quarta-feira, 1 de abril de 2009

CORINTO - UMA IGREJA FERVOROSA, MAS NÃO ESPIRITUAL. Subsídio para Lição Bíblica

No próximo domingo, estaremos com o início de mais um trimestre na Escola Dominical. A Lição que será estudada trata de um tema extremamente necessário para os dias atuais: Os problemas da Igreja e suas soluções.

Aqui em Abreu e Lima-PE, convocamos todos os dirigentes, secretárias e professores para a abertura do trimestre, no estudo prévio da lição, sábado, às 19h00, no Templo Central.

Fervor, animação, gritos, barulho, histeria e alguns "fenômenos esquisitos", nunca foram sinônimo da verdadeira espiritualidade, muito embora os mais vulneráveis e valorizadores destas manifestações externas pensem e preguem diferente.

Dê "um glória", "fala em línguas", "abre a tua boca", "tira o pé do chão", "desmancha essa cara de delegado" e outros termos, tornaram-se chavões de pregadores animadores de auditório, distorcendo o verdadeiro sentido e propósitos destas expressões.

A coisa tomou uma proporção tão grande, que até nos dias atuais, em muito cultos, tem pessoas que constrangidas pelo que se convencionou ser um "crente espiritual", para se adaptar aos padrões estabelecidos, negam a sua própria personalidade e individualidade.

Não há nada de errado com a maioria destas expressões e com um comportamento eufórico. O errado está nos abusos, nos excessos, nas equivocadas motivações e na contradição entre a conduta no culto e a vida privada (e até pública).

Existem crentes, que na mesma proporção que falam em línguas, maltratam a mulher, o marido, os filhos e os pais. São caloteiros, presunçosos, arrogantes, fofoqueiros, semeadores de contenda,
mentirosos, facciosos, infiéis, empregados enganadores, patrões exploradores, etc.

Definitivamente, fervor não é sinônimo de espiritualidade. Por vezes, muito barulho e animação é uma tentativa consciente ou não, de esconder a realidade. Não adianta fazer "avinhaõzinho" ou "trenzinho", "marchar", dá "tiro", "rolar no chão", "cair no espírito", "chiar", "uivar", "urrar", pois estas coisas não provam nada, a não ser, em muitos casos, o desequilíbrio emocional e até mental, e na melhor das hipóteses, pura "meninice". Neste último caso, é preciso ter sabedoria para não matar os "meninos". Eles precisam ser orientados com amor e paciência, para poderem alcançar a maturidade.

Por outro lado, ser maduro não é ser frio, indiferente, azedo, amargo, insensível. Ser espiritual e maduro não nos impede de glorificar a Deus, de buscar e permitir que o Espírito manifeste em nós os seus dons. Como espirituais nos alegramos, rimos e choramos na presença do Senhor!

Poder de Deus é poder que realiza, que faz, que se importa, que ama, que prega, que socorre, e não meras demonstrações sensacionalistas e puramente emotivas.

Não é pela quantidade ou intensidade das manifestações dos dons espirituais (ou supostas manifestações), que se conhece a verdadeira espiritualidade de um cristão, mas sim por suas obras, pelo fruto do Espírito em sua vida;

"Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã. A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo." (Tg 1.26-27)

"Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei." (Gl 5.22-23)

QUANTIDADE E QUALIDADE NA IGREJA

Vivemos numa época onde a mania de grandeza invadiu a igreja. Ser pastor de mega igreja dá um status diferenciado, mesmo que o referido pastor não conheça, nem cuide das ovelhas lhe confiadas. Muitos irmãos vão na mesma direção. Batem no peito e se orgulham de congregarem numa "catedral", considerando os irmãos das pequenas igrejas como crentes de um nível sócio espiritual mais baixo.

Quantidade não é sinônimo de qualidade. Contemplamos o ressurgimento da mentalidade constantiniana e medieval (Leia O CULTO E O TEMPO).

Muitos se entusiasmam mais pelo crescimento quantitativo, do que pelo qualitativo. Não me empolgo quando a mídia fala de crescimento dos evangélicos, ou de alguma igreja específica. No Brasil, ser ou declarar-se evangélico tornou-se algo banal. Virou moda. A grande questão não é se alguém é evangélico ou não, mas, se já nasceu de novo e vive em santidade diante de Deus, buscando dia a dia conhecer e fazer a sua vontade.

Leia mais em UM BRASIL EVANGÉLICO?

FALSOS CRENTES NA IGREJA

Sobre este assunto, leia em PARECE, MAS NÃO É!

Para que tais problemas sejam minimizados na igreja (pois nunca deixarão de existir), é preciso que os líderes, professores de Escola Dominical, de discipulado e outros responsáveis pelo ensino e pregação, deixem de pregar sobre questões superficiais e supérfluas, para enfatizarem questões essenciais e básicas para o crescimento da fé e da verdadeira espiritualidade.

A espiritualidade de uma igreja e seus membros, está diretamente relacionada com a espiritualidade de seus líderes.

5 comentários:

Antônio disse...

O fato, a notícia e a fonte

Em função de pessoas que maldosamente foram iludidas por fakes (de fake – falso em inglês –, termo usado para denominar contas ou perfis usados na internet para ocultar a identidade real de um usuário), a ignorarem regras básicas, que regem a atuação jornalística, e considerando ainda o calor da disputa eleitoral da CGADB, com envolvimento tão notável, a ponto de causar espanto a membros dos TREs do Espírito Santo e do Rio Grande do Norte, para, em respeito a pessoas sérias, esclarecer (“Bomba” na eleição da Convenção Geral):
Fornteirafinal.Wordpress.com

abrç meu caro,

Pr. Mesquita

Terraconvida disse...

Interessante

Anônimo disse...

Me lembro de um caso Pr Altair contado por um irmão ,que ,um certo pregador ao iniciar sua pregação ele dizia dessa forma para impressionar os irmãos:
-olhem,Jesus acaba de chegar nesse lugar,Ele tá passando aqui,ali,acolá.
Quando terminou de pregar passou o microfone ao Pastor da igreja,esse , já de certa idade com seus cabelos brancos disse:
-Irmãos,faz 50 anos que sou crente,e pela primeira vez vejo Jesus chegar atrasado no culto.

Fica na paz do Senhor JESUS.
Marivaldo.

J. Carlos disse...

Embora concorde com o comentário de V. Sa., sobre o assunto em pauta, lamento profundamente que a nossa realidade seja exatamente outra, é perfeitamente observável nas nossas igrejas, que os pregadores triunfalistas são os mais considerados, tanto pela liderança, quanto pelos liderados, bem não começam, já têm DVD´s e CD´s gravados, já são conferencistas (aprendem a correr, antes de aprender a andar, é cruel. Haja inversão!), talvez muitas lideranças tenham cedido à esta moda, para ser mais agradável ao público, por promover emocionalismo, e não avivamento de fato, aliás, AVIVAMENTO, como andam os nossos cultos de avivamento, se não houver euforia (e até gosto, tudo bem dosado é ótimo), mas o que mais encontramos são pregadores dando o que não tem, desenvolvendo técnicas de alguns “bem-sucedidos” (jogue a mão pra cima de glória a Deus, profetize pro teu irmão aí do lado – profecia é coisa séria, tem que vir de cima, olha só que coisa linda, Jesus ta batizando aqui, ali, acolá e por aí vai), e o público recebendo algo inexistente, resultando em pessoas mais iludidas e menos convertidas, a ilusão leva a incredulidade, ao ateísmo e às práticas funestas, enquanto que o verdadeiro avivamento transforma, congrega, muda de dentro para fora.
Seria interessante que nossos líderes praticassem este ensino, dosassem e ensinassem a dosar bem a graça e o conhecimento, caso contrário estaremos seguindo os mesmos passos dos neopentecostais, se é que não o temos sido, será?.
Muito boa esta lição não quero perder uma.

J. Carlos

Heitor disse...

Concordo com o que o J.Carlos escreveu, principalmente quando relata que, a falta do verdadeiro e genuíno ensino Bíblico resulta em "pessoas mais iludidas e menos convertidas, a ilusão leva a incredulidade, ao ateísmo e às práticas funestas".
Já a presença do verdadeiro e genuíno ensinamento bíblico traz "verdadeiro avivamento, que transforma, congrega, muda de dentro para fora."
A MINHA ORAÇÃO É QUE MAIS E MAIS CRENTES EM JESUS BUSQUEN, VIVAM E MULTIPLIQUEM, NESTES ÚLTIMOS DIAS, O VERDADEIRO E GENUÍNO ENSINAMENTO BÍBLICO, QUE PRODUZ O VERDADEIRO AVIVAMENTO E TAMBÉM O REAVIVAMENTO PRÁ ALGUNS !