terça-feira, 6 de janeiro de 2009

JOSUÉ ASSUME A LIDERANÇA DE ISRAEL (2). Subsídio para Lição Bíblica.

Conforme o primeiro ponto da Lição Bíblica "O intento divino de libertar Israel não foi afetado com a morte de Moisés. Deus levantou Josué justamente para dar prosseguimento a esse grandiosos projeto."

Como são tolos os líderes que pensam, ou que alguém pensa, que são insubstituíveis. Por capaz, amável, carismático, atencioso, bondoso, hábil, eficiente, eficaz, por todas as qualidades que tenha, ninguém é insubstituível.

Grandes líderes da Bíblia, estabelecidos por Deus, tiveram alguém que os sucedessem com sucesso, sendo levantados também pelo Senhor. Na sucessão de Saul, lemos "Então, Samuel lhe disse: O SENHOR rasgou, hoje, de ti o reino de Israel e o deu ao teu próximo, que é melhor do que tu." (1 Sm 15.28). Na sucessão de Elias, Eliseu recebeu porção dobrada do Espírito (2 Rs 2.9-14).

Não foi diferente entre Moisés e Josué. O tempo de Moisés como líder havia chegado. Em Dt 31.1-3, lemos o seguinte;

"Passou Moisés a falar estas palavras a todo o Israel e disse-lhes: Sou, hoje, da idade de cento e vinte anos. Já não posso sair e entrar, e o SENHOR me disse: Não passarás o Jordão. O SENHOR, teu Deus, passará adiante de ti; ele destruirá estas nações de diante de ti, e tu as possuirás; Josué passará adiante de ti, como o SENHOR tem dito."

Como é bom quando o líder percebe que o seu tempo chegou, e prepara o povo para receber bem o seu sucessor. Mas, nem sempre as coisas acontecem dessa forma. Com o propósito de alimentar a ganância do poder, movido por interesses financeiros (manter o nível salarial), ou para alimentar o desejo de seus admiradores (ou fãs), muitos líderes, prolongam a sua saída, resistem diante da necessidade de passar a liderança para outro, ou acabam criando sérios problemas no processo de sucessão. Já vi, e conheço casos absurdos em todos os níveis de liderança na igreja, desde pastores presidentes até líderes de órgãos e departamentos, inclusive, dirigentes e professores de Escola Dominical. Certamente, há casos em que o amor pela obra e pelas pessoas é o motivo da resistência às mudanças, mas, isso também, embora explique, não justifica a resistência.

Muitos líderes não fazem seguidores para o Senhor, fazem seguidores para si mesmos. Geralmente, a resistência à sucessão está relacionada com a mudança do "status espiritual". Quando a saída implica em ir para um campo maior, uma igreja maior, uma escola maior, uma sala maior, uma situação financeira ou de status melhor etc, geralmente não há problemas. A coisa pega é quando se sai de um trabalho numericamente ou com vantagens maiores para um menor, com suas desvantagens.

Muitos líderes comprometem a sua liderança, passando do tempo de sair. Se acham donos do trabalho, temem ficar no esquecimento ou com o sentimento de inutilidade. Além do mais, acabam sufocando, não dando espaço para as novas lideranças que surgem. Não se preocupam em mentorear ou treinar sucessores. "Sucesso sem sucessores é fracasso" (Webster)

"Deus nunca se prendeu a uma única pessoa a fim de cumprir seus eternos propósitos, mas os executa plenamente com os que se dispõe a cumprir sua Palavra", afirma o comentarista da Lição. Se você está atualmente na condição de um Moisés, peça a Deus que lhe oriente quanto ao seu tempo de permanência no trabalho que desenvolve, e quanto aos líderes que nesse exato momento estão sendo preparados por Ele para assumirem a obra. Se estás na condição de Josué, seja fiel a Deus e ao seu líder, aguardando pacientemente o tempo de Deus em sua vida, naquilo que ele te prometeu.

Nunca deseje mais, aceite mais, ou queira ir além daquilo o Senhor preparou para você.

Nenhum comentário: