quarta-feira, 10 de junho de 2009

"MERCADO DA FÉ", POR FREI BETTO

"Quem mais se sente incomodada com a nova geografia da fé é a Igreja Católica. Quem foi rainha nunca perde a majestade... Nos últimos anos, o número de católicos no Brasil decresceu 20% (IBGE, 2003). Hoje, somos 73,8% da população. E nada indica que haveremos de recuperar terreno em futuro próximo. [...] A Igreja Católica tenta correr atrás com as suas showmissas, os padres aeróbicos ou cantores, os movimentos espiritualistas importados do contexto europeu. É a espetacularização do sagrado; fala-se aos sentimentos, à emoção, e não à razão. É a semente em terreno pedregoso (Mateus 13, 20-21). " (Por Frei Beto em Correio da Cidadania)

betto.jpgFrei Betto é escritor e assessor de movimentos sociais. Autor de 53 livros, editados no Brasil e no exterior, ganhou por duas vezes o prêmio Jabuti (1982, com "Batismo de Sangue", e 2005, com "Típicos Tipos – perfis literários"), o prêmio Juca Pato (1982, por sua obra "Fidel e a religião") e, em 1988, seu livro "A noite em que Jesus nasceu" recebeu o prêmio de "Melhor Obra Infanto-Juvenil".

Eis aí alguém com sobriedade e ousadia para contestar as estruturas de poder engessadas, obsoletas e opressoras da igreja católica. Não estamos, como igreja evangélica, muito longe de algumas realidades descritas no texto, principalmente, no que se refere a presença de um certo tipo de clericalismo, dos escândalos sexuais e financeiros e da espetacularização do sagrado.

Há uma crise instaurada em todos os seguimentos cristãos no Brasil, fruto do distanciamento da Palavra de Deus, em termos doutrinários e práticos.

O Senhor está levantando profetas para confrontar e desestabilizar o sistema!

2 comentários:

Anônimo disse...

Pois é, meu caro...
Quanto à quantidade de informação, Frei Betto tem até razão que o “catecismo” protestante (as nossas conhecidas EBD’s) supera o catecismo católico, mas quanto à qualidade dessa informação não sei se Betto teria a mesma opinião se tivesse visão “de dentro”.

Até porque a estrutura piramidal também faz parte de muitos movimentos e igrejas protestantes, alguns com centralização digna de um papado, como é o caso da IURD, onde Edir Macedo, mesmo à distância, tem tudo sob controle em razão de por bispos de elevada confiança no comando em cada país, como é o caso do “bispo-comandante” aqui no Brasil: quem não estiver na “linha de Macedo” tem de cair fora.

A propósito, eu estava escutando um daqueles aconselhamentos que o próprio Edir Macedo dá na Rede Aleluia de Rádio (a maior rede FM das Américas) e um sujeito, que dizia ter certeza que Deus havia colocado uma mulher em sua vida, mesmo assim indagava ao Bispo maior sobre se seria certo casar-se com mulher muito mais jovem (diferença de cerca de 20 anos) que ele. Macedo foi peremptório: “você diz que Deus colocou essa mulher em sua vida, então você tem fé, e se você tem fé vá adiante, mas assuma todas as consequências, porque se você fosse pastor de nossa Igreja certamente eu não admitiria tal casamento. É que a diferença é muito grande e os problemas são quase certos. Mas se você tem fé, o problema é seu, já que você é membro e não líder da IURD. Se fosse líder, eu não permitiria. É que nós investimos pesado em nossos pastores e não podemos perder esse investimento em razão de uma emoção ou de uma paixão por mulher mais nova.”

Veja o quanto Macedo é firme nos seus objetivos. E o procedimento dele não é tão diferente da Igreja Católica quando obriga o celibato. Edir Macedo inadmite para seus pastores o casamento em que aja elevada diferença de idade entre os nubentes.

Voltando ao comentário de Betto, este afirma:

Crianças e jovens católicos têm, em geral, quase nenhuma formação bíblica e teológica. Por isso, não raro encontramos adultos que mantêm uma concepção infantil da fé. Seus vínculos com Deus se estreitam mais pela culpa que pela relação amorosa.

Efetivamente, os católicos são péssimos de Bíblia. Trabalho com um devoto de Maria, integrante de um grupo especial de veneração (ele não chama de adoração e sim de veneração) à Mãe de Jesus, que raramente confirma um versículo quando o indago se conhece tal e qual trecho da Bíblia. É um verdadeiro analfabeto em Bíblia. Mas não poderia mesmo ser diferente, porque o Romanismo, com o ranço da medieval idéia de que só os iniciados podem entender a Bíblia, nunca estimulou a leitura por parte dos leigos.

Entre os protestantes há sim leitura da Bíblia, mas absolutamente descontextualizada, alienada, muitas vezes forçada a certa conjunturas momentâneas, excessivamente intuitiva (o que chamam de “orientação do Espírito Santo”), desprovida de substrato histórico-sócio-cultural dos (vários) tempos e lugares bíblicos, e por aí vai...

E tudo isso desemboca, às vezes, na divisão entre grupos prostestantes, com o surgimento de mais e mais denominações como consequência, não raro, da intransigência de interpretação casuística da Bíblia.

Quanto à assertiva “Seus vínculos com Deus se estreitam mais pela culpa que pela relação amorosa”, no meio protestante não é muito diferente, visto que se trabalha mais o medo do que o amor.

ELIZABETE disse...

Olá,
Sou coordenadora de curso da Faculdade Maria Milza (FAMAM), em Cruz das Almas - Bahia e preciso entrar em contato com Frei Betto para um possivel trabalho junto à comunidade acadêmica. Como posso entrar em contato com ele? PEÇO A SUA AJUDA. Email: historiafamam@hotmail.com
Grata,
Elizabete Rodrigues