terça-feira, 14 de julho de 2009

A CRISE EVANGÉLICA DO QUERER SER


- Mamãe, eu quero ser líder, presidente de igreja ou de convenção!
- Por que, menino?
- Há mamãe, eu quero, eu quero, eu quero...

Minha homenagem a todos que esperneiam, gritam, choram, brigam, caluniam, difamam, amaldiçoam, rompem e traem, tudo pelo desesperado, obstinado e descontrolado desejo de querer ser e usurpar "ALGO" mais na liderança cristã, dita evangélica.

João Pessoa-PB, 14/07/09

5 comentários:

Anônimo disse...

Bravo Pastor Altair, bravíssimo esta homenagem a estes "bebes mimados". O que eles precisam é de : 1º Uma chupeta prá pararem de chorar ;
2º - Umas boas chineladas no traseiro ;
3º - Mamadeira e coloquem -nos prá dormir.

Anônimo disse...

Desculpe, mas fiquei sem entender.
O senhor está homenageando pulhas e interesseiros dentro da igreja?

Anônimo disse...

Pastor Altair, que tal o senhor incluir nessa homenagem não só os que querem usurpar "ALGO" mais, mas também os que fazem tudo isso para manter-se quase eternamente nessa pseudo-liderança.

antonio saraiva disse...

chamada de Deus nos temos a convição da chamada quando a chamada é do homen ele fica feito esta criança oxala isto aconteça bem longe de nós

Ev. Souza disse...

SER OU NÃO SER, EIS A QUESTÃO

... "Quem levaria fardos,
Gemendo e suando sob a vida fatigante,
Se o receio de alguma coisa após a morte,
–Essa região desconhecida cujas raias
Jamais viajante algum atravessou de volta –
Não nos pusesse a voar para outros, não sabidos?
O pensamento assim nos acovarda, e assim
É que se cobre a tez normal da decisão
Com o tom pálido e enfermo da melancolia;
E desde que nos prendam tais cogitações,
Empresas de alto escopo e que bem alto planam
Desviam-se de rumo e cessam até mesmo
De se chamar ação."
-Trecho da peça teatral Shakespeareana-A tragédia de HAMLET.-

Não pecamos almejando um alto empreendimento, “Fiel é a palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja.” (1Tm 3:1).

Há na verdade os ambiciosos, que extrapolam os limites do cálice posto a mesa para ser bebido:

“Então, se chegou a ele a mulher de Zebedeu, com seus filhos, e, adorando-o, pediu-lhe um favor. Perguntou-lhe ele: Que queres? Ela respondeu: Manda que, no teu reino, estes meus dois filhos se assentem, um à tua direita, e o outro à tua esquerda. Mas Jesus respondeu: Não sabeis o que pedis. Podeis vós beber o cálice que eu estou para beber? Responderam-lhe: Podemos. Então, lhes disse: Bebereis o meu cálice; mas o assentar-se à minha direita e à minha esquerda não me compete concedê-lo; é, porém, para aqueles a quem está preparado por meu Pai. Ora, ouvindo isto os dez, indignaram-se contra os dois irmãos. Então, Jesus, chamando-os, disse: Sabeis que os governadores dos povos os dominam e que os maiorais exercem autoridade sobre eles. Não é assim entre vós; pelo contrário, quem quiser tornar-se grande entre vós, será esse o que vos sirva; e quem quiser ser o primeiro entre vós será vosso servo;” Mt 20:20-27.

Mas falando em tragédia!

1-Onde estão os que levariam os fardos, sofrendo seus temores na condução de um povo que a cada dia apresenta sua fragilidade no processo de chegar à terra prometida?

2-Onde estão os que gemem e suam sob a vida fatigante?

3-Onde estão os que tremem diante do “receio de alguma coisa após a morte”,
Porque importa que todos nós compareçamos perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que tiver feito por meio do corpo. (2Co 5:10)
Sabendo disto meus caros e ansiosos ambiciosos, vamos tomar o cálice do qual se serviu Jesus!
Queiramos antes caminhar nos desertos das aflições, das tentações, da fome, da sede, e assim como Jesus, sermos aprovados e honrados por Deus.
Quem trilha outros caminhos, desviando-se dos desertos das dificuldades, acovarda-se diante do cálice colocado para os altos cargos.
Deixo meus sinceros elogios, a todos os pastores, presidentes ou não, que tomam a cada dia o cálice amargo do sofrimento, acompanhando as necessidades de suas ovelhinhas.
E aos presidentes, que Deus os abençoe.