terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

TEXTO E CONTEXTO

“Diz o néscio no seu coração: Não há Deus” (Sl 14.1).

"Com certeza o leitor já ouviu alguém dizer que é muito perigoso utilizar-se um texto fora do seu contexto. A palavra texto está sendo empregada aqui num sentido bastante amplo, podendo significar um versículo ou até parte dele. Um exemplo bastante explorado para comprovar essa verdade é o primeiro versículo do Salmo 14. Basta que lhe retiremos a primeira parte para que fiquemos com a seguinte declaração bíblica: “Não há Deus”. Na realidade, não é a Bíblia que afirma isso. A íntegra do versículo esclarece que se trata de uma declaração do néscio (ignorante, estúpido, insensato).

Embora tenhamos consciência de que o contexto é fundamental na hora de utilizarmos um versículo, vez por outra, ouvimos, aqui e ali, alguém fazer certas citações sem levar em consideração esse princípio. É o que acontece frequentemente com o versículo 6 de Isaías 41: “Um ao outro ajudou, e ao seu companheiro disse: Esforça-te”.

Não resta dúvida de que esse versículo encerra uma das mensagens mais empolgantes que conhecemos, que podemos e devemos viver na hora de realizar um trabalho em conjunto, principalmente quando verificamos que alguns estão desmotivados e querendo desanimar. Ele guarda uma certa relação com a igreja, corpo de Cristo, que existe para funcionar articuladamente, de forma que todos caminhem na mesma direção, buscando alcançar objetivos comuns. Não foi à toa que até música foi composta para esse versículo.

Mas o que praticamente ninguém esclarece é que o versículo é citado num contexto de idolatria. Enquanto os idólatras estavam se dedicando à fabricação dos seus ídolos, ‘um ao outro ajudou, e ao seu companheiro disse: Esforça-te’. O versículo seguinte diz: “Assim o artífice animou ao ourives, e o que alisa com o martelo ao que bate na bigorna, dizendo da coisa soldada: Boa é. Então com pregos a segurou, para que não viesse a mover-se”.

Devemos deixar de usar o versículo por causa do contexto? Claro que não. Explicando-se o contexto, entretanto, não resta dúvida de que a sua aplicação torna-se ainda mais rica. Afinal, o que existe de errado nessa história é o objetivo do ímpio (produzir imagens) e não a motivação com que realiza o seu trabalho. Esta podemos copiar. Com sucesso."

O texto acima é de autoria de ADALBERTO ALVES DE SOUSA (Professor de Língua Portuguesa na Faculdade Batista do Rio de Janeiro, mantida pelo Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil), publicado originalmente no site Prazer da Palavra.

6 comentários:

Lucas Marin disse...

Que benção!

Esse é um texto rico, que não deixa a Palavra de Deus restrita apenas ao sentido original, mesmo assim não indo além do que está escrito!

Outro dia eu me perguntava exatamente sobre a questão aqui tratada!

Mas graças a Deus, que providencia a resposta no tempo certo!

Glorificado seja o nome do Senhor Jesus!

Pensamentos diários sobre a vida Cristã disse...

Ola Encontrei um site que esta com um projeto interessante de tv na internet

http://webtvbr.com

Vamos aceitar ou reagir?
assista ao vídeo no youtube
http://www.youtube.com/watch?v=zuN0JUAGV6o

A Paz

Carlos Duarte

Debora Zibordi disse...

A paz do Senhor, Pr. Altair.
Agradeço a visita em meu blog e já aproveito para elogiar este espaço tão abençoado e edificante.

Precisamos orar para que Deus levante servos dedicados e amantes da Palavra, como o irmão.

Glórias e aleluias ao Cordeiro de Deus.

Que as bênçãos de nosso Senhor caiam como chuva sobre sua vida, família e ministério.

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Lucas, o Senhor tem sempre a resposta certa na ocasião certa.

Deus te abençoe!

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Carlos Duarte,

se contribuir para o crescimento do Reino e para a glória de Deus, deve-se apoiar. Do contrário...

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Irmã Debora, quero parabenizá-la por vosso blog e pela linda família.

Que o Senhor continue te usando com textos e mensagens edificantes, enriquecendo a blogosfera.

Paz do Senhor!