quinta-feira, 5 de março de 2009

MENINA DE 09 ANOS ABORTA GÊMEOS: ÉTICA CRISTÃ

(IMAGEM: JC ONLINE)

" menina de 9 anos submetida a um aborto após ser estuprada pelo padrasto não receberá alta nesta quinta-feira (5). [...] Após o procedimento, o arcebispo de Olinda e Recife, dom José Cardoso Sobrinho condenou veementemente o aborto na menina. Ele reafirmou que a "lei de Deus está a cima de todas as leis humanas", e que as pessoas que participaram do aborto e o apoiaram estão excomungadas da Igreja Católica, pois, na opinião dele, os fins não justificam os meios." (Leia em JC ONLINE)

O caso aconteceu aqui em Pernambuco. A menina foi estuprada pelo padrasto, ficou grávida de gêmeos, os médicos se pronunciaram favoráveis ao aborto devido aos riscos da gravidez, o pai (evangélico) não aprovou o aborto por princípio ético cristão, a mãe optou pelo procedimento abortivo e o arcebispo católico de Olinda/Recife, Dom José Cardoso Sobrinho declarou que todos que participaram do aborto ou apoiaram estão escomungados da Igreja Católica.

A imprensa e a opinião pública reprovaram a postura do arcebispo, chamado inclusive de inquisitor. Assista por exemplo, o pronunciamento do Arnaldo Jabor no link abaixo:

Em nome do progresso e da modernidade, e com uma interpretação liberal da Bíblia, a metralhadora foi disparada.

Mas o que pensa a liderança cristã evangélica sobre o caso? Do lado de quem deveríamos ficar? Dos médicos, que temeram pela integridade física e pela vida da menina grávida, do pai da garota que optou pela preservação da vida dos gêmeos, da mãe que pensou também na vida da filha, do arcebispo que condenou o aborto por princípios e dogmas católicos, ou da opinião pública fundamentada nas idéias pós-modernas de ética, valores morais e Bíblia. O mais simples nesta história, é que certamente, ninguém vai ficar do lado do estuprador.

Minha opinião? É claro que vou dar. Em primeiro lugar, buscaria a Deus em oração diante do conflito ético. Havendo silêncio, e restando a Bíblia e a minha consciência para nortear minhas ações, sendo a favor da vida em toda e qualquer situação, não aprovaria o aborto. Agora, no caso de um real conflito ético entre a vida da mãe e dos embriões, opto pela vida da mãe. Não me submeteria, nem temeria de forma alguma a opinião pública.

17 comentários:

Enfoque Gospel disse...

Concordo com o prezado pastor. Realmente diante do aborto não importa o quão afetados fiquem nossos sentimentos devemos optar pela bíblia sempre e pela vida. Entre a mãe e a filha , a mãe por ser o ser que já tem vivencia social é o que deve ser escolhido. Não sei se o caso da jovem menina era esse, como confiar em uma mídia cuja ética é pautada na audiência ou em médicos cuja orientação ética segue princípios pessoais? Condeno o aborto e todo aquele que o pratica, na verdade, se não for o caso da exceção citada, comete assassinato. O aborto tão elogiado hoje pela imprensa como atitude pro - mulher e pro - direitos humanos não reconhece o direito a vida do feto. O aborto é o poderoso erguendo os braços contra o indefeso. O que temo é que as barreiras éticas cada vez mais se tornam mais tênues em casos como esses. Em parte me alegrei ao ver uma voz contra o ato embora lamente que a igreja protestante tenha se calado. Creio que se a igreja deseja ser uma voz a ser ouvida nesse deserto, devemos olhar nossas vestes e retirar o manto da hipocrisia, descriminamos o aborto, mas quantas mulheres de nossas igrejas têm abortado as escondidas, abortos frutos de uma vida promiscuíam e hipócrita? Somos contra o homossexualismo, mas se um irmão cai na prática ou continua com esta depois da conversão, se este tem um talento atrativo ignoramos o pecado e o escondemos. Fui batista e hoje sou assembleiano e quando em reúno com outros lideres de outros ministérios vejo como a igreja se tornou uma nova igreja católica romana medieval. Se a igreja deseja ser a voz profética dos últimos dias devemos mudar o que deve ser mudado, devemos abandonar a atitude de só ficar no discurso e agir dirigidos pelo espírito. Aborto e homossexualismo ao lado de temas como corrupção de liderança e heresia são temas escanteados de nossas pregações e ensino.

Jarson Brenner disse...

Olá Altair, realmente é um caso lastimável o dessa menina, falei sobre isso no meu blog também por esses dias.

É, no mínimo, curioso ler um texto de um pastor assembleiano falando sobre Maria de forma tão apaixonada. Não idolatrando/venerando pois daí cairia na heresia mariolatra. Pois bem, parabéns pela lucidez, caro Geremias.

Gostaria que visitasse meu blog e deixasse um comentário na postagem desse quinta-feira, eis o link http://conphissoes.blogspot.com/2009/03/pentecostais-anti-pentecostalismo.html

Ressalto que seu blog está na minha blogroll e sempre confiro seus textos.

Abraço e fique na paz.

João Paulo Mendes disse...

Paz do Senhor,

Realmente o caso não é nada simples. como o Pr disse somos a favor da vida, mas se estivesse em nossas mãos, a decisão, certamente buscaríamos em oração uma orientação do Senhor sob a luz de Sua Palavra.
Cabe a nós refletirmos, sob oração, sobre o tão delicado assunto.
Que o Senhor nos ajude.

Abraço,

João Paulo

Esdras Costa Bentho disse...

Kharis kai eirene

Prezado Pr. Germano, li o texto. Considero muito importante que a blogsfera cristã discuta assuntos contemporâneo relevantes. O Pr. César (www.marketingparaescoladominical.blogspot.com) está discutindo a questão e também suscitando alguns problemas éticos, eclesiásticos e bíblicos a respeito da problemática. Inclusive, como posicionei-me naquele espaço, irei limitar-me aqui, cuidando apenas da seguinte declaração do amigo:
“Agora, no caso de um real conflito ético entre a vida da mãe e dos embriões, opto pela vida da mãe. Não me submeteria, nem temeria de forma alguma a opinião pública.”
No caso em questão, gostaria apenas de suscitar algumas indagações para que possamos discutir o assunto, se bem que o amigo já decidiu: “Não me submeteria, nem temeria de forma alguma a opinião pública.”

1º É lícito matar duas vidas para salvar uma? A pré-adolescente estava grávida de gêmeos. Portanto, duas vidas foram sacrificadas para salvar apenas uma! Isso é fato.

2º Os pais estariam errados se, em caso de a gestante correr risco de perder a vida, optassem pela vida do feto? O amor não é sacrifical? Uma vida não foi dada para que a de muitos fosse preservada?

3º Os médicos costumam orientar aos pais que, no caso de uma gravidez de risco, eles irão optar pela vida da mãe. Todavia, se por amor aos filhos a mãe juntamente com o pai discordar da posição médica, o médico não deverá respeitar essa decisão?

Sei que essas questões são complicadas e não expressam também a minha opinião, mas as levantei para os nossos amigos discutirem e refletirem sobre isso.

Anônimo disse...

a paz do Senhor.
o caso da menina que foi estrupada pelo padrasto e engravidado a garota, tem repecudido sobre todo o país. mas o ponto dificil a ser descidido era a questão do aborto.
nós cristão procuramos preservar a vida de acordo com a lei de Deus, observamos que no ventre desta garota tem duas vidas + a vida da garota.
a lei humana dar algumas sugestões de apoio ao aborto e umas delas é quando a gravidez põem em risco a vida mãe; se a criança nascer a mãe morre e assim vice e versa.
não estou de forma nenhuma dando apoio ao aborto mas nesse caso a opção seria o aborto do feto. até porque a mãe ainda é uma crinça, e
sua estrutura fisica não formada para essa nova fase de vida até porque sua fase ainda de criança.

Elisomar disse...

Esta é uma questão de difícil julgamento. Não é a primeira vez na história que nos deparamos comsituações semelhantes: ficar entre a fé cristã e as questões éticas de difícil resolução.
E se a garota viesse a òbito pela interrupção da gravidez? Apesar do risco ser menor pelo progresso da medicina, a indução do trabalho de parto em uma criança de nove anos que já estava com quatro meses de gravidez gemelar, também constitui um risco, e grande!
Considerando a idade e a estrutura física da garota,sabemos que é uma gestante de alto risco do ponto de vista médico.
Foi preciso levar em consideração que a mãe é uma pessoa em potencial, enquanto que os fetos estavam em processode desenvolvimento, mas que já eram duas que foram ceifadas e que um dia poderiam ser úteis não só a sua família como ao mundo.
Em decisões deste tipo, é preciso ouvir a voz de Deus, isto é, quando a pessoa sabe e crer que Deus fala. é como disse o pastor Altair: Em primeiro lugar busca-se ouvir a Deus, se não se houver resposta, busca-se a ética bíblica e a consciencia, mas nunca a opinião pública. "Pois ela não tem escrúpulos quando a questão é acusar.
Respeito a opinião individual de Dom José Cardoso Sobrinho, mas excomungar o povo por este motivo, é muito contraditório, já que não existe na história do mundo, outra religião que tenha acatado tantos abortos em nome dela mesma, e em situações bem comum.

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado amigo e pastor Esdras Bentho,

não há uma única e padronizada solução para os vários conflitos éticos.

Diante de outras possibilidades no caso específico, como as citadas por vc, outras análises caberiam, e novos caminhos poderiam surgir.

- É lícito matar duas vidas para salvar uma? Depende das circunstâncias. O fator quantitativo nem sempre servirá de base para este tipo de decisão ética.

- O pai e a mãe se optassem pela vida dos gêmeos em detrimento da vida da menina gestante, estariam errado? No caso específico, a opinião médica/técnica tem um importante valor. A continuidade desta gestação poderia colocar em risco a vida da menina e dos gêmeos. Ao final, todos poderiam morrer. Penso que assim, repito, neste caso, seguir a opinião médica seria o caminho mais sensato para os pais.

Dá até para levantar uma questão filosófica: o que é o certo? o que é o errado?

Fiquemos por enquanto com o caso e a realidade concreta em discussão, o que já é um problemão.

Minha opinião é meramente pessoal e circuntancial, não encerra a questão..

Abraços e paz do Senhor.

Marcos Serafim disse...

Caro Pastor Altair:
Confesso que fiquei chocado pelo caso dessa menina de 9 anos estar grávida de gemelar e o que pior, estava grávida do padrasto.
A meu modo de ver há algo muito sério que o caso da pedofilia que cresce asustadoramente,pois quase todos os dias vemos noticias estarrecedoras como essas.
Precimos considerar algumas coisas à respeito do caso:
1- É uma criança de 9 anos sem condicoes fisicas e psiquicas de cuidar de ambos - segundo o médico disse de a menina não ter estrutura femina adequada para a gestação das crianças
2- A gestação estava sendo complicada.
3- Leis Federais que regem o nosso país deram suporte aos médicos,e a mãe que concordou diante do exposto pela medicina.
4- A mãe (menina de 9 anos) teria condições para responder por ela uma questão complexa com essa?
Quanto ao fato do Arcebispo Dom José Cardoso Sobrinho ter dito tais palavras , a minha pergunta é - ele é pai? sabe o que ser pai?
Porque se soubesse, como eu e o senhor sabe, pensaria algumas vezes para declarar o que declarou.
Concordo com sua postagem.

www.blogdomarcosserafim.blogspot.com

Em Cristo Sola Fide Marcos

Vitor Hugo da Silva - Joinville, SC disse...

Deixemos um pouco a ortodoxia de lado, e pensamos agora na vida. Esta que desde de o início fora guardada e evidênciada por Cristo. Certa feita os discípulos colherem espígas no sábado, fato este proíbido pela lei. Porém, Cristo priorizou a vida, ao fator da lei. Neste caso, de fato, é muito fácil falarmos que não abortaríamos, pois não é nossa filha que se encontra ali. É extremamente confortável dar um parecer em a mãe dar a vida pelas filhas. Porém, a idade da menina conta como um fator relevante neste caso, pois assim como as crianças, esta menina (9 anos) tem uma vida toda pela frente. Isto sem contar, que a mesma já está inserida na sociedade. Mas a discussão continua...

Vitor Hugo.

Anônimo disse...

O pastor esdras bento colocou umas questoes interessantes!
para ser mais exato sinuca de bico
mas fica uma perguintinha: Porque o nobre religioso nao excomungou os religiosos de sua ordem pedofilos tambem ?


WWW.EXEJEGUES.BLOGSPOT.COM

Matias Borba disse...

Paz do Senhor a todos!

Essa questão sempre será envolvida com questões éticas, morais e sociais e aqui tenho visto a coerencia dos leitores com excelentes comentários.

Mas o que mais me chamou a atenção foi o texto do Nobre Pr. Esdras Costa Bentho, sem dúvida bastante coerente e sábio, porém o que muito me chamou a atenção foi a parte em que se fala:

"Os pais estariam errados se, em caso de a gestante correr risco de perder a vida, optassem pela vida do feto? O amor não é sacrifical? Uma vida não foi dada para que a de muitos fosse preservada?"

Entendo bem que o Amor é sacrificial e que Jesus serviu de um grande exemplo dando a vida por pessoas que o rejeitam até hoje, porém gostaria de ressaltar que:

1: Neste fato fica claro que a gravidez sendo mantida, o risco de a mãe vir a morrer era visível pelo fato de que o corpo da mãe ainda esta em processo de formação, até mesmo uma cesáriana poderia trazer consequecias fatais.

2: Sabemos que o amor é sacrificial, porém neste caso quem ja vive no contexto social, a mãe que ainda é uma criançã ou os fetos que mesmo tendo vida ainda estão so formando?

3: Sem dúvida sabemos que os pais em casos como esse certamente ficariam do lado da opinião médica, (apesar que neste caso o pai foi contra pelo fato de ser Cristão protestante, apenas concordou pelo fato da mãe da menina está de acordo com os médicos)mas devemos considerar que em casos assim os pais ficam sem saber como agir pela gravidade em questão. Só que passa por uma situação dessas é que pode falar com muita sensibilidade como é dificíl raciocinar corretamente, dar nossa opinião pode ser até menos complicado mas os pais decidirem sobre um caso desse é algo muito complexo.

Este caso é algo que por mais que tetemos finalizar, sempre havéra mais um tema a ser abordado.
Deus abençoe!

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro Pr. Altair Germano,
Graça e Paz!
A cada dia somos surpreendidos com situações como a aqui referida, quando chegamos à conclusão de que nada sabemos.
Por mais que cada um de nós possamos divagar sôbre o tema, finalmente chegamos a conclusão que temos uma opinião, mas esta, como bem disse o preclaro companheiro, não põe um ponto final na situação.
Essa é uma verdadeira tragédia humana.
Só mesmo pedindo direção a Deus, pois afinal, cada caso é um caso.
Oremos por essa família.
Um grande abraço!
Pr. Carlos Roberto

Anônimo disse...

Prezado Pastor, Saudações no Senhor Jesus Cristo !!!

Somos cônscio que o assunto abordado e complexo. No entanto acredito que antes de tudo precisamos sair da nossa posição hipócrita. É muito fácil até falar ou posicionar sobre o assunto, afinal não somos a atração principal. Ora quando o anjo anunciou a concepção do Senhor Jesus Cristo a Maria foi um grande benção do Eterno Pai. No entanto vamos pensar um pouco ela já era mulher com todas as condições para geração de uma criança, no entanto pergunto aos nobres pastores se esse acontecimento fosse no presente século ela sendo uma Assembleiana de vida exemplar filha de um Pastor líder da Igreja. Será que nosso comportamento não seria de autentica discriminação. Ora uma criança de nove anos com dois filhos em seus braços ....já pensou ....Somos a favor da vida acredito fielmente na palavra de Deus..no entanto tanto atos muito mais simples que recebemos a orientação de Deus...não cumprimos inclusive as lideranças que possuem o papel fundamental no direcionamento da Igreja Assembleiana no Brasil...imagine um caso desse.

Anônimo disse...

o que mais me chamou a atenção nestes comentários do seu bog estimado pastor, foi o fato de colocarem somente a vida dos gêmeos ou a da mãe, e se esquecerem da dor desta menina em sentido amplo como ser humano. essa gorata sofreu abusos em silência desde os seis anos de idade, por um ser desprezível a quem chamam de padastro e que representava para ela uma figura paterna. Ella teve sua dignidade, integridade, infância, respeito... jogados no lixo! e vocês vêm falar sobre os fetos.que lástima!!! além da gravidez comprometer é claro a vida dos fetos e da mãe, não devemos nos esquecer do lado psicológico da mãe em ter que conviver com o froto da dor que ela sofreu. Também gostaria de saber sua opinão pastor e os demais, se fosse sua filha? se você separasse de sua mulher, ela fosse morar com outro homem e o mesmo acontecesse com sua filha? a sua decisão seria tão fria quanto a sua resposta! sabe porque? porque o senhor nunca foi vitima de uma violência dessas e nunca gerou um filho no seu ventre pra saber o que é sentir a dor de ver uma criança gerando outra criança. espero que minha posição seja postadata como comentário, a não ser é claro que o seu bolg não seja democrático! agradeço a participação.

Elisomar disse...

Irmão anônimo,
Vou responder essa sua pergunta, uma vez que eu sou uma dos "demais".
Esse assunto não foi discutido, porque não fazia parte do contexto. Acredito que nenhum dos irmãos que fizeram comentário teve a intenção de ignorar a dor da menina tampouco o estado psicológico da vítima ou familiares.
Seríamos mau caráter, se agíssemos dessa forma.

Anônimo disse...

A paz de Cristo a todos.
Nos dias em que vivemos aonde o que impera é a falta de sentimentos favoráveis ao próximo vem a público de forma a deixar os menos desenformados com espanto o fato ocorrido com tal menina.
Me causa espanto é em saber que pessoas como nós que conhecemos acerca dos acontecimentos do últimos dias nos alarmamos com fatos dessa natureza como se fosse surpresa esse e outros fatos semelhantes.Infelizmente esse não é um caso isolado pois o mundo está em degradação acelerada.
Todos os conhecedores de uma ciência teem resposta para a área que dominam.E qual é a ciência do cristão?:_A BÍBLIA!Ela nos ensina a julgar não a pessoa mas o caso com retidão e não segundo o nosso parecer.A BÍBLIA condena o aborto pois ela está acima de qualquer carta magna.Quem escolhe quem vai viver ou morrer só é um (DEUS).
Quanto ao padrasto(Maria Madalena) JESUS diz:_Quem tiver sem pecado que atire a primeira pedra.
ANTONIO MACIEL DC IADEMI SEDE Pa
Belém Pa 17 03 2009 01:20

JOSUÉ disse...

ANALISANDO OS COMENTÁRIOS FEITOS, SENTI DE FAZER TAMBEM O MEU:
O ABORTO EM CISCUNTÂNCIAS NENHUMA É APROVADO POR DEUS, A NÃO SER O ABORTO INSTANTÃNEO, INESPERADO.
JÁ QUE A MÍDIA E AS JUNTAS MÉDICAS RODEARAM TANTO O PROBLEMA EU ACREDITO QUE SE FOSSE FEITO UM ACOMPANHAMENTO DE PERTO A ESTA GAROTA ESPERANDO CHEGAR AO SÉTIMO MÊS DE GRAVIDEZ SE FIZESSE UMA CESRIANA; ATÉ PORQUE UM FETO DE 7 MESES PODE SOBREVIVER NUMA ENCUBADORA. MAS NÃO VI ESTA POSSÍVEL OPÇÃO POR PARTE DOS MÉDICOS A NÃO SER PELA DO ABORTO. EU ACREDITO QUE ALGUMA COISA PODERIA TER SIDO FEITA PARA SALVAR ÀQUELAS TRÊS VIDAS.

JOSUÉ DE SOUZA