terça-feira, 18 de novembro de 2008

MITOS SOBRE O CANÔN DAS ESCRITURAS


O site AGIR BRASIL fornece algumas informações interessantes sobre questões relacionadas à formação do Canôn Bíblico:

"Cinco Razões para Se Rejeitar os Livros Apócrifos

A. Eles foram escritos durante um período (por volta de 400-50 BC) no qual Israel não teve profetas inspirados declarando a palavra do Senhor — como alguns destes próprios livros descrevem.

B. Eles contêm idéias doutrinais, tal como a oração para os mortos, que contradizem os livros inquestionáveis da Bíblia, e que não podem ser achadas em qualquer outro lugar na Bíblia.

C. Nenhum destes livros jamais são citados como Escritura no Novo Testamento, ou reconhecidos por Jesus ou pelos apóstolos como tal.

D. Alguns Pais da Igreja (incluindo Jerônimo) não consideraram estes livros como sendo Escritura.

E. Os Judeus nunca os reconheceram como sendo Escritura."

Leia mais em : AGIR BRASIL

2 comentários:

Valdomiro disse...

Sem quer fazer papel de advogado dos apócrifos, até porque os reconheço como apócrifos também.
Considero que os argumentos alistados são refutáveis.
A) Será que nos 4.000 anos da história pretérita de Israel, houve sempre um profeta para cada período, por exemplo, de 30 ou 40 anos.
B) A oração pelos mortos constante do livro de Macabeus, não faz parte de todos os manuscritos desse livro e muitos acreditam ser um acréscimo posterior.
C) Os livros não são citados no NT como muitos canônicos não o são. Mas há citações de alguns deles no texto o que não o fazem inspirados, como é o caso do Livro de Enoque e o da Assunção de Moisés que nem apócrifo católicos são, cujos trechos aparecem em Judas.
D) Na contra partida temos Agostinho que, em sua obra, A Trindade (que por sinal estou lendo agora), cita alguns, dentre eles o livro de Sabedoria. Além de outros “padres” (pais) que citam os apócrifos.
E) Ai entra a história da composição do cânon onde há muito o que se falar.

Acho importante o estudo sobre a rejeição dos apócrifos, mas o argumento contrário deve ser montado, penso, em cima da defesa que os católicos fazem deles para termos um produto objetivando convencimento. Se buscarmos só as nossas razões da rejeição poderemos ser surpreendidos com argumentos que não esperávamos existir.

Na Paz!
Valdomiro.

Elisomar disse...

Os católicos deveriam se conformar e aceitar esta verdade.