terça-feira, 5 de agosto de 2008

OS PERIGOS DA AMBIÇÃO. Subsídios para lições bíblicas(2).

Conforme pôde ser observado no primeiro post sobre o tema "ambição", o termo passou a ter um sentido positivo, na medida que tal sentimento é controlado e focado para bons objetivos:

"Ambição pressupõe motivação, pró-atividade e vontade de crescer - atitudes que as empresas procuram e valorizam. [...] No mundo profissional de hoje a ambição é mais do que um simples diferencial - é uma vantagem competitiva essencial." (Você S.A)

"Ambição tem a mesma raiz da palavra ambiente não por acaso. As duas vem de 'ambire', que significa 'mover-se livremente'. Traduzido literalmente e, principalmente, se usada corretamente, a palavra ambição significa criar seu próprio caminho na vida. É simplesmente você saber o que quer para sua vida, e tentar chegar lá." (Guia RH)

"Ambição é uma coisa boa. Ela nos desperta desejos, promove o comprometimento, estimula a perseverança. Torna-nos mais fortes e nos faz buscar a superação." (Catho)

Nestes casos, ambição é sinônimo de persistência, determinação e força de vontade.

É exatamente em seu sentido oposto que o tema "ambição" será aqui abordado.


1- O QUE É "AMBIÇÃO"

A ambição em seu sentido negativo, pode ser conseqüência de uma neurose obsessiva, ganância exagerada ou desejo de subir na vida pisando nos outros. É sinônimo de arrogância, ganância.

Neste caso, nenhum padrão ético é respeitado. O princípio "maquiavélico" de que os fins justificam os meios, acabam fundamentando o pensamento e as atitudes dos ambiciosos.

Aqui cabe também a idéia de que, ser ambicioso é querer ir além do que se pode ou se deve ir. Neste sentido a Bíblia adverte:

"[...] não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes;" (Rm 12.16, ARC)

"Não sejam orgulhosos, mas aceitem serviços humildes,[...]" (Rm 12.16, NTLH)

2. A AMBIÇÃO NA IGREJA

O poder, o dinheiro e o sexo, encabeçam a lista dos elementos e objetos de desejo dos ambiciosos.

Como diz Richard J.Foster "Desde as primeiras civilizações, estes três fatores estiveram envolvidos em quase todos os movimentos sociais, políticos e econômicos. Eles motivaram o início, a ascensão, o auge, o declínio e a derrocada de homens e mulheres, famílias e etnias, povoados e nações, iniciativas simples ou ideologias inteira. É impossível pensar em um período histórico que não tenha sido motivado ou, pelo menos, influenciado por um dos elementos dessa tríade. Ou por todos eles. Isto não significa, porém, que o dinheiro, o sexo e o poder sejam maléficos por natureza. O que detemina seus efeitos são os princípios e o caráter de quem deles dispõe."

É exatamente em razão da relativização de princípios bíblicos e a deformação no caráter, associados a falta de vigilância, que muitas igrejas, líderes e liderado, pastores e ovelhas, têm caído movidos pela ambição. Observemos de que maneira a ambição por poder, dinheiro e sexo operam na igreja.

"Poder (do latim potere) é, literalmente, o direito de deliberar, agir e mandar e também, dependendo do contexto, a faculdade de exercer a autoridade, a soberania, ou o império de dada circunstância ou a posse do domínio, da influência ou da força." (Wikipédia)

Mais definições sobre poder você encontra em;

- Wiktionary
- UFSC

O fato, é que a ambição pelo poder é hoje a razão de muitas distorções, lutas e divisões dentro das igrejas. O comentarista da lição bíblica, pastor Wagner Gaby, cita;

a) A busca ambiciosa de projeção pessoal de "certos" pregadores e conferencistaS. Já escrevi sobre esta questão, e gostaria de lhe indicar os posts abaixo:

- COMO SE TORNAR UM PREGADOR FAMOSO
- O FENÔMENO
- TELEVANGELISTAS OU TELEOPORTUNISTAS
- UMA IGREJA DOENTE (1)

b) As abomináveis disputas por cargos eclesiásticos. Neste caso, está incluído tanto os cargos numa igreja local, quanto os cargos numa convenção estadual, regional ou nacional. Infelizmente, estas disputas incorporaram elementos mundanos, tais quais: compra de votos, sabotagens, traições, boicotes de lições bíblicas, falta de transparência nos processos eleitorais simonia, nepotismo e outras mazelas. Leia também:

- CORRUPÇÃO GENERALIZADA
- POR UMA ELEIÇÃO CONVENCIONAL ESPIRITUAL

Um coisa profundamente interessante, para não dizer triste, é que no jogo de poder, a ambição pelo dinheiro, ou por outros lucros advindos, estão diretamente envolvidos. A questão não é apenas mandar, mas também, manipular pessoas e situações, jogar com a influência para tirar vantagens materiais.

E onde entra a questão do sexo. A relativização de princípios para o alcance das loucas e desenfreadas ambições de fama e poder, deixa o indivíduo vulnerável e flagilizado para cair em pecado sexual. Há também aqueles que acabam sendo seduzidos e tentados apenas quando chegam "lá" (2 Sm 11.1-5).

Quer a prova disto? Faça uma análise dos grandes escândalos sexuais, envolvendo líderes evangélicos de influência nacional. Primeiro eles alcançaram fama e muito poder, para depois fracassarem moralmente. O poder pode levar o seu detentor a ser agente ou objeto de assédio sexual.

3. COMO VENCER A AMBIÇÃO

Algumas orientações bíblicas proporcionarão a vitória sobre as más ambições, e o controle sobre as chamadas boas ambições:

- A necessidade do domínio próprio

"Como cidade derribada, que não tem muros, assim é o homem que não tem domínio próprio." (Pv 25.28)

Observamos neste texto de Provérbios, que os muros (domínio próprio) tanto estabelecem limites, quanto servem de proteção.

"mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei." (Gl 5.23)

Contrapondo-se às obras da carne, o domínio próprio é uma qualidade do fruto do Espírito.

"com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança, a piedade;" (2 Pe 1.6)

A piedade não comunga com a ambição. O domínio próprio, está diretamente relacionado com a diligência, a fé, a virtude, o conhecimento, a perseverança, a fraternidade e o amor. Tais elementos nos torna participantes da natureza divina, ao mesmo tempo em que nos livra da corrupção das paixões que há no mundo, entre elas, a ambição.(2 Pe 1.3-11)

A recomendação bíblica, em especial para os pastores, não é o dominar sobre os outros (1 Pe 5.1-4), mas sobre si mesmo.

- A necessidade de contentamento

"não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; [...] para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus." (Pv 30.8b-9)"

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação." (Fl 4.11)

"Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes." (1 Tm 6.8)

Nunca é demais lembrar que o contentamento não serve de pretexto para a acomodação pessoal, antes, é essencial para desejarmos além das nossas possibilidades e reais necessidades.

- A necessidade de vigilância

"vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca." (Mt 26.41, Mc 14. 38)

Ninguém está livre da atração, da sedução do envolvimento ilícito com o poder, o dinheiro e o sexo. Não existem superapóstolos, superbispos, superpastores, superevangelistas, superpresbíteros, superdiáconos, superlíderes, superprofessores, nem supercrentes.

Qualquer um de nós, à medida em que não tiver cuidado, deixando de observar as orientações da Palavra de Deus naquilo que aqui foi colocado, estará sujeito a cair nos mesmos erros que outros já caíram, e também, de sofrer como outros já sofreram e ainda sofrem.

5 comentários:

Elisomar disse...

Domínio é uma palavra muito forte, assim como é sua ação. Para se ter domínio nesses casos é necessário o temor e conhecimento de Deus. Poder, sexo e dinheiro, na verdade tem feito muita gente esquecer de Deus por "uns instantes". Se dos três, dois não são tão atraentes, pode ter certeza que um tem que andar na rédea.

carloshenrique disse...

Bom, Pastor Altair Germano, respeito teu posicinamento, mas na Bíblia não nos diz nada que possa ter uma espécie de ambição boa.
A Bíblia é bem clara quando diz: "sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altivas mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios aos vossos olhos;" Romanos 12 verso 16.
Foram citadas frases de homens para declarar que a ambição pode ter um sinõnimo bom, e não baseado em textos Bíblicos, que deve ser a base para todo questionamento.
Não é o que homens digam ou deixem de dizerem que vai dar um sinônimo bom para a ambição.
A ambição, no conceito bíblico sempre terá um sinônimo pecaminoso, de pecado, de transgressão a lei de Deus.
A ambição nunca trouxe nada de bom para a sociedade. E se a Igreja cair nessa de a ambição ser num certo sentido boa, temo e muito, que num futuro não muito distante, a Igreja vai ficar pior do que está hoje, com uma liderança completamente ambicionando ocupar cargos mais elevados dentro da Igreja do que em realmente viver aquilo que nos é ensinado pela Bíblia Sagrada, e para se justificarem argumentarão que estão tendo ambição no bom sentido, e ninguém poderá questionar nada.
E quando eu digo Igreja, não me refiro a placas denominacionais de Igreja A ou B, mas a Igreja Evangélica no Geral.
E, não devemos nos esquecer que se a Bíblia não nos apresenta um só texto em que a palavra ambição aparece tendo um bom sentido, que não devemos jamais querer inventar uma suposta ambição que seja boa, pois qualquer pessoa que tiver uma ambição, por mais que diga ser boa, vai sempre trazer coisas terríveis de suportar.
Por mais que um fruto venenoso pareça bonito na aparência jamais deixará de ser um fruto venenoso.
E, não devemos nos esquecer que não devemos nos conformarmos com este mundo, mas temos que sermos diferentes desse mundo.
Portanto, mais uma vez reafirmo: mesmo que o mundo atual queira colocar a ambição como sendo algo boa, como sendo sinal de persistência e/ou de qualquer outro sentido que queiram dar a ambição para parecer que a ambição é algo bom, a ambição é e sempre será pecado, algo pecaminoso, algo contrário a lei de Deus, da qual devemos fugir. Jamais a ambição será abençoada por Deus ou considerada boa diante dos olhos de Deus, pois Deus é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente, e não muda jamais.
Bom, vou parar por aqui, pois senão daqui a pouco vai parecer um artigo ou sen~~ao vai acabar virando um capítulo de um livro ou até mesmo um livro.

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Carlos Henrique, entendo também seu ponto de vista.

No entanto, o estudo de um termo não pode ficar restrito a uma época. A língua de um povo é viva e dinâmica.

Desta forma, do ponto de vista bíblico, o termo ambição tem um sentido negativo, estudado nos dias atuais, suas variáveis devem ser consideradas.

Obrigado.

carloshenrique disse...

Bom, Nobre Pastor Altair Germano, respeito o seu ponto de vista.
Mas, o Senhor falou que o estudo de um termo não pode ficar restrito a uma época e falou também que as variáveis do termo ambição nos dias atuais devem serem estudadas.
Pois bem, consideremos o termo oecadim a qual todos consideram como sendo errado e que dizemos que não devemos pecar.
E consideremos também o termo roubar que ninguém aceita como sendo certo, e que todos consideram como sendo algo errado.
Agora, imagine só se a língua do povo sendo viva e dinâmica, se num futuro próximo alguém resolver dar outros sentidos para ambos os termos citados na Bíblia, então teremos também que considerarmos suas variáveis, e aceitarmos os novos sentidos para estes termos, sob a alegação de que um termo não pode ficar restrito a uma época? Eu creio que não.
Agora, se sim, isso não acaba gerando mais confusão?
Creio eu que um termo deve ter a mesma significação na época atual que tinha numa anterior, pois assim evita-se confusão na cabeça das pessoas ao estudar-se o passado e evita-se problemas de entendimento dum mesmo assunto.
Bom, não quero com isso gerar uma discussão interminável. Mas, acho importante esse questionamento psta que possamos compreender melhor o assunto em voga.

ALTAIR GERMANO, disse...

Ok irmão Henrique, lembrando que a teologia não está desassociada da linguística.

Aproveitando o seu exemplo, "rapariga" já teve um sentido nobre, hoje é termo pejorativo no Brasil (pelo menos no nordeste. Se um termo nobre pode se transformar em pejorativo e deixar de ser usado, da mesma forma, um termo pejorativo pode se transformar numa expressão nobre e passar a ser usado.

É preciso considerar os aspectos sincrônicos e anacrônicos de um termo na exegese bíblica.

Um abraço!