quarta-feira, 22 de abril de 2009

FALSOS MINISTROS NA 39ª AGO!

"Os presbíteros que receberam credenciais de ministro para votar, mas não foram consagrados, por favor, queiram se retirar do plenário" (Pr. José Wellington, Presidente da CGADB, durante a plenária da tarde de ontem).

O "esquema" denunciado é o seguinte: o indivíduo (geralmente um presbítero) recebe uma credencial de ministro para votar, sem ser ordenado ou consagrado em suas igrejas ou convenções, apenas para beneficiar o candidato apoiado .

O "mundo" já sabe que na igreja, assim como em todos os segmentos há gente séria, mas, também, temos oportunistas infiltrados.

Dizer que é pastor ou crente é uma coisa, ser de verdade é outra!

"Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniqüidade." (Mt 7.21-23)

16 comentários:

Eliel Ferreira disse...

Isso é mesmo uma palhaçada!!!... O circo chegou ai e armou suas tendas pra passar todos esses dias.
Seria muito interessante que os nomes de tais falsos ministros fossem divulgados. Gostaria também de saber se ao retornarem para as suas cidade e igrejas, eles terão que pedir perdão, no minimo, no culto administrativo, se serão afastados/disciplinados temporariamente como aconteceria com um "membro comum".
Prezado Pastor Altair, sei que se for do seu conhecimento o Srº me responderá: existem casos desses (falso ministros) no comitiva da nossa COMADALPE?
Depois esses travestidos de ministros vêm subir no púlpito das nossas igreja e falar sobre/querer ser tratado com autoridade espiritual... com esse tipo de comportamente, tais elementos, sequer, tem autoridade dentro de suas próprias casas.
Senhor, enche o teu povo de sabedoria e ajuda-nos a identificar esses falsários e rejeitá-los pela autoridade do Teu Nome.
Pastor Altair, parabéns pelas postagens e pela coragem de denunciar esses absurdos.

Eliel Ferreira

Dc. Gilmar Dayvid disse...

É lamentável, mas assim como no meio secular existem apadrinhados políticos prometendo secretarias, candidaturas patrocinadas etc, também existe em nosso meio, pastores credenciados só pelos homens da terra e não por Deus. Essas pessoas são devedoras de favores políticos a quem as indicou, dai sabemos que nestas circunstancias o prejuiso para igreja é incalculável.
Pastor Altair, o Senhor acredita que nesses últimos dias, onde o aumento de lideranças com desvio de conduta tem aumentado grandemente, a igreja evoluirá positivamente, ou isso tudo é o começo de uma apostasia já descrita na bíblia para os últimos dias?

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Eliel, graças a Deus nossa COMADALPE está livre desta doença.

Paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Diácono Gilmar, sem dúvida alguma, a postura presente da liderança, se boa ou ruim, influenciará o nosso futuro como igreja no Brasil.

Abraços!

Anônimo disse...

amado irmão
quando vai começar a votação para elerger o novo presidnete da cgadb
OU SIMPLESMENTE DECLARAR A vitoria do atual ldier da cgadb.


abraços

Daladier Lima disse...

Chamo a atenção para: 1) Quem emite a carteira de ministro é a CGADB. Logo somente os que já são ministros há algum tempo estão credenciados para votar eletronicamente; 2) Se este controle foi burlado, ou seja, se a urna aceita o voto de qualquer um, então é uma falha grave e vai manchar o evento (como aliás, já o está). O que mais podemos esperar? 3) Se na lista de janeiro existem presbíteros inscritos como ministros, é mais uma das razões para impugnar a eleição!

Vagner Ramos disse...

Ótima observação Daladier Lima. E é porque o controle foi feito pela CGADB, e que a comissão eleitoral rejeitou o pedido de impugnação da chapa "CGADB para todos" referente aos pastores que se inscreveram fora do prazo. Agora o atual presidente pede "para se retirarem", presbiteros não consagrados, como se a CGADB não tivesse responsabilidade pelo erro. De quem a responsabilidade pelo credenciamento?

Vagner Ramos disse...

Matéria sobre o pedido de impugnação vc encontra aqui:
http://fronteirafinal.wordpress.com/2009/04/07/comissao-eleitoral-indefere-impugnacao/

marcioandrade1974 disse...

PASTOR ALTAIR,A PAS DO SENHOR! SE OSENHOR SE ENCONTRAR COM O PASTOR DONIZETE INÁCIO DE VIÇOSA-AL DIS PRA ELE VOLTAR LOGO PRA CÁ QUE TA FAZENDO FALTA,E PRA ELE VOTAR NO MELHOR PRA AD BRASIL ELE SABEM É O MELHOR.DÁ UM ABRAÇO NELE.
MÁRCIO ANDRADE.

Anônimo disse...

Pastor Altair,

Graça e Paz, da parte daquEle "em quem não a mudança nem sombra de variação".

Os demais, são todos falhos. Quando nos deixamos guiar pelo dono da seara, acertamos. Quando andamos segundo nossos desejos, erramos.

Quero tecer algumas considerações acerca do que o amado Pr citou.

Quem são os falsos "ministros"? Não havia uma lista prévia com os nomes dos pastores e suas respectivas convenções?

Se um presbítero apresentou-se com uma credencial falsa isso não seria facilmente identificável? Ou não?

Faço coro com o irmão Daladier Lima, se em janeiro já se dispunha da lista dos pastores habilitados a votar e essa lista foi enviada às convenções estaduais, como poderia entre eles haver nomes de presbíteros como se fossem pastores e suas respectivas convenções não detectou esse erro - que, cá entre nós, é gravíssimmo.

Se o Pastor José Weliington foi informado que esses falsos ministros estavam em plenário, por que não os identificou, desmascarando-os?

Não quero fazer juizo de valor, mas, pelo que estamos acompanhando aqui no Rio Grande do Norte, e sabendo que a comitiva de pastores que daqui partiu para o evento é declaradamente pró continuação - leia-se Pr José Wellington - não me estranha que essa denúncia seja um factóide, visando prejudicar o pastor Samuel Câmara.

Respeito o voto do amado irmão, o senhor tem a liberdade de optar pela continuação do atual presidente, contudo, bom seria que nos fornecesse nomes. Assim como está posto deixa tudo muito vago.

Não tenha dúvidas que muitos fatos novos ainda surgirão, daqui até o final da apuração dos votos.

Que o Eterno se compadeça de todos nós. O que não se faz para "segurar" uma cadeira, não é mesmo?

Aliás, quando ganha um presidente da CGADB? Não vou constrangê-lo pedindo-lhe a resposta a esta pergunta. Contudo, lembremos que até o salário do presidente da República Federativa do Brasil é do conhecimento público. Porque os crentes assembleianos somos impedidos de saber quanto ganham nossos líderes. Eu sei, e a igreja sabe, quanto ganha o nosso pastor.
Não há pecado algum nisso, pois: "digno é o obreiro do seu salário", diz a Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada.

Em Cristo Jesus, orando para que
coisas de somenos importância não nos distancie tanto do alvo que nos foi proposto: ganhar almas para o reino de Deus.

Pr. Carlos Gonzaga de Melo

Anônimo disse...

Em 1987 em Salvador tem inicio um ´´racha´´ na AD´s do Brasil, quando pastores, sob alegação de invasão de campos, sob a liderança e pressão de muitos companheiros que ainda hoje, passados mais de 20 anos , continuam agindo. é lamentavel os fatos que envolvem a eleição da CGADB, não bastassem as constantes divisões , fragilizando nossa unidade, alguns que de assembleianos nada teem, alias deveriam assumir as suas comunidades liberais, sem ostentar o ´status` de pastores das AD`S, fazem de nossa denominação uma verdadeira ´´colcha de retalho´´, muitos se filiam via ´´convenções regionais`` e depois buscam o referendum da CGADB, com todo respeito, muitos agem como aves de rapina, abrigando-se na grande Arvore chamada AD, LAMENTAVEL! será que desconhecem a oração de CRISTO no CAP 17 do EVAG. de João, sobre a unidade da igreja? é tempo de união do povo de Deus e pricipalmente do obreiros do senhor. será que já esquecemos que é o senhor que dá pastores a igreja?? EF 4:11 que Deus direcione cada convencional.

Gilson disse...

Prezados,
Porquê um Presbítero não pode ser considerado um ministro? Em que sentido ele é considerado? Por favor me respondam.

"Os presbíteros que receberam credenciais de ministro para votar, mas não foram consagrados, por favor, queiram se retirar do plenário" (Pr. José Wellington, Presidente da CGADB, durante a plenária da tarde de ontem).

Anônimo disse...

Porque Presbítero não pode ser considerado como ministro? Qual o fundamento bíblico?

Na lição bíblica da revista deste trimestre na leitura diária lemos:
..Os ministros da Palavra são cooperadores de Deus;
..Os ministros da Palavra são embaixadores de Deus;
..Os ministros da Palavra devem ser exemplo em tudo;
..Os ministros da Palavra devem buscar a perfeição;
..Os ministros da Palavra devem ser aprovados;
..Os ministros da Palavra e seus frutos.

O que é ser ministro??

Anônimo disse...

"Os presbíteros que receberam credenciais de ministro para votar, mas não foram consagrados, por favor, queiram se retirar do plenário" (Pr. José Wellington, Presidente da CGADB, durante a plenária da tarde de ontem).

Porque os Presbíteros não podem ser considerados ministros?

Pb Gilson - Assembléia de Deus - Pr

Pr. Daniel Marcos disse...

Eu estava no plenário quando o Pr. José Wellington deu esse brado, foi pouco antes da votação para a homologação de uma convenção do Rio de Janeiro. A partir dai comecei a observar em detalhes "os modos" dos nobres companheiros, e infelismente o que vi foi verdadeiros "meninos" com credencial de pastor, não posso julgar, nem requerer idade para ser ministro, não sou tão velho assim. Mas fui mais longe e me aproximei de alguns deles para conversar, sobre liturgia, pregação da palavra, teologia, evangelismo, e o que vi foi de cair o queixo o que eles apenas sabiam fazer era cantar hinos da harpa, rsrsr, pelo menos isso.

Pr. Daniel Marcos
http://www.pastordanielmarcos.blogspot.com

PASTOR DAVIDSON disse...

NOTICIA IMPORTANTE
SOBRE A CGADB:


O Pr. Davidson Gomes Vieira ingressou com representação na CGADB postulando a instauração de processo administrativo em face do Pr.SAMUEL CÂMARA em razão da flagrante conduta aética consubstanciada por seu ofensivo pronunciamento, levado ao ar em programa televisivo no dia 13 de junho de 2009. Espera que o Conselho de Ética e Disciplina cumpra efetivamente o seu papel.

ESCLARECIMENTOS


A representação não adentra ao mérito do pronunciamento do Pr. Samuel Câmara, ou seja, ela não discute se são ou não verossímeis as denúncias por ele perpetradas, até porque, seu humilde subscritor (Pr. Davidson), na qualidade de simples convencional, jamais se arvorou postar-se como advogado da CGADB e de seus inscritos.


A representação (direito de petição de todo convencional) foi formulada sob os pressupostos do próprio Estatuto e Regimento Interno da CGADB, não se trata de peça difamatório ou de qualquer conteúdo ofensivo à notável ilibada honra do Pr. Samuel Câmara, valendo frisar, que o Representante (Pr. Davidson Gomes Vieira) na qualidade de advogado não poderia esquecer que segundo as próprias regras estatutárias e regimentais poderá, também, sofrer da sanção administrativa, caso não comprove a verossimilhança de suas alegações feitas em desfavor do Pr. Samuel Câmara.


A mencionada representação busca ver declarada a gritante falta de ética do Pr. Samuel Câmara, em trazer ao seu programa televisivo (assistido por milhares de pessoas), denúncias contra a CGADB de fatos que tratados sob o crivo de uma ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA composta da presença de mais de 14.000 pastores, foram ali sanados com a aprovação das contas.


Ora, não se discute a boa ou má gestão da mesa diretora, o que se discute é o fato de um membro, quiçá, perturbado ou não com sua derrota no recente pleito à presidência, tenha a ousadia de vir a público conspurcar a honra da instituição que almeja presidir e dos colegas a quem deve o amor cristão, fomentando a discórdia entre irmãos, quando pelo próprio mister de seu ministério tinha a obrigação de lutar pela união de seus pares e sobretudo não olvidar do direito à dignidade humana, impondo freio à sua solta língua.


Aliás, por ocasião da Assembléia Geral, o Pr. Samuel Câmara teve e usou largamente o direito à palavra e, se ali não fez prevalecer suas convicções, certamente não lhe era lícito usar de seu programa televisivo para de maneira totalmente cômoda incriminar de modo indevido e inoportuno, em local inapropriado fazer denúncias contra quem ali não se encontrava para se defender, agindo assim, com evidente ânimo de difamação.


Imaginem, nos ministros, que tendo nos tornados desafetos de alguém que nos confidenciou suas mazelas em razão de nosso ofício sacerdotal e, que por conta do rompimento da relação de amizade venhamos tornar público aquilo que era confidencial sob o discurso da “transparência” . Não seria no caso a dilatação um mal maior do que o próprio pecado da ovelha? Como afirmou o reverendíssimo Pr. Marco Feliciano em seu recente glorioso pronunciamento sobre a eficácia da fofoca, da calúnia e da difamação: “A quem aproveita o escândalo senão ao Diabo?” Por que utilizarmos de caminhos escusos quando temos caminhos legítimos para expor nossos ideais e promover nossas defesas?


Pr. Davidson Gomes Vieira
MEMBRO DA CGADB