sexta-feira, 12 de junho de 2009

A CONDIÇÃO ATUAL DO BRASIL E A FALÊNCIA PROFÉTICA DE ALGUNS LÍDERES E IGREJAS EVANGÉLICAS

É provável que questões políticas e ideológicas tenham motivado o compositor da canção.

O que me chama a atenção é a coragem que ele tem de denunciar as mazelas e injustiças sociais presentes em nossa nação.

Muitos líderes evangélicos não podem fazer isso, pois estão comprometidos e com o "rabo preso" ao sistema e aos políticos corruptos e corruptores.

Barganham troca de favores no período das eleições, recebem salários por cargos fantasmas que ocupam, filhos e parentes destes líderes enchem os gabinetes de tais políticos, recebem "presentes" eventualmente, "legitimam" tais ações nas brechas da lei, sem porém poder justificá-las diante do Senhor, e com isso perdem a autoridade moral necessária a um pastor/líder profeta.

Infelizmente, muitos líderes evangélicos já não podem adotar a postura de Elias que confrontou a desobediência e a idolatria de Acabe, pois vivem em desobediência e em idolatria (material, personalista e outras modernas) (1 Rs 17.1; 18.17-21).

Infelizmente, muitos já não podem fazer como João Batista que denunciou a imoralidade palaciana e o adultério de Herodes (Mt 14.1-12; Mc 6.14-29;), pois vivem em imoralidade e em adultério, ou toleram imoralidades e adultérios nos "palácios".

Infelizmente, muitos não estão dispostos a acabarem numa "Patmos" moderna (Ap 1.8) "por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus", pois só se interessam em manter e fazer crescer o seu patrimônio pessoal, a sua vida luxuosa e opulenta, sustentada pelos dízimos e ofertas das viúvas, dos assalariados, do povo simples, inculto e sem senso crítico desenvolvido. O senso de viver dignamente do evangelho, foi por estes trocado pelo desejo de viver explendorosamente do evangelho, sustentado pelo discurso da Teologia da prosperidade e da Vitória Financeira.

A igreja se afasta cada vez mais de sua missão profética, pois está aceitando as ofertas de Satanás (Mt 4.1-11), se rendendo ao presente século (Rm 12.2), amando o mundanismo (1 Jo 2.15-17), fazendo as mais abomináveis alianças, relativizando valores e distorcendo o texto bíblico (eisegese) para fundamentar as suas práticas.

Lula, assim como os demais presidentes que passaram e virão, e como boa parte dos políticos de nossa nação, estão manietados a um sistema falido, explorador e opressor. Um sistema que excluiu Deus e a Bíblia do poder legislativo, executivo e judiciário.

Quando os profetas de Deus perdem o foco, se corrompem e se calam, "jumentas" falam e "pedras" clamam!