokoi ser traduzido e entendido literalmente. Como bem coloca Osborne em "A Espiral Hermenêutica", p. 102, "Sem um contexto numa extrutura gramatical, a palavra fica sem siginificado" e ainda "ninguém, ao escrever dentro de um determinado constexto, tem em mente vários ou todos os siginificados possíveis de um termo" (p. 104). O termo precisa significar alguma ação reprovável, ao ponto de privar os seus praticantes do Reino de Deus. Ter gestos "suaves" ou ser "delicado" ou "gentil" não seria o caso. Daí o sentido conotativo de homossexual ou efeminado;

- Uma análise exegética e hermenêutica em toda a Bíblia deixa claro que a prática homossexual não é aprovada, e sempre esteve associada ao cultos idolátra, religiões pagãs e aos desvios de condutas nas sociedades antigas. Era assim na Corínto dos dias de Paulo;

Dessa forma, a maneira como o termo "malakoi" foi traduzido nas principais versões da Bíblia e como é conceituado nos dicionários e léxicos, corresponde ao posicionamento bíblico geral sobre o assunto.

Abraços,

Matias Borba disse...

Achei o texto muito importante, de forma que até o reproduzi em meu blog, juntamente com a resposta dada ao irmão Delio Visterine.

Acho que o que falta em muito aqui na blogosfera, é um esclarecimento maior sobre o que a Bíblia realmente diz sobre essa questão.

Parabéns pastor,
Deus abençoe!

Delio Visterine disse...

Pastor Altair Germano,
Desculpe a insistência.
O termo αρσενοκοιται (arsenokoitai)também segue o mesmo critério?

Com relação a malakoi, eu não entendi a necessidade do apóstolo Paulo criar uma nova palavra (neologismo) para uma questão tão antiga quanto a própria bíblia e nem de usar um sentido figurado (conotativo) para uma questão tão séria.
Quanto ao neologismo, realmente essa "nova palavra" tem que ter um entendimento junto ao contexto, até ai tudo bem.
Agora não entendo o porque de, em uma lista tão clara de restrições a herdar o Reino de Deus, Paulo prefira criar uma nova palavra.
Dá-me a impressão de ele estar querendo ser digamos, mais brando em relações as demais proibições da lista. Então porque tal brandura?
Se não é assim, porque não foi direto ao assunto? Medo de ofender?

Logo ele que não mediu palavras ao dizer que seria bom que os que queriam que os cristãos se circuncidassem, que se alto mutilassem seus próprios membros.Ou seja, sempre que quis foi direto ao assunto e sem meias palavras, sem conotações e neologismos.

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Delio,

o termo arsenokoitai, assim como malakoi, até onde pesquisei, segue o princípio do neologismo ou de novos significados, presentes no N.T.

Tal prática é explicada pela linguística em razão do dinamismo da língua, que faz com que palavras novas surjam , outras desapareçam e outras mudem de sentido.

O apóstolo não está preocupado em "não ofender", pois se assim fosse, ele utilizaria no texto o termo grego porneia, utilizado para tratar de forma geral dos pecados sexuais ou relações sexuais ilícitas, que privam os seus praticantes do Reino de Deus (Gl 5.19-21). Pelo contrário, ele foi bem específico.

Quando os argumentos exegéticos textuais cessam, alguns tentam argumentar que a homossexualidade que a Bíblia condena (ou prática sexual), não é a mesma dos dias atuais, pois a de hoje é baseada na "homoafetividade".

O contexto bíblico é claro. A prática homossexual não se sustenta à luz do propósito divino para o casamento e o sexo.

Seria mais sincero para as pessoas, se assumissem a sua homossexualidade, sem tentar buscar respaldo na Bíblia, onde não há.

Tentar negar a verdade de um princípio natural e moral estabelecido por Deus, na tentativa de se livrar da culpa, não livra ninguém das consequências eternas da transgressão.

No amor daquele que na cruz derramou seu precioso sangue para nos libertar do domínio do pecado,

Altair Germano

Delio Visterine disse...

Pastor Altair Germano,

Obrigado pelos esclarecimentos e atenção dispensados.

J. Edis disse...

Que Deus em Cristo Jesus continue dando firmeza e convicção a homens sinceros e conhecedores das escrituras, para continuar com ousadia a combater as heresias e apostasias que tem surgido no mundo, e para vergonha nossa, também no meio evangélico.