sexta-feira, 1 de agosto de 2008

OS MALES DO CONSUMISMO. Subsídio para Lições Bíblicas (3)

No primeiro post, tratei de indicar alguns links sobre o conceito e a natureza do "consumismo". Observaremos agora, algumas relações entre o consumismo e o cristão.

"[...] embora a liberdade de escolha seja um valor central da sociedade contemporânea ela não flutua em um vácuo cultural. Gênero, classe social, grupo étnico, entre outras variáveis, estabelecem alguns parâmetros no interior dos quais a minha 'escolha' e a minha identidade se expressam." (Livia Barbosa)

O texto acima nos faz perceber, que embora a "liberdade de escolha" seja objeto de reivindicações e lutas, não somos plenamente livres para escolher. Esteriótipos, status, mensagens subliminares, a moda, a propaganda e outros elementos culturais, praticamente nos obrigam a seguir as tendências e o hábitos de consumo modernos.

Os cristãos tornaram-se um segmento de mercado. Como bem coloca Magali Cunha em sua obra "A Explosão Gospel":

"Na lógica da cultura do mercado, consumir bens e serviços é ser cidadão; na lógica da cultura gospel, consumir bens e serviços religiosos é ser cidadãos do Reino de Deus. Nesse caso, o consumo não é apenas uma ação que responde à lógica do mercado mas constitui elemento produtor de valores e sentidos religiosos".

O mercado gospel já possui até revistas especializadas. Um exemplo disto é a CONSUMIDOR CRISTÃO.

"Consumidor cristão é uma revista voltada para o mercado de vendas no segmento cristão". (Site da Revista Consumidor Cristão)

Encontramos na Bíblia alguns princípios e orientações, que uma vez observados, nos livrarão do hábito, e inclusive, em alguns casos, da escravidão do consumismo. Desta forma, se faz necessário:

- Não nos apegarmos às riquezas e aos bens materiais;

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de aborrecer-se de um e amar ao outro, ou se devotará a um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas." (Mt 6.24)

"porque as riquezas não duram para sempre" (Pv 27.24a)

- Aprendermos a contentarmo-nos com o que temos, sem com isto caírmos na acomodação;

"não me dês nem a pobreza nem a riqueza; dá-me o pão que me for necessário; [...] para não suceder que, estando eu farto, te negue e diga: Quem é o SENHOR? Ou que, empobrecido, venha a furtar e profane o nome de Deus." (Pv 30.8b-9)

"Digo isto, não por causa da pobreza, porque aprendi a viver contente em toda e qualquer situação." (Fl 4.11)

"Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes." (1 Tm 6.8)

- Entendermos que a vida não consiste num constante amontoar de "coisas";

"Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui." (Lc 12.15)

- Praticarmos a generosidade, compartilhando os bens com os nosso irmãos;

"A alma generosa prosperará" (Pv 11.25a)

"Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum." (At 2.44)

"que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras, generosos em dar e prontos a repartir;" (1 Tm 6.18)

De maneira bem prática, se fizermos um "balanço" nas coisas que temos em casa, que compramos mas não utilizamos (livros, sapatos, roupas, acessórios etc.), daria para suprir a necessidade de muitos irmãos amados que passam necessidades, vitimados pela cultura capitalista selvagem, pela lógica do mercado e pela falta de amor ao próximo.

4 comentários:

Maya disse...

De maneira bem prática, se fizermos um "balanço" nas coisas que temos em casa, que compramos mas não utilizamos (livros, sapatos, roupas, acessórios etc.), daria para suprir a necessidade de muitos irmãos amados que passam necessidades, vitimados pela cultura capitalista selvagem, pela lógica do mercado e pela falta de amor ao próximo.


**

Gostei muito de sua postura, pastor, parabéns.

Um abraço,

Maya

:)

ALTAIR GERMANO, disse...

Irmã Maya, obrigado pela participação e palavra de incentivo.

Paz e Graça!

Elisomar disse...

Pastor Altair,
seria muito importante que as pessoas levassem um assunto como esse a sério, Pois isso também faz parte da salvação. Tem gente que se tiver R$ 10,00 livre, se nenhum compromisso e alguém de responsabilidade precisa de pedir emprestado o tal valor, a pessoa nega, imagina dar o que tem? Mesmo que o objeto não lhe seja útil. Essa é uma das causas pelo qual o Senhor fecha as portas, e tais pessoas ainda ficam indagando... fulaninho(a) é tão rebelde e o Senhor abençoa, eu faço tudo e vivo nessa luta. Será que fazem mesmo? Ou será que os bens estão acima dos conceitos de Jesus?
Qto ao consumismo: Tudo demais é veneno, né?

Conselheiro disse...

José Ailton:

A paz do Senhor Pr.Altair,venho através deste parabeniza-lo pelo seu comentário sobre o consumismo,que o Senhor Jesus continue lhe abençoando.