quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

FELIZ 2009!

Em 2009, busque cada vez mais, conhecer a vontade de Deus para a sua vida!

"Os teus olhos me viram a substância ainda informe, e no teu livro foram escritos todos os meus dias, cada um deles escrito e determinado, quando nem um deles havia ainda" (Sl 139.16)

JOSUÉ, UM LÍDER ESCOLHIDO POR DEUS(2). Subsídio para Lição Bíblica.

Deus escolhe líderes. No âmbito secular, há uma discussão se a liderança é inata ou se forja. Líderes já nascem líderes ou são treinados para isso? Entendo que líderes já nascem com as características necessárias para a função, cabendo aos tais o aperfeiçoamento de suas potencialidades mediante treinamento e experiência de vida.

1. UM LÍDER ESCOLHIDO POR DEUS

No caso de Josué, a sua constante vivência com Moisés, suas qualidades inatas, seu caráter, o tornaram capaz de assumir a grande responsabilidade de suceder seu grande mentor, na tarefa de conduzir o povo de Israel rumo à terra prometida.

Em se tratando da liderança espiritual, afirma Sanders (1985, p.13)

"Líderes espirituais não são feitos mediante eleição ou nomeação por homens ou quaisquer grupos de homens, nem por reuniões eclesiásticas ou sínodos. Só Deus pode fazer líderes. O simples fato de uma pessoa ocupar um lugar de importância não a torna um líder; fazer cursos de liderança não produz líderes; a resolução de tornar-se líder não faz da pessoa um líder."

Ser escolhido por Deus, quer dizer, segundo Habecker (1998, p. 203) "[...] todo líder deve ter a certeza de que sua tarefa foi designada por Deus e Deus está nela, pois os fardos são muito pesados e são muitas as horas de dedicação. É importante que os que têm a responsabilidade de escolher o líder também sintam que essa é uma escolha de Deus.

A escolha de um novo líder espiritual, deveria sempre ser precedida por uma "revelação" visível ou audível da parte de Deus. Um sentimento que promovesse paz e segurança para o coração daqueles que são reponsáveis pela indicação de novos líderes. Mas nem sempre isto acontece. Cada vez mais, os propósitos para a indicação de líderes são norteados por interesses pessoais e egoístas da parte daqueles que são dententores do poder de indicar.

Barna (1999, p. 24), de maneira brilhante, coloca o seguinte

"Todos os líderes cristãos que estudei - nas Escrituras, pessoalmente, ou em livros de história - possuem três qualidades distintas mas inter-relacionadas. A combinação destas qualidades é que os capacita a fazer o que os líderes fazem. Retire qualquer uma destas qualidades e a pessoa será um membro valioso do grupo, mas não um líder. Primeiro, o líder cristão é chamado por Deus [...]. Segundo, o líder cristão é uma pessoa com um caráter semelhante ao de Cristo [..]. Terceiro, o líder cristão possui aptidões funcionais que permitem a ele desempenhar tarefas e guiar pessoas no sentido de cumprir os objetivos dos servos de Deus."

Existem inúmeras pessoas ocupando funções e cargos de liderança na igreja, sem, contudo, estarem habilitadas ou serem vocacionadas por Deus para isso. Pode ser familiar ou parente de quem quer que seja, pode ter dinheiro, pode ser amigo de "fulano" ou "beltrano", pode ter status social, ser influente etc., se Deus não chamou, essa liderança não produzirá os resultados (frutos) esperados.

Há pessoas na igreja que brigam, atropelam, pisam, morrem e matam para serem líderes. Poderão até chegar a alcançar uma posição de líder, mas nunca serão líderes de verdade. Diz ainda Barna (idem, p. 25) "Se você não foi escolhido por Ele para liderar seu povo, não importa quão maravilhoso seu caráter é, ou quão bem habilitado você está para a tarefa, você nunca se tornará um grande líder cristão."

Por outro lado, tenha a absoluta certeza, de que, se você foi vocacionado pelo Senhor para ser um líder, ninguém, nem nada, poderá impedir que esse propósito de Deus se cumpra de maneira cabal em vossa vida. Tenha apenas, a paciência de Josué, e de outros grandes líderes, que souberam esperar o seu tempo. Até lá, sirva com alegria, sinceridade e fidelidade aos que Deus estabeleceu como líderes e com autoridade sobre você.

2. AS QUALIDADES DO CARÁTER DE UM LÍDER
Finzel (1997, p. 30), cita A.W. Torzer;

"O verdadeiro líder, digno de confiança, é provavelmente o que não deseja ser líder, mas é forçado a assumir uma posição de liderança graças às pressão interior do Espírito Santo e à urgência da situação externa. Assim foi com Moisés, com Davi e com os profetas do Antigo Testamento. Creio que, desde os dias de paulo até hoje, dificilmente houve um grande líder, a não ser o que foi recrutado para esse trabalho pelo Espírito Santo e comissionado pelo Senhor da igreja a ocupar essa posição à qual seu coração estava pouco inclinado. Creio ser quase possível aceitar como regra prática confiável que o homem com ambição de liderança não está preparado para liderar. O verdadeiro líder não terá desejo algum de dominar sobre a herança de Deus, mas será humilde, brando, dedicado e inteiramente pronto para ser liderado da mesma forma que lideraria, quando o Espírito deixar claro que apareceu um homem mais sábio e mais talentoso que ele."

É interessante ressaltar, que "ambição" no sentido aqui descrito, onde atitudes de ostentação e opressão estão presentes, é sempre condenável e merecedora de restrição. Sanders (idem, p. 8), deixa claro que "em muitos países, hoje, a liderança cristã confere prestígio e privilégios, de tal forma que uma ambição indigna pode, facilmente, levar homens carnais e egoístas a ambicionarem cargos de liderança."

No meu entendimento, não é pecado ou errado, em si mesmo, desejar ser um líder cristão. A grande questão é: Quais sentimentos e intenções estão envovidos neste desejo?

O Comentarista da Lição Bíblica, dentre as muitas qualidades morais e espirituais necessárias na vida de um líder, destaca três. São elas:

- Obediência. "A obediência (do latim obedire = obedecer) pode ser classificada como uma das virtudes e se define como um comportamento pelo qual um ser aceita as ordens dadas por outro." (Wikipédia). Podemos ainda definir obediência como ato ou efeito de obedecer, submissão a vontade de outro, sujeição, dependência, docilidade. A Bíblia exorta a obediência, tendo o próprio Jesus como referencial (Fl 2.5-11). Filhos devem ser obedientes aos pais (Ef 6.1), mulheres devem ser subsmissas aos maridos (Ef 5.22), todos os homens devem ser sujeitos às autoridades superiores (Rm 13.1), devemos obedecer os nossos guias espirituais (Hb 13.17). Autoridade espiritual não é algo conseguido através de esforços humanos. É concedida por Deus a quem ele escolha (NEE, 1919, p. 38). Reconhecer quem Deus estabeleceu com autoridade sobre nós, e nos submetermos a esta autoridade, é principio vital para um viver cristão segundo a Palavra do Senhor. Ninguém está apto a ser obedecido, sem que não tenha aprendido a obedecer e submeter-se às autoridades no Senhor (Dn 3.13-18; At 3.19; Ef 6.1).

Jesus deseja que os líderes sejam antes de tudo seguidores (WILKES, 1999, p. 87)

- Fidelidade ou Lealdade. Conforme a Wikipédia

"Fidelidade (do latim fidelitas pelo latim vulgar fidelitate) é o atributo ou a qualidade de quem ou do que é fiel (do latim fidelis), para significar quem ou o que conserva, mantém ou preserva suas características originais, ou quem ou o que mantém-se fiel à referência.Fidelidade implica confiança e vice-versa, e essa relação de implicação mútua aplica-se quer entre dois indivíduos, quer entre determinado sujeito e o objeto sob sua consideração, que, a seu turno, também pode ser abstrato ou concreto. Essa co-significação originária mostra-se plena quando se trata de dois sujeitos, ambos com capacidade ativa, pois, nesse caso se pode invocar o correlato confiança (do latim cum, "com" e fides, "fé")."

Segundo o Dicionário Aurélio, fidelidade é definida como

«fidelidade

[Do lat. fidelitate.]
Substantivo feminino.

  1. Qualidade de fiel; lealdade.
  2. Constância, firmeza, nas afeições, nos sentimentos; perseverança.
  3. Observância rigorosa da verdade; exatidão.
  4. Fís. Propriedade duma balança que assume sempre a mesma posição quando solicitada pelas mesmas forças.
  5. Fís. Propriedade dum sistema acústico capaz de reproduzir sons de todas as freqüências presentes num sinal original, respeitando as relações de intensidade.
O líder cristão deve ter um padrão elevado desta qualidade moral, a partir de seu relacionamento conjugal e social. O líder cristão deve ser fiel e leal à sua esposa, sócio, patrão, instituição que preside, trabalha ou é associado, etc. A quebra da fidelidade e da lealdade produzirá perda de confiança, e sem confiança, as bases da liderança serão abaladas.

- Caráter Ilibado. Observe a definição abaixo:

"O caráter [...], em psicologia é o termo que designa o aspecto da personalidade responsável pela forma habitual e constante de agir peculiar a cada indivíduo; esta qualidade, é inerente somente à uma pessoa, pois é o conjunto dos traços particulares, o modo de ser desta; sua índole, sua natureza e temperamento. O conjunto das qualidades, boas ou más, de um indivíduo lhe determinam a conduta e a concepção moral; seu gênio, humor, temperamento, este, sendo resultado de progressiva adaptação constitucional do sujeito às condições ambientais, familiares, pedagógicas e sociais. Caráter é a soma de hábitos, virtudes e vícios, é a imagem interior de uma pessoa." (Wikipédia)

Reputação é o que as pessoas dizem de nós. Caráter é o que somos diante de Deus. É preciso, para um líder cristão, que a sua boa reputação esteja relacionada a um bom caráter.

Não é de um líder "perfeito" que a Bíblia fala, mas, de alguém sincero. Sanders (idem, p. 57) narra que "Respondendo a uma pergunta, um homem de negócios de projeção disse: 'Se eu devesse mencionar a qualidade mais importante de um gerente geral, eu diria que é a integridade pessoal - alguém sincero ao prometer, fiel no cumprimento do dever, correto nas finanças, leal no serviço e honesto na palavra'."

Sobre o sucesso de Neemias como líder, Barber (1982, p. 84) diz que "[...] veio de sua integridade e singularidade de propósito. Ele pôde deixar de lado vantagens temporais porque buscava apenas a apovação de Deus. Ele estava satisfeito por saber que sua recompensa viria do Senhor."

Conforme Shedd (2000, p. 39) "A importância da boa reputação de um líder é algo de conhecimento geral. Confiança é algo tão crucial, especialmente na liderança, que uma reputação manchada criará sérios problemas. [...] Os apóstolos alistaram uma boa reputação como a primeira exigência para aqueles que haveriam de ocupar a função de liderança (At 6.3; 20.17-35)"

Para Barna (idem, p. 73)

"A profundidade e altura do sucesso na vida pessoal de um líder, entretanto, centralizam-se numa jurisdição privada: o coração. A verdadeira medida de um líder é diametralmente oposta à sua dependência de técnicas ou métodos, lemas ou pronunciamentos, ou às evidências visíveis de sucesso, aceitação ou reconhecimento. Além disso, o critério para a avaliação final de um líder vem de um plano mais alto que a origem humana do caráter de um verdadeiro líder, exige uma resposta a um chamada, o que parte da mais alta fonte, e o molda nos recantos mais profundos, mais pessoais de sua alma. "Sucesso" nestes níveis - o mais alto e o mais profundo - apenas será percebido à medida que o líder se compromete com uma responsabilização interna de fielmente, constantemente e honestamente responder a uma pergunta: Estou mantendo minha 'integridade de coração'?"

Que o Senhor nos ajude!

Um abençoado ano novo para todos!

REFERÊNCIAS

BARBER, Cyril. Neemias e a dinâmica da liderança eficaz. São Paulo: Vida, 1982.

BARNA, George (editor). Líderes em ação: sabedoria e encorajamento na arte de liderar o povo de Deus. Campinas, SP: United Press, 1999.

FINZEL, Hans. Dez erros que um líder não pode cometer. São Paulo: Vida Nova, 1997.

HABECKER, Eugene B. Redescobrindo a alma da liderança. São Paulo: Vida, 1998.

NEE, Watchman. Autoridade espiritual. São Paulo: Vida, 1979.

SANDERS, J. Oswald. Liderança espiritual: os atributos que deus valoriza na vida de homens e mulheres para exercerem liderança. São Paulo: Mund Cristão, 1985.

SHEDD, Russel P. O líder que Deus usa: resgatando a liderança bíblica para a igreja no novo milênio. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 2001.

WILKES, C. Gene. O último degrau da liderança: descobrindo os segredos da liderança de Jesus. São Paulo: Mundo Cristão, 1999.

domingo, 28 de dezembro de 2008

ESPECIAL LIDERANÇA: VOCÊ S/A

Pretendo, durante esta semana, dar uma certa ênfase ao tema "Liderança". No link abaixo, o leitor encontrará uma série de artigos, presentes num "especial" sobre o assunto, recheado de informações interessantes.

ESPECIAL LIDERANÇA

JOSUÉ, UM LÍDER ESCOLHIDO POR DEUS. Subsídio para Lição Bíblica.

Você é um líder?

A revista Você S/A, oferece um teste para medir nosso nível ou aptidão para a liderança. Obviamente, está fundamentado em fatores humanos, que não são os únicos indicadores de uma liderança estabelecida por Deus, mas, que expressam certas qualidades e características presentes na vida de um líder espiritual.

Este teste pode ser aplicado na sala de aula da Escola Dominical, e a partir dele, se abrir uma discussão sobre a origem, as características e os propósitos da Liderança Espiritual, comparando-a com a Liderança Natural.

Click no link abaixo:

TESTE

sábado, 27 de dezembro de 2008

NO CHÃO DA IGREJA

No chão da igreja, era onde deveria passar um bom tempo, grande parte dos escritores, pregadores, teólogos e teóricos cristãos.

A falta de experiência na atividade pastoral, na docência cristã, na visitação, no aconselhamento, e em outras práticas cotidianas, faz com que muita bobagem seja dita e escrita por supostos "especialistas" e "autoridades" do mundo cristão evangélico.

Se há algo que não aceito, são críticas oriundas de meros observadores dos fenômenos e da práxis cristã evangélica, que conseguem soluções rápidas e mágicas para os problemas mais complexos de ordem prática ou teológica. São possuidores de uma língua e de mãos afiadas e hábeis para falar e escrever sobre a forma como as igrejas são ou deveriam ser pastoreadas, e como se aplicam ou deveriam ser aplicadas as verdades bíblicas no seu dia-a-dia.

Pastores, teólogos, pregadores e escritores de "gabinete", deveriam aprender mais, envolvendo-se nos diversos ministérios, para somente depois, se posicionarem, se auto-intitularem ou serem intitulados de"autoridades" no assunto.

Diplomas, títulos ou currículos acadêmicos, não são suficientes para tornar alguém um analista crítico da realidade no Reino de Deus. Entre o teorizar e o vivenciar, há uma distância e paradoxos apenas percebidos por quem vive e pensa a fé cristã a partir do chão da igreja.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

AMIGO DE DEUS

RETROSPECTIVA 2008


O ano de 2008 foi marcado por acontecimentos trágicos, conflitos, calamidades, desastres ambientais e outras mazelas.

A multiplicação dessas coisas é prevista na Bíblia Sagrada (Mt 24.3-13).

"Passará o céu e a terra, porém as minhas palavras não passarão" (Mc 13.31)

RETROSPECTIVA BBC
RETROSPECTIVA TERRA
RETROSPECTIVA GLOBO
RETROSPECTIVA UOL
RETROSPECTIVA IG

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

O VALOR DO ESTUDO DA BÍBLIA: Subsídio para Lição Bíblica.


A ênfase da Lição Bíblica 13, está sobre a Leitura e o Estudo da Bíblia.

I - O QUE É LER A BÍBLIA

Quero a princípio, trazer algumas definições de leitura:

Araújo (1972, p. 11) cita Russel que define a leitura como "um ato sutil e complexo que abrange, simultaneamente, a sensação, a percepção, a compreensão e a integração". Com isso ele quer dizer que ler não se limita apenas a perceber as palavras, mas ao mesmo tempo entender o todo reagindo às idéias apresentadas procurando integrá-las as suas vivências. Dessa forma, entendemos que a Bíblia deve ser lida para ser vivida, praticada, encarnada.

A leitura é o processo pelo qual o leitor realiza um trabalho ativo de compreensão e interpretação do texto, a partir de seus objetivos, de seu conhecimento sobre o assunto, sobre o autor, de tudo o que se sabe sobre a linguagem, etc. Trata-se de uma atividade que implica estratégias de seleção, antecipação, inferência e verificação sem as quais não é possível proficiência. Sem a devida compreensão e interpretação do texto, a leitura da Bíblia não agirá em nós com eficácia. Não promoverá edificação, consolação, exortação e transformação, mas, sim, confusão e dúvidas.

A leitura da Bíblia pode ser classificada como:

- Devocional: é o nível mais básico. Caracterizado pela espontaneidade, o leitor nesse nível, geralmente procura respostas e orientações práticas para as decisões da vida, além de ser instrumento de sua devoção com Deus.

- Litúrgica: como parte do culto, a leitura da Bíblia pode ser instrumento de reflexão e exposição. Ganha aqui um caráter cerimonial. Dessa forma é lida nos cultos, nas cerimônias religiosas, na escola dominical, etc. A leitura litúrgica precisa ser acessível e compreensível para a audiência.

- Investigativa e doutrinária: este nível de leitura exige um conhecimento mínimo de alguns princípios de interpretação bíblica. A Bíblia possui algumas peculiaridades que exige muito cuidado ao ser lida. Por se tratar de uma coletânea de livros, é necessário conhecer o contexto do texto, do capítulo e do livro lido, para não incorrer em interpretações equivocadas.

- Teológica e Exegética: procura-se aqui, compreender o texto sagrado, se apropriando das várias ciências (filosofia, história, geografia, lingüística, arqueologia, etc.) que possibilitam uma leitura "científica" da Bíblia, não negligenciando, contudo, os seus aspectos "espirituais". Os princípios hermêuticos são aplicados aqui, visando extrair do texto, o máximo possível da intenção do escritor.

A Bíblia deve ser lida:

- Pacientemente: Independente do nível de leitura da Bíblia, a pressa nunca deve estar presente. A Palavra de Deus deve ser saboreada o máximo possível.

- Reverentemente: Leia a Bíblia com temor e tremor. O Livro Santo deve ser lido de maneira santa e respeitosa, como Palavra de Deus que é.

- Persistentemente: a persistência nos levará a prática diária e constante da leitura bíblica. É difícil entender, como crentes em Jesus Cristo conseguem viver (ou sobreviver) sem a leitura diária da Bíblia.

- Humildemente: quando você não entender o texto sagrado, ou achar uma possível falha ou dificuldade no mesmo, pode ter certeza, a falha não está na Bíblia, mas em nós, limitados seres humanos.

II - O ESTUDO SIGNIFICATIVO DA BÍBLIA

O Estudo significativo da Bíblia envolve a leitura "investigativa e doutrinária" e "teológica e exegética" da mesma. É importante lembrar, que o estudo da Bíblia não pode acontecer sem que, antes, o seu texto seja lido ou ouvido. O estudo da Bíblia pode acontecer:

- Informalmente: milhares de estudantes da Bíblia são auto-didatas, ou seja, estudam a Bíblia sem a orientação ou coordenação de uma instituição de ensino formal. Se utilizam de livros que orientam o estudo da Palavra de Deus, e que tratam de assuntos abordados pela Bíblia. Nesse caso, é importante contar com a orientação e auxílio de leitores e estudantes mais experientes.

- Formalmente: o estudo formal da Bíblia acontece na igreja, na Escola Dominical e nas instituições de ensino teológico. Geralmente, o estudo formal das Escrituras se norteiam por um plano, com os seus conteúdos, métodos e objetivos devidamente definidos e elaborados. O lugar onde o estudo formal da Bíblia acontece de maneira mais aprofundada, é nas instituições de ensino teológico (seminários, faculdades, escolas etc.), nos níveis básico, médio e bacharelado em Teologia. Há também, em muitas destas instituições, cursos de pós-graduação (especialização, mestrado e doutorado).

O estudo formal da Bíblia, nos permite, além do aprofundamento em seu conteúdo, conhecermos também sua estrutura, sua formação, as línguas originais, as traduções etc.

No próximo ano, não perca tempo, procure a igreja, a Escola Dominical ou a instituição de ensino teológico mais próxima de sua casa, ou mais conveniente, e continue crescendo na graça e no conhecimento do Senhor Jesus (2 Pe 3.18)

Como bem colocado pelo comentarista da lição, o estudo da Bíblia, é ao mesmo tempo, um exercício espiritual e intelectual. A falta de equilíbrio na leitura da Bíblia, produzirá leitores fanáticos ou mecânicos, que geralmente espiritualizam, ou racionalizam tudo que lêem.

Boas festas!

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Maria Yvonne Atalício de. Iniciação à leitura. Belo Horizonte: Virgília, 1972.

SILVA, Cássio Murilo Dias da. Metodologia de Exegese Bíblica. São Paulo: Paulinas, 2000.

GEISLER, Norman; William Nix. Introdução Bíblica: como a Bíblia chegou até nós. São Paulo: Vida, 1997.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Vencedores por Cristo

NATAL

IMAGEM: JASIEL BOTELHO

MANOBRA PARA APROVAÇÃO DO PL/122

O senador Magno Malta (PR-ES) protestou contra o que qualificou de manobra legislativa para a aprovação na madrugada da última quinta-feira, 18 de dezembro, do Projeto de Lei nº 122, conhecido como projeto da homofobia. Ele disse ter recebido um aviso, às 5h, dando conta da existência de um requerimento assinado pelos líderes partidários no Senado para a concessão de regime de urgência para aprovação do projeto. Após confirmar com a Secretaria-Geral da Mesa a existência do documento, o senador disse que conversou com cada um dos líderes que negaram conhecer o conteúdo do projeto e acabaram por retirar suas assinaturas do requerimento.

De acordo com o senador, o acontecido reflete o fato de o projeto não ter sido devidamente debatido pelos senadores e demonstra também que os argumentos dos que defendem sua aprovação não são suficientes para convencer a maioria dos parlamentares.


"Esse projeto não conseguiu ganhar no debate, não ganhou nas comissões, e querem que ele ganhe na manobra?, denunciou o senador.


Para Magno Malta, a matéria é polêmica, "eivada de sutilezas e de inconstitucionalidades" e não pode, por isso, ser discutida pelo viés da religião. "Falar em discriminação é nefasto. É crime desrespeitar as pessoas. Não estou discutindo o homossexualismo, pois Deus deu livre arbítrio ao homem. Essa discussão também não é de religião. As pessoas não têm coragem de falar, mas a verdade é que esse projeto cria uma casta especial, pois dá aos homossexuais o que não foi dado aos negros, aos idosos, aos deficientes físicos ou aos índios" afirmou Malta.


O parlamentar assinalou que, entre os dispositivos do projeto, está aquele que estabelece que uma pessoa pode ir presa se recusar-se a empregar uma pessoa homossexual ou alugar um imóvel a ela.


Ao discursar depois de Magno Malta, o senador Valter Pereira (PMDB-MS) manifestou sua preocupação com a denúncia e disse que o projeto realmente é motivo de inquietação para alguns senadores, entre os quais ele se inclui. Para Valter Pereira, a manobra é grave, pois revela que matérias de grande importância estão sendo aprovadas sem o devido cuidado pelo Parlamento.
"Descuidos e exageros estão sendo cometidos no nosso ordenamento jurídico. É preciso que fiquemos atentos para examinar muito bem as mudanças que nós estamos fazendo, pois hoje há uma febre de produção de lei nesta Casa", alertou Valter Pereira.




Leia abaixo a Nota de Repúdio do Senador Magno Malta:


Na madrugada da última quinta-feira em sessão do Senado Federal, as 05h30min da manhã, com o intuito de limpar a pauta, encerrando, assim, mais um ano Legislativo, fui surpreendido com a iminente leitura, pela Presidência do Senado, de um Requerimento de urgência, nos termos do inciso II do artigo 336 do Regimento Interno, para o PLC 122/2006, que "altera a Lei nº 7.716/89, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, dá nova redação ao parágrafo 3º do art. 140 do Decreto ?lei nº 2.848/40 ? Código Penal, e ao art. 5º da Consolidação das Leis do Trabalho ? CLT, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452/43, e dá outras providencias".


A manobra sórdida para aprovar o Projeto sem debate de legalidade alvitrando a Constituição Federal, desrespeitando o inalienável direito à opinião da maioria dos outros senhores senadores é, no mínimo repugnante. Ao tentar incluir em pauta, no apagar das luzes, com parlamentares já cansados dos exaustivos últimos dias de trabalho, preparavam o golpe político de votar por acordo de lideranças e sem a presença de quem, de direito, solicitaria verificação de "quorum."


A aprovação do projeto visa mudar o comportamento social, eliminando a influência da família e da igreja sobre o indivíduo, ao mesmo tempo que dá ao Estado Socialista o poder total sobre o mesmo, com objetivo de criar uma sociedade coletiva submissa aos interesses estatais.


Esse projeto é essencialmente e inconstitucionalmente um atentado violento contra a liberdade de expressão religiosa dos evangélicos, católicos, espíritas, judeus e muçulmanos. Tecnicamente mal elaborado, fere diversos princípios da constituição federal e do código penal. Esta batalha legislativa pretende avançar a qualquer custo a criminalização da homofobia e criar uma grande mordaça gay, para que ninguém possa discordar e expressar opiniões contrárias à opção sexual.


O assunto merece acurado estudo das Leis vigentes e ampla discussão. Venho, portanto, conclamar a todos para continuar no incessante movimento pelo debate democrático e cuidadoso do assunto tendo em vista que "não é crime ser gay" e, o tema, não pode tipificar como se o fosse.


Agradeço e parabenizo, especialmente, os Senhores Senadores Renato Casagrande, Epitácio Cafeteira, Arthur Virgilio e Waldir Raup que, observando a seriedade de um assunto que viria a ser aprovado "a toque de caixa", retiraram suas assinaturas ao Requerimento respeitando, de tal forma, a discussão a posteriori do Projeto dentro dos certames específicos do Estado de Direito.


Fonte: Guiame

domingo, 21 de dezembro de 2008

HISTÓRIA DAS IDÉIAS PEDAGÓGICAS NO BRASIL

"Dividir os tempos históricos, identificando e agrupando períodos segundo uma determinada lógica classificatória, não é tarefa fácil. É preciso ter a visão do conjunto estudado e, sem perdê-lo de vista, observar os detalhes que dão coerência à visão geral. É o que fez, de maneira brilhante e didática, o professor Dermeval Saviani, livre-docente em História da Educação e professor emérito da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)."

Leia em Carta na Escola

sábado, 20 de dezembro de 2008

POLÊMICA: LIÇÃO BÍBLICA "O ADOLESCENTE E O MUNDO"

Vista como ousada, progressista e contextualizada por uns, e irresponsável, polêmica e mundana por outros, a Lição Bíblica para a faixa de 13 e 14 anos, intitulada "O adolescente e o mundo", publicada pela CPAD (Editora Oficial das Assembléias de Deus no Brasil) para o 1º Trimestre/2009, divide opiniões.

"Todo ritmo é lícito, dos clássicos ao rock, mas é preciso avaliar bem a letra e o grupo que a canta para saber se convém ouvir" (LB)

O rock, o olodum, o funk, o frevo, o samba, o forró, o brega, etc, etc, etc..., foram sacralizados? Podem ser tocados ou cantados nas Assembléias de Deus sem problema algum?

O pastor Ciro Sanches, em seu blog, faz as seguintes afirmações em se tratando de ritmos:

"Hoje, infelizmente, quaisquer estilos com letras supostamente cristãs são considerados apropriados para o louvor na casa de Deus. Isso é um grande desvio."


"
Reitero que o heavy metal, com todas as suas variações (white, black, love, etc.), é um estilo “pesado”, mundano, demoníaco, impróprio para o louvor. Além disso, a sua fama e o estilo de vida que o acompanha são incompatíveis com o cristianismo bíblico. O irmão gosta de tatuagens, piercing, braceletes, coturnos, etc.? Não me diga que o irmão também gosta de ficar balançando a cabeça para frente e para trás rapidamente... Isso é compatível com um culto ao Senhor, em espírito e em verdade?
Olha, nada tenho contra os apreciadores de heavy metal. Todos têm as suas preferências e os seus gostos. Mas definitivamente esse estilo não se aplica ao louvor na casa de Deus. Medite em 1 Coríntios 10.23,31; 1 Tessalonicenses 5.22; e Hebreus 12.1. "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm" (1 Co 6.12a)."

Sou de opinião, assim como o pastor Ciro, e outros pastores assembleianos, que nem todos os ritmos são lícitos. Sobre o rock, já escrevi em "O rock é do Diabo?"


"Atualmente, o cinema é uma das mais populares formas de entretenimento. Os filmes que devemos assistir são aqueles em que toda a família pode se reunir para assistir junto." (LB)

Ir ao cinema para assistir bons filmes, foi liberado geral? Quer dizer que os assembleianos não precisam se sentir mais constrangidos, nem serão "disciplinados", quando "pegos" numa fila de cinema, ou assistindo a sessão? Engraçado, não me lembro de ter ouvido essa questão de usos e costumes ser debatida em nossas reuniões convencionais. Ou, não se precisa mais perder tempo com esse tipo de debate? Avanço ou retrocesso?

"Assim sendo, o uso de gírias não deve ser uma prática usual. Você precisa conhecer o significado exato das gírias que eventualmente utiliza, e descartar aquelas que são de origem duvidosa e significado ultrajante" (LB)

Pô mano, valeu! Essa lição é o bicho!

Em se tratando de aula formal, não sou favorável a orientação para falar gíria. A língua culta deve sempre ser incentivada e promovida.

Entendo que a diversidade cultural das Assembléias de Deus no Brasil, com as suas diferenças regionais e peculiaridades próprias, deveriam ser consideradas em publicações deste nível.

Em razão das controvérsias em torno dessas questões, algumas Assembléias de Deus no Brasil não adotarão esta Lição Bíblica para o 1º Trimestre/2009.


ELEIÇÕES CGADB/2009: NOMES E NÚMEROS DOS CANDIDATOS

Em cumprimento ao disposto no artigo 95 do Regimento Interno, a Comissão Eleitoral realizou o sorteio dos nomes e números dos candidatos aos cargos da Mesa Diretora e Conselho Fiscal da CGADB, na ordem em que os mesmos devem figurar nas cédulas de votação.

A referida reunião foi realizada no dia 15 de dezembro de 2008, na sede administrativa da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil, com a participação dos candidatos presentes, conforme convocação prévia para esse fim.

A numeração dos candidatos obedecerá a seguinte ordem:

PRESIDENTE
 11. SAMUEL CÂMARA
 12. JOSÉ WELLINGTON
____________________________________________


1º VICE-PRESIDENTE
 13. PASTOR TEMÓTEO RAMOS
 14. OSCAR DOMINGOS DE MOURA
 15. SILAS MALAFAIA
_____________________________________________


2º VICE-PRESIDENTE
 16. PASTOR IVAL TEODORO
 17. UBIRATAN JOB
_____________________________________________


3º VICE-PRESIDENTE
 18. SÓSTENES APOLOS DA SILVA
 19. SEBASTIÃO RODRIGUES DE SOUSA
_____________________________________________


4º VICE-PRESIDENTE
 20. GILBERTO MARQUES DE SOUZA
 21. PEDRO LIMA SANTOS
_____________________________________________


5º VICE-PRESIDENTE
 22. PR NECO
 23. PR. COUTINHO
_____________________________________________


1º SECRETÁRIO
 24. MOISÉS SILVESTRE
 25. ISAÍAS COIMBRA
_____________________________________________


2º SECRETÁRIO
 26. ARCELINO MELO
 27. PASTOR SODRÉ
 28. NILTON SANTOS
_____________________________________________


3º SECRETÁRIO
 29. DOMINGOS JÚNIOR
 30. ANTONIO DIONIZIO
_____________________________________________


4º SECRETÁRIO
 31. EZER BELO
 32. FERNANDES
 33. ISAMAR RAMALHO

_____________________________________________

5º SECRETÁRIO
 34. ROBERTO JOSÉ DOS SANTOS
 35. VALDOMIRO PEREIRA
_____________________________________________


1º TESOUREIRO
 36. PASTOR JONAS
 37. FRAGOSO
 38. PASTOR SANTANA
 39. LOURIVAL
_____________________________________________


2º TESOUREIRO
 40. PASTOR IVAN BASTOS
 41. JOSIAS DE ALMEIDA SILVA

_____________________________________________


CONSELHO FISCAL

REGIÃO NORTE
 42. JOEL HOLDER
 43. MOISÉS MELO

_____________________________________________

REGIÃO NORDESTE
 44. PR. ANTONIO JOSÉ
 45. ISRAEL ALVES FERREIRA

_____________________________________________

REGIÃO SUDESTE
 46. PR. JOÃO CARLOS PADILHA
 47. SAMUEL RODRIGUES
 48. DIMAS DA CEADER
 49. ADÃO A. ARAÚJO
 50. ALVARO SANCHES

_____________________________________________

REGIÃO SUL
 51. JESUS VILANDE
 52. PERCI FONTOURA

_____________________________________________

REGIÃO CENTRO-OESTE
 53. SAMUEL LIMA
 54. RINALDO ALVES DOS SANTOS

Fonte: Site da CGADB

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

O PROFESSOR DA ESCOLA DOMINICAL E O HÁBITO DE LEITURA


A atualização e contínua busca por conhecimento é um fator de fundamental importância no mundo contemporâneo. Tal atitude é indispensável para o sucesso em qualquer atividade, inclusive a docência cristã. Como bem colocou Martins, Maestri e Cosenza (2004, p. 77) o homem moderno, para inserir-se na sociedade contemporânea de forma satisfatória, se depara com grandes desafios. Possuir informações gerais e específicas, que cooperem no acompanhamento das rápidas mudanças tecnológicas, científicas, culturais e sociais, torna-se fator vital para a realização pessoal, social, profissional e ministerial na vida de um ministro do evangelho. A leitura se constitui um elemento fundamental para a aquisição de novos saberes e compreensão do mundo atual. É um comportamento imprescindível na vida contemporânea (WITTER, 2004, p. 181).

Conhecimento agrega tanto o que fazemos, como o que sabemos, é o conjunto total de informações, habilidades cognitivas e operacionais que os indivíduos utilizam para resolver problemas; envolvem assim, tanto questões teóricas quanto práticas, as regras do dia-a-dia e as instruções sobre como agir, baseando-se em dados e informações, mas, ao contrário deles, está sempre ligado ao sujeito; é construído por indivíduos e representa suas crenças sobre relacionamentos casuais (COSTA, 2006, p. 16).

Conhecimento é agregação, interação e acumulação de informação. A busca constante por novos saberes exige dos professores de ED leitura especializada e geral. A resistência à leitura é uma realidade, e muitos ignoram os males resultantes desta prática salutar.

A leitura de livros permite ao ser humano refletir, socializar e disseminar o seu conhecimento com o propósito de construir novos conhecimentos. Apesar de todo o desenvolvimento das tecnologias de informação, da ampliação dos projetos de inclusão digital, nada substitui a importância da leitura.

As pesquisas demonstram que o hábito de ler está longe do ideal em nossa nação. No Brasil, cada brasileiro lê pouco mais de dois livros por ano.

O professor de ED, em linha gerais, ainda não reconhece no ato de ler, o seu valor para o desenvolvimento intelectual, adequação de comportamentos a nova realidade cultural e social, sem falar da possibilidade de conduzir o seu aluno a um processo de desenvolvimento e entendimento da realidade, fato este que produzirá indivíduos mais atuantes, conhecedores dos grandes desafios deste século e capazes de adequar suas práticas ao novo contexto, produzindo com isso maior resultado para o Reino de Deus, sem contudo, abrir mão dos princípios inegociáveis da Bíblia sagrada.

O CONCEITO DE LEITURA

Conforme Martins (2007, p. 22), o conceito de leitura é bem mais abrangente do que um simples decodificar da escrita, é um ato que implica na formação global do indivíduo e em sua relação com o mundo que o cerca. Diz ainda a autora, que a leitura independe do contexto escolar, é para além do texto escrito, permite compreender e valorizar melhor cada passo do aprendizado das coisas, cada experiência, "Ampliar a noção de leitura em geral pressupõe transformação na visão de mundo em geral e na de cultura em particular”. Ela quer dizer que ler não é simplesmente decifrar o que está escrito, mas um ato que resulta na formação geral do indivíduo, e que faz com que ele se adapte ao mundo em que vive não se limitando apenas às vivências escolares, mas "enxergando" além daquilo que está escrito.

Araújo (1972, p. 11) cita Russel que define a leitura como "um ato sutil e complexo que abrange, simultaneamente, a sensação, a percepção, a compreensão e a integração". Com isso ele quer dizer que ler não se limita apenas a perceber as palavras, mas ao mesmo tempo entender o todo reagindo às idéias apresentadas procurando integrá-las as suas vivências.

Por ser um instrumento de aquisição de conhecimentos, a leitura, se levada a efeito crítica e reflexivamente, levanta-se como um trabalho de combate à alienação, capaz de facilitar ao gênero humano a realização de sua plenitude. É preciso saber, se a organização social onde a leitura aparece e se localiza, em nosso caso, a Escola Dominical, dificulta ou facilita o surgimento de homens - leitores críticos e transformadores.

OS BENEFÍCIOS DA LEITURA PARA O PROFESSOR DA ED

A necessidade e o incentivo para a prática constante da leitura por parte dos ministros cristãos podem ser observados através de uma análise do que vários escritores cristãos e não-cristãos escreveram sobre o assunto.

Como bem colocou Bamberger (2005, p. 70), o hábito de leitura só será realidade se o indivíduo perceber que vale a pena, dando-se conta de que a leitura poderá fazer muito por seus interesses pessoais, profissionais e sociais. No caso da docência cristã, os interesses do Reino estão acima de todos os outros. Muitos são os benefícios da leitura. Observemos alguns:

- Possibilidade de Emancipação Intelectual. A questão emancipadora ou libertadora, envolve a leitura crítica. Longe de ser uma atividade meramente mecânica e reprodutora de idéias e conceitos, al leitura crítica é realizada mediante um conjunto de características que envolve a constatação, o cotejo e a transformação. Criticidade vai além de compreensão de idéias e da mera reprodução de doutrinas. Criticidade envolve convicção e posicionamento diante da Palavra de Deus.

- Desenvolvimento do Homem. A leitura permite o acesso do povo aos bens culturais já produzidos e registrados pela escrita e, portanto, como meio de conhecimento e crítica dos fatores históricos, científicos, literários etc.


A importância da leitura no exercício do ministério docente cristão é descrita por Sanders (1985, p. 90-91) como essencial para o homem que deseja crescer, espiritual e intelectualmente. A leitura deve ser uma prática importante;

- Para obter avivamento espiritual e proveitoso. Um avivamento proveitoso e espiritual é aquele que nasce da leitura da Bíblia, de bons livros e do mundo que nos cerca. Sem estes fundamentos o avivamento tornar-se-á um mero evento transitório, emotivo e infrutífero;

- Tendo em vista o estímulo mental. A leitura é instrumento para o estímulo de novos pensamentos e idéias. MacDonald (apud Habecker, 1998, p. 51) diz que “o crescimento da mente torna possível que as pessoas sirvam às gerações em que vivem [...]. Se desenvolvo a minha mente posso fazer com que os outros cresçam”. Um professor de ED aprovado é aquele que sempre procura estar com as idéias renovadas e organizadas;

- A fim de obter cultivo de estilo. Aqui a pregação e o ensino se destacam. A leitura da Bíblia associada à leitura de bons livros proporcionará como já colocado, um aumento do vocabulário e desenvolvimento na arte da elocução incisiva e persuasiva. O aprimoramento da linguagem, da expressão, nos níveis individual e coletivo. Nos dias atuais, a capacidade comunicação clara e fluente, exige que os professores de ED desenvolvam suas habilidades de comunicação. Isso implica em um vocabulário bastante rico. A leitura é uma ferramenta essencial nesse processo.


- Com vistas a adquirir informações. Devido o volume de informações em nossa época, a leitura é uma ferramenta essencial para o pastor manter-se bem informado e atualizado. Sobre isto diz Mendes (1999, p. 44) que “A comunicação eficiente da Palavra de Deus exige bons conhecimentos da língua pátria e da atualidade”. A leitura pode ser considerada como condição sine qua non na conquista de qualquer corpo de informação (SILVA; MALOZE; LEME, 1997, p. 101).

- A fim de ter comunhão com as grandes mentes. Ter contato com grandes pensadores cristãos é um exercício de grande valor cultural para o professor da ED.

PAULO O LEITOR

O apóstolo Paulo, grande referencial para os mestres cristãos de todas as épocas (2 Tm 1.11), foi um grande leitor. Escrevendo em 2 Tímóteo, 4:13 ele diz: “Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, bem como os livros, especialmente os pergaminhos”. Foi em razão do conhecimentos adquirido pela leitura de diversas obras, que Paulo sobre contextualizar estes escritos em algumas situações por ele vivenciadas.

Quando esteve em Atenas, durante a sua segunda viagem missionária, ao ser inquirido acerca de sua mensagem pelos filósofos epicureus e estóicos (Atos 17:18-20), durante sua argumentação fez as seguintes citações: “Porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos” (Atos 17:28a). French e Stronstad (2003, p. 731) comentam: “Sua primeira citação é presumivelmente retirada do poeta e filósofo cretense Epimênides (século VI a.C.)”.

A segunda citação em Atos 17.28, “Porque dele também somos geração” é conforme French e Stronstad (idem, p. 731), atribuída ao poeta Ciliciano Arato (século III a.C.).

Outro caso de citação de literatura secular encontra-se em Tito 1:12: “Foi mesmo, dentre eles, um seu profeta, que disse: Cretenses, sempre mentirosos, feras terríveis, ventres preguiçosos”. Tal citação se refere a Epimenides de Cnosso, em Creta, um ensinador de religião e adivinho, que viveu aproximadamente em 305-240 a.C (ibden, p.1510).

Fica dessa forma evidenciado pelos relatos bíblicos aqui citados, que a leitura, tanto do texto sagrado como de outras obras, é de fundamental importância na vida daqueles que foram chamados por Deus para realizarem a sua obra, principalmente para os professores de ED.

CONCLUSÃO

Ler é essencial. O desenvolvimento do hábito de leitura, não deve, contudo, ser encarado como uma obrigação, antes, precisa ser percebido e vivenciado como uma atividade prazerosa.

Quando lemos, crescemos espiritualmente, intelectualmente e ministerialmente. Crescer e continuar crescendo, é necessidade vital para o exercício do ministério cristão e para a constante atualização.

Longe de ser uma apologia ao intelectualismo, o ato de ler se constitui numa das maiores fontes de qualificação para o professor da ED, em plena pós-modernidade, em meio à sociedade do conhecimento.

É preciso se contextualizar sem secularizar-se, desenvolver-se como pessoa, cristão e educador. O hábito de leitura, certamente, irá colaborar para o alcance de tais exigências.

REFERÊNCIAS

ARAÚJO, Maria Yvonne Atalício de. Iniciação à leitura. Belo Horizonte: Virgília, 1972.
BAMBERGER, Richard. Como incentivar o hábito de leitura. 7. ed. Tradução de Octavio Mendes Cajado. São Paulo: Ática/UNESCO, 2005
BÍBLIA. Português. A Bíblia sagrada. Tradução de João Ferreira de Almeida. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004. Revista e Atualizada no Brasil, 2. Ed.
COSTA, Patrícia. Hábito de leitura e compreensão de textos: uma análise da realidade de pós-graduados em Administração. Dissertação (mestrado em Administração). Universidade Federal de Sta. Maria: Santa Maria, RS, 2006.
MARTINS, Maria Helena. O que é leitura. 19. ed. São Paulo: Brasiliense, 2007.
MARTINS, Lucy Nunes Ratier; MAESTRI, Marcos; COSENZA, Marisa. Contexto de Leitura em professores universitários. In Witter, G. P. (Org.), Leitura e psicologia (pp. 78-91). Campinas: Alínea, 2004.
MENDES, José Deneval. Teologia pastoral: a postura do obreiro é indispensável para o êxito no ministério cristão. 9. ed. Rio de Janeiro: CPAD, 1999.
SANDERS, J. OSWALD. Liderança espiritual: os atributos que Deus valoriza na vida de homens e mulheres para exercerem liderança. Tradução de Oswaldo Ramos. São Paulo: Mundo Cristão, 1985.
SILVA, Antonio Gilberto da. Manual da Escola Dominical: pela excelência do ensino da Palavra de Deus. 17. ed. Rio de Janeiro: Casa Publicadora das Assembléias de Deus, 1997.
SILVA, Elza Maria Tavares; MALOZZE, Gertrudes L. M.; LEME, Maria de Lourdes C. S. Compreensão de leitura entre universitários do primeiro e quinto anos de Direito. In Witter, G. P. (Org.), Psicologia leitura & universidade (pp. 101-110). Campinas: Alínea, 1997.
WITTER, Geraldina Porto (org.) Leitura e psicologia. Campinas, SP: Alínea, 2004.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

CURSOS LIVRES DE DOUTORADO

"O título de Doutor é atribuído ao indivíduo que tenha recebido o último e mais alto grau acadêmico, o qual é conferido por uma universidade ou outro estabelecimento de ensino superior autorizado, após a conclusão de um curso de Doutorado ou Doutoramento.

O termo "doutor" também é tradicionalmente usado nos países de língua portuguesa para referir-se a Médicos e Dentistas, e, mais recentemente, vem sendo utilizado por costume por todos os profissionais da área de saúde que avaliam e tratam seus pacientes, incluindo Fisioterapeutas, Nutricionistas e Fonoaudiólogos, mesmo que não possuam o grau acadêmico de doutor. No Brasil e em Portugal, vem de uma longa tradição também referir-se a Advogados, Juízes (magistrados) e outros profissionais do Direito, como o que acontece com os actuais Solicitadores, como "doutores". Mais amplamente, no Brasil especificamente, costuma-se usar o tratamento "doutor" na língua popular também como fórmula de reverência e respeito. (Leia mais em Wikipédia)

Para Cursos Livres de Doutorado (não reconhecidos pelo MEC), consulte o site da FATECBA (Faculdade Teológica e Cultural da Bahia)

A realização de estudos acadêmicos por parte do cristão, não deve buscar apenas títulos, mas, um conhecimento de saberes mais profundos, para a transformação da realidade e para a glória de Deus.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A IGREJA: SERVA DA BÍBLIA. Subsídio para Lição Bíblica.


Neste post, farei uma breve análise de alguns trechos do comentário da Lição Bíblica 12, publicada pela CPAD.

"Espiritualmente, a Igreja é um organismo que tem Cristo como a Cabeça, (Cl 1.18) e os crentes como o Corpo (Ef 1.22, 23). Esta Igreja é composta de todos os que possuem seus nomes 'inscritos nos céus' (Hb 12.22, 23)."

Muitos pastores, de forma equivocada, afirmam que através do batismo nas águas, o cristão se torna membro do Corpo de Cristo, fazendo alusão ao rol de membros da igreja local (organização). De fato, o que torna um cristão membro do Corpo de Cristo é o novo nascimento (Jo 3.3). O batismo é uma ordenança que simboliza a nossa nova vida em Cristo Jesus (Rm 6.1-7). Há pessoas que já se batizaram nas águas e não são membros do Corpo de Cristo (igreja universal), pois nunca nasceram de novo. São membros apenas da igreja local. Outras não se batizaram nas águas e já são membros do Corpo de Cristo.

"Todas as igrejas locais pertencem à Igreja Universal. Todavia, nem todos os que fazem parte de uma igreja local são de fato membros da igreja universal (1 Jo 2.19)."

Essa frase ficaria melhor assim: Todas as igrejas locais, verdadeiramente cristãs, pertencem à Igreja Universal. Existem "igrejas" que apesar de afirmarem ser cristãs, seu modo de vida, sua doutrina e sua postura, de cristã não tem nada.

"Alguns teólogos modernistas dizem que a Bíblia precisa ser revisada, e que alguns de seus textos não fazem mais sentido para os dias pós-modernos."

Obviamente, tais teólogos estão equivocados. Não é a Bíblica que precisa ser revisada, mas, sim, algumas práticas da igreja. Sem cair no erro de alguns exageros da Igreja Emergente, é necessário, em alguns casos, repensar a forma da adoração, da educação, da evangelização etc. É necessário contextualizar, sem secularizar a igreja.

"Para piorar ainda mais, essas igrejas, à semelhança de Tiatira, acabam tolerando a imoralidade (Ap 2.14, 15, 20-22)".

Assim como o "anjo" (pastor) da igreja de Tiatira, muitos na atualidade estão tolerando a imoralidade. Boa parte destes, agem dessa forma, por viverem em imoralidade, ou com receio de perderem membros, principalmente se tais membros tiverem um "dízimo gordo". É bom também lembrar, que imoralidade não se limita apenas aos pecados sexuais. Mentir, roubar, envolver-se em "esquemas", "comprar" pessoas, são também atos imorais.

"O púlpito jamais deve ser utilizado como palanque político, mas, sim, como Tribuna da Verdade do Evangelho"

É uma pena que nem todos pastores frequentam a Escola Dominical, pois deveriam ouvir esta afirmação. Muitos fazem do púlpito palanque de política secular e eclesiástica. Aliás, penso que a presença dos mesmos na ED nem resolveria o problema. Na hora do "vamos ver", a oferta de dinheiro, promessas de cargos e outras vantagens oferecidas pelos políticos, acabam fazendo com que alguns líderes "esqueçam" estes ensinos, negociando inclusive o voto da igreja (que não lhe pertence).

Nobre professor, aproveite bem estes assuntos e procure ouvir a opinião dos alunos sobre essas questões. Para os que são aqui de Pernambuco, nos encontraremos sábado à noite, se Deus quiser, no Templo Central da AD em Abreu e Lima, para o estudo da lição.

Boa aula!

E POR FALAR EM SISTEMA DE COTAS...



CRISE

APRENDER PARA ENSINAR

Quem declara não precisar mais aprender, encontra-se inapto para continuar ensinando.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

VOCÊ QUER FICAR RICO?


Conferências deste tipo deveriam ser realizadas nos países pobres da África, na Índia, nas favelas e morros por esse Brasil afora, no sertão nordestino etc.

Sim, parece-me que Jesus não seguiu esses princípios, nem os próprios apóstolos. Será que eles fizeram votos de pobreza?

Leia mais AQUI.

sábado, 13 de dezembro de 2008

IGREJA EMERGENTE: LEITURA CRÍTICA


Acaba de ser lançado no Brasil o livro "A Igreja Emergente: cristianismo clássico para as novas gerações", de Dan Kimball, publicado originalmente em 2003, pela Zondervan, Michigan, EUA.

As idéias da "Igreja Emergente", foram aqui no Brasil abraçadas por uns e abominadas por outros.

A publicação da obra em língua portuguesa, dará ao leitor crítico a oportunidade de conferir direto da fonte, os pressupostos que prometem revolucionar a postura da igreja do século XXI, na sociedade pós-moderna.

Estaremos em meio à leitura crítica da obra, tecendo os nossos comentários aqui no blog.

PARA PENSAR!


"Para chamar o máximo de atenção, cometa um erro bem grande. Para provocar o maior estrago possível, não admita esse erro" (John Maxwell)

Este princípio é válido em todas as esferas de nossas vidas, e em todos os níveis de relacionamentos.

NOTÍCIAS DO CAMPO MISSIONÁRIO

Riobamba, 12 de Dezembro de 2008.

Amados, la paz del Señor.

Cuando hubieron orado, el lugar en que estaban congregados tembló; y todos fueron llenos del Espíritu Santo, y hablaban con denuedo la palabra de Dios.” (Hechos 4:31).

Os discípulos quando se viram ameaçados, foram buscar refugio no Senhor. Fazer a obra missionária é assim. Si oramos, si contribuímos ou se vamos e anunciamos o evangelho, nos tornamos alvos do nosso adversário.

Quando nos envolvemos com missões estamos incomodando os seus planos para impedir que as nações conheçam ao Salvador.

Mas como em todas as épocas, em nossos dias, Deus também tem levantado um exército de missionários, para orar, contribuir e ir.

Estamos no frente de guerra, mas não estaríamos aqui sem a nossa igreja amada, Abreu e Lima, sem os que oram por missões, sem o respaldo do nosso Pastor Roberto, sem as vossas contribuições. Glorifico, pois a Deus pela vida de cada um de vcs, pelo vosso amor, pelas vossas cartas, pelos emails e principalmente pelas vossas orações.

Para o vosso deleite:

Neste mês de novembro alcançamos alvos importantes;
1. Terminamos o CPO – Riobamba (Curso Preparatório de Obreiros), com 32 servos de Deus concluindo o treinamento. Basicamente foram ministradas classes de noções básicas de teologia sistemática, ética cristã, liturgia de culto, história da igreja e missiologia.
2. Batizamos 28 irmãos nas águas, alunos do discipulado, no último dia 30 de novembro.
3. Abrimos as obras de Cóndor (Tribo indígena), Guamote (Município do interior da nossa província), San Pedro (cidade de Guano) y Ambato Centro.
4. Estamos implantando uma obra na Província do Puyo, a primeira obra de Abreu e Lima na Amazônia equatoriana. De uma maneira especial pedimos oração para que a Amazônia equatoriana também receba a sã doutrina.
Esperamos que vosso ânimo e compromisso com missões esteja mais firme que nunca e juntos poçamos tirar o Equador da lista dos países com o menor índice de evangélicos das Américas.

Assuero e Rebeca – Missionários.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

UNIVERSIDADE METODISTA: PROGRAMA DE INTEGRALIZAÇÃO DE CRÉDITOS


Os alunos que cursaram Teologia na modalidade livre (em instituições e cursos sem autorização e reconhecimento do MEC), poderão obter o seu diploma de graduação reconhecido, através do Programa de Integralização de Créditos para a Conclusão do Curso Superior de Teologia, oferecido pela Universidade Metodista de São Paulo (Pólo Recife).

Leia AQUI

UNIVESIDADE METODISTA - PÓLO RECIFE

Rua Zeferino Agra, Nº 519
Água Fria, Recife/PE
Fone: 81-3443-3514
Email: polorecife@hotmail.com

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

A COMPLETUDE DA BÍBLIA (2). Subsídio para Lição Bíblica.

No terceiro ponto da lição o comentarista trata sobre as "Agressões à Ortodoxia Bíblica". O que vem a ser Ortodoxia Bíblica?

"O equivalente em português da palavra grega "orthodoxia" (de orthos "certo", e doxa "opinião"), o que significa crença correta, em contraste com a heresia ou a heterodoxia. O termo não é bíblico. Nenhum escritor secular ou cristão usa-o antes do século II, embora o verbo orthodoxein esteja em Aristóteles. A palavra expressa a idéia de que certas declarações sintetizam como exatidão o conteúdo do Cristianismo às verdades reveladas e, portanto, são por sua própria natureza normativas para a igreja universal." (Leia em Estudos Gospel)


"Pegando carona na definição do pastor Claudionor Corrêa de Andrade, em seu Dicionário Teológico (CPAD), lemos a seguinte definição: Ortodoxia – [Do gr. Orthodoxos] Conjunto de doutrinas oriundas da Bíblia, e tidas como verdadeiras, de conformidade com os cânones e concílios da Igreja.
Ortodoxo – Verdadeiro, certo. O que se acha de acordo com a Palavra de Deus e com os cânones e concílios estabelecidos pela igreja." (Leia em Anchieta Campos)

"A ortodoxia bíblica tem seu nascedouro na palavra empregada pelo Apóstolo Paulo como “Sã doutrina” em Tt.2.1; 1Tm.1.10 e 2Tm.4.3. Em Ef.2.20 ele chama de “fundamentos dos apóstolos e profetas”. Bem como Lucas ao escrever o livro de Atos dos Apóstolos usa a expressão “doutrina dos apóstolos” (At.2.42). Judas chama a ortodoxia da “fé que foi entregue aos santos” (Jd.3)." (Leia em Anti-heresias)

"A ortodoxia consiste na conformidade a formulações oficiais da verdade. A não-conformidade forma a heterodoxia ou heresia. às vezes, um homem que é rigidamente ortodoxo quando freqüenta uma igreja, em um dos lados da rua, imediatamente é considerado herege, quando atravessa a rua e entra em outra igreja, de outra denominação, embora ambas se intitulem cristãs" (R. N. Champlin)

Essa afirmação de Champlin diz respeito ao fato de que cada "denominação evangélica", de certa forma, possui a sua própria ortodoxia, embora em alguns pontos (chamados de "centrais") elas concordem entre si. Dessa forma, temos a ortodoxia Batista, a ortodoxia Presbiteriana, a ortodoxia Pentecostal, etc.

Na prática, por exemplo, acontece o seguinte:

- o cristão pentecostal é visto pelo tradicional como herege, por acreditar na atualidade dos dons do Espírito;

- o cristão tradicional é visto pelo pentecostal como herege, por afirmar que as manifestações do Espírito não são mais para os nossos dias;

- o cristão pentecostal arminiano é visto pelo calvinista como herege, por dar ênfase ao livre arbítrio;

- o cristão calvinista é visto pelo pentecostal como herege, por dar ênfase à doutrina da predestinação;

Qual destas ortodoxias é a verdadeira? Qual possui o sistema doutrinário perfeito? A minha resposta é que todas, nos pontos que divergem, buscam com sinceridade a verdade plena nas Escrituras, e que nenhuma delas é absolutamente perfeita.

Teremos surpresas no céu, costumo afirmar. Algumas coisas que chamam por aqui de heresias, no céu se revelarão como ortodoxas, enquanto que algumas coisas chamadas por aqui de ortodoxas, no céu serão reveladas como heresias.

Obviamente, essa minha declaração não abre a guarda para qualquer sistema de ensino "maluco", ou para qualquer "coisa" que queiram chamar de ortodoxia. Um pouco de bom senso, uma séria exegese, e de discernimento espiritual é o bastante para desfazer e perceber os "engodos" teológicos de muitos grupos.

Há, já sei! Alguns ao lerem este post afirmarão que todos os modelos de ortodoxia aqui citados é que são malucos, e que a ortodoxia verdadeira é a do movimento, da igreja ou da denominação...

Fique desconfiado com qualquer tipo de atitude exclusivista e sectarista, do tipo que afirma:"em nenhuma outra igreja há salvação!" Ou ainda, "apenas o nosso sistema doutrinário é perfeito e verdadeiro!", "a nossa doutrina veio diretamente dos céus pelas mãos de um anjo, por uma visão, por um sonho, por uma revelação, etc".

Já temos, inclusive, a chamada "ortodoxia generosa"!

SOCIEDADE PORNIFICADA


"Quando a nudez é aceitável? Quando ela é ofensiva? E quem decide isso? Uma varredura cultural e histórica sobre essas questões nos leva a conclusões surpreendentes."

"Em seu blog, Pedro Cardoso sustenta que a nudez da televisão e dos filmes, na verdade, é uma deturpação de todas as manifestações legítimas da nudez, da arte real às passeatas para proteger os animais. Ela seria algo assim como uma forma de dominação imposta pelo "sistema" – e por isso deveria ser banida." (Veja)

Corajoso esse Pedro Cardoso. Num país onde a nudez e a sensualidade estão cada vez mais presentes, inclusive nas igrejas e na vida de alguns de seus membros (penso que nominais), falar sobre o tema é quase um ato profético.

Só não concordo com o "manifestação legítima da nudez", quando esta ganha dimensões públicas.

A manifestação pública da nudez na Bíblia (pós-pecado), não tem uma boa conotação.

"Também não subirás ao meu altar por degraus, para que a tua nudez não seja descoberta diante deles." (Êx 20.26)

"E, passando eu junto de ti, vi-te, e eis que o teu tempo era tempo de amores; e estendi sobre ti a aba do meu manto, e cobri a tua nudez; e dei-te juramento, e entrei em aliança contigo, diz o Senhor Deus, e tu ficaste sendo minha." (Ez 16.8)

"Eis que eu estou contra ti, diz o Senhor dos Exércitos; e levantarei a tua saia sobre a tua face, e às nações mostrarei a tua nudez, e aos reinos a tua vergonha." (Na 3.5)

"Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas." (Ap 3.18)

Leia mais em Revista Veja e Abril.com

PREGADORES MECÂNICOS, MENSAGENS ENLATADAS

Um dos pontos negativos dos pregadores "mecânicos" de "mensagens enlatadas" ou "prontas", é que vez por outra esquecem que já pregaram determinada mensagem em certo lugar. Quem já ouviu a "mensagem", precisa ter muita paciência para ouvir e assistir toda a "encenação" (são verdadeiros artista da fé) novamente.

Outro fator que acho terrível é o mecanicismo de tais pregadores. Pregam mecanicamente (é só ligar o botão e a mensagem sai pronta do seu arquivo pessoal) e tratam a pregação como produto industrializado, pronto para o consumo de seus ouvintes.

O pior de tudo, é que se você não entrar na deles, acaba levando nome de frio, insensível ao "Espírito", incrédulo, etc, etc, etc.

Ainda tem a onda do diga isso para fulano! Toque ali no ciclano! Fique em pé e faça assim! Se vire e faça "assado"! Dê um sorriso! Saia do chão! Grite! Chore! Dê "um" glória! Dê "um" aleluia!

Mas não é que tem gente que gosta!

Fazer o que? Comigo é que o "negócio" não cola.


domingo, 7 de dezembro de 2008

LIÇÃO BÍBLICA JOVENS E ADULTOS (1º TRIMESTRE/2009 - CPAD)

No 1º trimestre de 2009, estaremos estudando o tema As Conquistas e as promessas do povo de Deus

Comentarista: Pastor Elienai Cabral

SUMÁRIO DA LIÇÃO:
1- Josué, um Líder Escolhido por Deus
2- Josué Assume a Liderança de Israel!
3- Josué Conduz Israel na Travessia do Jordão
4- Lições Espirituais do Pós-Jordão
5- A Conquista de Jericó
6- A Maldição do Pecado
7- Da Derrota à Vitória
8- O Perigo do Ardil Gibeonita
9- O Senhor Peleja por seu Povo
10- Uma Herança Conquistada pela Fé
11- As Cidades de Refúgio
12- Preservando a Palavra do Senhor
13- A Despedida de um Líder

Fonte: CPAD

A COMPLETUDE DA BÍBLIA: Subsídio para Lição Bíblica.

A Verdade prática da Lição 11, publicada pela CPAD, afirma o seguinte:

"É pecado gravíssimo adicionar, subtrair, substituir ou modificar qualquer parte da Palavra de Deus."

Em linha com essa afirmação, encontra-se o segundo ponto da lição, intitulado "Deturpação da Completude da Bíblia", que nos fala acerca das deturpações por adição, subtração, modificação e substituição.

É importante salientar que, quando o comentarista nos chama a atenção para as deturpações, ele está se referindo às deturpações "intencionais", ou seja, aquelas realizadas com o propósito de adaptar a mensagem da Bíblia aos interesses pessoais ou institucionais.

Afirmo isto, uma vez que as nossas versões da Bíblia Almeida Revista e Corrigida (ARC) e Almeida Revista e Atualizada (ARA), assim como outras versões em língua portuguesa, em decorrência das dificuldades promovidas pelas variações textuais (cerca de 250.000) das cópias dos manuscritos do Novo Testamento (cerca de 5.000 completos ou fragmentários, quase 13.000 mss. das versões e nos milhares de citações feitas pelos antigos Pais da Igreja), trazem algumas adições, subtrações, modificações e substituições não intencionais. Observemos alguns exemplos:

- Mt 21.29

ARA - "Ele respondeu: Sim, senhor; porém não foi."

ARC - "Ele, porém, respondendo, disse: Não quero. Mas, depois, arrependendo-se, foi.

- Lc 1.28

ARA - "E, entrando o anjo aonde ela estava, disse: Alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo."

ARC - " E, entrando o anjo onde ela estava, disse: Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres."

- Lc 14.5

ARA - "A seguir, lhes perguntou: Qual de vós, se o filho ou o boi cair num poço, não o tirará logo, mesmo em dia de sábado?"

ARC - "E disse-lhes: Qual será de vós o que, caindo-lhe num poço, em dia de sábado, o jumento ou o boi, o não tire logo?"

- Rm 8.1

ARA - "Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus."

ARC - "Portanto, agora, nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o espírito."

- Ap 1.5

ARA - "e da parte de Jesus Cristo, a Fiel Testemunha, o Primogênito dos mortos e o Soberano dos reis da terra. Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados,"

ARC - "e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o príncipe dos reis da terra. Àquele que nos ama, e em seu sangue nos lavou dos nossos pecados"

Essas variações textuais não intencionais, em nada comprometem ou contradizem a verdade doutrinária da Palavra de Deus.

O terceiro ponto da Lição Bíblica trata das "Agressões à Ortodoxia Bíblica". Quero chamar a atenção para o terceiro sub-ponto, que fala sobre as "Novas Teologias".

A "Teologia da Prosperidade" é citada pelo comentarista. Aproveitando o fato, quero mais uma vez fazer um séria e indignada denúncia.

Nossas lições bíblicas são publicadas pela CPAD "uma editora que representa a maior denominação evangélica brasileira", que é um órgão oficial da CGADB. Todas as publicações da CPAD que tratam de doutrinas ou apologia, condenam veementemente a Teologia da Prosperidade. A questão é a seguinte: Denunciei aqui neste blog os erros teológicos, e a clara defesa da Teologia da Prosperidade, presentes na BÍBLIA DE ESTUDOS BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA, lançada e divulgada por um membro da mesa diretora da CGADB.

"Pobreza é escravidão! Ela amarra as pessoas, impedindo-as de terem as coisas que necessitam. A pobreza leva à depressão e ao medo. Não é a vontade de Deus que você viva na escravidão da pobreza. É hora de Deus acabar com a escravidão das dívidas e da pobreza no meio do seu povo! É chegado o momento da liberação de uma unção financeira especial, que quebrará as cadeias da escassez e o capacitará a colher com abundância!" (Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira, introdução xxvii)

Por quais razões a Mesa Diretora, ou o Conselho de Doutrina, não se manifestaram ainda sobre o assunto?

Escrevi um artigo sobre o fato e o enviei para a redação do Mensageiro da Paz. Por qual motivo não foi publicado?

Há equívocos doutrinários em meus argumentos sobre a Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira? Porque nenhum pastor assembleiano os refuta? Qual é o problema? É de natureza "política"? É irrelevante? Qual o motivo da omissão?

Gostaria de respostas para estas perguntas!

Falando ainda sobre as Novas Teologias, quero citar algumas que não foram incluídas na lição, mas estão bem presentes no cenário evangélico brasileiro. Acesse os links abaixo:

- IGREJA EMERGENTE (1)
- IGREJA EMERGENTE (2)
- *TEÍSMO ABERTO (1)
- TEÍSMO ABERTO (2)
- TEÍSMO ABERTO (3)
- TEÍSMO ABERTO (4)
- O EVANGELHO DA AUTO-AJUDA
- ORTODOXIA GENEROSA


* Também chamada de Teologia Relacional ou Teologia do Processo.


SUGESTÕES BIBLIOGRÁFICAS

ARCHER, Gleason. Enciclopédia de dificuldades bíblicas. São Paulo: Vida, 1997.
DANIEL, Silas. A sedução das Novas Teologia. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.
EKDAL, Elizabeth Muriel. Versões da Bíblia. São Paulo: Vida Nova, 1993.
GEISLER, Norman; HOWE, Thomas. Manual popular de dúvidas, enigmas e "contradições" da Bíblia. São Paulo: Mundo Cristão, 1999.
HOUSE, H. Wayne. Teologia Cristã em quadros. São Paulo: Vida, 1999.
PAROSCHI, Wilson. Crítica Textual do Novo Testamento. 2. ed. São Paulo: Vida Nova, 1999.
PIPER, John; TAYLOR, Justin; HELSETH, Paul K. Teísmo Aberto. São Paulo: Vida, 2006.