sábado, 20 de dezembro de 2008

POLÊMICA: LIÇÃO BÍBLICA "O ADOLESCENTE E O MUNDO"

Vista como ousada, progressista e contextualizada por uns, e irresponsável, polêmica e mundana por outros, a Lição Bíblica para a faixa de 13 e 14 anos, intitulada "O adolescente e o mundo", publicada pela CPAD (Editora Oficial das Assembléias de Deus no Brasil) para o 1º Trimestre/2009, divide opiniões.

"Todo ritmo é lícito, dos clássicos ao rock, mas é preciso avaliar bem a letra e o grupo que a canta para saber se convém ouvir" (LB)

O rock, o olodum, o funk, o frevo, o samba, o forró, o brega, etc, etc, etc..., foram sacralizados? Podem ser tocados ou cantados nas Assembléias de Deus sem problema algum?

O pastor Ciro Sanches, em seu blog, faz as seguintes afirmações em se tratando de ritmos:

"Hoje, infelizmente, quaisquer estilos com letras supostamente cristãs são considerados apropriados para o louvor na casa de Deus. Isso é um grande desvio."


"
Reitero que o heavy metal, com todas as suas variações (white, black, love, etc.), é um estilo “pesado”, mundano, demoníaco, impróprio para o louvor. Além disso, a sua fama e o estilo de vida que o acompanha são incompatíveis com o cristianismo bíblico. O irmão gosta de tatuagens, piercing, braceletes, coturnos, etc.? Não me diga que o irmão também gosta de ficar balançando a cabeça para frente e para trás rapidamente... Isso é compatível com um culto ao Senhor, em espírito e em verdade?
Olha, nada tenho contra os apreciadores de heavy metal. Todos têm as suas preferências e os seus gostos. Mas definitivamente esse estilo não se aplica ao louvor na casa de Deus. Medite em 1 Coríntios 10.23,31; 1 Tessalonicenses 5.22; e Hebreus 12.1. "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm" (1 Co 6.12a)."

Sou de opinião, assim como o pastor Ciro, e outros pastores assembleianos, que nem todos os ritmos são lícitos. Sobre o rock, já escrevi em "O rock é do Diabo?"


"Atualmente, o cinema é uma das mais populares formas de entretenimento. Os filmes que devemos assistir são aqueles em que toda a família pode se reunir para assistir junto." (LB)

Ir ao cinema para assistir bons filmes, foi liberado geral? Quer dizer que os assembleianos não precisam se sentir mais constrangidos, nem serão "disciplinados", quando "pegos" numa fila de cinema, ou assistindo a sessão? Engraçado, não me lembro de ter ouvido essa questão de usos e costumes ser debatida em nossas reuniões convencionais. Ou, não se precisa mais perder tempo com esse tipo de debate? Avanço ou retrocesso?

"Assim sendo, o uso de gírias não deve ser uma prática usual. Você precisa conhecer o significado exato das gírias que eventualmente utiliza, e descartar aquelas que são de origem duvidosa e significado ultrajante" (LB)

Pô mano, valeu! Essa lição é o bicho!

Em se tratando de aula formal, não sou favorável a orientação para falar gíria. A língua culta deve sempre ser incentivada e promovida.

Entendo que a diversidade cultural das Assembléias de Deus no Brasil, com as suas diferenças regionais e peculiaridades próprias, deveriam ser consideradas em publicações deste nível.

Em razão das controvérsias em torno dessas questões, algumas Assembléias de Deus no Brasil não adotarão esta Lição Bíblica para o 1º Trimestre/2009.


52 comentários:

Fabio Silvestre disse...

Paz e Graça a todos,
Bom, eu não tenho ainda um exemplar dessa revista em mãos mas pelos três trechos citados posso entender que realmente essa revista é maior barato!rsrsrs
gostaria de expor uma reflexão:quando um jovem ou adolescente é levado a não fazer isso ou aquilo por uma determinação( não deixa de uma determinação pois o adolescente é ingênuo) familiar ou religiosa ele vai primeiro obedecer por receio(medo) depois ele vai se tornar falso pois vai fazer o "certo" apenas na frente de algumas pessoas e depois que perceber que já é dono de sua vida ele vai desviar-se e se tornar um mal caráter,isso se não crescer mal caráter dentro da igreja. Agora se essa familia e essa religião lhe dão a total liberdade de escolha e de atitudes pode ter certeza que ele vai se tornar mais verdadeiro pois o peso dessa liberdade é muito maior porque traz consigo a responsabilidade pelos seus atos e escolhas. e essa liberdade é absolutamente bíblica pois Cristo nos chama a uma vida de sinceridade e não de obrigações ou dogmas.
vejo como um progresso essa revista assim como outras literaturas já existentes que tenham como finalidade despertar nossa igreja pra uma vida com Cristo e não com o moralismo pois quem é que pode dar lição de moral em nossa sociedade, Cristo ou as Assembléias de Deus? Cristo em seu tempo fez coisas que escandalizavam a sociedade, no entanto, o mal estava na sociedade que era hipócrita, e hoje será que não estamos sendo hipócritas ao querer mostrar algo que não somos?
Infelizmente nas Assembléias de Deus muitas vezes é mais importante parecer ter santidade do que ter santidade.
No trecho sobre ritmos não vejo que o comentarista esteja falando em cantar ou ouvir no templo. É claro que no culto não devemos louvar com certos ritmos, mas o que dizer de anos afio em que o sertanejo e posteriormente o forro dominou em nossas igrejas? Há hoje um ritmo muito usado que mais parece com carnaval onde os crentes deitam,rolam,danção, pulam,sapateiam, gritam e rodam a baiana parecendo um terreiro de macumba.
No que diz respeito a filmes vejo com espanto esse comentário seu Pr. Altair pois não devemos em hipótese alguma querer controlar a vida das pessoas muito menos utilizando disciplinas ou constrangimentos, ora bolas, se ta fila do cinema isso é com ele e Deus e não comigo ou com os outros!Olha nós julgando!!!
O trecho sobre isso não poderia ser melhor uma vez que está certo, o bom filme ou se lá o que for é aquele que todos podemos assistir juntos! Qué mais o que?
Já as gírias são temporárias e não vão jogar ninguém no inferno. o tempo muda os hábitos e o Espírito Santo vai trabalhando na pessoa para torna-la conforme Cristo queira, ou vamos querer tomar o lugar Dele também?
É isso aí, temos que ser melhores do que já fomos e deixar Cristo trabalhar pois Ele é o cabeça da Igreja.
Quando Cristo voltar muitos moralista não vão subir e muitos que achamos que não andam na vontade de Deus serão arrebatados!
Fiquemos atentos nisso!!!!

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr Altair Germano

A polêmica está instalada. E eu estou do lado da CPAD nesta questão.

Entendo que o jovens devem ser tratado como jovens. E é nesta linha de raciocínio que a revista foi escrita. Mostra-lhes o que lhes é lícito e o que é conveniente.

As gírias que os jovens falam, desde que não sejam com conotações chulas, não ferem os princípios do Evangelho. Quando os mais velhos os censuram por causa da maneira de falar, eles costumam se revoltar. E a revolta parece justa, pois, são as censuras são cheias de religiosidade sem fundamentação bíblica.

Quando vejo os líderes mais velhos da AD criticando a juventude, dentro dessa linha do campo das opiniões que provocam os choques de gerações, procuro saber quais os frutos de quem critica, qual é o perfil dentro do seu lar. E o que noto é que seus filhos são problemáticos e até desviados. Ora, o apóstolo Paulo perguntou: Se um homem não consegue ensinar o Evangelho aos seus próprios filhos, como poderá ensinar a igreja? É por causa da falta de observância do texto bíblico de 1ª Timóteo 3.1-13 que a AD está em crise. O cargo de pastor tem sido usado para forçar costumes e gostos pessoais, quando a opinião humana (entenda-se coração) não pode servir de guia para ninguém. Os líderes tendem a cuidar da igreja como fazem em seus lares, e se ensinam errado no lar, fazem o mesmo na congregação.

Foi o deboche de Raul Seixas que criou a frase que o diabo é o pai do rock, mas parece que muitos crentes gostariam de colocar esta frase no cânon bíblico.

Não sei se no norte e nordeste do Brasil os assembleianos freqüentam cinema, mas no sul é coisa comum eles irem em grupinhos aos shopping centers para acompanhar as novidades das telonas. Entende-se que a proibição do passeio não é benéfica ao crescimento espiritual, o correto é o ensino da Palavra, que desenvolve neles o discernimento sobre o que é e o que não é agradável a Deus (João 17.17).

Particularmente, eu vou com a família ao cinema, mas prefiro o conforto do meu lar, usando os DVDs dalugados em locadoras.

Por fim, fiquei contente em constatar que a linha editorial da CPAD, orgão da CGADB, está afinada com meu modo de pensar, nesta questão da juventude e os usos e costumes assembleianos.

Abraço.

Eliseu Antonio Gomes
http://belverede.blogspot.com/

MYRIAN - BRASÍLIA disse...

Bem aki no centro oeste também vamos ao cinema. Sou assembléiana de nascimento e acho que tudo muda, só não pode mudar o nosso comportamento perante a sociedade.
Se analisarmos as roupas, os penteados os usos e costumes não são os mesmos do tempo de Gunnar Vingren e Daniel Berg.
Não podemos e não devemos levar as coisas ao extremo, nem para mais e nem para menos.
Devemos mostrar para nossos filhos e netos que as coisas mudam, mas que não precisamos ser igual ao mundo. Não vejo porque não assistir em casa ou cinema filmes históricos ou filmes que sejam de censura livre, já que na escola nossos filhos assistem esses mesmo filmes como forma de educação e aprendizagem.
Quer dizer que se passar na escola não é pecado? Como nossos filhos serão se os podarmos demais e dizer que tudo é pecado?
EStá aí a televisão que os crentes diziam que era do diabo, só passa o que não presta.
SERÁ QUE NÃO CHEGOU A HORA DE ENTREGARMOS TUDO PARA DEUS?

Elias Charamba disse...

Caro irmão em cristo Altair,

É meu irmão, isto é mais uma do assembleismo saudosista em que a defesas dos costumes sempre ocupava mais tempo do que a sã Doutrina. Entretanto, a assembléia de Deus deve deixar de ser guardiã da tradição ou ela será uma Igreja composta essencialmente por idosos saudosistas em que paira o sentimento nostálgico dos velhos tempos.
Meus irmãos,será que nós não nos apercebemos que essa maneira de ser trouxe alguns louros mais também formou cristãos legalistas?
A música em sua maioria tem a sua origem pagã. “O maracatu é uma mistura das culturas indígena, africana que teve a sua origem no animismo; o samba é um gênero musical e um tipo de dança de raízes africanas surgido no Brasil e é tido como o ritmo nacional por excelência. Considerado como uma das principais manifestações culturais populares brasileiras, o samba se transformou em símbolo de identidade nacional, a bossa nova foi um movimento popular surgido na década de 1950 a 1960 e é tipícamente brasileira, só que se origina-se do samba.” (Wikipédia)
Bem, não é nosso propósito fazer um histórico da música brasileira. Porém, mostrar aos irmãos que toda a musicalidade de um povo emana de suas origens,as nossas passaram pela europa e têm também um “pé na cozinha” como dizia FFHC. Tanto os índios como os africanos fazem parte de nossa formação musical. Agora só porque o samba o frevo e outros rítimos nossos têm origem indo-africana ficamos descriminando achando que é profano adorar a Deus nesses rítimos. Não obstante, esquecemos que cantamos Hinos da HC em que a sua música tem origem nos cabarés dos EUA, e damos glória a Deus, falamos em línguas mesmo sem nunca nos pergutarmos a origem daquela música. Temos um hino na HC que na Alemnha não se canta mais,pois, era a música predileta de Hitler, que a ouvia enquanto milhares de judeus eram mortos nas câmeras de gás.
Então meus irmãos acabem com issso!
Os jovens têm sim que se contextualizarem musicalmente pois do contrário teremos uma juventude retrógada e vivendo como no século passado e cada vez mais distanciadas das pessoas, pois não falam a mesma língua, não tem a mesma cultura, etc. Lembre-se de que somos de um mesmo pais e temos a nossa própria identidade. Assim então, vamos satanizar os nossos rítmos ao passo que os rítmos norte-americano e europeu são divinizados sem nem se quer observar as sua origens!
Amados é tempo de acordarmos! A Doutrina deve ser preservada acima de tudo, sem no entatanto,satanizarmos a nossa cultura só porque vem da áfrica- continente pobre.
Por fim, lembre-se de que a música nunca foi criação de Satanás. A Terra e toda a plenitude é do Senhor, e essa plenitude se refere também à linguagem musical. Amados, é só não colocarmos palavras torpes nelas. Todos os rítimos pertencem a Deus.
Amém!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Fábio,

"No trecho sobre ritmos não vejo que o comentarista esteja falando em cantar ou ouvir no templo. É claro que no culto não devemos louvar com certos ritmos"

Esse dualismo é contraditório. Ou a música é santa em todo lugar, ou é profana da mesma forma. Não concordo com música cristã para o templo e música cristã para outras ocasiões. Se rock pode ser ouvido e cantando fora da igreja, poderá se ouvido e cantando nos cultos também. Isso serve para qualquer ritmo "lícitos" e "convenientes".

"Já as gírias são temporárias e não vão jogar ninguém no inferno."

Ninguém está falando aqui em inferno, mas em conduta e postura cristã. Há muitas coisas que não nos levarão para o inferno, mas não são convenientes para um cristão que deseja ser sal e luz.

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Eliseu e Mirian,

meus filhos também vão ao cinema. Os filhos de muitos pastores e membros aqui do nordeste vão também. Enquanto isso acontece em muitos lugares (embora haja quem faz de conta que não está acontecendo), há jovens assembleianos sendo oprimidos e afastados de atividades da igreja, em muitos lugares, por assistir TV e acessar a internet.

Minha crítica é que a denominação não se posiciona oficialmente sobre o assunto, publica uma lição com os comentários já expostos, e acaba causando alguns transtornos.

Infelizmente, o moralismo. a omissão e a hipocrisia ainda impera em muitos lugares.

Se brincar, como aconteceu com a Lição Bíblica sobre Ética Cristã (no tema Controle Ter ou não ter muitos filhos e o Cristão e a sxualidade), comentada na época pelo pastor Elinaldo Renovato, vai ter professor de ED ou obreiro rasgando lição na frente dos alunos, e abominando o tema.

Em outros casos, é possível que algum professor aplique a lição, incentivando uma vida mundana e descompromissada com a Palavra de Deus, valorizando mais o lazer do que os cultos de oração e o ensino bíblico.

Repito, tais temas deveriam ser discutidos antes de publicados, para que houvesse um mínimo de unanimidade possível.

Abraços,

ALTAIR GERMANO, disse...

Prezado Elias,

como já coloquei, essas questões deveriam ser discutidas (Conselho de Doutrina, Educação Cristã, Ética, etc.)para depois serem publicadas.

Sendo a CPAD um órgão oficial da igreja, como publica livros e textos que condenam alguns ritmos, e ao mesmo tempo publica uma lição bíblica que os aprova?

Qual é a posição oficial da CGADB sobre o assunto?

Abraços,

Elisomar disse...

Parece que quanto mais se aproxima a vinda de Jesus, mais o povo corre pra longe da porta do céu. A visão é essa: Jesus tem que se contextualizar. Ele não tá vendo que os tempos mudaram? ELe quer que os jovens continuem na igreja? Então, Ele vai ter que se adequar. Não sou saudosista e até concordo que muitos costumes eram exagerados, porque não feriam a doutrina bíblica, apenas serviam pra satisfazer a arrogancia dos mais velhos, mas dizer que estamos perdendo jovens por causa disso não é verdadeiro. Nunca vi a Asssembléia de Deus tão liberal como anda nestes tempos, e nunca vi tanta evasão! Quem devia tá caindo fora, era os irmãos mais antigos. E vou fazer minha as palavra do pastor Altair: " Se não voltarmos aos primeiros "costumes" muito em breve muitos templos da assembléia de Deus, serão transformados em Shoping Center, porque os antigos costumes não iam de encontro à doutrina, mas essa abertura sim. E podem me chamar de antiquada, eu não ligo. rsrs

ALTAIR GERMANO, disse...

Elisomar,

não sei de qual contexto você citou a minha fala "voltar aos antigos costumes". Os bons costumes devem ser mantidos sim, mas dentro de um mínimo de coerência, sem colocá-los acima dos princípios bíblicos.

Vivemos, como já escrevi, profundas contradições.

Paz do Senhor!

Elisomar disse...

Pastor Altair, não foi exatamente de costumes que o senhor falou no estudo em Abreu e Lima, foi de doutrina, por isso coloquei costumes entre aspas. E haja contradições!

Gutierres Siqueira disse...

Sempre ouvir falar que algumas Assembléias de Deus não adotam as revistas de adolescentes, por causa do suposto mundanismo. Sinceramente, vejo isso como infantilidade desses pastores!
Lembro, que no início da minha fé, essas revistas foram verdadeiros discipuladores. Graça a Deus por elas!

Eliseu Antonio Gomes disse...

Pr Altair Germano

Eu entendo que o assunto da publicação da revista sobre ritmos musicais, e qualquer outro assunto, é o posicionamento oficial da CGADB.

Tudo que é publicado, antes, passa pelo Setor de Educação Cristã, que tem sua chefia na pessoa do ilustre Pastor Marcos Tuler, que reputo como competente.

Certa vez, há uns 6 anos atrás, uma pessoa aqui de São Paulo, com grande acesso e forte influência na CGADB, confidenciou a mim (não citarei o nome porque seria uma indelicadeza da minha parte), que os (ab)usos e costumes do passado não eram bem quisto pela maior parte das lideranças da CGADB no presente. Segundo ela, o assunto dos costumes versus doutrina bíblica é um dos causadores de divisão na Assembléia de Deus. A estratégia para lidar com a questão era justamente não tocar nela, deixar o tempo dar a devida resposta. Ou seja, as gerações de pastores mais apegados aos costumes, que em grande parte são os pastores mais idosos, vão sendo mudados por outros mais jovens, inevitavelmente, porque ninguém nasce para viver para sempre nesta terra.

Sempre que ouço alguém apelar ao zelo ao nome Assembléia de Deus, falando da importância de manter a identidade da AD bem diferenciada do cristianismo exercido em outras denominações, focando aos “bons costumes” (saias, vestidos, cabelos compridos, não-uso de maquiagem e brincos), penso logo na questão da opinião daquela pessoa. O que para ela é um “bom costume”, para outra não será, porque é questão cultural. O "bom costume" é algo relativo, depende da opinião de cada um sobre o que é bom ou ruim. Por causa disso é que há tanta celeuma, tanta polêmica.

Realmente é um assunto polêmico, e o tempo dará conta de assentar as coisas nos seus devidos lugares. Tudo passa, só a Palavra de Deus permanece.

Abraço

Daladier Lima disse...

Cumpre informar que o conteúdo desta revista já havia sido lançado, com a mesma polêmica, dois anos atrás. O que ocorre é que a CGADB não debate costumes, o povo vai se liberando. Contradição brava.

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Eliseu,

a competência do pastor e amigo Marcos Tuler é incontestável. Sou do ponto de vista de que o setor de educação cristã da CPAD deveria trabalhar em conjunto com o Conselho de Doutrina e o Conselho de Educação da CGADB .

Certamente, a probabilidade de surgir problemas deste tipo iria se reduzir ao máximo.

Essa mesma lição já foi publicada, gerou problemas, e mesmo assim, foi publicada novamente.

Abraços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Gutierres,

as lições de adolescentes são de ótimo nível. A equipe que trabalha nela é altamente competente.

A discussão aqui gira em torno da abordagem de temas que geram sérios conflitos nas igrejas e na cabeça dos irmãos, sem um posicionamento oficial da denominação.

Como entender, por exemplo, que uma editora "oficial" publique um livro condenando o Rock (A Mensagem Oculta do Rock)e uma Lição Bíblica apoiando esse ritmo?

Abraços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Daladier,

como já escrevi, é difícil entender tal re-publicação.

Abraços!

Josélio disse...

Concordo com o irmão Eliseu Antonio Gomes, e assino embaixo do que Paulo diz em Cl 2.20-23:

"Já que vocês morreram com Cristo para os princípios elementares deste mundo, por que, como se ainda pertencessem a ele, vocês se submetem a regras: "Não manuseie!", "Não prove!", "Não toque!"? Todas essas coisas estão destinadas a perecer pelo uso, pois se baseiam em mandamentos e ensinos humanos. Essas regras têm, de fato, aparência de sabedoria, com sua pretensa religiosidade, falsa humildade e severidade com o corpo, mas não tem valor algum para refrear os impulsos da carne".


Josélio

Victor Leonardo Barbosa disse...

Ah,falando sobre cinema, não vejo problema algum em ir ao cinema, pois este, por si mesmo não possui mal algum, todavia se deve avaliar qual são os filmes a assistir.

Exemplo: Não dá para um cristão genuíno gostar de filmes como "Os outros" onde a mensagem é puramente anti-cristã e espírita, ou outros como "Jogos Mortais", que é um verdadeiro louvor à crueldade e maldade humana.

Eliseu Antonio Gomes disse...

É verdade, o irmão Dalardier tem razão. A revista já havia sido publicada. A recente tem como única diferença a capa. Até a garotinha é a mesma, apenas numa foto diferente.

A repetição da publicação dá a entender o que eu comentei antes. O tempo assentará as coisas nos seus devidos lugares. Alguns setores onde a primeira edição não foi aproveitada, provavelmete, terá o seu bom proveito agora. Houve mudanças de cabeças no posto pastoral. Hoje há alguém no comando que é menos radical na questão dos usos e costumes assembleianos.

Tudo passa, a Palavra de Deus dura para sempre!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Josélio,

a grande questão é que as regras são impostas, quem as quebra é punido, e depois, sem maiores esclarecimentos elas são abolidas informalmente.

O que existe de crente que já foi excluído por causa de "regras humanas" impostas, para depois tais regras serem abolidas "informalmente", quando o dano já foi causado é brincadeira.

A lição deveria falar também do uso de calças compridas pelas irmãs assembleianas. Mulheres de pastores, de membros que ocupam cargos de confiança, dos irmãos em geral, jovens, adolescentes, etc. estão usando calça comprida no trabalho, na faculdade, na escola, no shoping, na igreja etc., mas ninguém declara abertamente que as assembleianas podem usar este tipo de roupa, apesar de não serem mais "punidas por isso".

E o que falar de maquiagem, pintura de unhas, colares, braceletes, brincos etc.

Ou assumimos (a liderança da igreja)esta nova realidade, ou vamos viver um bom tempo ainda discutindo lições como esta, censurando sua publicação, mas tolerando as prática por ela abordadas.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Pois é Victor,

na medida que cinema, teatro, circo, parques aquáticos, parque de diversões, campos de futebol (sim, tem assembleiano que assiste jogo no maracanã, morumbi, beira rio etc., mesmo que alguns finjam que isso não acontece) e outros espaços culturais e de lazer são frequentados por cristãos, a consciência de cada um dever orientar a qualidade dos "espetáculos" e a conduta pessoal.

Não é esse o princípio?

Que tal a liderança da igreja atualizar as regras:

- Cinema pode
- Teatro Pode
- Política eclesiástica mundana pode
- Estádio de futebol ainda não
- Etc, etc, etc....

Abraços.

ALTAIR GERMANO, disse...

Eliseu,

a questão não é ser mais ou menos radical, é ser hipócrita.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amados leitores,

há algumas coisas que não negocio, não vendo e não troco, entre elas estão minha consciência e minha liberdade de expressão.

Abraços!

elizabeth assis da silva disse...

Já trabalhei com adolescentes, posso afirmar que muitos costumes mudaram com o tempo. Concordo que existem muita gente guardando tradições e até lutam por elas, mas não adianta tudo passa e muda. Temos que lembrar que a bíblia é o manual do crente, ela diz seguir a paz com todos e a santificação sem a qual ninguém verá o Senhor, a descencia e a ordem realmente está acabando em todos aspectos. O crente precisa saber em quem tem crido só assim ele saberá o que é certo e errado. A CGADB não se posiciona porque deixou nas mãos da liderança regional ou de cada convenção. Muita gente coloca carga nos outros mas não tem força na sua própria casa.Nossa igreja vive um momento de hipocrisia, temos que está sempre ligado com Deus para não chegarmos ao estágio dos revoltados.

Eliseu Antonio Gomes disse...

Uma breve retificação.

Havia dito que as alterações da revista estavam apenas na capa, mas é mais aprofundada.

Observando as duas edições, vi que houve mudanças. A lição nº 11 está altarada de maneira total.

Na primeira edição da revista, a décima primeira lição gerou grandes debates naquea época. Abordava as questões do namoro e das carícias. o título da lição era Encontrando o par.

Para 2009 a revista vem na lição 11 com o título: "Tudo tem o seu tempo...". E, está trazendo o assunto de maneira mais amena do que há dois anos atrás.

ABRAÇO.

Anônimo disse...

para que conselho de etica ? se caso alguem obedeça so sao puinidos os pequenos quando desobedecem ?

nao aceito dois pessos e duas medidas

ja li um livro condenando o rock da editora cpad agora estao desfazendo tudo na Lição Bíblica apoiando esse ritmo?

a leleia de deus como dizem os irmaos batistas amigos esta perdida

ALTAIR GERMANO, disse...

Elizabeth,

se a questão dos usos e costumes está sob a responsabilidades das Convenções Estaduais, uma lição bíblica não deveria tratar essas questões no nível nacional. Não poderia se posicionar contra ou a favor de determinadas questões "locais". Eis a falha.

Na realidade, mais do que nunca, nossa igreja transformou-se numa grande Babel, onde ninguém fala a mesma língua e nem se entende.

Oremos por isso!

Victor Leonardo Barbosa disse...

ôpa ôpa....
política eclesiástica não pode de jeito nenhum!!!

Por causa desta é que temos tantos problemas, incluindo estes dessa envergadura.

Essa COM CERTEZA NÃO PODE.

Abraços e Paz do Senhor!!!

Anônimo disse...

Jesus disse-Vóis sois o sal da terra,e a luz do mundo.
Infelizmente muitos adultos deixaram de ser o sal da terra e a luz do mundo,e,agora estão querendo através dessa falsa liberdade (pode ir ao cinema,todos os ritmos são válidos,isso não tem problema etc,etc.)tornar insípidos e apagar a luz dos nossos adolescentes.Quanto mais estreita a porta e apertado o caminho,menos chances para o diabo destruir os nossos adolescentes.

Marivaldo.

Fabio Silvestre disse...

Paz e Graça a todos,

Pr. Altair, o meu comentário sobre ritmos realmente é dualista assim como a bíblia é, não sobre literalmente á ritmos mas á adoração dentro e fora do templo, explico:
há na bíblia registros que mostram danças e adorações com instrumentos de percussão que não deixam de criar um ritmo já que a palavra em questão é essa.
Retificando que o assunto aqui é ritmos e não danças, no entanto, um está ligado ao outro e creio que o Sr. entende.Como ,há muitos ritmos que nos levam á danças creio que essa ligação aprova o uso do texto que expõe também meu comentário sobre tal, e o texto que sugiro é intitulado: A Dança na Adoração á Luz da Bíblia nesse endeço: http://blog.musicaeadoracao.com.br/2008/05/16/a-danca-na-adoracao-a-luz-da-biblia/

onde podemos acrescentar a palavra ritmo á palavra Dança pela forte ligação
já citada.
Sem duvida nenhuma há uma separação nítida dos ritmos utilizados no Templo e fora do Templo desde o principio dos Templos.
Já minhas palavras sobre gírias onde disse que elas não vão jogar ninguém no inferno eu quis aludir á maneira como muitos encaram esse comportamento e não que o seu comentário fez essa menção.
Já quanto a preocupação em que primeiro esses assuntos sejam resolvidos nas convenções e que se tenha uma posição oficial da denominação quero expor que eu também pensava assim até que conversando com um irmão ele me abriu os olhos ao dizer que a denominação entraria num pé de guerra sem precedentes e dividiria as Assembleias de Deus de maneira drástica e dramática já que há muitos que se revoltariam e outros que se frustrariam ao ponte de desviarem e outros de se tornarem apostatos. E só pra termos uma idéia disso podemos observar que já existe essa situação mesmo sem uma postura oficial das Assembléias de Deus.O melhor é orar, ler a bíblia, orar mais um pouco, jejuar, ler a bíblia... e deixar que Cristo através do tempo faça as modificações oficiais em cada um nesse todo chamado Assembléia de Deus.

Abraços Pr. Altair Germano

Elias Charamba disse...

Quem diria que a Assembléia de Deus entrou em crise existencial?
Temos dois tipos de membros: um que não aceita negociar os costumes e outro que têm duplo procedimento. Parece mais uma igreja dentro de outra, pois descumprem a orientação “Cgadbana” dos costumes, ao passo que dentro da igreja vivem nos moldes assembleianos.
Fora os nossos adolescentes têm aula sobre sexualidade, o uso da camisinha, o sexo como fonte de prazer e descompromissado, a virgindade como tabu, a masturbação como alívio, etc.
Na Igreja renegamos o ensino correto em nome de um farisaísmo moderno, porém decadente.
Meus irmãos, aprendam com Jesus sobre o lugar da tradição e da Doutrina (Mc 7:1-13).
Em suma, o que Jesus quis dizer, é que se colocarmos a tradição/costumes no mesmo patamar da Doutrina, invalida a Palavra de Deus.
Assembleianos! Deixem de ser legalistas, acatem a lição para adolescente da CPAD.
Já temos bastantes problemas com os nossos jovens, é só verem o caso Eloá e verificar que era de família assembleiana.

Felipe Huvos Ribas disse...

Pastor Altair, qual a sua opinião sobre o rock?

Felipe Huvos Ribas disse...

Pastor Altair, quero fazer outra pergunta para o senhor. Não sou assembleiano, apesar de que estava pensando em começar a frequentar a Assembléia (leio muitos blogs de assembleianos). Sou cristão evangélico. Bom, lá vai a pergunta: como sabemos se não estamos sendo legalistas, fariseus modernos? Porque Jesus criticou muito a hipocrisia dos fariseus. Obrigado desde já e que Deus te abençoe.

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Felipe,

minha opinião sobre o rock encontra-se no post "O Rock é do Diabo?" e nos comentários do mesmo.

Sobre legalismo, quando impomos regras para a conduta cristã, que estão além da observância dos princípios bíblicos, e passamos a julgar as pessoas por essas regras, estamos sendo legalistas.

Abraços!

Wesley disse...

Leiam a entrevista que o maestro Nilton Didini, autor do livro O LÍDER DE LOUVOR, concedeu ao blog do pastor Ciro Sanches.

http://cirozibordi.blogspot.com

Eudes Pereira disse...

Caro Pr. Altair,

A polêmica está instalada! Saudosistas: continuem cantando os boleros, valsas e guarânias da Harpa Cristã (ritmos evangélicos?) De vez em quando vão a uma reunião do Círculo de Oração e deleitem-se com forrós e pagodes (ritmos evangélicos?). Ah! Na Harpa - que eu aprecio muito, por sinal - também há melodias do folclore alemão, sueco e norte-americano.
Estes ritmos pode! Agora, quando o irmão Lázaro canta "Eu sou de Jesus, eu sou de Jesus..." Não pode!
Os grupos de gestos, com suas coreografias bem ajustadas às batidas da música (copiado do cafona Show da Xuxa de vinte anos atrás, podem conferir!), pode! Acompanhar o hino batendo palmas, não pode!
É, fica difícil discernir o que convém e o que não convém no momento atual em que a Assembléia de Deus vive.

ALTAIR GERMANO, disse...

Pois é Wesley,

"Blog do Ciro: Os músicos, em sua maioria, afirmam que todos os estilos musicais servem para o louvor. Na Internet há vídeos de funk-gospel, forró, samba, heavy metal e outros estilos empregados em cultos ditos evangélicos. O irmão concorda que Deus aceita todos os estilos musicais?

Nilton Didini Coelho: Não, absolutamente! O assunto é polêmico, mas convido a quem não concorda que estude a origem e para que servem estes ritmos e depois conclua se Deus aceitaria ser louvado através deles."

Quem publicou a lição que libera os ritmos? E o livro de Nilton Didini que tem posição contrária?

Com quem ficar na Assembabel, onde não se fala a mesma língua?

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Eudes,

Esse pode, esse não pode, esse pode, esse não pode...

Por que? Porque sim e porque não!

Esequiel Santos disse...

Amado pastor Altair, A Paz do Senhor! Já houve uma discussão dessa natureza com outra lição de adultos nas igrejas do Amazonas, agora novamente?
Acredito que não há nada de pernicioso em colocar em discussão esses temas em sala de aula. Sou professor dessa faixa etária e sei que esses jovens estão à frente do tempo de muitos assembleianos conservadores no que diz respeito a informação.
Pontuar é fácil, o que gostaria é de ver um catedrático como o Sr. lecionar em uma dessas salas sem utilizar ao menos uma "gíria" e conseguir dá aula.

Abraço,

Esequiel
São Mateus-ES

João Paulo Mendes disse...

Paz do Senhor,

E possivelmente irei dar aula nessa classe no próximo trimestre!!!!!!!!

Vou ter que medicar muito à oração e leitura, sem falar nas polêmicas na sala de aula e nos possíveis problemas com a liderança da igreja.

Que faremos pois???

Abraço,

João Paulo
www.joaopaulo-mendes.blogspot.com

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Ezequiel Santos,

"Pontuar é fácil, o que gostaria é de ver um catedrático como o Sr. lecionar em uma dessas salas sem utilizar ao menos uma "gíria" e conseguir dá aula."

As gírias, como bem colocadas na lição, são utilizadas por inúmeros grupos sociais. Há inclusive uma discussão entre gramáticos e lingüísticos em relação ao tema.

A questão aqui não é o falar, mas o incentivo ao uso da mesma numa sala de aula. Respeito a posição do irmão, mas meu ponto de vista é que o uso da língua vernácula culta deve ser incentivado sempre que for possível, e não o falar em gírias.

Poderia sim, tropeçar numa gíria diante de uma sala de aula, pois quem não tropeça no falar. Agora, incentivar ou promover seu uso, isso jamais.

Abraços!

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado João Paulo,

quero aproveitar vosso comentário para deixar claro algumas coisas;

1. Só tenho amigos na CPAD;
2. As lições da CPAD são as de melhor qualidade em termos gerais, em minha opinião;
3. A equipe do setor de Educação Cristã é altamente qualificada para o trabalho que faz;
4. As críticas que faço sobre o conteúdo da respectiva lição não são movidas por interesses pessoais ou políticos, mas por meu compromisso e responsabilidade como Superintendente Geral de ED, Secretáriodo CEC da CGADB e Presidente do Conselho de doutrina da UMADENE;
5. Publico o assunto aqui no blog pois é o espaço que tenho para alcançar o máximo de pessoas possível;
6. Volto a afirmar que se não houve uma "intenção" da comentarista em dogmatizar os temas, há pelos menos aparentes contradições ou colocações feitas de maneira inapropriada, que não consideraram as diferenças culturais dentro da denominação;
7. O blog está aberto para a CPAD esclarecer os fatos, se desejar;
8. Da última fez que esta lição foi publicada, aqui no Nordeste, Campina Grande, Recife e Abreu e Lima não a adotaram, sem falar em outras Convenções Estaduais de outras regiões do país. Até onde sei, desta vez, Recife e Abreu e Lima mantiveram a posição de não adotá-la;
9.Houve uma falha da primeira vez que a lição foi publicada, e a falha se repetiu. Qual falha? Tratar de questões que não possui consenso nacional na denominação.
10. Não tenho dificuldade alguma de discutir qualquer que seja o tema na ED;

Se a sua igreja adotar a lição, aconselho que converse com a liderança sobre as questões levantadas, para que um constrangimento seja evitado.

Se o vosso pastor ensina, e a igreja tem um entendimento diferente de alguns pontos da lição, é preciso que isso fique bem claro.

abraços!

João Paulo Mendes disse...

Pr Altair,

Nós adimiramos grandemente a capacidade de toda a equipe da CPAD, tivemos a oportunidade de ter o Pr Marcos Tuler e o César Moisés ministrando na AD em Araguari que nos edificou e nos mostrou a competência e compromisso do chefe do Setor de educação da "casa".

Como o próprio Pr enfatizou, o problema não é por qualquer outra coisa senão pelo compromisso que as lideranças da AD devem ter com o ensino ministrado na ED à toda a igreja.

Nós iremos adotá-la sim, precisamos é nos juntar e discutirmos os rumos que deverão ser tomados quanto ao ensino dos pontos que gerem dificuldade.

Parabéns pelo post esclarecedor e provocador da reflexão aos cristãos, necessária para o equilibrio da nossa conduta.

Abraço,

www.joaopaulo-mendes.blogspot.com

Thulio Debrusk disse...

Graça e paz, Pr. Altair Germano.
Desde já lhe digo que sou um adolescente e a minha igreja usa a revista Adolescentes Vencedores apesar de pertencermos a outra denominação.
A sua crítica foi interessante e nela percebi vários pontos questionáveis. Mas quero comentar apenas dois.
O primeiro é sobre a música. Reconheço que alguns ritmos contemporâneos soam mal aos ouvidos de muitas pessoas, principalmente aquelas que já possuem mais de quarenta anos. Mas não acredito que seja correto elas afirmarem que determinados ritmos são satânicos. Não se deve confundir gosto com a questão sagrado/profano (se é que ela existe). Dizer que estes novos ritmos musicais são do demônio é entregar a Satanás, um medíocre anjo caído, a quem não pertence poder de criação algum, o poder de criar, o qual pertence somente a Deus.
O segundo é sobre as gírias. Falar gírias é questão de tato. Se um professor universitário em uma conversa com um adolescente morador de uma favela usar o mesmo vocabulário culto que usa com seus colegas de profissão, certamente não passará mensagem alguma. Mas o professor na conversa com o adolescente falar como este, certamente haverá possibiidade de um bom diálogo. Vemos em Jesus essa facilidade de se comunicar conforme o seu público, quando falava, por exemplo, a agricultores e a doutores. É fácil observar que ele adequava as suas mensagens. Principalmente quando contava uma parábola.
Na música também podemos obervar este aspecto do tato. Ponha a favela para ouvir música sacra e funk gospel. E veja qual deles será melhor apreciado. Certamente suas respectivas mensagens chegarão diferentes aos seus receptores.
Portanto, a música e as gírias são apenas adequações de linguagem. Hoje dentro de um mesmo território existem vários povos, que possuem diferentes cosmovisões. E a Igreja deveria saber disto, pois seu trabalho de evangelização seria bem mais eficiente.
Vale lembrar que na música existe a questão do tempo. Na Arte vemos incontáveis pessoas que foram rejeitadas no seu tempo e hoje são consideradas gênios.

Anônimo disse...

Prezado Pr.Altair a paz do Senhor
Fui criada em uma AD no tempo da "ferradura". Não pude aprender a andar de bicicleta porque era pecado.
Mas como falou um querido Pr. nosso amigo, Jesus disse que "tudo ficaria levedado", isto é, a mistura estaria em todos os segmentos do reino dos céus (Mt.13). É isso aí, já não se vê diferença entre quem serve a Deus e quem não serve, a verdade é que perdemos a identidade de Cristo e adotamos uma identidade camuflada de reino das trevas e reino da luz.
Não sou favorável aos exageros, absolutamente! Mas creio perfeitamente que se as pessoas sque se dizem evangélicas fossem realmente discípulos de Jesus, viveriam no Espírito e como está escrito: !se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito", bem como "os filhos de Deus são guiados pelo Espírito De Deus". A questão mais séria para mim é que os crentes sejam AD ou outra qualquer denominação não consultam o dono do seu corpo (templo), se devem ou não ir àquele lugar, ou fazer toda e qualquer coisa. Afinal, que servo é esse que faz tudo à revelia do Senhor?
Tenha Deus misericórdia de nós! Se não for a graça quem ouvirá a trombeta tocar?
Deus lhe abençoe

eduardo disse...

pastor altair,li a lição e quando o comentarista,fala de ritmos,ele quer dizer que os ritmos que o jovem pode escutar é o rock do mundo e,não o rock gospel,isso agrava ainda mais.Eu só queria deixar uma parte de um versiculo(E então virá o fim)

abney_san@hotmail.com disse...

pr. Altair somos admiradores do vosso trabalho incansavel pela propagação das verdade biblicas universais,e se tratando da lição dos adolescentes,já aconteceu em outra ocasiãO A MESMA FATALIDADE,onde uma comissão de recife[pe] foi até a CPAD para cobrar satisfações com relação a uma orientação dada pela comentadora na revista fora daquilo que a biblia ensina,e vemos isso novamente acontecer,não conhecemos o nivel cultural secular e teologico dos comentadores do departamento invanto-juvenil,mas vemos uma tendencia para o liberalismo de ulgumas praticas,que em nada ajuda os adolescentes a escaparem das ciladas de satanas,mas as influenciam a se aproximar daquilo que é perigoso a elas,sei que precisamos conscientizarmos nossos adolescentes,mas não dando margem para o experimento daQUILO QUE É NOCIVO,já descutimos em grupos e procuramos as liderança s de nossa convenção,o coselho de doutrina precisa estar mais atento,e os revisores ter mais descernimento,que possamos estar atentos e não deixarmos passar essas facilidades,obrigado e a paz do senhor.

geziel disse...

A Paz Pr Altair
Li o debate e concordo plenamente com o senhor.

Mas lendo o comentário de um dos internautas, ele disse:
"Se buscarmos as origens dos ritmos e estilos de músicas, vamos acabar tendo que criar os nossos própios ritmos e estilos".

Os ritmos não precisamos criar poque eles já existem. Ex: Binário, tenário, binário composto, tenário composta etc.Todos os estilos, usam esses rítmos.

Todos os estilos como o samba, valsa, rock, baião e etc, usam os rítmos existentes. Agora, os estilos sim, precisam ser consciderados.

O estilo rock, os roqueiros usam botas, braceletes, camisas cavadas e etc.E suas letras falam de drogras, sexo etc.

O sertanejo usa jeans apertado, botina chapéu etc. Suas letras falam de gado, caminhão, mulher, bebida etc.
poderíamos citar muitos outros estilos

O certo é que cada estilo é diferente. Nosso estilo qual é? Nossas letras falam do quê? Se viemos adorar a Deus, louvar a ele, as letras devem ser devotadas nesse sentido da adoração. E o cristão transformado, já tem seu estilo de cristão, é conhecido no meio onde vive pelo testemunho, bons modos, bons costumes etc.

É bem verdade que, hoje em dia, os termos "ritmo" e "estilo" são usados um pelo outro. No entanto, o assunto em pauta é muito mais abrangente.

Qual é o estilo musical que deve prevalecer no meio evangélico, segundo a Bíblia? Temos liberdade para empregar todo e qualquer estilo secular (ou mundano), ou a Palavra de Deus continua sendo a nossa regra de fé, de prática e de viver?


Abraços
Geziel

Heitor disse...

Pr.Altair,
Obrigado por ser sempre um "crítico inteligente e embasado". Continue assim. Eu já enviei um e-mail capricado à Casa Publicadora, contestando justamente isso. Não sou melhor e nem pior do que ninguém mas, a orientação bíblica do Apóstolo Paulo em Rm.12 é válida : Se conformar com o mundo é tomar a forma do mesmo e isso, nem adolescentes e nem tampouco nenhum cristão deve copiar o mundo. E alguém postou que "Bem aki no centro oeste também vamos ao cinema" só se for ela e a turma dela porque aqui no DF inclusive, ainda tem homens e mulheres de Deus que não concordam com o liberalismo, sobretudo nas AD's. Estes comentários feitos nas revistas prá Adolescentes publicadas pela CPAD para 2009 foi um verdadeiro "tropeço" à Obra de Deus e à Denominação. E eu não vou ao cinema com minha família não: Tem passatempos bem mais saudáveis e sadíos do que ir nas telonas dos shoppings centers. Uma praia deserta, um parque ecológico e um sítio ou fazenda, por exemplo são mais bonitos e bem melhores diversões em família.

joão marcos disse...

o grande problema do nosso pessoal da AD é que uma grande parte se acha no direito de determinar o que é sagrado ou mundano.

ver um quadro de um pintor secular pode; ouvir rock não pode, afinal o diabo é pai do rock( minha bíblia diz que ele é pai da mentira); ir ao cinema não pode; ir a uma praia deserta com um grupo de irmãos "tramar" contra o pastor pode; jogar futebol é pecado! não pode! montar um time de futebol no Senegal e ganhar vários jovens para Jesus, com o dinheiro do departamento de missões ofertado pelos membros da igreja pode! comprar e não pagar e, de noite, pregar a todos pulmões e o "fogo cair" na igreja, pode! o jovens irem a um show( que palavra pecaminosa!) é expressamente proibido!

usos e costumes sem explicação direto da AD cearense.

com relação a lição dos adolescentes, Graças a Deus, há uma luz no fim do túnel.

Reginaldo Barbosa disse...

Caro pr. Altair,

Admiro sua perspicácia e determinação em abordar temas como esses e confesso que fico perplexo ao ver o quanto o povo que se diz de Deus esteja dividido. Não é de admirar pois o Espírito Santo já nos advertia em sua Palavra:
“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” (1Timóteo 4.1).

É lamentável tal situação, contudo o que está escrito há de se cumprir, ao contrário, Jesus estaria mentindo quando disse: ”O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras não hão de passar” (Mateus 24.35). “Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela” (Mateus 7.13) e, “Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos” (Mateus 22.14).

É lógico que nem tudo o que é decente, louvável e lícito para fazermos ou não, encontra-se escrito na bíblia. Contudo, temos um coração que nos condena (1João 3.20), a mente de Cristo (1Coríntios 2.16) e um Santo Espírito que nos guia em toda a Verdade e Justiça (João 16.13).

Diante de tal quadro precisamos nos ater ao que o Espírito Santo nos pediu por intermédio de seu servo Paulo: “E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2).

Já tá sendo difícil lidar com a rebeldia entre os adolescentes, imagine com um incentivo desses.

Abraços,

Angelos Theou disse...

Eu tenho essa revista e é claro que como todas as outras elas precisam ser analisadas nas entrelinhas de acordo com a Biblia.

No seu texto Pr. percebi que há um pouco de determinação do q os adolescentes devem ou não. Não seria a Biblia q deveria dizer isto?

Adolescentes devem ser tratados como adolescentes.
se seguirmos o que v diz, creio q devo dizer aos meus alunso adolescentes que toda vez que alguem os disser: "valeu", eles lhe respondam: "tá repreendido no nome de Jesus".

Todos somos seres culturais mas essencialmente semelhantes à Cristo, e precisamos refletir isso, mas nãoo somos alienígenas, que odeiam os outros humanos e o que eles fazem.

A paz!