terça-feira, 19 de agosto de 2008

CUIDANDO DO CORPO COM MODERAÇÃO. Subsídio para lição Bíblica

A lição bíblica "cuidando do corpo com moderação", nos proporciona a oportunidade de mais uma vez, tratar daquele que por séculos, devido a uma compreensão equivocada, buscando-se , e inclusive alegando-se fundamentação escriturística, foi objeto de desprezo, descuido e de auto-flagelo: o corpo.

O Saber Sobre o Corpo

A maneira como percebemos o corpo define a forma de lidarmos com ele. Nosso relacionamento com o nosso próprio corpo começa com uma tomada de consciência de que possuímos um corpo,e que este interage num mundo de corpos e objetos.

Foi com início da atividade reflexiva e filosófica, especificamente com Sócrates, que a "unidade do ser" foi quebrada, dividindo-o em corpo perecível e alma imortal.

Através de Platão, a divisão transforma-se em antagonismo. Desta forma, a alma é eterna, pura, sábia, ao passo que o corpo é mortal (corruptível), impuro e degradante. O corpo é entendido como a prisão da alma, instrumento de limitação da ascensão ao plano ideal e perfeito.

Em Aristóteles, todo o ser vivo tem uma alma racional e, diferentemente de Platão, entende que o corpo, longe de ser obstáculo, torna-se instrumento para as funções sensitivas e vegetativas (conf. Mundo dos Filósofos).

Alguns estudiosos percebem nos escritos paulinos a retomada das idéias platônicas, onde o corpo em sua corruptibilidade, é pecaminoso e empecilho para a vida plena no espírito:

"Pois assim também é a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo na corrupção, ressuscita na incorrupção. Semeia-se em desonra, ressuscita em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscita em poder. Semeia-se corpo natural, ressuscita corpo espiritual. Se há corpo natural, há também corpo espiritual." (1 Co 15.42-44)

No entanto, devemos considerar por uma outra perspectiva, que Paulo dá ao corpo o seu devido valor quando o qualifica de "templo e morada do Espírito":

"Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo." (1 Co 6.19-20)

É exatamente, quando de forma equilibrada e bíblica entendemos o corpo, com suas limitações, mas também com o seu valor, que nossa atitude para com este corpo será devidamente livre de qualquer tipo de extrema aversão ou de extremo valor.

A Coisificação do Corpo

"O corpo não é coisa e nem é separado de nosso eu, não é uma coisa que temos, mas aquilo que somos" (Gallo)

Longe de interpretarmos como uma mera declaração filosófica, a frase acima expressa muito bem a concepção bíblica cristã de corpo. Sua importância é tal, que a ressurreição e a transformação dos corpos (1 Ts 4.13-18), será o evento escatológico que concluirá o processo redentor de forma plena.

O corpo é parte constituinte de nossa personalidade, de forma que, sem o nosso corpo seríamos reduzidos a um ser-menos, inconcreto e imperceptível. Sendo assim, na nossa auto-relação e inter-relação, o corpo é essencial.

É através do corpo que nos relacionamos, nos comunicamos, convivemos, produzimos, sentimos, percebemos, atentamos, conhecemos. Corpo é alma encarnada, que toca, ri, chora, sente, se expressa, fala, gesticula, chama a atenção.

A coisificação do corpo inclui a tentativa de transformá-lo em objeto de uso, à mercê de interesses ideológicos, econômicos, políticos, sexuais etc. Contemplamos em nossos dias, uma verdadeira mercadologização e exploração do corpo, promovida pela mídia através de propagandas, filmes, novelas, livros, jornais etc.

O Cuidar do Corpo

Cuidar do corpo não implica em "cultuar o corpo". O corpo, que deveria ser templo do objeto de nosso culto (1 Co 6. 19), transformou-se em objeto de culto. Motivadas por concepções narcisistas, ou manipuladas pelo mercado fitness e estético, milhares de pessoas (incluindo cristãos)

"invadem as academias, enchem os parques para correr e caminhar, compram pelo telefone produtos milagrosos anunciados na televisão para fazer com que seu corpo fique igual ao dos atletas dos comerciais, mais do que fazer com que atentemos para nosso corpo, o que seria de fato desejável, na verdade, significa uma alienação ainda maior. [...] Como escultores, queremos transformar a "pedra bruta" que é o nosso corpo, numa obra de arte; nosso martelo e nossa talhadeira são os anabolizantes, as vitaminas importadas, os aparelhos de exercícios, as dietas e os produtos para emagrecer..." (GALLO, 2005, p. 66)

Acontece que muitos estão fazendo do seu corpo o seu próprio “deus”, em vez de “morada de Deus” (João 14.23).

É possível constatar dois extremos. De um lado temos aqueles que não zelam por seu corpo. Alimentam-se indevidamente, não fazem atividades físicas com regularidade, se descuidam da higiene corporal, da aparência “saudável”, nem fazem exames clínicos com regularidade.

Na outra ponta estão os eternos inconformados com o seu corpo. Vivem à base do bisturi, das dietas mirabolantes, das bulimias crônicas, e de outros artifícios. Existem cristãos, homens e mulheres, jovens e adultos, que estão deixando de ir à igreja, de fazer o culto doméstico, de orar, de ler a Bíblia, tudo por causa da academia, da caminhada, da corrida, etc.

É preciso ter sabedoria na hora de cuidar do corpo e da saúde (Tiago 1.5). Os valores não podem ser invertidos (1 Timóteo 4.8 e 1 Pedro 3.3-4).

Aparência e Essência

Será que compensa arriscar a vida para se submeter aos padrões estéticos “impostos” por alguns segmentos da nossa sociedade? A quem isso interessa? O ideal de “corpo perfeito” parte da objetividade ou subjetividade? Até quando o “parecer” prevalecerá sobre o “ser”? A aparência sobre a essência?

Como bem coloca Gallo (idem, p. 67)

"Precisamos fazer do corpo um elemento de resistência, que nos liberte do negativismo e do pragmatismo. Um corpo que nos coloque em frente a nossa realidade, confrontando-nos com problemas e situações. Um corpo que nos coloque no mundo e que seja capaz de "aventurar-se" para vivenciarmos novas e impensadas perspectivas para a vida"

Diante de Deus, a essência sempre prevalecerá ante a aparência

"Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração." (1 Sm 16.7)

"Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais o exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! Assim também vós exteriormente pareceis justos aos homens, mas, por dentro, estais cheios de hipocrisia e de iniqüidade." (Mt 23.25-28)

Corpo e Pecado

Pecamos através do corpo e contra o corpo. Entre os pecados que cometemos contra o corpo , podemos citar:

- "Prostituição" (gr. pornéia), i.e., imoralidade sexual de todas as formas (adultério, fornicação, homossexualidade, lesbianismo, etc). Isto inclui, também, gostar de quadros, filmes ou publicações pornográficos (Mt 5.32; 19.9; At 15.20,29; 21.25; 1Co 5.1).

- "Impureza" (gr. akatharsia), i.e., pecados sexuais, atos pecaminosos e vícios, inclusive maus pensamentos e desejos do coração; inclui vida devassa e atos impuros (Ef 5.3; Cl 3.5).

- "Bebedices" (gr. methe), i.e., descontrole das faculdades físicas e mentais por meio de bebida embriagante. Intoxicação, embriaguez.

- "Glutonarias" (gr. Komos), i.e., diversões, festas com comida e bebida de modo extravagante e desenfreado, envolvendo drogas, sexo e coisas semelhantes. Bíblia On-line: “procissão noturna e luxuriosa de pessoas bêbadas e galhofeiras que após um jantar desfilavam pelas ruas com tochas e músicas em honra a Baco ou algum outro deus, e cantavam e tocavam diante das casas de amigos e amigas; por isso usado geralmente para festas e reuniões para beber que se prolonga até tarde e que favorece a folia”.

Como bem escolheu o pastor Wagner Gaby, um texto para guardarmos em nossa mente ao finalizarmos este comentário é o de 1 Coríntios 10.31

"Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para a glória de Deus."

Referências

BARCLAY, William. As obras da carne e o fruto do Espírito. 2ª ed. São Paulo: Vida Nova, 2000.

GALLO, Sílvio (Coord.). Ética e cidadania: caminhos da filosofia. 13. ed. Campinas, SP: Papirus, 2005.

http://www.belezaestetica.com/

http://www.bibliaonline.net/bol/

http://boaforma.abril.com.br/fitness/

http://pastorjunior.blogspot.com/2007/10/as-obras-da-carne-e-o-fruto-do-esprito.html

Lições Bíblicas CPAD. 3º Trimestre/2008.

3 comentários:

Elisomar disse...

Se for necessário bisturi, que assim seja. Se for academia, também. Se outros meios promove uma melhoria dessa parte terrena, acho que deve ser feita. No entanto, que o objetivo disso tudo seja sentir-se melhor consigo mesma(o) Muitas pessoas se sentem depressiva e até desprezada porque seu corpo não se harmoniza com o seu pensar. Mas tudo tem que ser feito com equilíbrio, sabendo que mada é superior ao amor que Deus tem por nós, do jeito que somos. Além de tudo, temos que ter consciencia que o nosso culto deve ser unicamente direcionado a Deus. E que esse mesmo Deus, nos fez perfeito, mas o homem buscou pra si muitas tribulações. Como já falou o pastor: Que bebamos ou que façamos qualquer outra coisa, seja para glória de Deus e nunca para o endeusamento da criação.

cursos de teologia disse...

Excelente e bastante esclarecedor este post...

Parabéns e fique na Santa Paz!!!

Geziel Silva Costa disse...

Pastor Altair

Mas uma vez recorri ao seu blog, para buscar subsídios para minha aula aqui em Cuiabá, e novamente encontrei algo que ajudou, dirimiu dúvidas e tivemos uma ótima aula.

que Deus continue te dando graça e sabedoria para postar mais da palavra.

Abraços
Geziel