segunda-feira, 31 de março de 2008

A CORRENTE DO BEM!

Esse blog tem sido benção em sua vida? Que tal indicá-lo para um amigo?

Você pode fazer isto por e-mail, no boca-a-boca, através do orkut, salas de bate papo, links etc, etc, etc...

Quero agradecer as palavras de incentivo e as críticas vindas de nossos leitores: "Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito". (Rm 8.28)

Esse blog não foi criado para ser um mera ferramenta de reprodução de idéias, dogmas e conceitos, mas sim, como um instrumento de promoção da reflexão crítica, tendo a Bíblia como fundamento e referencial aferidor.

Leitores críticos, crentes, teólogos e obreiros que pensam, que não aceitam passivamente os fatos e as idéias (não falo aqui de insubmissão e rebeldia), que não se conformam em ser meros espectadores da história, antes, buscam ser atores e sujeitos da mesma. Eis uma das maiores necessidades da igreja evangélica brasileira na atualidade!

Continuo contando com vossas orações!

Um abraço e a paz do Senhor!

BÍBLIA MANUSCRITA

Bíblia Manuscrita deverá mobilizar 900 mil pessoas.

Leia em SBB

domingo, 30 de março de 2008

PREGADOR CARA-DE-PAU!


Hoje à tarde, num programa de televisão, ouvi um pregador "cheio de autoridade pseudo-espiritual" declarando o seguinte:

- "Se prega hoje o Jesus das contas bancárias, outros pregam o Jesus estilista, que só se preocupa com roupa de grife... mas eu creio no Jesus salvador... "

O cômico é que o referido pregador se enquadra exatamente no perfil dos pregadores da prosperidade e da vitória financeira, que dão ênsafase às contas bancárias e roupas de grife.

Que cara-de-pau!

NA ERA DO CELULAR...

sábado, 29 de março de 2008

UMA CHAPA DE CONSENSO

Consenso, segundo o dicionário Houaiss, significa "unanimidade de opiniões, sentimentos etc."

O Novo Dicionário Aurélio define o termo da seguinte forma:

[Do lat. consensu.] S. m. 1. Conformidade, acordo ou concordância de idéias, de opiniões.

Depois de alguns dias de suspense, anunciando uma palavra que seria direcionada para os pastores da CGADB em seu programa Vitória em Cristo, o Pr. Silas Malafaia lançou essa proposta, que segundo ele, proporcionaria uma comemoração do centenário das Assembléias de Deus no Brasil, marcada pela paz e harmonia.

Tal consenso, nas palavras do Pr. Silas Malafaia, viria através da formação de uma chapa única para as próximas eleições da CGADB, que serão realizadas no próximo ano.

O que gostaria de colocar é que tal anseio por um consenso, é algo que sempre esteve presente no coração daqueles que percebem a importância da unidade cristã na Assembléia de Deus no Brasil, objetivando dentre outras coisas, o crescimento do Reino de Deus, a preservação da sã doutrina e a glória de Deus. Como bem colocado pelo Pr. Silas Malafaia, parece que os "interesses pessoais e mesquinhos", por vezes predominam.

Sinceramente, oro também por um consenso, mas não apenas visando paz e harmonia nas festividades do centenário, mas, paz e harmonia de forma contínua e abundante no nosso caminhar para os céus.

Entendo ainda que um consenso não é conseguido apenas pela formação de uma "chapa única", o que seria muito bem vindo. O consenso pode ser conseguido também por atitudes dignas, respeitáveis e santas num pleito eleitoral cristão, onde a vontade soberana dos convencionais é exercida através do voto, sem nenhuma manipulação, articulação ou artifício mundano.

Continuarei obsevando o andamento da prosposta feita pelo Pr. Silas Malafaia e podem ter certeza, estarei sempre através deste blog apoiando atitudes sinceras e honestas, como também denunciando o erro, a mentira e o engano.

Gostaria de aproveitar para louvar a Deus, pelo fato da Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira não ser anunciada acerca de um mês no programa do Pr. Silas. Se isto voltar a acontecer, espero que o mesmo faça as devidas resalvas das heresias que esta Bíblia promove, conforme denunciadas e refutadas neste blog.

ESTUDO BÍBLICO PARA PROFESSORES DA EBD

Estaremos logo mais a noite, a partir das 19h00, no Templo Central da IAD em Abreu e Lima-PE, ministrando mais um estudo bíblico para professores da EBD, abordanndo o tema da lição 13 "Jesus, o Rei dos reis e Senhor dos senhores".

Daremos ênfase aos seguintes assuntos:

- Ascensão e queda dos grandes impérios mundiais (Egito, Assíria, Babilônia, Medo-persa, Grego, Romano)

- Formação da Comunidade Européia


- O caráter do reino do Messias


  • Justiça (Jr 33.14-16)
  • Paz (Is 32.17-18)
  • Obediência (Jr 31.33-34)
  • Santidade (Is 52.10-11)
  • Verdade (Zc 8.8)
  • Plenitude do Espírito (Jl 2.28-32)

Até lá, se Deus quiser!

quinta-feira, 27 de março de 2008

CAMPO MISSIONÁRIO (EQUADOR)


Amados, “Depoisda tormenta vem a bonança e depois da prova vem a vitória.”

Nestes últimos dias o nosso Deus marcou um encontro com o Equador. Ele falou na terra, no mar y no ar. Faz mais o menos seis meses varias ocorrências tem sacudido este país tão pequeno, Deus decidiu pesar sua mao para salvar mais.

Outubro de 2007 – Um terremoto de 6,5 na escala de Richter sacudiu o país, não houve vítimas, mas a experiência deixou a todos perplexos. Nós missionários nunca havíamos sentido tão forte, tal tremor foi sentido em todo o país e teve seu epicentro na Amazônia. A igreja estava em uma vigília e a terra tremeu, o teto fazia um barulho incrível e o povo sem Deus começou a sair pelas ruas e o povo de Deus dava glórias ao seu nome. Tudo foi muito rápido era apenas um aviso.

Janeiro de 2008 - Mais uma vez o Vulcão Tungurahuha despertou, varias cidades foram evacuadas e muitas ficaram em estado de emergência o ultimo alerta antes da evacuação. Riobamba tremeu mais uma vez, a cinza cobriu as pistas e tetos das casas, na última erupção em 2006 varias pessoas haviam perdido a vida. Tínhamos que dormir prontos para fugir, com as meninas perto da gente e malas preparadas. Momentos de tensão para todos.

Fevereiro e Março de 2008 – As maiores inundações em décadas abala o litoral equatoriano, dezenas de pessoas perderam suas vidas e foi declarada emergência nacional. Países como Brasil, Argentina, França, Itália, Israel, Estados Unidos, e vários outros enviaram sua ajuda. O Povo ainda esta passando fome.

Mas apesarde tudo isso se levantou um clamor, a igreja ergueu seus olhos para Cristo, a pequena manada clamou ao Todo-poderoso. As nossas congregações nunca estiveram tão cheias, o povo já começa a buscar a Deus e procurar uma resposta que não encontramno catolicismo nem em nenhuma religião do mundo, mas só em Jesus. Só em Riobamba famílias inteiras se entregaram para Cristo, tremor, vulcão, chuva, tudo isso foi apenas um recado de Deus para o que virá quando a igreja e o que “o detém” sair deste mundo.

Na cidadede Riobamba, apesar de todas as ameaças foi realizado um congresso que reunio jovens de todo o país. Mais de 300 participantes, sendo 270 jovens. Domingo no enceramento Deus decidiu recompensar a coragem do seu povo a batizou 15 jovens com o Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas. Começa no Equador um grande avivamento. Depois da tormenta vem a bonança.

Muito obrigado, em nome da igreja equatoriana, por vossas orações.

Missionário Assuero Chagas.

terça-feira, 25 de março de 2008

VOCÊ SABIA?


Gunnar Vingren, fundador da Assembléia de Deus no Brasil, foi um fervoroso defensor do ministério da mulher na igreja, vindo a consagrar em 1926, no Rio de Janeiro, a primeira diaconisa das Assembléias de Deus, a irmã Emília Costa.

Fontes:

- Dicionário do Movimento Pentecostal. Isael de Araújo. CPAD
- História da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil. Silas Daniel. CPAD

TIBET


ESCLARECIMENTOS AO LEITOR

Prezados leitores, tenho recebido informações que o acesso a este blog tem liberado alguns spyware, malware e pop-ups indesejáveis. Informo que estou trabalhando no sentido de sanar o problema, cuja origem desconheço.

Tenho seguido algumas orientações da central de ajuda do blogger, mas até então sem sucesso.

Se alguém puder de alguma forma me ajudar com dicas e orientações, fico desde já agradecido.

Um abraço e a paz do Senhor!

FERRAMENTA PARA EXEGESE


"Todos os seminaristas, pastores e demais estudantes da Bíblia que acreditam já saber o que significa fazer a exegese de um texto bíblico devem ler esta obra. O trabalho aqui desenvolvido por Stuart e Fee faz dela uma ferramenta indispensável para quem deseja fazer uma exegese séria e responsável do texto sagrado."

Maiores informações no Portal Vida Nova

sábado, 22 de março de 2008

A RESSURREIÇÃO DE JESUS


Hoje, no Estudo prévio para professores da Escola Dominical, no Templo Central da AD em Abreu e Lima-PE, às 19h00, estarei ministrando sobre "A Ressurreição de Jesus".

Abordaremos os seguintes aspectos:

1. Os argumentos contrários à ressurreição de Jesus

a) Argumentos filosóficos

b) Argumentos científicos

c) Argumentos da Teologia Liberal

d) A teoria do desaparecimento do corpo

e) A teoria da morte aparente (síncope)

f) A teoria da alucinação

g) A teoria do túmulo errado


2. As evidências da ressurreição de Jesus

a) A ressurreição profetizada

b) A confiabilidade do Novo Testamento

c) As evidências históricas e arqueológicas

d) A mudança de vida e testemunho dos apóstolos

e) O nosso testemunho pessoal

Um abraço e até lá, se Deus quiser!

sexta-feira, 21 de março de 2008

MUNDO GOSPEL

Discordo de alguns posicionamentos teológicos do Pr. Ricardo Gondim, o que não me impede de concordar com o que ele escreveu sobre o estado "patético" do mundo gospel.

HELEN ROSEVEARE - SÉRIE BIOGRAFIAS (1)


Helen Roseveare nasceu em Cornwaal, na Inglaterra em 1925. Seu pai foi umrenomado matemático, noemado cavaleiro em razão de seus serviços patrióticos durante a guerra. Aos doze anos entrou numa escola para meninas. Em Cambridge formou-se em medicina. Foi lá que no primeiro ano passou por uma experiência de conversão.

Em 1953, navegou para o Congo, mesmo solteira, com o objetivo de servir ali com a Cruzada de Evangelização Mundial. Foi o início de sua atividade missionária. Percebendo ao chegar no Congo, a profunda carência na área de saúde, planejou um centro preparatório onde a Bíblia e a medicina básica fossem ensinados para as enfermeiras, que após treinadas, retornariam às suas cidades de origem como evangelistas leigas e prontas para oferecer os cuidados médicos preventivos à população carente. Helen cooperou ainda na construção de um hospital no Congo e em Nebobongo. Tudo isso foi realizado em meio a difilculdades e oposições das mais diversas.

Em 1957, já em Nebobongo, foi arbitrariamente afastada de suas funções, sendo substituída pelo Dr. John Harris. Os fatos lhe geraram dor e tristeza. foi claramente perseguida e injustiçada por colegas missionários. Em 1958, de férias, retornou para a inglaterra profundamente desiludida com a tarefa missionária.

Achando que seus problemas eram devidos ao fato de ser solteira, pediu a Deus em oração um marido-médico, o que não lhe foi atendido. Entendeu que Deus poderia suprir-lhe todas as necessidades, sem que fosse preciso casar-se.

Em 1960 retornou ao Congo, num momento onde o país alcançara sua independência. Foi uma época de grandes riscos para os brancos. Convicta de sua chamada e confiante na proteção de Deus, resolveu ficar: "Se Cristo é Deus e morreu por mim, então nenhum sacrifício que eu faça por Ele é demasiadamente grande". As portas se abriram, com maiores oprtunidades de serviço, devido ao retorno de alguns missionários, dentre eles, o próprio Dr. John Harris. Ocupou novamente a função de encarregada do centro médico de Nebobongo.

Com o fortalecimento das forças rebeldes, vários missionários foram alvo de ataques, violência e seqüestros. a própra Dra. Helen foi vítima de roubo e tentativa de envenenamento. Entendo que muitas pessoas dependiam dela, continuou firme e resoluta.

No dia 15 de agosto de 1964, um caminhão de carga de soldados rebeldes Simba, assumiu o hospital em Nobobongo, que foi ocupado por um período de cinco meses. Eles eram brutais e grosseiros. De suas bocas saiam palavras de ameaças e obcenidades. Foi um momento de grande tensão. Em 29 de outubro, durante a ocupação, ela foi dominada por um soldado rebelde. Seu relato é dramático:

"Eles me descobriram, puseram-me empé, bateram em minha cabeça e ombros, atiraram-me no chão, deram-me pontapés, levantaram-me outra vez apenas para voltar a espancar-me - a dor nauseante de um dente quebrado, da boca cheia de sangue pegajoso, dos óculos desaparecidos. Fora de mim, entorpecida de horror e medo desconhecido, empurrada, arrastada, levada de volta à minha casa - ouvindo gritos insultos, maldições".

Ao chegar em casa, já sem forças para lutar, foi estuprada brutalmente, sem nenhuma misericórdia. Pensou a princípio que Deus havia lhe desamparado, para depois, contudo, ser fortalecida no espírito. Seu relacionamento com Deus em nada foi abalado. A violência sofrida e a maturidade espiritual adquirida, lhe preparou para outras agressões sexuais que sofreu até ser libertada em 31 de dezembro de 1964, retornando para a Inglaterra.

Após dois anos, com uma melhor estabilidade política no Congo, sentiu-se impussionada a voltar à África, o que fez em março de 1966, reassumindo seu cargo de missionária-médica. Anos difíceis se seguiram. O novo espírito nacionalista, produziu nos nativos um sentimento de rejeição. A geração mais jovem não tinha o respeito devido por aquela que se sacrificara tanto pelo Congo.

Em 1973 a Dra. Helen deixou a África, após vinte anos de serviços, sem o devido reconhecimento e profundamente amargurada.

A amargura foi aos poucos desaparecendo, para surgir um revigoramento espiritual em sua vida. Entendia que todo o que passara fazia parte de um trabalhar de Deus em sua vida, lhe preparando para uma nova etapa. Era o oleiro modelando o vaso, para continuar usando-o para a sua glória.

Desde então, a Dra. Helen Roseveare tornou-se uma das mais solicitadas e aclamada conferencista internacional, realizando palestras sobre as missões cristãs, edificando, encorajando e testemunhando que todo sofrimento aqui nesta vida, não se compara com o que Jesus passou por nós.

Referências

TUCKER, Ruth A. E até aos confins da terra. Tradução de Neyd Siqueira. São Paulo: Vida Nova, 1986


http://en.wikipedia.org/wiki/Helen_Roseveare . Acesso em 21 de março de 2008

quinta-feira, 20 de março de 2008

UMA IGREJA DOENTE (1)

O quadro é alarmante.

A situação é caótica.

O futuro é para muitos, de incertezas.

Segmentos influentes e respeitáveis da Igreja Evangélica no Brasil vivenciam uma de suas piores crises.

Templos suntuosos ganham prioridade ante a urgência do avanço missionário

Enquanto no Brasil, se decide se os detalhes do acabamento das construções será de ouro, prata, bronze, aço ou outro material (tudo para a glória de Deus), missionários passam extrema necessidade no campo, e tribos povos e nações anseiam por uma palavra de esperança e de salvação. "Passa a Macedônia e ajuda-nos", é o clamor que já não se consegue ouvir e atender. Não conseguimos, para nossa vergonha, nem alcançar de forma plena a nossa grande nação, em seus vários municípios, distritos, vilarejos e povoados. Essa realidade tenta ser mascarada com o envio tímido de alguns missionários, geralmente em meio a uma grande festividade e culto, que acaba agindo no psicológico da igreja, levando-a a acreditar que o melhor está sendo feito, quando a realidade não é bem esta. O banal prevalece sobre o essencial.

Pregadores buscam a fama, o sucesso e o enriquecimento

Uma vida simples, mas digna e honrosa, é trocada pela busca louca pelo sucesso, pela fama e pelo dinheiro. Satanás seduziu e enganou um bom número de pregadores em nossa nação. Um amigo meu, pastor das bandas do Norte do país, me contou que estava num culto onde o "fenômeno" convidado, enquanto concluia a sua mensagem, em meio ao delírio de seus fãs (ou simples e sinceros ouvintes), se dirigia com certa freqüência e com ar de preocupação ao seu anfitrião, para lhe perguntar se o "cachê" já estava na conta. Para manter a vida luxuosa destes pregadores com mentalidade puramente capitalista selvagem, líderes pagam altas quantias por seus shows, enquanto desprezam homens santos e sinceros que lhes cercam (já dizia Jesus que o profeta em sua terra não tem honra). Já se foi o tempo em que o ambiente sadio e familiar da casa de um irmão hospitaleiro, satisfazia nossos pregadores. Eles querem agora é hotel cinco estrelas, almoço e janta em restaurantes caríssimos, e toda a sorte de regalias. Agora sabe por que tudo isto acontece? É pelo simples fato de igrejas e pastores alimentarem esses vícios vergonhosos, direcionando de forma irresponsável os escassos recursos financeiros, que deveriam estar sendo canalizados e melhor utilizados na obra de Deus.

O Evangelho da Cruz é substituído pelo Evangelho da Prosperidade e da Vitória Financeira

Tenho escrito com certa freqüência sobre este tema. Não há nada mais sedutor numa nação onde cresce a injustiça social, a má distribuição de renda, a distância entre pobres e ricos e todos os demais efeitos de uma política neo-liberal e de um sistema econômico capitalista globalizado, do que a oferta de dinheiro fácil e rápido. As duas maiores fontes de arrecadação de dinheiro de gente pobre e sonhadora em nosso país se chamam "casas lotéricas" e "igrejas" que pregam o Evangelho da Prosperidade ou da Vitória Financeira. O Evangelho da Cruz (1 Co 2.2), que gera o arrependimento, a fé e o novo nascimento, foi em muitos lugares suplantado por um Evangelho que gera a barganha, a ganância e o materialismo. Falo daqueles que só pregam vitória, sucesso, conquista e triunfo, com uma visão plenamente secularizada destas verdades bíblicas. Tais pregadores do Evangelho da Prosperidade e da Vitória Financeira, como bem colocou o apóstolo Paulo em um outro contexto, são anátemas (Gl 1.6-8).

A política eclesiástica se rende ao padrões seculares

A disputa por cargos e posições não é algo novo no cristianismo (Mt 20.20-28; Mc 10.32-45; Lc 18.31-34). O que mudou foi o método. Dá para se imaginar que um dia, alguns setores da Igreja Evangélica cairiam no mesmo erro do Catolicismo Medieval, onde toda sorte de negociatas, simonia, nepotismo, favoritismos e maquiavelismo fossem utilizados como meios para a conquista de cargos e poder? Onde a oração pedindo a orientação de Deus, juntamente com a vocação e qualificação dos candidatos (At 1.15-26) fossem substituídas por campanhas eleitorais vergonhosas? Os bastidores da política eclesiástica estão fétidos e o seu odor já pode ser sentido em muitos lugares.

A objetividade e a clareza da doutrina bíblica é trocada pela subjetividade das "experiências", "visões" e "revelações" de um profetismo doentio

Novas unções, métodos de crescimento revolucionários, teologias insanas, autoridade espiritual fundamentada em "visões", "revelações" e nas extravagâncias e abusos dos carismas são a tônica do momento. A Bíblia deixou de ser o referencial aferidor para qualquer tipo de manisfestação espiritual (Dt 13.1-4), tornando-se um manual manipulável e manipulador de massas. Fomos conquistados por um certo utilitarismo e hedonismo, onde o que vale é o funcionalismo e a sensação prazerosa imediata. O sabor e não o teor, o sentir e não o pensar é o que interessa, a quantidade e não a qualidade é o que se busca.

A profecia de Isaías cairia muito bem para o atual momento

"Desde a planta do pé até à cabeça não há nele coisa sã, senão feridas, contusões e chagas inflamadas, umas e outras não espremidas, nem atadas, nem amolecidas com óleo." (Is 1.6)

Apesar de tudo, sou confiante. Deus está no controle da situação, e ainda dispõe de homens e mulheres que não se curvaram, nem se embriagaram com estas novas tendências e triste realidade nacional. Que não se venderam, não compraram ninguém, nem relativizaram os fundamentos e princípios inegociáveis da fé e da integridade cristã.

Creio que ainda há esperança para Igreja no Brasil!

terça-feira, 18 de março de 2008

PESQUISAS COM CÉLULAS TRONCO

Leia um excelente artigo sobre o tema no blog Manhã com a Bíblia - Pr. Geremias do Couto

NOVELA DUAS CARAS

Competente. É como classifico a equipe de novelas da Rede Globo. Primeiro, para aumentar a sua audiência em relação ao público evangélico, colocou na trilha sonora da novela Duas Caras a música "recomeçar" da cantora Aline Barros.
Agora, um lance de mestre! Uma cena de violência envolvendo "evangélicos fanáticos" causa uma polêmica nacional.
Será que ainda existe neste Brasil, algum cristão genuíno e esclarecido, surpreendido com os fatos?
Sabe no final das contas, no que tudo isso vai dar? Eu vos respondo. Mais audiência para a Globo e mais "evangélicos" alienados assistindo novelas.
Assista as cenas nos links abaixo:

segunda-feira, 17 de março de 2008

O FRACASSO DO SUCESSO (2)


Tratava-se de um jovem humilde, simples, obediente aos pais e trabalhador. Ruivo, de belos olhos e de boa aparência, exalava graça e serenidade.

Um dia, foi tomado de surpresa quando lhe disseram que deveria se dirigir à sua casa, pois seu pai lhe chamava com urgência. Ficou desconfiado ao ver seu pai e seus irmãos reunidos, e mais ainda com a presença do homem de Deus.

O clima na casa era de certa expectativa, os olhos de todos estavam sobre ele. Não dava para entender bem o que estava acontecendo. De repente, o homem de Deus se levanta, toma o seu chifre do azeite, caminha em sua direção e no meio de seus irmãos lhe unge.

Algo profundamente extasiante acontece. Uma sensação indescritível começa a lhe envolver. Um gozo na alma nunca sentido com tanta intensidade, uma força impetuosa sem precedentes lhe toma. O Espírito do Senhor se apoderara dele.

As portas começam a se abrir para este jovem. Logo, as suas habilidades musicais lhe proporcionam a oportunidade de servir ao oprimido e atormentado rei. Havia unção em sua música. Sensibilidade, força e valentia marcavam sua personalidade. Era uma fórmula perfeita.

Certo dia, enviado por seu pai para levar mantimentos para seus irmãos que se encontravam no acampamento de batalha, se depara com uma cena que lhe enche o de indignação. Era um filisteu, que há quarenta dias bradava incessantemente e arrogantemente, desafiando o exército do rei a procura de um homem que tivesse coragem de com ele lutar.

A indignação do jovem é logo manifesta em palavras, que acabam chegando aos ouvidos do rei, que lhe manda chamar. Demonstrando confiança e relatando suas experiências como pastor de ovelhas, o jovem convence o rei, e este lhe envia como representante do seu exército. A responsabilidade é grande. Se o jovem se saísse vencedor do combate, os filisteus serviriam a Israel, caso contrário, os israelitas se tornariam servos dos filisteus. A honra da nação está nas mãos daquele moço.

Com uma fé inabalável em seu Deus e tomada pelo poder do Seu Espírito, o jovem enfrenta e derrota o guerreiro filisteu matando-o. Era o começo de uma trajetória de vitórias, conquistas e ascensão no exército real. Sua popularidade cresce ao ponto de assustar e inquietar o próprio rei, que movido por um espírito maligno, passa a odiar e a perseguir o jovem herói. Os dias de glória se transformam em dias de angústia, temor, inquietações, fome e cansaço, em meios a anos de perseguições implacáveis.

Em meio a tudo isso, uma convicção era guardada no coração do moço. Deus o tinha escolhido. De alguma forma, tudo aquilo fazia parte do trabalhar de Deus em sua vida. Com a paciência necessária, ele espera e alcança as promessas de Deus em sua vida. O jovem amadurecido pelo tempo e pelas adversidades da vida torna-se o rei de sua nação.

Uma expansão territorial sem igual foi vivenciada em seu reinado. Conquistas sobre conquistas, vitórias sobre vitórias. Tudo parecia estar sob controle. Dava até para se acomodar um pouco e dar uma descansada em seu palácio, mesmo em tempos de guerra. Afinal de contas, o jovem rei era um soberano temido e de grande prestígio, não tinha ninguém para prestar contas. Tornou-se assim, como muitos que alcançam o topo do sucesso e do poder, senhor de si mesmo. Foi o começo do fracasso do sucesso.

O nobre e poderoso rei começou a relativizar seus princípios morais e éticos. Fomentou e alimentou paixões e desejos proibidos. O fenomenal rei foi traído e vencido por seus instintos pecaminosos. Dessa forma, caiu e fracassou vergonhosamente diante de seu Deus, da sua família e do povo.

Teria se arruinado de vez, se pela graça e misericórdia de Deus não lhe fosse enviado um mensageiro para confrontá-lo diante do seu pecado. Profundamente arrependido, foi perdoado por seu Deus, restando-lhe, contudo, algumas seqüelas como resultado do grande erro cometido.

Eis aqui uma grande lição para todos que um dia alcançarão, ou já alcançaram poder e fama como servos do Senhor.

A história nos ensina que é mais difícil lidar com o sucesso do que com as provações. O sucesso é perigoso e traiçoeiro. Conviver com ele exige mais atenção e cuidado, do que em situações tidas como comuns. O sucesso por vezes nos distancia de Deus, pois proporciona uma certa sensação de auto-confiança.

Não devemos nos iludir. Não somos melhores nem piores do que Davi. Somos tão humanos e passíveis de erros quanto ele foi. Sua história fica como uma advertência e alerta para todos nós.

“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração, prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau e guia-me pelo caminho eterno.” (Sl 139. 23, 24)

domingo, 16 de março de 2008

PECADOS CAPITAIS


PESQUISA SOBRE BÍBLIA


Novos números sobre a presença da Bíblia no mundo.

APRENDENDO COM JOÃO BATISTA

Os ditos "fenômenos" da atualidade (alguns pregadores que se perderam em sua trajetória ministerial), precisam urgentemente aplicar em suas vidas um princípio muito simples, que marcou o ministério de João Batista, resumido numa frase:

"É necessário que ele cresça e que eu diminua" (Jo 3.30)

O princípio adotado pelos "fenômenos de público" da atualidade é o seguinte:

"É necessário que minha equipe de marketing pessoal, faça-me cada dia mais conhecido, e que minha capacidade de oratória, associada às manifestações emocionais de meu público, torne-me cada dia mais rico e famoso. Se o nome de Jesus vai crescer ou não, pouco me importa."

sábado, 15 de março de 2008

O CULTO E O TEMPO


“A maneira como usamos o nosso tempo é uma boa indicação do que consideramos de importância primordial na vida. Sempre poderemos ter certeza de encontrar tempo para aquelas coisas que consideramos mais importantes, embora nem sempre admitamos perante os outros ou até perante nós mesmos quais são nossas prioridades reais. Seja para ganhar dinheiro, para a ação política ou para atividades em família, encontramos tempo para colocar em primeiro lugar aquelas coisas que mais nos importam. O tempo fala. Quando o damos aos outros, na verdade estamos nos dando a nós mesmos. Nosso uso do tempo não só mostra o que é importante para a nossa vida. O tempo, então, expõe escancarada e involuntariamente as nossas prioridades. Ele revela o que mais valorizamos pela forma como alocamos esse recurso limitado.” (James F. White)

Quando nos debruçamos sobre o Novo Testamento, percebemos através dos registros de Atos dos Apóstolos e dos textos epistolares, que na igreja primitiva o culto não estava preso a um tempo pré-determinado "χρονος" (gr. chrónos, espaço de tempo). A ênfase sobre o primeiro dia da semana como dia litúrgico (1 Co 16.2; At 20.7, 11 e Ap 1.10), corroborada por Inácio de Antioquia, Justino Mártir, e pelo testemunho do Didaqué, era a única recomendação temporal feita ao culto cristão.

No culto cristão prevalecia o καιρος (gr. kairós, tempo oportuno e apropriado), livre das amarras do χρονος. Havia prazer, vontade, desejo intenso de se reunir, estar juntos, partir o pão, orar, louvar, ouvir prazerosamente a Palavra:

“e perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações.” (At 2.42)

Não havia catedrais, basílicas, monumentos cristãos erguidos para a própria honra e glória humana, para perpetuação de seu nome. Pura mentalidade “nabucodonosoriana”, “constantiniana” e “medieval” (Dn 4.30). Vaidade em nome de um falso, ou até mesmo sincero, mas não essencial tributo a Deus, que já “não habita em templos feitos por mãos de homens” (At 17.25).

Nada de ênfases tolas em conforto ou qualidade de atendimento aos crentes (ou clientes?), em mero esteticismo, cadeiras de luxo, púlpitos de cristal, bronze, prata e ouro, sistemas de refrigeração que roubam milhares de reais da oferta missionária e que desfalcam a obra social. O conforto é bom, mas não é tudo, é desejável, mas não pode ser prioritário.

Mesmo não desfrutando desses privilégios, os cristãos primitivos ficavam no culto até o fim. Havia coisas mais sublimes e relevantes que os “prendiam” lá. Havia a presença da glória de Deus, o gozo no Espírito Santo, a unção, a reverência, a compaixão, a misericórdia, a sinceridade, a comunhão, o amor fraterno. O χρονος não importava.

Não havia pressa para voltar para casa, apesar do inevitável e necessário labutar do dia seguinte os aguardar, ainda que os perigos dos becos, vales e estradas fossem reais.

“E, perseverando unânimes todos os dias (καθ ημεραν, gr. kath heméran) no templo [...]” (Atos 2.46).

Atualmente para muitos, só resta o agonizante culto dominical. Onde o relógio (imagem e expressão simbólica do χρονος ) é mais observado e reverenciado do que a própria Palavra de Deus. O dia da ressurreição, o dia do Senhor (Dies Dominica) deixou de ser aguardado ansiosamente e guardado inegociavelmente.

Para estes, só resta agora inquietação, irreverência e arrogância. “Se passar do horário (χρονος) vou embora, ameaçam uns. É preciso decência e ordem, bradam outros!”. Que decadência, que loucura, que tolice, que insensatez.

Perdoa-nos Senhor! Ensina-nos a viver deliciosamente em tua presença, remindo o tempo no culto prestado a ti, tirando o máximo do καιρος (Ef 5.16).

sexta-feira, 14 de março de 2008

PÓS-GRADUAÇÃO


Este post é direcionado para educadores cristãos e não-cristãos, que desejam após sua graduação, continuarem os estudos através dos cursos de pós-graduação.

Como escolher a melhor pós-graduação para você?

"
Há uma grande oferta de cursos que podem ser feitos depois da faculdade. Saiba quais são e como encontrar o mais adequado para a sua carreira".

Leia em Revista Nova Escola On Line

quinta-feira, 13 de março de 2008

PÁSCOA

Páscoa é libertação, esperança, conforto, alegria, possibilidades, transformação, mudança, vida abundante.

Páscoa é passagem, caminho, direção, sentido, propósito.

Páscoa é família, amizade, sinceridade, fraternidade, comunhão.

Páscoa é Deus oferecendo ao homem a oportunidade de encontrá-lo e de se reencontrar.

Páscoa é Jesus julgado, condenado e morto por nossso pecados.

Páscoa é Jesus ressucitado para nossa justificação.


"Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós" (1 Co 5.7b)

quarta-feira, 12 de março de 2008

A TEOLOGIA DO SÉCULO VINTE


Sinopse
A fé cristão é imutável, mas é apresentada para um mundo em transição. Por isso a teologia deve mover-se entre três pólos - o evangelho bíblico, a tradição da igreja e as formas contenporâneas de pensamento. Ela usa os três com o objetivo de articular a confissão imutável de Jesus num contexto em transformação e, assim, ser relevante para as questões das gerações por vir.Nesta obra, buscamos tratar daquilo que consideramos ser a principal corrente teológica do século 20. Para isso, examinamos os teólogos e movimentos mais proeminentes das últimas décadas. É claro que eles não surgiram num vácuo. Nosso desejo não é apenas oferecer uma sinopse dos principais pensadores e suas idéias, mas contar uma história, a história da teologia durante uma era de transição.
Autor: Stanley J. Grenz e Roger E. Olson
Formato: 16 x 23 cm
464 páginas
Trata-se de uma obra que aborda as principais correntes teológicas do século vinte, dentre elas:

- A neo-ortodoxia
- A tradição liberal
- O movimento radical
- A teologia da esperança
- A teologia da libertação
- A teologia da libertaçao negra
- A teologia da libertação latino-americana
- A teologia da libertação feminista
- A nova teologia católica

Obra excelente para pesquisas sobre Teologia Contemporânea. Exige bastante criticidade na leitura.

OS NOVOS PECADOS CAPITAIS CONFORME A "ÚNICA IGREJA VERDADEIRAMENTE CRISTÃ"


Segundo a lista apresentada pela "única igreja verdadeiramente cristã", os novos pecados capitais são:
1. Fazer modificação genética
2. Poluir o meio ambiente
3. Causar injustiça social
4. Causar pobreza
5. Tornar-se extremamente rico
6. Usar drogas

Trata-se uma atualização para se adequar a nova realidade globalizada.

Os novos pecados capitais merecedores de condenação segundo a "única igreja verdadeiramente cristã" serão agregados aos anteriores: gula, luxúria, avareza, ira, soberba, vaidade e preguiça.

A lista foi publicada no domingo no jornal do Vaticano, "Osservatore Romano".

Aproveitando a ocasião, faremos aqui (com a indicação dos nobres leitores) uma lista com os pecados capitais da "única igreja verdadeiramente cristã". Ou alguém acha que nela não há pecados? O que acontece é que ao apontar os pecados dos outros, tenta-se por vezes encobrir os próprios.

Reconhecer que temos pecados é o primeiro passo para a nossa libertação e salvação. Tentar encobrí-los, por meio de qualquer artifício é mera hipocrisia.

Nosso propósito é profético. Só denunciando o pecado, é que proporcionaremos àqueles que estão entorpecidos a oportunidade de arrependimento e conversão.

Entre nos comentários deste post e faça a sua indicação!

OBS: Em breve listaremos os pecados capitais da Igreja Evangélica no Brasil, ou vocês acham que ela ia escapar (afinal de contas não existe igreja cristã "militante" perfeita)?

segunda-feira, 10 de março de 2008

BÍBLIA DE ESTUDO BATALHA ESPIRITUAL E VITÓRIA FINANCEIRA SOB UMA PERSPECTIVA PENTECOSTAL E ORTODOXA

As Bíblias de estudo são uma ferramenta de grande valor para os estudantes da Palavra de Deus. As notas introdutórias, as informações culturais, sociais, geográficas, políticas, econômicas e espirituais do mundo bíblico, as notas teológicas, os comentários de rodapé, todas estas coisas contribuem para facilitar a pesquisa e a investigação realizada no texto sagrado. Se faz necessário contudo, termos um certo cuidado no uso destas bíblias, como por exemplo, conhecer a linha teológica dos comentaristas, suas bases doutrinárias e seu nível de compromisso com a ortodoxia cristã.

Lançada a pouco tempo no Brasil, a “Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira” é um exemplo de publicação de conteúdo “perigoso”. Ao fazer uma análise dos comentários da mesma sobre o tema “riqueza e pobreza”, percebi alguns equívocos doutrinários que passarei a citá-los:

"Pobreza é escravidão! Ela amarra as pessoas, impedindo-as de terem as coisas que necessitam. A pobreza leva à depressão e ao medo. Não é a vontade de Deus que você viva na escravidão da pobreza. É hora de Deus acabar com a escravidão das dívidas e da pobreza no meio do seu povo! É chegado o momento da liberação de uma unção financeira especial, que quebrará as cadeias da escassez e o capacitará a colher com abundância!" (Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira, introdução xxvii)

Tais idéias são equivocadas pelas seguintes razões:

- Pobreza não é escravidão, trata-se apenas de uma condição sócio-econômica, fruto do pecado, da acomodação, da injustiça social, do egoísmo e de outras mazelas. Você pode ser pobre, e mesmo assim, não ser escravo da pobreza. Você pode ser pobre e ser feliz! João Batista (Mt 3.4), Jesus (Lc 2.21-24 com Lv 12.8), Pedro e João (At 3.1-6), Paulo (2 Co 6.10) e tantos outros servos de Deus, apesar de pobres não eram "escravos" da pobreza. É preciso lembrar que a riqueza também pode promover escravidão (Mt 6.19-24). Desta maneira, não é a pobreza ou a riqueza em si que torna alguém escravo, mas sim, a forma como lidamos com essas condições sócio-econômicas.

- A pobreza "pode" levar alguém à depressão e ao medo, mas não necessariamente. Todos nós conhecemos pessoas que sobrevivem com poucos recursos financeiros, que não são depressivas nem vivem amedrontadas, pois confiam no Senhor que supre todas as nossas necessidades (Mt 6.31-34). Conhecemos também muitos ricos que são depressivos e amedrontados. A própria Bíblia adverte quanto ao males da riqueza mal adquirida e administrada (1 Tm 6.9-10).

- "Não é a vontade de Deus que "você" viva na escravidão das dívidas e da pobreza no meio do seu povo". Você quem? Isso significa que todos os crentes deveriam ser ricos? Você quem? Aquele que comprou a referida Bíblia, ou foi alcançado por seus princípios e ensinamentos? Não amados, nem todos seremos ricos. As razões pelas quais isto não vai acontecer são as mais diversas e complexas possíveis e envolvem fatores sociais, pessoais, espirituais, circunstanciais e outros. Se você contribui com as suas ofertas e dízimos, é trabalhador honesto, se esforça para manter-se qualificado na profissão que exerce, administra com sabedoria o salário que recebe e mesmo assim não alcança a riqueza, não fique triste nem frustrado, contentai-vos com o que tendes (Fp 4.11; Hb 13.5). Seja rico para com Deus (Lc 12.21). Saiba que o mais importante nesta vida não é o quanto você tem, mas o que você é diante do Senhor. Se um dia você ficar rico, dê graças a Deus, se nunca isso acontecer, dê graças a Deus também (1 Ts 5.18).

- Por qual razão Deus só resolveu acabar com a escravidão das dívidas e da pobreza agora, se os fundamentos deste comentário sempre estiveram na Bíblia? Será que Jesus, Paulo, os demais apóstolos, os pais da igreja, os reformadores, os missionários que experimentaram fome e nudez pela causa do mestre nunca enxergaram isso? Deus os privou desta "visão" (aliás, mais uma daquelas visões que só trazem confusão e promovem heresias no Reino de Deus)? Somos uma geração "especial"? Outra coisa, quem disse que a riqueza acaba com as dívidas? Muitos ricos estão proporcionalmente mais endividados do que alguns pobres. A questão da dívida relaciona-se com a forma com de administrarmos os recursos e não em sermos pobres ou ricos.

- "É chegado o momento da liberação de uma unção financeira especial". Percebo que se trata de mais uma "unção especial", como foi a "unção do riso", "unção do leão" e outras "unções", todas fruto de uma interpretação bíblica equivocada e tendenciosa, desassociada de uma análise exegética séria e genuinamente cristã (é bom lembrar que boa parte dos argumentos e notas da citada Bíblia está fundamentada no Antigo Testamento em promessas direcionadas para o povo de Israel). Não existe uma "unção especial financeira". O que a Bíblia nos revela é a bondade, generosidade, misericórdia e graça de Deus, que faz com ele derrame abundantemente suas dádivas sobre aqueles que contribuem com alegria e liberalidade, promovendo assim socorro aos necessitados, recursos para a obra missionária, manutenção do trabalho do Senhor e o suprimento de outras necessidades (2 Co 9.6-15).

Observe o comentário abaixo:

"Se você estiver carregando um fardo financeiro pesado, Deus o libertará. Ele não quer que você lute semana após semana apenas para suprir necessidades básicas. Ele quer libertá-lo da ansiedade mental e da preocupação que oprimem sua mente." (Bíblia Batalha Espiritual e Vitória Financeira, p. 278)

Algumas coisas precisam aqui ser esclarecidas:

- A ênfase da referido comentário deixa de ser dada ao "fardo do pecado" (Mt 11.28-29) e passa ao "fardo financeiro".

- O comentarista afirma que Deus não quer que lutemos para suprimento de nossas necessidades básicas, mas que deseja que sejamos ricos. Na verdade, o Senhor Jesus nos ensina que não devemos "lutar", no sentido dado pelo comentarista, por uma simples razão, é o próprio Deus que supre nossas necessidades básicas como comer, beber e vestir:

"Portanto, não vos inquieteis, dizendo: Que comeremos? Que beberemos? Ou: Com que nos vestiremos? Porque os gentios é que procuram todas estas coisas; pois vosso Pai celeste sabe que necessitais de todas elas; buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas" (Mt 6.31-33)

- Diz ainda o referido comentarista: "Ele quer libertá-lo da ansiedade mental e da preocupação que oprimem sua mente". Ora, não é a riqueza que nos livra da ansiedade, mas sim, nosso contentamento e confiança em Deus que em todas as coisas e situações nos fortalece:

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece." (Fl 4.11-13)

- É necessário lembrar que ser rico, não é em si mesmo pecado (1 Tm 6.17-19), contudo, uma teologia que prioriza a riqueza na vida do cristão não é ortodoxa nem bíblica. Não passa de mais um vento de doutrina (Ef 4.14).

Observe agora a ligação entre a visão sobre pobreza da referida Bíblia com a Teologia da Prosperidade. Comecemos observando alguns textos escritos em defesa da Teologia da Prosperidade, publicados no Brasil:

"Muitos cristãos nascidos de novo e cheios do Espírito vivem num baixo nível de vida, vencidos pelo diabo. Na realidade, falam mais do diabo do que em qualquer outra coisa. Cada vez que contam uma des ventura, exaltam o diabo. Cada vez que contam quão doentes se sentem, exaltam o diabo (ele ó autor das doenças e das enfermidades - e não Deus)." (HAGIN, 1988, p. 19 apud PIERATT, 1993, p. 55)

" [...] Um outro observou: ' Sabe, Jesus e os discípulos nunca andaram num Cadilac.' Não havia Cadilac naquela época. Mas Jesus andou num jumento. Era o Cadilac naquela época - o melhor meio de transporte existente. Os crentes têm permitido ao diabo lesá-los em todas as bênçãos que poderiam usufruir. Não era intenção de Deus que vivêssemos em pobreza. Ele disse que éramos para reinar em vida como reis. quem jamais imaginaria um rei vivendo em estrita pobreza? A idéia de pobreza simplesmente não combina com reis." (HAGIN, p. 48 apud PIERAT, 1993, p. 59)

" Não ore mais por dinheiro [...] Exija tudo o que precisar." (HAGIN, p. 17 apud ROMEIRO, 1998, p. 43)

Agora compare com o que está publicado como comentário na Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira:

"Jesus veio destruir as obras do Diabo: 'Para isso o Filho do Homem se manifestou: para destruir as obras do Diabo' (1 Jo 3.8). O pecado, a enfermidade, a pobreza e a morte são jugos do Inimigo! Você não tem de ficar amarrado à pobreza! Jesus veio libertá-lo de todo jugo que o Inimigo queira impor sobre você!" (p. 278)

O que há em comum entre os textos citados? A resposta é clara: todos estão construídos sobre os fundamentos da Teologia da Prosperidade. A lógica desta teologia é simples: doença e pobreza são do diabo. Se o Cristão está doente ou vive em pobreza, encontra-se debaixo do jugo do inimigo, ou nem é crente de verdade.

"Alguém uma vez me disse: Mas, Deus não colocou os médicos no mundo? [...] eu respondi: É verdade. Ele é tão bom que pensou nos crentes incrédulos. (SOARES, 1987, p. 40 apud PIERATT, 1993, p. 57)

Seguindo esse raciocínio, segue abaixo uma lista ampliada de personagens bíblicos que viveram debaixo do jugo do Inimigo:

- Eliseu (2 Rs 13.14-21) Enfermidade
- João Batista (Mt 3.4) Pobreza
- Jesus (Lc 2.21-24 com Lv 12.8) Pobreza (imagina que nem ele escapou!!!!)
- Lázaro (Jo 11.1-5) Enfermidade
- Pedro e João (At 3.1-6) Pobreza
- Paulo (2 Co 6.10) Pobreza
- Epafrodito (Fp 2.27) Enfermidade
- Timóteo (1 Tm 5.23) Enfermidade
- Trófimo (2 Tm 4.20) Enfermidade

Certamente conhecemos na atualidade, homens e mulheres de Deus (como os citados acima), que se encontram enfermos ou vivem em situação de pobreza (alguns inclusive vivenciam as duas situações). Será que todos eles estão debaixo do jugo de Satanás. Embora o Inimigo possa promover enfermidades e pobreza, nem toda enfermidade e pobreza surgem da parte dele:

"Por que, pois, se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados."
(Lm 3.39)

Se não fizermos exames de saúde periódicos ou não tivermos uma boa educação alimentar, e isto resultar numa enfermidade, a culpa é do Diabo? É claro que não, a culpa é nossa!

Se não administrarmos bem as finanças, não tratarmos com cuidado o orçamento doméstico, se fizermos um mau investimento, a culpa sempre será do Inimigo?

Volto a ressaltar que fatores sociais, econômicos, culturais e pessoais são a causa de muitos sofrimentos e privações na vida do cristão.

Entendo que é necessária uma ação urgente da parte dos pastores e líderes das igrejas, para que os teólogos, profetas, mestres e pregadores da "teologia da prosperidade" e da "vitória financeira", não enganem ou confundam nossos membros, congregados e até outros líderes com estas falsas idéias.

Vale lembrar, que a Teologia da Prosperidade é combatida e repudiada claramente em nossas publicações (CPAD), inclusive em lições bíblicas da ED.

No amor de Cristo e pela sã doutrina,

BIBLIOGRAFIA

ANKERBERG, John; WELDON, John. O movimento da fé. Porto Alegre: Chamada da Meia Noite, 1996.

Bíblia de Estudo Batalha Espiritual e Vitória Financeira. Rio de Janeiro: Editora Central Gospel, 2007.

PIERATT, alan B. O evangelho da prosperidade: análise e resposta. São Paulo: Edições Vida Nova, 1993.

ROMEIRO, Paulo. Supercrentes: o evangelho segundo Kenneth Hagin, Valnice Milhomens e os profetas da prosperidade. 6. ed. São Paulo: Mundo Cristão, 1996.

SOARES, Esequias. Heresias e modismo: uma análise crítica das sutilezas de Satanás. Rio de Janeiro: CPAD, 2006.

Pr. Altair Germano da Silva

Relator do Conselho de Educação e Cultura Religiosa da CGADB (Convenção Geral da Assembléia de Deus no Brasil) e Presidente do Conselho de Doutrina da UMADENE União dos Ministros da Assembléia de Deus no Nordeste).

sábado, 8 de março de 2008

COMO SE TORNAR UM PREGADOR "FAMOSO" (A TRAJETÓRIA DE UM FENÔMENO)

Pensando naqueles que não puderam acompanhar diariamente os módulos do curso de maior "sucesso" na blogosfera cristã “Como se tornar um pregador famoso”, segue abaixo todo o conteúdo do mesmo, juntamente com a sua conclusão.

APRESENTAÇÃO

Estaremos ministrando com exclusividade, um curso destinado a todos aqueles que sonham com o estrelato, como pregadores do evangelho.

O curso é gratuito. Basta clickar no blog e sua inscrição será feita automaticamente.

Todos os dias será postado um módulo do curso. Se você perder algum módulo, poderá acessar posteriormente os arquivos do blog e atualizar-se.

Depois de terminado o curso, se você não se tornar famoso, não nos responsabilizaremos.

O método que adotaremos já foi, e ainda é observado por muitos pregadores famosos da atualidade. Se deu certo para eles, pode dar certo para você também!

Divulgue e participe!

MÓDULO 01

A humildade é fundamental no início da carreira de um candidato ao "estrelato" como pregador.

Num primeiro momento, aceite o máximo de convites para pregar.

Pregue em igrejas grandes, médias, pequenas, ricas, pobres, no centro, nas favelas, nos morros, nos sítios, na capital, no interior. O que vale é pregar, não importa onde.

Se for o caso, você pode até se oferecer para pregar (sempre com um ar de humildade, não esqueça).

Se levar jeito, os convites tenderão a se multiplicar.

MÓDULO 02

Nosso segundo módulo tratará sobre a mensagem que será pregada.

No começo, seja o mais simples e objetivo possível.

Muitos pregadores que já alcançaram o sucesso, iniciaram sua trajetória contando seu testemunho de conversão, associando a este, a mensagem da palavra de Deus.

Seja o mais bíblico possível. Textos de difícil interpretação ou polêmicos, nem pensar.

Se você pregar algo que "cheire" a heresia, vai se queimar logo no início da "carreira".

No próximo módulo trataremos sobre a aparência do pregador.

MÓDULO 03

Simplicidade.

Essa palavra expressa muito bem a maneira como o pregador, candidato a "fama" deve se apresentar.

Cabelos bem cortados, higiene pessoal impecável, roupas não extravagantes bem passadas, sapatos engraxados, são requisitos desejáveis.

Nada de grife (marca) famosa (pelo menos por enquanto), isso pode constranger seu público ainda muito humilde e pobre.

Procure sempre a discrição, fazendo o possível para que sua imagem não tire a atenção da Palavra.
Sua imagem é seu cartão de apresentação, e a primeira impressão geralmente é a que fica.

No próximo módulo estudaremos sobre "gratificações" ou "ajudas de custo".

MÓDULO 04

No início da caminhada rumo a “fama”, quando for convidado para pregar, não estipule nenhum valor de cachê, oferta, ajuda, ou como queira chamar.Se ao final do culto, nem a gasolina ou passagem lhe derem, não faça cara feia, não reclame, nem questione. Abra um sorriso largo e diga que se precisarem, você estará pronto para retornar e pregar novamente.Tenha paciência, pois chegará o tempo dos bons “cachês”!No próximo módulo trataremos sobre cartões de apresentação e apostilas.

MÓDULO 05

Já está na hora de confeccionar um "cartão" de apresentação e algumas apostilas.

Com relação ao cartão, comece com o título "CONFERENCISTA", isto impressiona.Na primeira viagem para outro estado (mesmo que você resida numa fronteira) mude o título no cartão para "CONFERENCISTA INTERESTADUAL", e assim sucessivamente até alcançar o status de "CONFERENCISTA INTERNACIONAL".
As apostilas (e quem sabe alguns CD's) vão lhe ajudar a cobrir algumas despesas pessoais.No próximo módulo: a formação teológica do "CONFERENCISTA".

MÓDULO 06

Títulos acadêmicos são interessantes. Dá um certo ar de credibilidade e ajuda na melhora do "status".

O candidato a "fama" como pregador, deve fazer um curso de teologia, se possível um mestrado e doutorado, mesmo se depois de ficar famoso acabe se auto-proclamando Doutor em Porcaria.

No próximo módulo "Quando chega a fama, o que fazer?".

MÓDULO 07

A essa altura, depois de colocar em prática as orientações dos módulos anteriores, com uma boa dose de paciência e sorte, a fama certamente já estará batendo em sua porta. Daí em diante se torna necessário mudar alguns hábitos e posturas. Lembre-se sempre que você não é mais um "Zé Ninguém".

1. Convites

Lembra-se daquela história de aceitar o máximo de convites possível e de pregar em qualquer igreja, independente do tamanho ou condição social? Pois bem, esqueça. Pregador famoso não aceita qualquer convite (que deve passar agora por sua secretária), nem prega em qualquer igreja ou lugar. Se lhe convidarem para pregar em Camboriú, faça charminho e diga que vai dar uma olhada na agenda.

2. Pregação

Se pregar ou ensinar uma "heresiazinha" não vai ter problema algum. Agora você já tem uma "legião" de fãs, discípulos, adeptos, etc., que morrerão e matarão por você. Suas heresias para eles são "verdades absolutas", acima da própria Bíblia sagrada. Pregue sobre teologia da prosperidade, vitória financeira, amarre ou mande os demônios para longe (mesmo eles não indo), faça um ar de agressividade, cara feia, isto impressiona. O que vale é o que você diz. Você é o "cara"!

3. Aparência

Capriche no visual excêntrico. Faça plásticas no rosto, ajeite o cabelo, faça a sobrancelha, abuse na maquiagem, use ternos extravagantes (amarelo vermelho, rosa, etc.), sapatos também. Use apenas roupa de grife (Armani, Broksfield, Polo, etc.). Jogue no lixo suas convicções passadas. Não ligue para quem lhe chamar de "moderninho", de "mauricinho" da fé, etc. É mera intriga da oposição.

4. Cachê

Quanto ao cachê, você agora é quem dita as regras. Manter um status de pregador famoso custa caro. Estipule o seu preço, exija os melhores vôos, hotéis e restaurantes. Não dê moleza. Convidar pregador famoso não é para quem quer, é para quem pode.

5. Publicações e Produções

Apostila e CD é negócio para pobre. Escreva livros, grave DVD's, crie um site na internet, tenha o seu próprio programa na TV. Você agora é uma "marca" lucrativa.

6. Formação Acadêmica

Chame todos os seus títulos acadêmicos de "PORCARIA DE NOME". Apesar de ser uma grande hipocrisia de sua parte, seus discípulos vão gostar de ouvir isso, principalmente os frustrados e incultos. Abuse de arrogância quando falar de teólogos (apesar de você ser um).

7. Liderança das igrejas e convenções

Não se dobre diante de "presidentes" de igrejas ou convenções. Não se intimide com ninguém. Quando a coisa apertar, use sua oratória e jogue o povo contra a liderança. Desafie os pastores na tribuna da igreja (ou pela TV), isso dá um certo ar de "autoridade profética".

Se qualquer grupo ou pessoa "pegar muito no seu pé", lhe incomodar com duras críticas, mande-os "PARA O QUINTO DOS INFERNOS", chame-os de hipócritas, opositores da "grande obra" que você está realizando. Mande vê, sem pena, sem dó e sem ética!

CONCLUSÃO DO CURSO

Amados, o curso “como se tornar um pregador famoso” (ou um "fenômeno"), trata-se de um retrato crítico de uma dura e triste realidade vivenciada pela igreja evangélica no Brasil e no mundo.

Muitos jovens e homens de Deus, chamados e capacitados pelo Senhor para o Ministério da Palavra, acabaram cedendo ante as tentações proporcionadas pela “fama”, influenciados por alguns pregadores que estão ocupando espaços na mídia, em grandes eventos evangélicos, mas que se distanciaram da simplicidade e humildade, características indispensáveis na vida de um “servo” de Deus.

Esses “astros luminosos dos palcos da fé” ou "fenômenos" começaram bem, mas se desviaram do salutar modelo bíblico (2 Tm 4.5). Adotaram uma postura arrogante, relativizaram valores, semearam heresias, contendas e insubmissão, afrontaram líderes, e arrebanharam para si multidões de meninos alienados e massificados (Ef 4.14).

Querido irmão, se o Senhor Jesus te chamou para ser um pregador e ensinador de sua Palavra, faça isso com temor e tremor (1 Co 2.3), não confie em suas habilidades de oratória (1 Co 2.4), não busque para si a honra e a glória que só pertencem a Deus.

Para os que são admiradores daqueles que assim agem, deixo também uma palavra de reflexão:

Não apóie a sua fé em sabedoria (ou mera sutileza) de homens (1 Co 2.4-5)

Agradecemos as manifestações de apoio, ao mesmo tempo que pedimos desculpas para todos que ficaram confundidos com os nossos reais propósitos.

Com lágrimas nos olhos, e com um coração ardendo em zelo pela causa do Mestre,

Um abraço e a paz do Senhor!

quinta-feira, 6 de março de 2008

CRESCE NÚMERO DE EVANGÉLICOS NO MARANHÃO

A notícia foi publicada na Revista Enfoque Gospel com o título "um Maranhão diferente"

Todas as vezes que me deparo com notícias como esta, levanto sempre algumas questões.

1. Nunca o crescimento quantitiativo será mais importante que o qualitativo. O que vale no Reino de Deus não é a quantidade daqueles que se declaram "evangélicos" (termo este já profundamente banalizado);

2. As pesquisas não revelam o caráte e a qualidade de vida "cristã" destes que se declaram evangélicos;

3. De qual Evangelho esses "evangélicos" são seguidores? Do evangelho de Jesus ou de algum outro que porventura esteja na moda?

De fato os números das pesquisas não me enchem os olhos.

Quanto a possibilidade de um Maranhão diferente, isso só será realidade se os cristãos realmente fizerem a diferença, mediante uma vida verdadeiramente transformada pelo poder do Espírito Santo e guiada pela sã doutrina, oriunda da Bíblia sagrada.

terça-feira, 4 de março de 2008

O FENÔMENO!

IMAGEM: www.sergeicartoons.com

Vocês lembram aquele título "o fenômeno", atribuído ao Ronaldo da seleção brasileira de futebol? Pois bem, a moda acabou se contextualizando ao meio evangélico.

Você já ouviu falar no pastor "o fenômeno"? Ainda não? Pois fique sabendo que ele já existe e que assim se auto-intitula (ao contrário do Ronaldo que recebeu o título do Galvão Bueno), devido aos números mirabolantes que marcam o seu ministério.

O FENÔMENO EM NÚMEROS

- Milhões de telespectadores
- Dezenas de livros
- Centenas de cidades
- Milhares de mensagens pregadas
- Milhares de e-mails recebidos
- Milhões de acesso a sua página na internet
- Milhares de DVD's vendidos

Fui procurar na Bíblia alguém que pudesse se comparar ao "fenômeno", e acabei encontrando um certo personagem, que se destacou pelos números que também marcaram o seu ministério;

PAULO, O APÓSTOLO (2 Co 11.24-28)

- Muitos trabalhos
- Muitas prisões
- Açoites sem medidas
- Perigos de morte
- Trinta e nove chicotadas em cinco ocasiões
- Três pisas com vara
- Um apedrejamento
- Três naufrágios
- 24 hs boiando no mar
- Muitas jornadas (algumas a pé)
- Perigos de ladrões
- Perigos de rios
- Perigos de perseguições por judeus e não-judeus
- Perigos na cidade
- Perigos nos desertos
- Perigos em alto mar
- Perigos entre os falsos irmãos
- Muitos trabalhos e canseiras
- Muitas noites sem dormir
- Fome e sede muitas vêzes
- Falta de casa, comida e roupa
- Muitas preocupações com as igrejas do Senhor

Amados, não sei se o que sinto neste momento é vergonha ou indignação. Dá para perceber o quanto difere o referencial de valores do "FENÔMENO" e os referenciais do Apóstolo Paulo? A que ponto chegamos!

Por favor, me suportem. Falo principalmente aos fãs, que de tão entorpecidos pela eloqüência e domínio de massas que "os fenômenos" possuem, não admitem que toquem nos tais "ungidos"!

Gostaria neste momento, de responsabilizar por esta vergonha nacional, os pastores que abrem as portas de suas igrejas para "os fenômenos" modernos, cooperando assim para a alienação e exploração das pobres e manipuláveis ovelhas que lhes foram confiadas.

É fundamental lembrar que Jesus (nem os apóstolos) não andava atrás de público (Jo 6.24-27, 65-68). Jesus buscava verdadeiros discípulos e não público. O inferno se encherá de público e de pregadores de público, enquanto o céu, de filhos de Deus que nasceram de novo, que vivem em santidade e andam na verdade, juntamente com pregadores que não foram enganados pela sedução da fama e do sucesso temporal. Basta! Chega de tanta banalidade, futilidade e vaidade.

Ver e ouvir estas coisas, e ficar calado, é pecado de omissão. Compartilhar com elas, nos torna iguais "aos fenômenos".

Deixo o próprio Paulo nos lembrar um princípio que por muitos já foi esquecido:

"Se tenho de gloriar-me, gloriarme-ei no que diz respeito à minha fraqueza" (2 Co 11.30)

A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo sejam com todos vós.

sábado, 1 de março de 2008

O FRACASSO DO SUCESSO!


O sucesso é para muitos o começo do fracasso.

Você conhece alguém que foi seduzido e traído pelo sucesso e pela fama? É bem provável que sim, pois não é nada fácil lidar com tais circunstâncias.

Administrar o sucesso é uma tarefa bastante difícil, que exige um alto senso crítico, bons amigos e conselheiros ao nosso lado.

Para muitos, o grande problema com o sucesso é perceber seus limites. Ir além dos limites é uma prática extremamente perigosa.

A busca desenfreada pela fama, o interesse pela auto-promoção e o desejo cada vez maior de reconhecimento, faz com que muitos negociem seus princípios e relativizem seus valores, chegando a vender a própria alma ao Diabo.

O sucesso geralmente proporciona um sentimento de auto-suficiência, arrogância, indiferença para com as opiniões e críticas, uma sensação de estar acima de tudo e de todos, inclusive da própria Palavra de Deus.

A Bíblia nos fornece exemplos de pessoas que foram vítimas do próprio sucesso ou da tentativa de obtê-lo:

1. Lúcifer

"Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações! Tu dizias no teu coração: Eu subirei ao céu; acima das estrelas de Deus exaltarei o meu trono e no monte da congregação me assentarei, nas extremidades do Norte; subirei acima das mais altas nuvens e serei semelhante ao Altíssimo. Contudo, serás precipitado para o reino dos mortos, no mais profundo do abismo. Os que te virem te contemplarão, hão de fitar-te e dizer-te: É este o homem que fazia estremecer a terra e tremer os reinos? Que punha o mundo como um deserto e assolava as suas cidades? Que a seus cativos não deixava ir para casa?" (Is 14.12-17)

2. Nabucodonosor

falou o rei e disse: Não é esta a grande Babilônia que eu edifiquei para a casa real, com o meu grandioso poder e para glória da minha majestade? Falava ainda o rei quando desceu uma voz do céu: A ti se diz, ó rei Nabucodonosor: Já passou de ti o reino. Serás expulso de entre os homens, e a tua morada será com os animais do campo; e far-te-ão comer ervas como os bois, e passar-se-ão sete tempos por cima de ti, até que aprendas que o Altíssimo tem domínio sobre o reino dos homens e o dá a quem quer. No mesmo instante, se cumpriu a palavra sobre Nabucodonosor; e foi expulso de entre os homens e passou a comer erva como os bois, o seu corpo foi molhado do orvalho do céu, até que lhe cresceram os cabelos como as penas da águia, e as suas unhas, como as das aves." (Dn 4.30-33)

3. Balaão

"abandonando o reto caminho, se extraviaram, seguindo pelo caminho de Balaão, filho de Beor, que amou o prêmio da injustiça " (2 Pe 2.15)

"Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Corá." (Judas 11)

4. Corá

"acaso, é para vós outros coisa de somenos que o Deus de Israel vos separou da congregação de Israel, para vos fazer chegar a si, a fim de cumprirdes o serviço do tabernáculo do SENHOR e estardes perante a congregação para ministrar-lhe; e te fez chegar, Corá, e todos os teus irmãos, os filhos de Levi, contigo? Ainda também procurais o sacerdócio?" (Nm 16.9-10)

Percebemos também através do texto sagrado, um perfil destes infelizes obreiros:

1. Alucinados, insubmissos e difamadores

"Ora, estes, da mesma sorte, quais sonhadores alucinados, não só contaminam a carne, como também rejeitam governo e difamam autoridades superiores." (Jd 8)

2. Produtores de naufrágios espirituais

"Estes homens são como rochas submersas," (Jd 12a)

3. Estão presentes em nossos cultos e festas

"em vossas festas de fraternidade, banqueteando-se juntos sem qualquer recato," (Jd 12b)

4. Apascentadores de si mesmo (não se preocupam com as ovelhas)

"pastores que a si mesmos se apascentam;" (Jd 12c)

5. São vidas vazias e ministros de fachada

"nuvens sem água" (Jd 12d)

6. Vivem a deriva motivados pela melhor oferta

"impelidas pelos ventos;" (Jd 12d)

7. Sem frutos, mortos espiritualmente, sem firmeza e segurança

"árvores em plena estação dos frutos, destes desprovidas, duplamente mortas, desarraigadas;" (Jd 12 e)

8. Agressivos e irritados (quando são confrontados e questionados)

"ondas bravias do mar,"(Jd 13 a)

9. A sujeira e toda sorte de mazelas no ministério dos tais "astros", sempre acaba se revelando

"que espumam as suas próprias sujidades;" (Jd 13b)

10. Seu brilho é êfemero e seu fim é trágico

"estrelas errantes, para as quais tem sido guardada a negridão das trevas, para sempre.

Que o Senhor tenha misericórdia de nós." (Jd 13c)

11. Murmuradores, arrogantes e interesseiros

"Os tais são murmuradores, são descontentes, andando segundo as suas paixões. A sua boca vive propalando grandes arrogâncias; são aduladores dos outros, por motivos interesseiros. " (Jd 16)

12. Escarnecedores e alimentadores de suas próprias paixões

"Vós, porém, amados, lembrai-vos das palavras anteriormente proferidas pelos apóstolos de nosso Senhor Jesus Cristo, os quais vos diziam: No último tempo, haverá escarnecedores, andando segundo as suas ímpias paixões.(Jd 17-18)

13. Causadores de divisões

"São estes os que promovem divisões" (Jd 19a)

14. Promotores de sensualidade e vazios espiritualmente

"sensuais, que não têm o Espírito." (Jd 19b)

Queridos irmãos e leitores, apesar deste triste quadro na vida e ministério destes "buscadores do sucesso a qualquer custo", do perigo e estrago que podem causar ao Reino de Deus, somos exortados a nos apiedarmos dos tais, sem contudo negligenciarmos alguns cuidados:

"Vós, porém, amados, edificando-vos na vossa fé santíssima, orando no Espírito Santo, guardai-vos no amor de Deus, esperando a misericórdia de nosso Senhor Jesus Cristo, para a vida eterna. E compadecei-vos de alguns que estão na dúvida; salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne." (Jd 20-23)

Se você é amigo, ou goza da confiança de alguém que está passando por estas dificuldades, alerte-o quanto ao perigos que enfrenta. Faça o possível para livrá-lo deste trágico quadro. Tente acordá-lo, fazendo-o desistir desta triste ambição.

No demais,

"Ora, àquele que é poderoso para vos guardar de tropeços e para vos apresentar com exultação, imaculados diante da sua glória, ao único Deus, nosso Salvador, mediante Jesus Cristo, Senhor nosso, glória, majestade, império e soberania, antes de todas as eras, e agora, e por todos os séculos. Amém! " (Jd 24-25)

PASTORES MODERNOS?!

Não, o Michael Jackson não virou pastor. É sobre outro assunto que gostaria de falar.


Existe algum problema em ser moderno, mesmo sendo um pastor ou pregador do evangelho? Penso que não.

Há diferença entre ser moderno e ser ridículo? Tenho certeza que sim?

O obreiro precisa ter cuidado para não confundir “modernidade” com “banalidade”, e jeito de “ser” com jeito de “aparecer”. Ele só precisa imitar Jesus!

É bem verdade que alguns comportamentos extravagantes, são resultados de:

- Traumas na infância
- Adolescência amputada ou abortada
- Crise dos 40 antecipada, vivenciada ou prolongada
- Perda do bom senso
- Síndrome do pop-star (lembra do Michel Jackson - veja a foto)

Amado companheiro, seja moderno e contextualizado, mas seja acima de tudo moderado. Perceba os limites. Pense, reflita mais um pouco antes de adotar certos comportamentos, ou de seguir certas tendências da “moda”.

Por você ter recebido mais de Deus (responsabilidades), será mais cobrado.

“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar [...]” (2 Timóteo 2.15)

Licitude e conveniência precisam andar de mãos dadas na vida do homem de Deus.

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm” (1 Coríntios 6.12 e 10.23 )