domingo, 31 de agosto de 2008

JESUS VAI À ESCOLA!


Com este título, a Revista Época desta semana aborda mais uma vez a discussão sobre o tema "educação religiosa" nas escolas.

Leia em Época.

No mundo secularizado, a tendência é a religião deixar de vez a escola, a família e a vida do indivíduo.

Pobre mundo, pobre escola, pobre família, pobre indivíduo.

Diga-me quais as comunidades que você freqüenta. E eu lhe direi se a vaga é sua!


O programa Fantástico desta noite, trouxe uma interessante matéria sobre a nova estratégia empresarial para análise e contratação de candidatos a vagas de emprego.

Leia em Perfil digital pode prejudicar carreira profissional.

Olho nas dicas!

UMA "AJUDINHA" EM NOME DE JESUS!


Recebi o e-mail abaixo, e após autorização do irmão que me enviou, estou publicando-o aqui no blog, pois trata-se de um caso atípico e digno de análise;


Prezado Pr. Altair,


A paz do Senhor Jesus!


Pela misericórdia de Deus, sou vice-dirigente da EBD de PARATIBE ALVORADA, e como crente e servo do Senhor Jesus que tem o desejo de nunca errar o alvo, e tendo em sua pessoa uma referencia de homem de Deus, tanto na sabedoria humana e principalmente na sabedoria e conhecimento de Deus, tomo a liberdade de expor através deste, um fato que tenho observado a alguns meses nos ônibus coletivos, os quais faço uso diariamente ao ir ao trabalho e que tem me deixado muito angustiado.


Segue o relato abaixo:


Há onze anos trabalho na cidade do Recife(PE), e sempre me utilizei dos ônibus coletivos para ida e volta ao trabalho, onde se observa de tudo, porém especificamente gostaria de tratar acerca de pessoas que se utilizam de algum artifício para pedir esmolas( dinheiro, vales-transporte). Alguns usam instrumentos como pandeiro, violão, triângulo entre outros, na maioria das vezes cantando, de maneira a cativar a atenção dos passageiros, animando, incomodando ou não, com o objetivo final de pedir uma “pequena contribuição”.


Os motivos e necessidades alegados são muitos, porém concordo quando alguns dizem que é melhor pedir do que roubar, pois eles não conhecem a Jesus que é o dono do ouro e da prata.


Especificamente nos últimos dois meses, tenho observado, que alguns destes que viajam nos coletivos pedindo algum tipo de “contribuição”, diferentemente de que era comum, ou seja, utilizar-se de músicas ou parodias “do mundo” (não evangélicas), agora de maneira absurda, estão com o estereotipo de crente assembleiano, digo isso pela maneira do nosso costume de vestir( homens: calça comprida e camisa geralmente de botão, mulher: camisa bem composta e saia comprida) e porque algumas pessoas não evangélicas ainda reconhecem os crentes assembleianos pela maneira de vestir. Como se não bastasse os mesmos estão louvando hinos bastante conhecidos de cantores como Cassiane, Elias Silva, Fernanda Brum entre outros, usando expressões verbais costumeiramente utilizadas pelos crentes, como “benção”, “amado”, “abençoado de Deus”, “queridos”, isso para dirigir-se aos passageiros, penso eu que para tocar no coração de muitos, e acho que estão obtendo êxito, haja vista que na quinta-feira (14/08/2008), presenciei um jovem senhor no ônibus PE 15, que louvou varias hinos e tinha como instrumento musical um pandeiro, e o mesmo se dirigiu aos passageiros da seguinte maneira: “bom dia bença (abençoados, entendo eu), estou aqui para louvar (ele disse louvar), alguns hinos para honra e glória de Jesus”, e começou a louvar, de maneira que quando passávamos pelo centro de convenções de Olinda, grande parte dos passageiros já estavam louvando junto com ele. Não sei se Deus aprovou ou não, mas na hora do recolhimento da contribuição, após ele expor seus motivos de está no ônibus pedindo, observei o grande numero de pessoas que ajudaram colocando dinheiro em sua sacola.


Isso é apenas um dos casos que tenho visto, pois também já acompanhei durante a viagem um senhor que pregava o Evangelho e louvava com a harpa, antes de pedir dinheiro.


Sei que Deus está acima de tudo, e que nada acontece sem a Sua permissão, porém durante a viagem da quinta-feira, me senti angustiado, pois em meu coração vinha o seguinte versículo da palavra de Deus:


“Fui moço e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua descendência a mendigar o pão”. (Sl 37. 25)·.

Por isso amado Pastor Altair gostaria de sua orientação, sobre como devo me posicionar sobre esta questão, para que eu não seja achado em falta com Deus, tendo certeza que a sabedoria que repousa sobre vossa mente é a descrita em Tg. 3.17.

Em Cristo,

Washington Monteiro


MINHA RESPOSTA:


"Amado Washington, realmente o fato é inusitado. Com base nos mesmos pressupostos bíblicos que você usa, apesar de saber que um cristão pode enfrentar necessidades, mendigar não é a atitude adeqüada. A família e os irmãos em Cristo devem na medida do possível socorrer os necessitados (1 Tm 5.3-8; Rm 12.13 ss). O difícil também, é saber se tais "irmãos" não são apenas meros aproveitadores. Em caso de irmãos de 'verdade', tal procedimento desonra o nome do Senhor que promete cuidar dos seus (Mt 6.25-35)."


Pois é nobres leitores, não bastassem aqueles "irmãos" que vivem de congregação em congregação, com a mesma receita ou conta de energia elétrica (ou outra), pedindo uma "ajuda", sempre com uma história muito triste, mas nem sempre verdadeira, surge agora esta nova modalidade.


Jesus está voltando!



sábado, 30 de agosto de 2008

A SEDUÇÃO DAS DROGAS. Subsídio para lição bíblica (2)


No primeiro post, tratamos de indicar alguns links com informações conceituais, estatísticas, históricas etc. Neste, falaremos sobre o fato de que os filhos de cristãos não estão livres da sedução das drogas.

Todos nós sabemos, que muitos filhos de crentes já se enveredaram pelo mundo das drogas e da delinqüência. Por quais razões isto acontece e como prevenir tais atitudes?

Não tenho dúvida alguma sobre a importância do papel da família neste processo preventivo e, inclusive, restaurador.

ATITUDES NEGATIVAS QUE COOPERAM EM FAVOR DA SEDUÇÃO DAS DROGAS

- Falta de participação na vida dos filhos. Os pais estão participando cada vez menos da vida dos filhos. O grande volume de ocupações, o corre-corre dos tempos pós-modernos, o pensamento equivocado de que algum familiar ou parente, assim como a escola e a igreja podem suprir suas ausências, são fatores que geram carência e podem provocar alguns níveis de ansiedade e carência social, desencadeando um processo que pode culminar no envolvimento com amizades perigosas, na super-valorização deste grupo e num possível envolvimento com drogas.

- Falta de afetividade. É natural que pais ausentes acabem por não suprir as carências afetivas e emocionais de seus filhos. A falta de um beijo, de um abraço, de um afago, de uma palavra, de um olhar terno, pode conduzir nossos filhos na busca de compensações, e neste buscar, ele pode encontrar nas drogas um meio de suprir estas carências.

- Falta de diálogo. A ausência dos pais implica na falta de interatividade, de conversa, de saber dos filhos como estão, como se sentem, com quem andam, que ambientes freqüentam, como vão nos estudos, na escola, na vida. Os pais acabam se tornando estranhos dentro de casa, pessoas em quem os filhos passam a não confiar, visto que confiança só perdura e cresce com aproximação, intimidade, relacionamento.


REPENSANDO A EDUCAÇÃO CRISTÃ DOS FILHOS

Muitos pais atualmente se perguntam, como meu filho pôde seguir este caminho das drogas? Eu não o criei na igreja?

A grande questão é: o que significa criar na igreja? Jogar o menino na escola dominical? Levar o garoto ou a garota para o culto e deixá-lo correndo no pátio do templo?

Os pais levam ou mandam seus filhos para a igreja, mas não se importam com eles, não perguntam como se sentem, não se interessam se a aula na escola dominical ou o culto lhe agradaram, o que aprenderam...

O garoto ou a garota crescem num regime de ditadura e imposição de normas de conduta, numa agenda sem lazer, sem brincadeirass, sem sorrisos, sem infância, sem adolescência, sem família. O resultado disto? trauma e revolta que podem se manifestar com o tempo através de uma atitude rebelde, de confrontação, de incredulidade, de ódio. As drogas neste caso, podem servir para provocar nos pais a dor, uma certa forma de puni-los por aquilo que não deram, por suas omissões.

Uma postura e atitude correta dos pais, promoverá uma grande ação preventiva e ajudará os filhos a vencerem a sedução das drogas.

Para os pais que falharam na educação dos filhos, ter consciência disto e mudar de atitude, é fundamental para recuperação e libertação daqueles filho que se envolveram com drogas.

Se você entende que fez tudo certo, mas mesmo assim seu filho escolheu o caminho das drogas, ame-o, interceda por ele, pois há poder no amor de um pai e de uma mãe, há poder também no nome de Jesus. Não desista de seu filho.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

FILHOS SEM DEUS


"O filósofo argentino Alejandro Rozitchner defende uma educação ateísta a seus três filhos e diz já saber o que falar quando um deles lhe perguntar sobre Deus. 'Vou dizer que é um personagem como o Buzz Lightyear ou o Woody do Toy Story.'"

Leia em REVISTA ÉPOCA

Filhos sem Deus, são filhos cujos referenciais são o próprio "eu" ou os padrões móveis e relativos da sociedade pós-moderna. Pobres filhos, pobre sociedade pós-moderna.

ESCOLA BÍBLICA PARA OBREIROS EM MACEIÓ-AL

Participamos das festividades de abertura da 85ª Escola Bíblica para Obreiros, realizada pela Assembléia de Deus em Maceió-AL. O culto foi marcado por momentos maravilhosos de adoração e louvor, seguidos da poderosa ministração da Palavra de Deus.

Acompanhe a programação dos eventos através do link ASSEMBLÉIA DE DEUS - ALAGOAS

NEGOCIADORES DO VOTO ALHEIO

"Quantos obreiros hoje não se deixam comprar,principalmente nos períodos eleitorais, alguns infelizmente vendem a própria alma ao demônio, mas Daniel não agiu assim. Obreiro, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, você foi chamado para ser incorruptível,não venha negociar portanto, os votos de sua igreja, de seu rebanho, ou não venha negociar aquilo que não lhe pertence, pois a Igreja é santa e é a noiva do cordeiro de Deus."

(Fonte: Pr. Claudionor Corrêa de Andrade, CD Série de Mensagens da Revista Manual do Obreiro n. 39, CPAD.)

"Também conservei em Israel sete mil, todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda boca que o não beijou." (1 Rs 19.18)

Senhor, tenha misericórdia de nós, livra as lideranças de tua Igreja, da sedução, das garras e da corrupção da política suja, das negociatas indecentes, do escárnio de políticos que sobem em nossas tribunas, entram em nossas igrejas e depois zombam, rindo e escarnecendo, afirmando que nossas lideranças estão em suas mãos!

COMPRA DE VOTOS

CHARGES DO DIA


quarta-feira, 27 de agosto de 2008

A SEDUÇÃO DAS DROGAS: subsídio para lições bíblicas


Nobre professor, confira abaixo alguns links interessantes com conteúdos e informações que enriquecerão a sua aula:

- O QUE SÃO DROGAS (antidrogas)
- BREVE HISTÓRICO DAS DROGAS (antidrogas)
- DROGA (wikipédia)
- PROIBIR É LEGAL? (superinteressante)
- NUNCA FOI TÃO FÁCIL (veja)
- O DESAFIO DA CONVERSA (veja)
- ESTATÍSTICAS 1 (saúde.gov)
- ESTATÍSTICAS E EFEITO DAS DROGAS (antialcoolica)

Boa pesquisa e leitura!

PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS


Ser especial não é ser menos, é ser tanto quanto

Ser especial não é ser incapaz, é ser possível

Ser especial não é ser imperfeito, é ser humano

Ser especial não é ser coisa, é ser gente

Gente que ri e chora

Gente que sente e deseja

Gente que perde e conquista

Gente que ama e é amado

Simplesmente, apaixonadamente, maravilhosamente gente

(Altair Germano)

terça-feira, 26 de agosto de 2008

ESCOLA DOMINICAL: ESPAÇO PARA ATIVIDADE PEDAGÓGICA CRÍTICA-REFLEXIVA

Pensar e discutir a forma como a ED é percebida e utilizada, sabendo sobre quais pressupostos filosóficos, ideológicos e práticos é construida, é fator fundamental para o seu sucesso ou fracasso como agência de educação cristã a serviço do Reino de Deus. Apresento aqui, de forma concisa, duas visões antagônicas sobre o assunto.


ESCOLA DOMINICAL: ESPAÇO DE ATIVIDADE MECANICISTA E REPRODUTORA


Há muito tempo, em muitos lugares e por várias razões, a ED tornou-se um espaço de simples reprodução de idéias, conceitos e doutrinas. Um modelo de ensino-aprendizagem tradicional, mecanicista e tecnicista se instaurou, promovendo um tipo de ensino pobre, medíocre, formal e engessado, longe dos ideais bíblicos e do modelo de Jesus como educador. Esta forma de ensino-aprendizagem pode ser claramente percebida da seguinte maneira:

- Na formação de um currículo que por vezes não considera as realidades locais, pois exclui a participação e opinião daqueles (pastores, superintendentes, professores, alunos, etc) que vivenciam a realidade (cultura, linguagem, percepções, tradições, usos e costumes etc.). O currículo torna-se então um produto acabado, produzido por técnicos, pronto para ser importado e consumido.

- Nos conteúdos sacralizados e intocáveis dos compêndios de teologia e na tradição, que se perpetuam por séculos, tomando a primazia da própria Bíblia como fonte primária de leitura, iluminação e compreensão da verdade de Deus. Tais compêndios têm o seu devido valor, pois entendemos que foram elaborados por homens piedosos, debaixo de constante oração, mas, passíveis de conterem erros e equívocos em suas interpretações. Quando a verdade é verdade de Deus, não há o que se temer diante de qualquer questionamento sobre tal verdade. O questionamento só irá fortalecê-la como tal.

- Na atitute autoritária, arrogante e prepotente de professores que se percebem donos de todo o saber, senhores proprietários exclusivistas do conhecimento de Deus, portadores da revelação-iluminação divina, acadêmicos frios e vaidosos, mestres destituídos da humildade do Mestre.

- No pensamento de que o aluno não pensa e, se pensa e quando pensa, pensa menos, pensa errado. Na idéia behaviorista de que aluno é uma folha em branco, na qual o professor vai depositando o conhecimento. Na concepção de que o aluno não traz nada para a sala de aula que possa contribuir para a construção do saber/fazer teológico.

- No uso/abuso do método expositivo de ensino, sem criatividade, sem graciosidade, sem dialogicidade, sem afetividade, sem interação, sem participação, sem alegria, sem vida, sem amor, sem graça, sem Deus.

- Na ação castradora, inquisitora e opressora de professores, diante de alunos pensantes e contestadores, interessados nas entrelinhas do texto, na aplicação prática da palavra, na aprendizagem inteligente da lição.

RECONHECIMENTO, INCENTIVO E PRÁTICA DA ATIVIDADE CRÍTICA/REFLEXIVA NA ESCOLA DOMINICAL

Transformar a ED num espaço onde o pensamento e a prática pedagógica crítica-reflexiva seja vivenciada, não é apenas possível, é urgente. Fomos ensinados a reproduzir doutrinas ao invés de pensar doutrinas, a ouvir passivamente ao invés de perguntar.

Os questionamentos e as discordâncias dos alunos na ED, sempre foram vistos com maus olhos, como atitude rebelde e insubmissa. A falta de preparo pedagógico e teológico do professor, que compromete o seu saber-fazer docente, associado a um pseudo e equivocado zelo doutrinário, temperado pelo medo de se enveredar pelas trilhas das heresias, faz com que o modelo crítico-reflexivo seja evitado.

Uma atitude, e um fazer docente crítico-reflexivo na ED, só pode partir de professores libertos e libertários (não confunda com libertinos), promotores e abolicionistas do livre pensar e expressar, tendo como referencial máximo a Bíblia sagrada, lida e estudada debaixo de profundo temor, tremor e dependência de Deus. De professores-leitores críticos de compêndios teológicos e de lições bíblicas.

Por fim, trago como proposta para uma aula crítica-reflexiva o seguinte modelo:

- Apresentação e discussão do conteúdo da lição bíblica, através de métodos diversificados (júri simulado, discussão em grupo, perguntas e respostas, debate orientado, apresentação de pesquisa etc) que priorizem a interatividade entre professores e alunos;

- Observação de outras formas de se entender, de outras definições e possibilidades em relação ao conteúdo da liçaõ bíblica;

- Confrontação das idéias à luz da Bíblia e de outras fontes de consulta;

- Consolidação dos conteúdos ou síntese das idéias.

O processo de ensino-aprendizagem, fundamentado no pensamento e na ação crítica-reflexiva, baseado no modelo de Jesus, contribuirá para a formação espiritual de alunos mais maduros, conscientes, firmes e constantes na obra do Senhor.

Pense nisto.

Altair Germano (pastor, teólogo, pedagogo, pós-graduado em educação cristã, mestrando em teologia)

domingo, 24 de agosto de 2008

NOVAS FORMAÇÕES DA FAMÍLIA BRASILEIRA: A MINHA FAMÍLIA NÃO É NORMAL

"Foi-se o tempo em que “família” era sinônimo de pai, mãe e filhos morando debaixo do mesmo teto. O Brasil tem hoje, 59 milhões de famílias com as mais diversas formações. A maioria ainda é composta por casais com filhos. Mas as coisas estão mudando... e rápido!

A última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios chamou atenção para uma nova configuração na família brasileira: cerca de 1,2 milhão de lares são formados apenas pelo pai com seus filhos, sem a presença de uma mãe.

Se o número de homens cuidando de filhos sozinhos já é grande, o de mães sem parceiros, é 10 vezes maior. Pesquisa do IBGE revela que 10 milhões de brasileiras, vivem hoje nessa situação." (Leia em Fantástico)

Primeiro vieram os números;

- 59 milhões de famílias
- 1,2 milhão de lares sem mães
- 10 milhões sem pais
- Famílias com casais homossexuais e filhos adotados

Estes são alguns dados estatísticos da família brasileira revelados no programa Fantástico que foi ao ar ontem.

No final do quadro veio o melhor (ou pior). Cômico, cruel, mas verdadeiro, uma simulação de uma conversa em família que ocorre conforme abaixo:

Um marido conversa com a sua esposa. Afirma que a filha já tem idade para saber de algumas verdades até então omitidas.

A filha, que mais parece um filho, chega e escuta as seguintes declarações:

- Eu e sua mãe somos casados no papel e na igreja
- Sua mãe casou virgem
- Você não é adotada

A filha deixa a sala estarrecida, escandalizada, profundamente decepcionada com seus pais, por não ter uma família normal.

O programa aborda o assunto com a maior naturalidade, mas não fala das conseqüências trágicas na sociedade. É como propaganda de cigarro e bebida, todos aparecem rindo e satisfeitos, mas as estatísticas de doenças, mortes, acidentes etc., não aparecem.

Que o Senhor tenha misericórdia da família brasileira!

A ORIGEM "ESPIRITUAL" DAS OLIMPÍADAS

IMAGEM: TERRA.COM.BR

"Depois que o cristianismo se tornou a religião oficial do Império Romano, as Olimpíadas acabaram sendo proibidas, por causa da ligação estreita que tinham com o culto pagão. Mas isso não significa que os seguidores de Cristo tivessem ignorado o significado espiritual dos Jogos. Em suas cartas no Novo Testamento, São Paulo, o maior missionário da primeira geração cristã, usa justamente metáforas olímpicas - chegar em primeiro na corrida, receber a coroa da vitória, combater o bom combate - para falar dos percalços da fé.

E isso faz todo o sentido quando se considera a origem da palavra “atleta”, diz Spivey - ela vem do verbo grego athlêuo, “eu sofro”. O atleta, portanto, é o sofredor por excelência, sacrificando-se por um resultado que valha a pena o esforço..." Leia em CIÊNCIA DA FÉ

sábado, 23 de agosto de 2008

SEGUNDO CASAMENTO: HÁ BENÇÃO NA SEGUNDA CHANCE?

"O pastor conta que atendeu a um caso em sua igreja em que a mulher era agredida fisicamente pelo marido. Mesmo depois de muita conversa, acompanhamento de especialistas e aconselhamento pastoral, as surras à esposa e aos filhos não cessaram. Em várias ocasiões, as sessões de violência e ameaças de morte terminavam na delegacia. “Como dizer que aquela família levava uma vida de bênçãos se dentro de casa era um inferno?”, questiona pastor Rocha. Depois de acompanhar de perto, durante anos, aquela situação e não ver nenhuma evolução, o pastor começou a temer o pior e sugeriu a separação do casal. “Como poderia dizer para a pessoa continuar casada numa situação dessas? Ela e as crianças corriam sérios riscos de vida”, enfatizou..." (Enfoque Gospel)

Mais uma vez o tema "segundo casamento" ganha destaque na mídia evangélica. Leia todo o artigo na ENFOQUE GOSPEL

BLOGS E LIÇÕES BÍBLICAS DA ESCOLA DOMINICAL

A partir de hoje estou incluindo na barra lateral deste blog, links de outros blogs e sites que trazem semanalmente subsídios e comentários para a lição bíblica da ED;

- Ensino Dominical
- Escola Dominical na Web
- Educador Cristão
- Pastor Adilson Guilhermel
- Ev. Isaías de Jesus
- CPAD

Se você possui um site ou blog que comenta semanalmente as lições bíblicas da CPAD, nos envie o endereço do link.

Boa aula!

SAUDADES DE TERESINA!


Um abraço aos amados irmãos da AD em Teresina-PI, pela forma amável como me receberam, em especial, ao pastor Besaleel e família, a igreja em Aeroporto, o irmão Jessé, sua esposa irmã Ana e filhos, a irmã Késia, o Oséas etc, etc, etc....

Saudades!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

A PAIXÃO


Da última vez que tratei sobre o tema paixão, falei de uma perspectiva da nossa relação e sentimentos para com o Senhor Jesus. Neste post, procuro tratar da paixão no âmbito das relações humanas.

O QUE É PAIXÃO?

Começo trazendo (ou revendo) algumas definições já expostas, como base para a nossa abordagem. O termo paixão deriva do latim passione, sentimento excessivo; amor ardente; afeto violento; entusiasmo, e do grego, derivada de paschein, padecer uma determinada ação ou efeito de algum evento. É algo que acontece à pessoa independente de sua vontade ou mesmo contra ela. De paschein deriva pathos e patologia. Pathos designa tanto emoção como sofrimento e doença. As paixões, entendidas como emoções, mobilizam a pessoa impondo-se à sua vontade e à sua razão."

Paixão é emoção. Como emoção, paixão é alegria e tristeza, bálsamo e dor

Paixão é imposição, mas imposição de quem ou do quê? Parece-me que paixão é imposição dos sentidos, resultado de uma complexa relação entre corpo e mente, consciência e inconsciência, física e química, eu e tu, que desencadeia um processo geralmente não planejado que nos leva a desejar ardentemente, e até obsessivamente coisas ou pessoas. É assim, no âmbito das relações humanas uma imposição que é acionada e se desencadeia através de um sorriso meigo, um olhar profundo, um gesto carinhoso, uma atenção especial, uma voz doce, uma mente brilhante, um pensar inteligente. Geralmente ela surge de um descuido em nossa auto-vigilância.

Paixão é patologia do amor.

Alguns cientistas a descrevem como "uma descarga bioquímica que transporta no interior de nosso ser um misto de adrenalina e outras substâncias secretas, que produzem uma certa confusão emocional.”

CARACTERÍSTICAS DA PAIXÃO

A paixão, ao contrário do amor, dura intensamente por um tempo muito curto.

O amor autêntico é altruísta, dirige-se à outra pessoa, não busca os seus próprios interesses. A paixão é simplesmente a busca por uma satisfação egoísta.

O que fica nos relacionamentos e nas realizações fundamentados na mera paixão, quando esta se acaba? Minha resposta é culpa, frustração, arrependimento e outros sentimentos semelhantes.

A PAIXÃO NA BÍBLIA

Sempre que a palavra “paixão” aparece na Bíblia, percebe-se nela um sentido negativo. Por exemplo:

Paixões Infames (Rm 1.26)
Paixão Lasciva (Cl 3.5)
Paixões da Mocidade (2 Tm 2.22)
Paixões Mundanas (Tt 2.12)
Paixões na Ignorância (1 Pe 1.14)
Paixões Corruptoras (2 Pe 1.4)
Paixões Ímpias (Jd 18)

PAIXÃO LÍCITA E ILÍCITA

Pode haver algo de lícito na paixão? Penso que sim. Este forte sentimento pode provocar o desejo por aquilo, aquele ou aquela sem ser necessariamente o desejo pelo proibido, pelo inacessível, pela propriedade, pelo amor alheio. Geralmente a paixão se impõe não respeitando os limites da ética, das convenções culturais, do outro. A paixão não se toca. Desta forma, o desejo ardente pelo coisa ou pelo outro pode nos induzir ao erro, à transgressão, ao pecado. A paixão não enxerga nem pensa no futuro, só se interessa pelo presente, pela conquista aqui e agora, pela simples materialização e concretização da loucura, pelo alcance do prazer de ter, de possuir e estar com o que e com quem loucamente se deseja.

PAIXÃO, TEMPO E RACIONALIDADE

A racionalidade trabalha contra a força e a loucura da paixão. O tempo trabalha em favor da racionalidade. Como qualquer "emoção", palavra derivada do latim movere - "mover" - acrescida do prefixo "e-", que indica uma propensão para uma ação imediata, a paixão busca o imediato. Quanto mais tempo para a ponderação e reflexão, mais teremos chances de dominar e de vencer a paixão. É claro que, em se tratando de cristãos, a cooperação do Espírito deve ser sempre buscada.

Ninguém está livre de se apaixonar lícita ou ilicitamente. A paixão não respeita cargos, funções, sexo, idade, classe social. A paixão não "pensa" nas conseqüências. Por isso, enquanto puder ,fuja da paixão (2 Tm 2.22), principalmente da ilícita. Só o tempo e as atitudes podem transformar paixão em amor. Transformar paixão ilícita em lícita.

Achar que está livre de se apaixonar, ou negligenciar a força da paixão, são idéias que podem ser usadas pela própria paixão para se apropriar, dominar e controlar a mente e as ações de quem quer que seja.

É sempre bom lembrar a afirmativa bíblica:

"Elias era homem semelhante a nós, sujeito aos mesmos sentimentos (paixões na ARC)" (Tg 5.17a)

Negligenciar esta verdade, é no mímino perigoso.


Ofra Haza - Kaddish

For salvation, kaddish,
For redemption, kaddish,
For forgiveness, kaddish,
For health, kaddish,
For all the wars victims, kaddish,
For all the holocaust victims, kaddish

-m'yiten shama'i keri'oh
Hamah gurah v'hamaym ka li retoh
Ha samovim rachu'ah
Hamah hareh 'al kah teru'ah-
Why do i cry at night?
Why do i feel so bad?
Something holds me tight
It's something in the air.

I have a prayer, a prayer,
A prayer from my heart
Night after night after daylight,
Memories of home...

Ba ha yakhon uv ya mekhon - kaddish
Al yisrael tal mi de hone - kaddish
Al na homo al shezovo - kaddish
Al rafuho uge'ulo - kaddish
Al saliho wa chaporo - kaddish
Al hasolo al hasolo - kaddish
Al nahomo - kaddish
Al rafuho - kaddish
Al saliho - kaddish
Wa chaporo al hasolo al hasolo - kaddish
Oh kaddish de rabanon
Oh kaddish da amiran
Bo'olamo divoro - kaddish
Huyit gadal weyit kadash - kaddish
Al nahomo al shezovo - kaddish
Al rafuho uge'ulo - kaddish
Ba hayekhon uv ya'mekhon - kaddish
Al yisrael tal mi dehon - kaddish
Al shalomo - kaddish
Min shamayo - kaddish
Ye helano - kaddish
Wa chaporo - kaddish
Al hasolo - kaddish

terça-feira, 19 de agosto de 2008

CUIDANDO DO CORPO COM MODERAÇÃO. Subsídio para lição Bíblica

A lição bíblica "cuidando do corpo com moderação", nos proporciona a oportunidade de mais uma vez, tratar daquele que por séculos, devido a uma compreensão equivocada, buscando-se , e inclusive alegando-se fundamentação escriturística, foi objeto de desprezo, descuido e de auto-flagelo: o corpo.

O Saber Sobre o Corpo

A maneira como percebemos o corpo define a forma de lidarmos com ele. Nosso relacionamento com o nosso próprio corpo começa com uma tomada de consciência de que possuímos um corpo,e que este interage num mundo de corpos e objetos.

Foi com início da atividade reflexiva e filosófica, especificamente com Sócrates, que a "unidade do ser" foi quebrada, dividindo-o em corpo perecível e alma imortal.

Através de Platão, a divisão transforma-se em antagonismo. Desta forma, a alma é eterna, pura, sábia, ao passo que o corpo é mortal (corruptível), impuro e degradante. O corpo é entendido como a prisão da alma, instrumento de limitação da ascensão ao plano ideal e perfeito.

Em Aristóteles, todo o ser vivo tem uma alma racional e, diferentemente de Platão, entende que o corpo, longe de ser obstáculo, torna-se instrumento para as funções sensitivas e vegetativas (conf. Mundo dos Filósofos).

Alguns estudiosos percebem nos escritos paulinos a retomada das idéias platônicas, onde o corpo em sua corruptibilidade, é pecaminoso e empecilho para a vida plena no espírito:

"Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual." (1 Co 15.42-44)

No entanto, devemos considerar por uma outra perspectiva, que Paulo dá ao corpo o seu devido valor quando o qualifica de "templo e morada do Espírito":

"Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo." (1 Co 6.19-20)

É exatamente, quando de forma equilibrada e bíblica entendemos o corpo, com suas limitações, mas também com o seu valor, que nossa atitude para com este corpo será devidamente livre de qualquer tipo de extrema aversão ou de extremo valor.

A Coisificação do Corpo

"O corpo não é coisa e nem é separado de nosso eu, não é uma coisa que temos, mas aquilo que somos" (Gallo)

Longe de interpretarmos como uma mera declaração filosófica, a frase acima expressa muito bem a concepção bíblica cristã de corpo. Sua importância é tal, que a ressurreição e a transformação dos corpos (1 Ts 4.13-18), será o evento escatológico que concluirá o processo redentor de forma plena.

O corpo é parte constituinte de nossa personalidade, de forma que, sem o nosso corpo seríamos reduzidos a um ser-menos, inconcreto e imperceptível. Sendo assim, na nossa auto-relação e inter-relação, o corpo é essencial.

É através do corpo que nos relacionamos, nos comunicamos, convivemos, produzimos, sentimos, percebemos, atentamos, conhecemos. Corpo é alma encarnada, que toca, ri, chora, sente, se expressa, fala, gesticula, chama a atenção.

A coisificação do corpo inclui a tentativa de transformá-lo em objeto de uso, à mercê de interesses ideológicos, econômicos, políticos, sexuais etc. Contemplamos em nossos dias, uma verdadeira mercadologização e exploração do corpo, promovida pela mídia através de propagandas, filmes, novelas, livros, jornais etc.

O Cuidar do Corpo

Cuidar do corpo não implica em "cultuar o corpo". O corpo, que deveria ser templo do objeto de nosso culto (1 Co 6. 19), transformou-se em objeto de culto. Motivadas por concepções narcisistas, ou manipuladas pelo mercado fitness e estético, milhares de pessoas (incluindo cristãos)

"invadem as academias, enchem os parques para correr e caminhar, compram pelo telefone produtos milagrosos anunciados na televisão para fazer com que seu corpo fique igual ao dos atletas dos comerciais, mais do que fazer com que atentemos para nosso corpo, o que seria de fato desejável, na verdade, significa uma alienação ainda maior. [...] Como escultores, queremos transformar a "pedra bruta" que é o nosso corpo, numa obra de arte; nosso martelo e nossa talhadeira são os anabolizantes, as vitaminas importadas, os aparelhos de exercícios, as dietas e os produtos para emagrecer..." (GALLO, 2005, p. 66)

Acontece que muitos estão fazendo do seu corpo o seu próprio “deus”, em vez de “morada de Deus” (João 14.23).

É possível constatar dois extremos. De um lado temos aqueles que não zelam por seu corpo. Alimentam-se indevidamente, não fazem atividades físicas com regularidade, se descuidam da higiene corporal, da aparência “saudável”, nem fazem exames clínicos com regularidade.

Na outra ponta estão os eternos inconformados com o seu corpo. Vivem à base do bisturi, das dietas mirabolantes, das bulimias crônicas, e de outros artifícios. Existem cristãos, homens e mulheres, jovens e adultos, que estão deixando de ir à igreja, de fazer o culto doméstico, de orar, de ler a Bíblia, tudo por causa da academia, da caminhada, da corrida, etc.

É preciso ter sabedoria na hora de cuidar do corpo e da saúde (Tiago 1.5). Os valores não podem ser invertidos (1 Timóteo 4.8 e 1 Pedro 3.3-4).

Aparência e Essência

Será que compensa arriscar a vida para se submeter aos padrões estéticos “impostos” por alguns segmentos da nossa sociedade? A quem isso interessa? O ideal de “corpo perfeito” parte da objetividade ou subjetividade? Até quando o “parecer” prevalecerá sobre o “ser”? A aparência sobre a essência?

Como bem coloca Gallo (idem, p. 67)

"Precisamos fazer do corpo um elemento de resistência, que nos liberte do negativismo e do pragmatismo. Um corpo que nos coloque em frente a nossa realidade, confrontando-nos com problemas e situações. Um corpo que nos coloque no mundo e que seja capaz de "aventurar-se" para vivenciarmos novas e impensadas perspectivas para a vida"

Diante de Deus, a essência sempre prevalecerá ante a aparência

"Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração." (1 Sm 16.7)

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade." (Mt 23.25-28)

Corpo e Pecado

Pecamos através do corpo e contra o corpo. Entre os pecados que cometemos contra o corpo , podemos citar:

- "Prostituição" (gr. pornéia), i.e., imoralidade sexual de todas as formas (adultério, fornicação, homossexualidade, lesbianismo, etc). Isto inclui, também, gostar de quadros, filmes ou publicações pornográficos (Mt 5.32; 19.9; At 15.20,29; 21.25; 1Co 5.1).

- "Impureza" (gr. akatharsia), i.e., pecados sexuais, atos pecaminosos e vícios, inclusive maus pensamentos e desejos do coração; inclui vida devassa e atos impuros (Ef 5.3; Cl 3.5).

- "Bebedices" (gr. methe), i.e., descontrole das faculdades físicas e mentais por meio de bebida embriagante. Intoxicação, embriaguez.

- "Glutonarias" (gr. Komos), i.e., diversões, festas com comida e bebida de modo extravagante e desenfreado, envolvendo drogas, sexo e coisas semelhantes. Bíblia On-line: “procissão noturna e luxuriosa de pessoas bêbadas e galhofeiras que após um jantar desfilavam pelas ruas com tochas e músicas em honra a Baco ou algum outro deus, e cantavam e tocavam diante das casas de amigos e amigas; por isso usado geralmente para festas e reuniões para beber que se prolonga até tarde e que favorece a folia”.

Como bem escolheu o pastor Wagner Gaby, um texto para guardarmos em nossa mente ao finalizarmos este comentário é o de 1 Coríntios 10.31

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus."

Referências

BARCLAY, William. As obras da carne e o fruto do Espírito. 2ª ed. São Paulo: Vida Nova, 2000.

GALLO, Sílvio (Coord.). Ética e cidadania: caminhos da filosofia. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

http://www.belezaestetica.com/

http://www.bibliaonline.net/bol/

http://boaforma.abril.com.br/fitness/

http://pastorjunior.blogspot.com/2007/10/as-obras-da-carne-e-o-fruto-do-esprito.html

Lições Bíblicas CPAD. 3º Trimestre/2008.

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

CONFERÊNCIA MISSIONÁRIA EM TERESINA


Se encerra hoje a primeira Conferência Missionária da Assembléia de Deus do Aeroporto, em Teresina-PI.

A partir de amanhã, se Deus quiser, voltaremos a postar no blog.

Um abraço!

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

CARTA A UM OBREIRO ITINERANTE


Querido, se você estiver lendo esta carta, é sinal que chegou em paz ao hotel, e que acabou de abrir a sua mala de viagem.

Confesso que fiquei bastante entusiasmada com o fato de seu ministério começar a ganhar projeção nacional. Percebia em seu semblante a alegria e em seus gestos a euforia diante dos convites recebidos.

No retorno de cada viagem, a sua chegada em casa era bastante aguardada por mim e pelas crianças, pois além de matar a saudade, ouvia-mos acerca das maravilhas que Deus estava realizando através da sua vida.

O tempo passou, os convites aumentaram, e o que não esperava aconteceu: você se distanciou de mim. Não é fácil passar um mês inteiro sozinha, visto que ao final de cada evento, de lá mesmo, você atende outro convite. Me sinto desamparada, angustiada e aflita.

Em suas raras e rápidas passadas em casa, você não conversa mais comigo, não me olha mais, não me percebe mais, nem me deseja mais. Estou sofrendo. Não lhe falei sobre o assunto pessoalmente porque não tive a oportunidade.

As crianças estão sentindo a sua falta. O Júnior chora constantemente sem nenhum motivo aparente. Acorda durante a noite chamando por você. Fico analisando, o que será que ele vai pensar do pai quando crescer? Será que ele terá seqüelas por isto?

Faço o possível para não demonstrar publicamente meus sentimentos, finjo que tudo está bem, mas parece que os irmãos já perceberam a situação, sem falar que sempre perguntam por você.

Não gostaria de me sentir como um obstáculo para o teu ministério, contudo, acredito numa frase que li há pouco tempo que dizia: "Nenhum sucesso compensa o fracasso da família".

Pense nisto. Na esperança de dias melhores,

Tua esposa.

Te amo.

OBS: Esta carta é baseada em fatos reais.

CÉREBRO DO HOMEM x CÉREBRO DA MULHER


Assista uma divertida apresentação sobre o assunto no link abaixo:

PEDABOBOS: CÉREBROS DOS CASAIS - JV NA ESTRADA

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

CRISTO, A PERFEITA PAZ. Subsídio para lição bíblica


INTRODUÇÃO

A palavra paz entrou no Novo Testamento com uma história grandiosa. É a tradução da palavra hebraica shalom. É verdade que shalom significa paz, e como paz é traduzida na maior parte das referências em nossas Bíblias, embora existam outras possibilidades tais como: saúde (Sl 38.3), bem-estar (Gn 43.27), prosperidade (Jó 15.21). Shalom realmente significa tudo quanto contribui para o bem do homem, tudo que faz com que a vida seja verdadeiramente vida. Entre nós, paz passa a ter um significado um pouco negativo, ou seja, a ausência das guerras e dos problemas. Por exemplo, se numa batalha, as hostilidades propriamente ditas chegassem ao fim, sem haver mais lutas, provavelmente diríamos que houve paz; mas bem certamente o hebreu não chamaria de paz uma situação onde há terras queimadas, e onde as pessoas ainda se olham com um certo tipo de suspeita. No pensamento hebraico a paz é algo muito mais positivo; é tudo quanto contribui para o maior bem dos homens. A saudação shalom não expressa simplesmente o desejo negativo de que a vida da pessoa fique livre de problemas; expressa esperança e a oração positiva de que ela possa desfrutar de todas as boas dádivas e bênçãos da mão de Deus. Ao pensar no significado de paz, tanto no Antigo Testamento quanto no Novo, é essencial ter em mente o significado positivo da palavra.

A palavra grega para paz é eirene, que descreve a serenidade, tranqüilidade, o perfeito contentamento da vida totalmente feliz e segura. O caminho da retidão será a paz, e o efeito da retidão será a quietude e segurança para sempre (Is 32.17). O salmista deitar-se-á em paz e dormirá, porque é Deus quem o faz repousar seguro (Sl 4.8). Jeremias contrasta a terra da paz com a floresta do Jordão. (Jr 12.5). Esta palavra “paz” traz a calma e a serenidade da vida da qual o medo e a ansiedade foram banidos para sempre. No Novo Testamento a palavra paz, eirene, ocorre oitenta e oito vezes, e em todos os livros. O Novo Testamento é o livro da paz.

A ORIGEM DA PAZ

- A paz provém da fé – A oração de Paulo pelos cristãos em Roma é que o Deus da esperança os enchesse com todo o gozo e paz no seu crer (Rm 15.13). A paz provém da certeza da sabedoria, do amor, e do poder de Deus. A paz provém de apostar sua vida na fé de que aquilo que Jesus disse a respeito de Deus é verídico.

- A paz provém da fé que se aplica às obras – Há glória e honra para todos quantos praticam o bem, para o judeu e o grego igualmente (Rm 2.10). A paz provém da obediência que se fundamenta na total confiança em Deus. A vida cristã tem em primeiro plano a atividade intensa, e, como pano de fundo uma passividade sábia em que o cristão descansa em Deus.

- A paz provém de Deus – Paulo fala da paz de Deus que excede todo entendimento (Fp 4.7). Com toda a probabilidade, isto não quer dizer tanto que a paz de Deus ultrapassa o poder da compreensão da mente humana, mas que a paz de Deus ultrapassa a capacidade de planejar da mente humana. A paz é muito mais uma coisa que Deus dá, do que algo que o homem cria.

- A paz é um Dom de Jesus Cristo – Quando o Cristo ressurreto voltou para Seu próprio povo, sua saudação foi: “Paz seja convosco” (Jo 20.19, 21, 26). Conforme disse o Dr. James Stewart, quando Jesus Cristo ausentou-se fisicamente dos homens, não tinha bens nem posses para lhes deixar. Mesmo assim, Jesus sua última vontade e testamento: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou” (Jo 14.27). Em última análise a paz não é algo que o homem alcança – é algo que ele aceita.

A PAZ E OS RELACIONAMENTOS

O significado mais freqüente no Novo Testamento para a paz, envolve o “relacionamento certo em todas as esferas da vida”:

(a) A paz é o relacionamento certo dentro do lar – Em 1 Co 7.12-16 Paulo orienta para que nas relações conjugais, sempre se procure manter a paz. Uma família e um casamento sem paz traz um grande prejuízo para o indivíduo. Que haja paz na tua casa!

(b) A paz é o novo relacionamento entre judeus e gentios – Jesus, disse Paulo, é a nossa paz, porque de dois povos fez um, e derrubou o muro de hostilidades que estava no meio. Criou nEle mesmo um novo homem para tomar o lugar dos dois, fazendo a paz por este modo (Ef 2.14-17). No templo dos judeus no tempo de Jesus, havia literalmente uma parede que fazia divisão entre os gentios e judeus. Havia um sentimento mútuo de hostilidades. Em Cristo não há nem judeu, nem grego, nem escravo, nem liberto, nem homem, nem mulher (Gl 3.28). Em Jesus Cristo as barreiras estão derrubadas, e só nEle pode ser estabelecido o relacionamento certo entre uma nação e outra, entre uma raça e outra.

(c) A paz descreve o relacionamento entre os irmãos na Igreja – Os cristãos devem manter a unidade do Espírito no vínculo da paz (Ef 4.3). Aos colossenses “Seja a paz de Cristo o árbitro em vossos corações” (Cl 3.15). Dentro da Igreja a paz de Deus deve governar todas as decisões.

(d) A paz descreve os relacionamento entre um cristão com todos os homens – É dever de cada crente esforçar-se por criar e manter um relacionamento de paz com todos os homens (Hb 12.14).

(e) A paz descreve o relacionamento entre o homem e Deus- Mediante a obra de Jesus Cristo, pelo sangue, temos paz com Deus (Rm 5.1; Cl 1.20. Através da sua obra, o medo, a alienação, o terror e a distância já não existem e temos intimidade com Deus.

ILUSTRAÇÃO

“ Um rei ofereceu um grande prêmio para o artista que melhor pudesse retratar a idéia de paz. Muitos pintores enviaram seus trabalhos ao palácio, mostrando bosques ao entardecer, rios tranqüilos, crianças correndo na areia, arco-íris no céu, gotas de orvalho em uma pétala de rosa.

O rei examinou o material enviado, mas terminou selecionando apenas dois trabalhos.

O primeiro mostrava uma lago tranqüilo, espelho perfeito das montanhas poderosas e do céu azul que o rodeava. Aqui e ali se podiam ver pequenas nuvens brancas e, para quem reparasse bem, no canto esquerdo do lago existia uma pequena casa, com a janela aberta, a fumaça saindo da chaminé – o que era sinal de um jantar simples, mais apetitoso.

O segundo quadro também mostrava montanhas, mas estas eram escabrosas, os picos afiados e escarpados. Sobre as montanhas, o céu estava implacavelmente escuro e das nuvens carregadas saíam raios, granizo e chuva torrencial.

A pintura estava em total desarmonia com os outros quadros enviados para o concurso. Entretanto, quando se observava o quadro cuidadosamente, notava-se numa fenda da rocha inóspita um ninho de pássaro. Ali, no meio do violento rugir da tempestade, estava sentada calmamente uma andorinha.

Ao reunir sua corte. O rei elegeu essa Segunda pintura como a que melhor expressava a idéias de paz. E explicou: Paz não é aquilo que encontramos em lugar sem ruídos, sem problemas, sem trabalho duro, mas o que permite manter a calma em nosso coração, mesmo no meio das situações mais adversas. Esse é o verdadeiro e único significado da paz.”

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

BARCLAY, William. As obras da carne e o fruto do Espírito. 2ª ed. São Paulo: Vida Nova, 2000.

domingo, 10 de agosto de 2008

AS PROFECIAS DO APOCALIPSE E O LIVRO DE DANIEL: ESTUDOS ESCATOLÓGICOS DE ISAAC NEWTON

ISAAC NEWTON (1643-1727)

"Um livro que acaba de chegar ao Brasil ajuda a revelar um lado surpreendente de Isaac Newton (1643-1727), pai da física moderna e responsável por formular a lei da gravidade, entre outras realizações científicas fundamentais. Nas horas vagas (ou, para ser mais exato, na maior parte do tempo durante sua maturidade), Newton se dedicava a um estudo detalhado, ponto por ponto, dos escritos atribuídos ao profeta Daniel e do Apocalipse, os dois livros bíblicos mais que mais versam sobre o fim do mundo. Para o cientista britânico, as duas obras eram guias precisos para a história do mundo até sua época e continham a chave para desvendar o que aconteceria no final dos tempos"

A obra se chama "As profecias do Apocalipse e o livro de Daniel" (Editora Pensamento)". Os céticos e liberais já caíram em cima, tentando questionar os estudos de Newton:

"Apesar do esforço interpretativo de Newton, poucos estudiosos atuais do texto bíblico vão concordar com sua análise. Para começar, enquanto o físico considerava que o livro de Daniel tinha sido escrito no século 6 a.C. pelo profeta do mesmo nome, o consenso moderno é que a obra é tardia, de meados do século 2 a.C. -- relatando, portanto, muitas coisas que já eram passado no tempo do profeta antes de se dedicar à profecia propriamente dita."

MPPE E MPT INVESTIGAM POSSÍVEL FRAUDE NA CÂMARA MUNICIPAL DE PAULISTA

Recebi e-mails e ligações de alguns leitores pedindo-me esclarecimentos pelas notícias veiculadas na imprensa estadual, em razão do fato de alguns pastores serem acusados de envolvimento no chamado Trem da Alegria, um suposto esquema de fraude na Câmara Municipal de Paulista-PE:

- DIÁRIO DE PERNAMBUCO (1)
- DIÁRIO DE PERNAMBUCO (2)
- BLOG DO JAMILDO - JC ONLINE

Ao contrário do que pode ser lido em uma das matérias, que afirma "todos eles são culpados até que se prove o contrário", sou daqueles que afirmam "todos são inocentes até que se prove o contrário". Condenar antes do direito da livre e ampla defesa é uma prática que não condiz com a reta justiça.

Por mais evidências e provas testemunhais, materiais e documentais que se tenham em qualquer caso ou tipo de acusação, só depois de tramitado e julgado, esgotados todos os recursos, é que qualquer indivíduo pode ser declarado "culpado". Esse princípio se aplica a todos, independente de raça, cor, condição econômica, religião etc.

Aos que foram acusados (pastores, vereadores, crentes, incrédulos, ateus, etc), mas estão com a consciência tranqüila, resta esperar pacientemente (e dolorosamente), e caminhar com a cabeça erguida, até o desfecho do caso.

Neste, como em qualquer outro episódio, após a conclusão das investigações e do processo, os culpados devem ser punidos. É bom lembrar que como cristãos, a medida da punição deverá ser a mesma do perdão, para aqueles que arrependidos confessarem e abandonarem o erro. Até lá, cabe-nos acompanhar sem pré-julgamentos.

sábado, 9 de agosto de 2008

EVENTOS E PROGRAMAÇÕES: TERMOS APROPRIADOS


Parece-nos que no afã de dar um maior status para alguns eventos, ou simplesmente por desconhecimento dos significados, em algumas igrejas são usados indiscriminadamente e equivocadamente alguns termos para nomear suas atividades.

Buscando colaborar com as mesmas, segue abaixo algumas definições que certamente ajudarão na hora de organizar o próximo "trabalho":

- SIMPÓSIO

O simpósio é um evento caracterizado por discussões e exposições verbais apresentadas por vários indivíduos sobre um tema comum. A apresentação formal dos assuntos permite a apresentação sistemática. Pode haver em certo momento alguma interação mínima, ou debate entre os participantes.

Dentro do simpósio, os especialistas nos assuntos abordados desenvolvem diferentes aspectos de um problema, de um tema, em forma sucessiva.

Desta maneira, um simpósio tem como objetivo de apresentar um assunto/tema por vários aspectos, mediante a participação de especialistas.

- CONFERÊNCIA

Conferência é uma técnica de exposição verbal, realizada pelo conferencista para o público, onde geralmente a interrupção não é permitida e a interação é mínima.

Se exige do auditório/público um elevado nível de cooperação, abstração, atenção, concentração, bem como, conhecimento, ainda que mínimo do conteúdo da conferência.

Do conferencista se espera o pleno domínio do assunto, para não demonstrar insegurança e para não frustrar as expectativas dos ouvintes. A palestra se enquadra aqui.

- CONGRESSO

Congresso é uma reunião com o propósito de distribuir informações, tomar decisões, analisar e resolver problemas, trocar informações, planejar, conduzida por pessoas muito qualificadas (técnicas, especialistas, expert).

Em geral, o congresso se inicia com uma exposição geral (palestra magna), uma série de trabalhos em pequenos grupos, discussões em painel e uma assembléia geral de conclusões.

- SEMINÁRIO

Seminário é uma atividade de investigação, pesquisa, visão global, análise e síntese. O estudo ou investigação de um tema é realizado em reuniões de trabalho devidamente planejadas, por meio da colaboração recíproca dos participantes.

É um termo mal utilizado, principalmente nas instituições de ensino, em que um grupo expõe um trabalho a colegas. Esse tipo de apresentação poderá ser uma dissertação ou conferência, nunca um seminário.

- PAINEL

No painel reúnem-se várias pessoas para exporem suas idéias para determinado assunto ante um auditório. No painel, a conversação é basicamente informal, os membros não atuam como oradores, não expõem.

Da próxima vez que você for organizar um evento em sua igreja, tenha cuidado para não cair no erro ou na tentação de dar a designação imprópria para o mesmo.


REFERÊNCIA

MINICUCCI, Agostinho. Técnicas de trabalho de grupo. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001.


quarta-feira, 6 de agosto de 2008

CGADB - EDITAL DE CONVOCAÇÃO

A Mesa Diretora e o Presidente da CGADB, nos termos dos art. 39, I e II, e 40, II, do Estatuto Social, expediram o edital de convocação a todos os associados adimplentes para a 39ª Assembléia Geral Ordinária, de 20 a 24 de abril de 2009, com abertura do culto solene no dia 20, segunda-feira, 19:00 hs, e as plenárias com início às 09:00 hs do dia 21, no Pavilhão de Exposição de Carapina, situado na Rua Constante Sodré, 157, Bairro Santa Lúcia, Vitória, ES.

O temário me chamou a atenção pela inclusão de alguns temas que neste blog temos tratado, tais como:

- Posicionamento da CGADB quanto à nulidade ou anulabilidade do casamento, união estável e concubinato, e a revisão do posicionamento acerca do divórcio.

Leia os posts TEOLOGIA FABIANA e UNIÃO ESTÁVEL E BATISMO NAS ÁGUAS

- Modismos neo-pentecostais

Leia o post A BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA SOB UMA PERSPECTIVA PENTECOSTAL E ORTODOXA

- Remoção dos marcos antigos

Leia o post USOS E COSTUMES: QUESTÕES ASSEMBLEIANAS CONTEMPORÂNEAS

Minha preocupação é que em meio ao clima eleitoral, as discussões e debates acabem sendo prejudicados, ou venham a tomar um viés político.

Que o Senhor nos ajude!

terça-feira, 5 de agosto de 2008

OS PERIGOS DA AMBIÇÃO. Subsídios para lições bíblicas(2).

Conforme pôde ser observado no primeiro post sobre o tema "ambição", o termo passou a ter um sentido positivo, na medida que tal sentimento é controlado e focado para bons objetivos:

"Ambição pressupõe motivação, pró-atividade e vontade de crescer - atitudes que as empresas procuram e valorizam. [...] No mundo profissional de hoje a ambição é mais do que um simples diferencial - é uma vantagem competitiva essencial." (Você S.A)

"Ambição tem a mesma raiz da palavra ambiente não por acaso. As duas vem de 'ambire', que significa 'mover-se livremente'. Traduzido literalmente e, principalmente, se usada corretamente, a palavra ambição significa criar seu próprio caminho na vida. É simplesmente você saber o que quer para sua vida, e tentar chegar lá." (Guia RH)

"Ambição é uma coisa boa. Ela nos desperta desejos, promove o comprometimento, estimula a perseverança. Torna-nos mais fortes e nos faz buscar a superação." (Catho)

Nestes casos, ambição é sinônimo de persistência, determinação e força de vontade.

É exatamente em seu sentido oposto que o tema "ambição" será aqui abordado.


1- O QUE É "AMBIÇÃO"

A ambição em seu sentido negativo, pode ser conseqüência de uma neurose obsessiva, ganância exagerada ou desejo de subir na vida pisando nos outros. É sinônimo de arrogância, ganância.

Neste caso, nenhum padrão ético é respeitado. O princípio "maquiavélico" de que os fins justificam os meios, acabam fundamentando o pensamento e as atitudes dos ambiciosos.

Aqui cabe também a idéia de que, ser ambicioso é querer ir além do que se pode ou se deve ir. Neste sentido a Bíblia adverte:

"[...] não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes;" (Rm 12.16, ARC)

"Não sejam orgulhosos, mas aceitem serviços humildes,[...]" (Rm 12.16, NTLH)

2. A AMBIÇÃO NA IGREJA

O poder, o dinheiro e o sexo, encabeçam a lista dos elementos e objetos de desejo dos ambiciosos.

Como diz Richard J.Foster "Desde as primeiras civilizações, estes três fatores estiveram envolvidos em quase todos os movimentos sociais, políticos e econômicos. Eles motivaram o início, a ascensão, o auge, o declínio e a derrocada de homens e mulheres, famílias e etnias, povoados e nações, iniciativas simples ou ideologias inteira. É impossível pensar em um período histórico que não tenha sido motivado ou, pelo menos, influenciado por um dos elementos dessa tríade. Ou por todos eles. Isto não significa, porém, que o dinheiro, o sexo e o poder sejam maléficos por natureza. O que detemina seus efeitos são os princípios e o caráter de quem deles dispõe."

É exatamente em razão da relativização de princípios bíblicos e a deformação no caráter, associados a falta de vigilância, que muitas igrejas, líderes e liderado, pastores e ovelhas, têm caído movidos pela ambição. Observemos de que maneira a ambição por poder, dinheiro e sexo operam na igreja.

"Poder (do latim potere) é, literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar e também, dependendo do contexto, a faculdade de exercer a autoridade, a soberania, ou o império de dada circunstância ou a posse do domínio, da influência ou da força." (Wikipédia)

Mais definições sobre poder você encontra em;

- Wiktionary
- UFSC

O fato, é que a ambição pelo poder é hoje a razão de muitas distorções, lutas e divisões dentro das igrejas. O comentarista da lição bíblica, pastor Wagner Gaby, cita;

a) A busca ambiciosa de projeção pessoal de "certos" pregadores e conferencistaS. Já escrevi sobre esta questão, e gostaria de lhe indicar os posts abaixo:

- COMO SE TORNAR UM PREGADOR FAMOSO
- O FENÔMENO
- TELEVANGELISTAS OU TELEOPORTUNISTAS
- UMA IGREJA DOENTE (1)

b) As abomináveis disputas por cargos eclesiásticos. Neste caso, está incluído tanto os cargos numa igreja local, quanto os cargos numa convenção estadual, regional ou nacional. Infelizmente, estas disputas incorporaram elementos mundanos, tais quais: compra de votos, sabotagens, traições, boicotes de lições bíblicas, falta de transparência nos processos eleitorais simonia, nepotismo e outras mazelas. Leia também:

- CORRUPÇÃO GENERALIZADA
- POR UMA ELEIÇÃO CONVENCIONAL ESPIRITUAL

Um coisa profundamente interessante, para não dizer triste, é que no jogo de poder, a ambição pelo dinheiro, ou por outros lucros advindos, estão diretamente envolvidos. A questão não é apenas mandar, mas também, manipular pessoas e situações, jogar com a influência para tirar vantagens materiais.

E onde entra a questão do sexo. A relativização de princípios para o alcance das loucas e desenfreadas ambições de fama e poder, deixa o indivíduo vulnerável e flagilizado para cair em pecado sexual. Há também aqueles que acabam sendo seduzidos e tentados apenas quando chegam "lá" (2 Sm 11.1-5).

Quer a prova disto? Faça uma análise dos grandes escândalos sexuais, envolvendo líderes evangélicos de influência nacional. Primeiro eles alcançaram fama e muito poder, para depois fracassarem moralmente. O poder pode levar o seu detentor a ser agente ou objeto de assédio sexual.

3. COMO VENCER A AMBIÇÃO

Algumas orientações bíblicas proporcionarão a vitória sobre as más ambições, e o controle sobre as chamadas boas ambições:

- A necessidade do domínio próprio

"Como cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não tem domínio próprio." (Pv 25.28)

Observamos neste texto de Provérbios, que os muros (domínio próprio) tanto estabelecem limites, quanto servem de proteção.

"mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei." (Gl 5.23)

Contrapondo-se às obras da carne, o domínio próprio é uma qualidade do fruto do Espírito.

"com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade;" (2 Pe 1.6)

A piedade não comunga com a ambição. O domínio próprio, está diretamente relacionado com a diligência, a fé, a virtude, o conhecimento, a perseverança, a fraternidade e o amor. Tais elementos nos torna participantes da natureza divina, ao mesmo tempo em que nos livra da corrupção das paixões que há no mundo, entre elas, a ambição.(2 Pe 1.3-11)

A recomendação bíblica, em especial para os pastores, não é o dominar sobre os outros (1 Pe 5.1-4), mas sobre si mesmo.

- A necessidade de contentamento

"não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; [...] para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus." (Pv 30.8b-9)"

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação." (Fl 4.11)

"Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes." (1 Tm 6.8)

Nunca é demais lembrar que o contentamento não serve de pretexto para a acomodação pessoal, antes, é essencial para desejarmos além das nossas possibilidades e reais necessidades.

- A necessidade de vigilância

"vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca." (Mt 26.41, Mc 14. 38)

Ninguém está livre da atração, da sedução do envolvimento ilícito com o poder, o dinheiro e o sexo. Não existem superapóstolos, superbispos, superpastores, superevangelistas, superpresbíteros, superdiáconos, superlíderes, superprofessores, nem supercrentes.

Qualquer um de nós, à medida em que não tiver cuidado, deixando de observar as orientações da Palavra de Deus naquilo que aqui foi colocado, estará sujeito a cair nos mesmos erros que outros já caíram, e também, de sofrer como outros já sofreram e ainda sofrem.