sábado, 19 de dezembro de 2009

DAVI E O SEU SUCESSOR. Subsídio para Lição Bíblica


"Nenhum governo humano tem a capacidade de se perpetuar..." (José Gonçalves)

Estas palavras se encontram no início do comentário da Lição Bíblica (CPAD) desta semana.

Todo líder, de qualquer seguimento, um dia terá que deixar o cargo. Isso é um processo natural. Acontece, que muitos pensam ser insubstituíveis ou não querem "largar" a liderança para não perder status, vantagens, benefícios, privilégios etc. É aí que nasce o problema.

Observe o que na prática acontece hoje em muitos lugares, quando a questão é a manutenção de cargos:

- Líderes, espontaneamente ou pressionados pela família, mesmo com a idade muito avançada e sem nenhuma condição de saúde física e mental se prolongam no cargo, causando dessa forma uma série de transtornos para o ministério e para a igreja;

- Líderes se utilizam de estratégias mundanas, utilizando-se de artifícios para vencer eleições, do tipo: compra de votos, oferta de cargos e benefícios para os eleitores, manipulação de urnas, traições, calúnias, decisões na justiça comum etc;

- Líderes, usam e abusam do nepotismo, colocando parentes, familiares e bajuladores em cargos estratégicos, garantindo assim a manutenção do poder, por meio de retaliações, ameaças e outras ações diabólicas;

- Líderes, no desejo de manter o seu "império", tentam a todo custo perpetuar a "dinastia", articulando a passagem de sua liderança para um dos filhos. Dessa forma, as "coisas" ficam em casa;

- Líderes vendem a própria igreja "instituição", com o propósito de manter uma aposentadoria gorda. Um "acordão" é feito da seguinte forma: eu te vendo a igreja com "papel passado" e você me sustenta com um salário vitalício digno;

- Líderes alteram de maneira escandalosa o Estatuto da igreja ou da Convenção, buscando com isso a perpetuação no poder ou dos privilégios;

- Líderes promovem grandes "rachas" e divisões, quando percebem que não terão condições de se perpetuar no "trono";

- Líderes subalternos planejam golpes na tentativa de tomar e conquistar o poder, mobilizando "grupinhos" contra a liderança estabelecida.

Como já escrevi, muitos líderes evangélicos na atualidade tratam igrejas e convenções como propriedade particular, negócio de família. Esquecem que a igreja tem um dono e o seu nome é JESUS.

As questões acima são vivenciadas também em outros níveis de lideranças, como no caso de órgãos e departamentos da igreja.

Não são poucos os casos de regentes de órgãos musicais e líderes de departamentos, que causam problemas à liderança na hora de sair. Como exemplo podemos citar:

- Mobilizam os componentes dos órgãos e departamentos contra a liderança da igreja, afirmando que está sendo injustiçado e que Jesus não "revelou" a sua saída;

- Não se preocupam em formar sucessores;

- Tentam em alguns casos, também, manter o negócio sob a direção da família;

- Doam instrumentos e outros objetos, para na hora de sair levar de volta consigo;

- Geralmente usam a seguinte expressão: este é o "meu" coral, "meu" conjunto", "minha " escola, "minha" classe, "minha" mocidade, "meus" adolescentes, "minhas crianças"...

Assim como nos dias de Davi, a transmissão de "reinos" continua acontecendo de forma conturbada.

APRENDENDO SOBRE SUCESSÃO COM DAVI

Davi nos ensina grandes lições, pois ele teve a capacidade de ouvir e acatar a direção de Deus em sua própria sucessão;

a) Percebendo que o seu tempo terminara

"Porém Deus me disse: não edificarás casa ao meu nome..." (1 Cr 28.3a)

b) Percebendo pela direção de Deus que o seu filho lhe sucederia

"E me disse: Teu filho Salomão é quem edificará a minha casa e os meus átrios, porque o escolhi por filho e eu lhe serei por pai." (1 Cr 28.6)

"Disse mais o rei Davi a toda a congregação: Salomão, meu filho, o único a quem Deus escolheu, é ainda moço e inexperiente, e esta obra é grande; porque o palácio não é para homens, mas par ao Senhor Deus." (1 Cr 29.1)

c) Priorizando as coisas espirituais enquanto líder

"Agora, pois, perante todo o Israel, a congregação do Senhor, e perante o nosso Deus, que me ouve, eu vos digo: guardai todos os mandamentos do Senhor, vosso Deus, e empenhai-vos por ele, para que possuais esta boa terra e a deixeis como herança a vossos filhos, para sempre." (1 Cr 28.8)

d) Alertando o seu sucessor para a importância do crescimento no conhecimento de Deus (intimidade, amizade, e comunhão)

"Tu, meu filho Salomão, conhece o Deus de teu pai..." (1 Cr 28.9a)

e) Exortando o seu sucessor para um viver íntegro diante de Deus

"...e serve-o de coração íntegro e alma voluntária; porque o Senhor esquadrinha todos os corações e penetra todos os desígnios do pensamento" (1 Cr 28.9b)

f) Motivando o seu sucessor a buscar incansavelmente e incessantemente a Deus

"Se o buscares, ele deixará achar-se por ti; se o deixares, ele te rejeitará para sempre." (1 Cr 28 9c)

g) Lembrando que coragem, força, determinação e serviço são características que se esperam de um líder verdadeiramente chamado por Deus

"Agora, pois, atende a tudo, porque o Senhor te escolheu para edificares casa para o santuário; sê forte e faze a obra." (1 Cr 28.10)

h) Cooperando no processo de sucessão , repassando os projetos em andamento ou planejados

"Deu Davi a Salomão, seu filho, a planta do pórtico com as suas casas, as suas tesourarias, os seus cenáculos e as suas câmaras interiores, como também da casa do propiciatório." (1 Cr 28.11)

i) Orando pelo seu sucessor

"Senhor, Deus de nossos pais Abraão, Isaque e Israel, conserva para sempre no coração do teu povo estas disposições e pensamentos, inclina-lhes o coração para contigo; e a Salomão, meu filho, dá um coração íntegro para guardar os teus mandamentos, os teus testemunhos e os estatutos, fazendo tudo para edificar este palácio para o qual providenciei." (1 Cr 29.18-19)

j) Apresentando publicamente e honrosamente o seu sucessor

"Então, disse Davi a toda a congregação: Agora, louvai ao Senhor, vosso Deus. então, toda a congregação louvou ao Senhor, Deus de seus pais; todos inclinaram a cabeça, adoram o Senhor e se prostraram perante o rei" (1 Cr 29.20)

Apesar de jovem e inexperiente, Salomão foi escolhido por Deus e governou prosperamente a nação. Infelizmente, como sempre alertamos, não basta começar bem.

No final de sua trajetória Salomão decidiu se afastar dos conselhos de seu velho pai. Seu fim, com base na narrativa bíblica foi trágico (1 Rs 11.1-13)

Obviamente, a igreja não está debaixo de um sistema de governo monárquico, mas, sem dúvida alguma, os princípios bíblicos encontrados no contexto da sucessão de Davi, em muito ajudará aqueles que primam por uma sucessão ministerial à luz da Palavra de Deus.

Abraços e paz do Senhor!

4 comentários:

Aninha e Paulo disse...

Pastor Altair, a Paz do Senhor.
vejo nesta lição uma excelente oportunidade para os pastores refletirem sobre a questão de substituição pastoral nos campos evangélicos. Todas as implicação advindas de uma carnal decisão podem trazer sérios prejuízos. Os Apadrinhados,os parentes e os"aderentes" de pastores-presidentes que estão aspirando, ou respirado, ou ainda quase usurpando o poder de cargos, também deveriam tomar esta lição como um "simancol espiritual" e procurar aprender com os exemplos bílicos expostos na lição e as exortações da postagem.
Para terminar só perguntinha: Qual o motivo do grande líder Moisés não ter colocado o seu filho como "VICE" na linhagem sucessória?
PAULO MORORÓ

LUIS ANDRE DE BARROS disse...

Tendo em vista que a grande necessidade nos dias de hoje é a de termos líderes com o
coração na obra de Deus, líderes que tenham verdadeiro desejo de servir a Cristo e honrá-lo
através de suas vidas, líderes que possuam um claro compromisso com o senhorio e com a
pureza da sã doutrina; torna-se necessário para isso conhecermos como deve ser esse líder,
quais as qualidades, quais os deveres, como exerce a liderança.
No entanto, são poucos os líderes que desejam pagar o preço da liderança, pois
liderança é trabalho, é preocupação, exaustão, responsabilidade; bem como uma das maiores
honras que o homem de Deus pode adquirir.
Tenhamos em mente que o líder é uma pessoa como qualquer outra, sujeito aos
mesmos sentimentos, anseios, desejos, alegrias, tristezas, vitórias, conquistas e derrotas.
Tomo por base que um líder só é líder, de fato, quando é nascido de novo, nascido Espírito,
tendo a Cristo como Senhor e Salvador de sua vida e que está se deixando ser moldado pelo
trabalho do Espírito Santo em sua vida.

LUIS ANDRE DE BARROS disse...

Deus pode escolher a quem Ele quiser para ocupar a posição de líder. Afinal de contas, Ele é Deus, nós apenas criaturas, Ele o Criador.
Deus está chamando líderes. Ele está à procura de líderes. “Busquei entre eles um homem que tapasse o muro e se colocasse na brecha perante mim a favor desta terra, para que eu não a destruísse; mas a ninguém achei” (Ez 22.30).
É uma pessoa que está consciente do seu papel na liderança, sabe que está no comando e que este comando foi-lhe outorgado por Deus. Também está consciente que exerce um forte impacto e uma grande influência na vida dos liderados. Agora, ele não deve de forma alguma incidir uma influência forçada. Isso deve ser natural. Ele é alguém que vê as necessidades das outras pessoas. Está sensível para com elas. Com isso, procura na maneira do possível, ajudá-las a superar os seus obstáculos. Deve demonstrar um amor genuíno, como um amor de pai para filho. Afinal de contas, eles são os rebanhos que Deus lhe confiou nas mãos e um dia prestará contas disso.

Todo o poder que o líder vem a possuir deve primeiramente ser por ele reconhecido que lhe concedido por Deus. Tudo provém de Deus. Cristo disse: “Eu sou a videira; vós sois as varas. Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer” (Jo 15.5). Sem Cristo, o líder nada pode. “O exemplo máximo de liderança é Jesus. Seu grupo era constituído por doze, incluindo um que duvidou outro que negou conhecê-lo e ainda outro que o traiu entregando-o aos assassinos. No entanto, com este pequeno grupo, ele mudou o mundo”.

LUIS ANDRE DE BARROS disse...

É indispensável que o líder caminhe ao lado e com Deus na liderança. Para isso, é necessário que o coração do líder seja inteiramente de Deus (2Cr 16.9). Sendo assim, o líder é uma pessoa que procura com intensidade ter ou possuir uma elevada estatura espiritual. O padrão divino para o líder é extremamente elevado, para que ele possa atingir o padrão de Deus, é necessário uma obediência plena da parte dele.
Seu viver deve ser irrepreensível. O que ele ensina em relação às verdades espirituais da Palavra de Deus, deve condizer com a verdade. Não deve acontecer de que um membro chegue diante dele e o acusa de não estar praticando o que prega, de não estar cumprindo este ou aquele outro mandamento da Palavra de Deus.

Temos na vida de Daniel um grande exemplo: ele era irrepreensível, não havia nada que as pessoas podiam falar com relação a faltas em sua vida. Sendo assim, seus inimigos tentaram achar algo para acusá-lo na lei de Deus. Nada encontraram. Por fim, tiveram que fazer algo para que ele viesse a cair, mas sua vida espiritual era tão elevada que mesmo diante do decreto do rei, ele não sucumbiu. Sua firmeza espiritual foi o seu segredo (Dn 6). As qualidades espirituais devem ser prioridades absolutas na vida do líder. Se ele assim proceder, as pessoas irão querer imitar o seu exemplo.