quarta-feira, 6 de maio de 2009

O MINISTÉRIO DA COMODIDADE: MICA E O LEVITA


"Havia um moço de Belém de Judá, da tribo de Judá, que era levita e se demorava ali. Esse homem partiu da cidade de Belém de Judá para ficar onde melhor lhe parecesse. Seguindo, pois, o seu caminho, chegou à região montanhosa de Efraim, até à casa de Mica. Perguntou-lhe Mica: Donde vens? Ele lhe respondeu: Sou levita de Belém de Judá e vou ficar onde melhor me parecer. Então, lhe disse Mica: Fica comigo e sê-me por pai e sacerdote; e cada ano te darei dez siclos de prata, o vestuário e o sustento. O levita entrou e consentiu em ficar com aquele homem; e o moço lhe foi como um de seus filhos." (Jz 17.7-11)

O texto acima nos fala de um levita que resolveu seguir o seu própro caminho, buscando sempre um lugar que lhe fosse cômodo, que melhor lhe parecesse.

Pois bem, logo percebi que o "espírito" deste levita continua atuando nos dias atuais, e de uma maneira sem precedentes na história.

Na vida, e no ministério de quem opera este espírito?

Na vida e no ministério de pastores que não se contentam em trabalhar em igrejas de pequeno ou médio porte. Em vez de aguardarem e acatarem as decisões de seus presidentes e mesas diretoras, alguns pastores estão escolhendo as igrejas onde querem trabalhar, tentando impor a todo custo a sua vontade. Muitos destes, na hora de serem transferidos para outra congregação ou campo, sabendo que o porte do trabalho é menor, que rende menos, ou que dá menos status, criam os mais sérios problemas, tudo para não serem removidos de sua comodidade.

Na vida e no ministério de pregadores e ensinadores itinerantes, que não são mais guiados pela vontade e direção divina, mas, pela comodidade dos altos cachês (inclusive tabelados), dos melhores hotéis, dos melhores restaurantes, etc. Você já convidou uma destas celebridades e na última hora recebeu a notícia de que ouve um "imprevisto", e o convite não pôde ser atendido? Fique sabendo (se já não sabe), que muitos deste "imprevistos" tratam-se, na realidade, de "ofertas" mais gordas, de promessas mais promissoras que surgiram, e que em razão destas, você acabou "ficando na mão" (espero que na de Deus). Tudo em nome da comodidade.

Na vida e ministério de cantores e de bandas "evangélicas", que abandoram a condição de verdadeiros adoradores, para se tornarem meros artistas profissionais, estrelas do mundo "gospel", do mercado da fé, seduzidos pelo estrelato. Mera comodidade.

Na vida de jovens pregadores, que entorpecidos pelo incontrolável desejo de "fazer carreira ministerial", deixam de prestar contas aos seus líderes, abandonam as suas congregações e se aventuram pelo mundo, de igreja em igreja, de cidade em cidade, de estado em estado, de comodidade em comodidade.

Todos estes, se oferecendo ou atendendo aos convites e ofertas dos "Micas" de hoje (hospedeiros, sustentadores e consagradores de aventureiros), reproduzem historicamente o erro daqueles que resolvem trilhar o seu próprio caminho, o caminho da insubordinação, da insubmissão, da inquietação, da ilusória e transitória vantagem pessoal.

10 comentários:

Anônimo disse...

Pr Altair

Infelizmente essa é a realidade, tais, pastores, pregadores, e cantores, deveriam observar a vida do Apostolo Paulo, que nunca cobiçou a prato e o ouro, mas estava interessado nas almas.

Sampaio

Daniela disse...

Excelente!!!
Devem repensar e relembrar sobre o VERDADEIRO compromisso que assumiram com JESUS... Em que lugar O estão colocando???
A quem estão adorando??

Anônimo disse...

A Paz do Senhor !
Pr.Altair,
Aqui onde moro tá cheio deste tipo de gente. E o que é pior : Quando questionamos eles acerca de suas lideranças, de onde vieram, os mesmos respondem que "vivem da Obra e estão nela".
É triste ver tanta gente enganando e sendo enganada.
Parabéns por mais esta postagem tão real e necessária em nossos dias.

Pr. Diógenes Barbosa disse...

Paz do Senhor!
Querido Pr. Altair.
Percebo que isto já é um assunto que deveríamos observar em nosso meio e passar em reunião Convencional,"Transferência de Obreiros", pois muitos estão pensando que aquilo que se faz ou se constrói nas Congregações, talvez seja para si mesmo e para sua glória, de maneira que quando há por parte da nossa Liderança uma possível alteração, mudança ou até substituição nem sempre o indivíduo (Obreiro) vê isso com bons olhos e boa aceitação. Quando não! causam algumas inconveniências no meio do povo que entendo não ter nada a ver com isso, pois é uma questão extremamente administrativa que à cima de tudo ainda tem a orientação Divina sobre a diretoria, é o que entendemos e aceitamos que aconteça. Com sua frase: "criam os mais sérios problemas" É o que estamos vendo nestes últimos dias. Obreiros inconformados por serem substituídos.Alguns até passam mal diante de tudo isso. Percebo que devemos orar mais, aceitar a decisão do homem de Deus e deixar que seja desenvolvido um trabalho por parte de quem chegou para trabalhar."A história mitológica grega de ANTEU carrega uma advertência. ANTEU, um dos gigantes filhos da terra, sempre dormia no chão, para conservar e aumenta sua força colossal. Todas as vezes que encostava no solo, sua força era reavivada. Hércules, em uma luta contra o gigante, percebeu que sempre que conseguia um bom golpe e o jogava no chão os músculos dele inchavam e um jorro de força preenchia seus membros enquanto a Mãe Terra o reavivava. Assim, Hércules não jogou mais Anteu no chão, mas segurou-o no ar, quebrando-lhe as costelas uma a uma, até que ele morreu. se o trabalho pastoral for afastado de seu solo, ele perde, assim como Anteu, a força para lutar contra as complexidades que lhe são inerentes." Peterson, Eugene H. O pastor que Deus usa: O trabalho pastoral segundo a palavra de Deus. Rio de Janeiro. Ed Textus. 2003

Anônimo disse...

A paz do Senhor,

Pr Altair

É muito fácil ser um pastor intinerante( se é que existe pastor sem rebanho), onde está o chamado para pastorear se o tal, está somente pregando ao rebanho que foi confiado a outros. Devemos não somente pregar a Bíblia mas vivermos de acordo com ela, não buscando proveito próprio (vivendo da obra) cobrando cachês altos e enriquecendo à custa da Igreja do Senhor.

Anônimo disse...

Irmãos,

Infelizmente isso tudo que o Pr. Altair abordou, é verdadeiro, esses artistas de Cristo, estão espalhado pelo nosso país e até nos exterior. Mas também nós temos uma parcela de culpa muito grande, pois, somos nós que os convidamos, pagamos e promovemos em nossas Igrejas esses aproveitadores, muita das vezes até desprezando aqueles que realmente tem compromisso com a Palavra de Deus.

Ev. Steven Ribeiro disse...

Quero parabenizar mais uma vez o Pr. Altair pela iniciativa de postar, um assunto tão importante como esse, e o Pr. Diogenes pela ressalva. de igual modo, penso como os senhores, agora resalvo que:

1. Precisamos atentar mais para esses detalhes entre nós, que embora são pequenos mais importantes.

2. Para reduzir esse indice precisamos falar a mesma linguagem, pois isso não tem acontecido entre nós.

3. Muitos de nós estão mal acostumados e viciados com seus proprios caprichos.

4. Em fim quero concluir, com os três temores do apostolo Paulo em 2Co 11.3

"Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos e se apartem da simplicidade e da pureza que há em Cristo."

1º temor: CORRUPÇÃO
2º temor: AUSÊNCIA DE SIMPLICIDADE
2º temor: GLORIOSA PUREZA

Nobres leitores, blogueiros e principalmente pastores e obreiros em geral. isso é sério de mais, sem essas vertentes enxertadas em nossas arterias ministeriais, citadas pelo Apostolo Paulo estaremos fadados ao fracaso e desnorteados como esteve Eva. mas oremos, porque nas entrelinhas desse versiculo vejo um apostolo temendo as consequencias de um ministério CORRUPTO, EXALTADO, E IMPURO....

Oremos como Paulo para que Deus nos Livre... a Paz do senhor.

Ev. Steven Ribeiro (atualmente obreiro responsavél na área de Paratibe.)

JOSÉ MARCOS ANTUNES disse...

Esta também tem sido uma preocupação minha, eu tento entender, e quando tento vejo que a culpa ( se é esta a palavra correta eu não sei )é nossa, dos pastores que atendem igreja. Que se especializaram em engenharia, enfermagem, psicologia, medicina , mestre de obras, carpinteiros, pedreiros, e outras tantas funções que fazem e fazem bem, mas quando sobem ao pulpito, lhes falta preparação, estudo, animo , e coragem, para pregar e ai, acabam contratando pregadores profissionais para fazerem o que eles mesmos não tem mais tempo para fazer. Deixem engenharia para engenheiros, medicina para médicos, psicologia para os psicologos e etc... mas quanto a nós... perseveraremos na oração e na pregação da palavra . A igreja espera que o pastor pregue! para isso fomos chamados.

Anônimo disse...

shalon pr.altair o que tem de mica/e levita por aqui so a graça este tema continua sendo atual.ja fui convidado por mica minha resposta foi a unica igreja perfeita so vamos conhecer no ceu.aqui afliçao e tribulaçao mas o espirito santa ele nos guia alelua.

J. Carlos disse...

Temo, mas:

1) Muitos estão tratando a igreja como viúva e não como noiva;

2) O “mercado da fé” há muito, tornou-se bastante lucrativo, e poucos, talvez “7001” apenas estejam de fato trabalhando por amor, não se curvando aos Baais desta vida;

3) Há uma certa anuência até por parte de autoridades eclesiásticas comprometidas, à medida em que se aceita em púlpitos os “comerciantes da fé”, que não são tão difíceis de ser identificados;

4) Temos levado cada vez mais pessoas a se preparar fazendo cursos de teologia, treinamento, e estamos pouco dispostos a incentivar estas pessoas a colocar em prática o que de fato teorizaram, a propósito, nos seminários encontra-se tantos professores ensinando, e na prática, quando é que encontramos professores “hans on”, mão-na-massa;

5) O princípio da resolução de um problema se passa necessariamente por seu reconhecimento, identificado o problema é bem mais fácil resolvê-lo, e é preciso reconhecer que o grande problema nosso é que para muitos dos nossos amados irmãos, não há mais satisfação em Cristo, as mensagens já não lhes mexem o coração, estão mortos espiritualmente, mortos andando, pregando muitas vezes, mas espiritualmente mortos, e enquanto não reconhecermos que estamos vivendo uma séria crise de identidade espiritual com Cristo, “discípulos” sem mestre, estamos vivendo num mundo encantado ficcional, muito distante da nossa realidade;

6) Será que a designação ou retirada de um obreiro de uma congregação irremediavelmente foi de Deus através deste ou daquele presidente quem o fez, é interessante entender-se que é uma questão discutível pelo foro competente que é o ministério, é evidente que na dúvida, é preferível obedecer, e que, não se deve trabalhar tratando a igreja como propriedade particular de nenhum obreiro, porém existem casos, muitos, de equívocos de designações, porque nenhum presidente é infalível, mas em muitos, falta dedicação, consagração e oração com tais objetivos, resultando em erros básicos, visíveis e que têm trazidos sérios danos a membresia, as vezes por falta de submissão, mas na maioria das vezes é falta de oração;

7) Jesus está voltando! Salve-se quem puder e quiser, porque a tendência é que o número de descomprometidos se multiplique, e a prova disto é o grande número de pessoas que são consagradas, sem o mínimo de observância aos princípios estabelecidos na palavra de Deus, o manual ainda é prevalecente e quem o atenta dificilmente erra. Impressionam no modo de falar, são agradáveis, vestem paletó, querem aparecer, mesmo sem ser! Não tem problema este é o homem! E tem mais, todo ano tem que subir um degrau, porque a idéia de muitos que apresentam é até boa, a de gerar filhos, mas a geração de filhos, deve ser precedida por RESPONSABILIDADE, depois de gerado só Deus é quem pode tirar-lhe a vida.