sábado, 1 de novembro de 2008

ELEIÇÕES AMERICANAS: COMO FUNCIONA O PROCESSO


IMAGENS: FOLHA ONLINE

"No Colégio Eleitoral, cada uma das 51 unidades federativas do país possui um número de cadeiras. O total de representantes chega a 538. São eles que realmente escolherão o próximo presidente. Para ser eleito, o candidato à Presidência precisará de 270 votos dentro do colégio. Cada representante é livre para votar em qualquer candidato porém, na prática, o que ocorre é que os representantes votam no candidato apontado pelo voto popular. Essa, inclusive, é a orientação dada a eles, em 48 Estados. São exceções apenas Maine (na região conhecida como Nova Inglaterra, no nordeste do país) e Nebraska (centro-norte). " (Leia em Folha Online)

Um comentário:

Julio Neves disse...

Quem vai ganhar a eleição americana? Não sei. Parece que é o Obama. Pelo menos este tem sido um desejo mundial. E há situações que esta torcida beira a idolatria.

Opiniões e desejos à parte, quando se fala em EUA logo me interesso pelo assunto Israel. O que pensam os candidatos sobre o assunto? McCain sei que é um defensor vigoroso. Já Obama há muitas dúvidas.

Ganhando o Obama, seu vice será o senador Biden. Sobre este encontrei um artigo do Heitor De Paola que fala de Israel:

"Admed Yousef, dirigente de alta patente do movimento terrorista Hamas engrossou o coro de glorificação, agora ao Candidato a Vice, Joe Biden, numa entrevista ao WND dizendo que Biden é visto como capaz de comandar a ‘política correta’ para o Oriente Médio e mostrou esperança na ‘visão para mudança’ de Obama. Acrescentou que o Hamas mandará uma carta de congratulações a Obama ‘no momento em que ele ganhar a eleição’.

Eles sabem muito bem a quem apoiar. Biden é um velho inimigo de Israel. Já durante a guerra do Líbano, numa reunião da Comissão de Relações Exteriores do Senado Americano Biden atacou as colônias israelenses na Judéia e na Samária e ameaçou em altos brados e batendo com os punhos na mesa, cortar toda a ajuda a Israel se estas atividades não cessassem imediatamente! O então Primeiro Ministro israelense, Menachem Begin reagiu à altura: ‘tenho orgulho de ser judeu, tenho três (?) mil anos de cultura por trás e não tenho medo de ameaças; mesas são para escrever, não para socar’, (…) só porque os EUA nos emprestam dinheiro não podem impor a nós o que devemos fazer!’ Biden continua sistematicamente votando contra Israel."