sexta-feira, 27 de junho de 2008

SOCIALISMO SOB ATAQUE

Com o título "Que falta faz um Voltaire", Reinaldo Azevedo, colunista da Revista Veja, comparando os ensinos de Rousseau e Voltaire, teceu uma severa crítica contra as idéias socialistas de "igualdade" e "justiça social".

Como já escrevi no post "Comunhão dos Santos e Comunidade de Bens", Alguns defendem a idéia de que Atos 2.42-47 é uma proposta bíblica para o comunismo. “Porém, não há qualquer dogma, no Novo Testamento, no sentido de que a experiência deveria ser universal, compulsória e permanente”. (Champlin, 2001, p. 826). Observemos a posição de outros estudiosos das Escrituras:

“O fato de mais tarde Barnabé ser destacado por vender uma propriedade indica que esta prática não é algo que todos os crentes fazem (At 4.36,37). Os novos crentes estão dispostos a compartilhar suas possessões quando surgem necessidades (v. 45). O termo comunismo não descreve esta prática. Antes, eles estão expressando amor espontâneo, e é completamente voluntário”. (ARRINGTON, 2003, p. 640)

“O amor cristão manifestou-se num programa social de assistência material aos pobres. Essa atitude cristã de partilhar com os outros parece que se limitou aos primeiros anos da igreja de Jerusalém e não se estendeu às novas igrejas conforme o Evangelho foi sendo levado através da Judéia.” (PFEIFFER; HARRISON, 1987, p. 245)

“Um dos resultados foi a prontidão dos crentes em partilhar seus bens uns com os outros. Isto se tornou prática comum entre os crentes. O verbo está no imperfeito e podia ser traduzido assim: ‘continuavam a usar todas as coisas em comum’. Para esses cristãos a espiritualidade era inseparável da responsabilidade social (Dt 15.4s; At 6.1-6; 11.28; 20.33-55; 24.17 ss). Parece que o comunitarismo teria sido uma solução provisória neste caso, e necessário naquela circunstância”. (WILLIAMS, 1996, p. 77)

“É verdade que Jesus ordenou a um jovem governante rico que vendesse os seus bens e desse o dinheiro aos pobres (Lc 18.18-30), mas a razão para a ordem era testar a fé, e não forçar um nivelamento social e econômico. [...] Jesus disse: ‘Porquanto sempre tendes convosco os pobres, mas a mim não me haveis de ter sempre’ (Mt 26.11). (PFEIFFER; VOS; REA, 2006, p. 440)

“Que conclusões podem ser tiradas, então, com respeito à abordagem bíblica ao comunismo? Em primeiro lugar, A Bíblia certamente não apóia o Comunismo Marxista com sua filosofia anti-Deus e seu conceito de guerra de classes. Várias passagens (por exemplo Ef 6.5-9; Cl 3.22; 4.1) admoestam os trabalhadores a ter boas relações com os seus patrões e vice-e-versa. Segundo, a posse pública da propriedade entre os crentes parece ter sido restrita a Jerusalém. (idem)

Para concluir, entendo que tanto o Capitalismo Selvagem, quanto o Comunismo Utópico, são sistemas sócio-político-econômicos desprovidos dos princípios bíblicos de amor, comunhão, voluntariedade e generosidade.

Embora citando indiretamente a Bíblia, falando ironicamente aos socialistas dos dias atuais como "um tempo edênico em que o mundo não havia sido ainda corrompido" e se dizendo católico, no artigo de Azevedo faltou um pouco (ou muito) de Deus.

Não sou favorável a igualde econômica. Prefiro a igualdade de oportunidades, que embora também utópica nesta sociedade corrompida pelo pecado, é a mais próxima dos ideais de justiça social.

2 comentários:

Elisomar disse...

Se o conhecer fosse mais valorizado talvez não tivessemos tanta gente inconformada. Todos teriam a consciencia de que é preciso melhorar as ações para se ter uma forma melhor de vida dentro das possibilidades. Mas infelizmente ainda há muita injustiça social. A falta de uma boa destribuição de renda, leva muitos a pobreza extrema, enquanto que muitos usufrui do que não deveria. Tem que haver um equilíbrio, se eu trabalhei honestamente devo ter o retorno do meu esforço. Mas corrigir isso, é muito difícil! No entanto cada um dê o melhor de sí, porque de uma coisa vai ter certeza...eu mereci ou não.

Elisomar disse...

Corrigindo... distribuição