sexta-feira, 6 de junho de 2008

O EVANGELHO BU$INE$$


Vou direto ao assunto.

Alguns "pastores apresentadores" que se dizem "assembleianos" (pelo menos usam o nome), propagadores de heresias, disseminadores de modismos perniciosos e aproveitadores da ingenuidade alheia, estão aproveitando o alcance nacional de seus programas de TV e a sua influência pessoal (personalismo), para abrir filiais de suas "igrejas/empresas" (clientelismo) em várias cidades no Brasil.

O vergonhoso é que chamam isto de "missão" (cinismo).

Uma pergunta simples e objetiva. Por qual razão não abrem suas igrejas nas localidades mais carentes, nas regiões onde praticamente o índice de igrejas evangélicas é muito baixo? Por que preferem os bairros nobres, as principais avenidas?

A resposta é clara: Eles estão atrás é de ibope, de dinheiro e dos crentes que congregam em outras igrejas.

Não evangelizam, são meros "pescadores de aquários".

Não possuem ética e respeito nos bastidores da vida (e das convenções), mas querem se mostrar como mediadores de conflitos convencionais e referenciais de fé e conduta para o "seu público" já massificado.

São os pregadores do EVANGELHO BU$INE$$, onde tudo vale, desde que gere lucros interessantes para os tais, na qualidade de presidentes ou sócios de suas igrejas-empresas.

13 comentários:

Anônimo disse...

Pr Altair

Vejo seus comentários como direcionado a alguém. Quando é críticas e debates ampliados, de vários temas, se torna muito proveitoso. Mas parece que o irmão está magoado com algum colega pastor, que não quero citar aqui, e está tentando malhá-lo. E os comentários se tornam muito direcionados, focados em um ponto apenas.

abraços

Pr. Robson Aguiar disse...

A paz do Senhor, pr. Altair!

Analisando vosso texto, devo dizer que em parte concordo com o irmão, e em parte não. Acho que o Estatuto da Convenção Geral deveria ser respeitado por todos os seus membros, entretanto, há muito tempo que isto não acontece, abrindo-se precedentes para outras inflações.

Não sei dizer de quem é a culpa, mas, sei que isto é real. A exemplo disso, observamos uma clara invasão de Campo por parte de alguns pastores assembleianos, dos quais de ante-mão, e sem hipocrisia, quero me incluir. Mas, a que se deve isso? Pois de fato, em um Estado não deveria haver mais que uma Convenção, no entanto, São Paulo tem quatro e Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, tem três. Perguntamos então por que isso? Bem, historicamente tudo tem explicação.

Isso se deve a divisões internas por motivos diversos, ou pelo o que está disposto no Capítulo IV, Art.14. Inc. I ao IV, do Estatuto da CGADB, que legisla sobre a conceição de uma Convenção. O que era uma, se tornou duas, e o que eram duas se dividiu em três, e assim sucessivamente. Agora, Quanto ao fato de existirem irmãos nossos que pertencem a Convenção de outro Estado e estão por aqui, ferindo o que prescreve o Art. 9° Inc. I, do Estatuto da Geral, isto está acontecendo em todo o Brasil, não é problema de Pernambuco, atribuo isto, em parte ao descontentamento de muitos obreiros que por muito tempo foram humilhados e pisoteados por suas lideranças, muitas vezes por puro capricho, e que aproveitaram a oportunidade dessas “pseudas invasões” para transferirem-se para um novo Ministério, dando continuidade assim, a sua vida ministerial. Na verdade, o MONOPÓLIO foi quebrado, e a livre concorrência (entenda-se por oportunidades) surgiram.

O poder absoluto é perigoso, e nas mãos de pessoas erradas pode ser fatal, daí começo a imaginar que tal divisão é necessária para o crescimento do Reino, que Deus, tal como dividiu o reino após Salomão, parece permitir que em parte, e por vezes, outros reinos se dividam, não no sentido da desunião, mas, no sentido da administração. Abatendo com isso os exaltados.

E antes que alguém venha me dizer que divisão não vem de Deus, e pelo contexto eu creio, dê uma passeada na história da Igreja, desde o primeiro século até o presente, e descubra que você faz parte de uma caso de divisão, caso haja refutação ao que estou escrevendo, postarei parte dessa história.

Mas, o assunto principal é o pastor que invadiu o Campo de outro. Sendo assim, antes que este comentário seja deletado por não está de acordo com o contexto, ou ofender alguém, volto à tecla primeira, não sei se é por dinheiro, não sei se o pastor está aproveitando sua fama, o que sei é que preciso ser um bom líder, tal qual Davi, que mesmo na caverna atraia pra si soldados. Senão vou perder muitos cooperadores, como já está acontecendo em alguns lugares, inclusive na minha igreja.

Acabou o tempo em que faltava para os obreiros opção, agora existem o reino do Norte e do Sul. Basta saber, quem é o do Norte. Sou fruto desta nova realidade, um dia, o pastor Ailton Alves, (Presidente da CONADEPE), me abordou por ter me visto em meu blog, e me perguntou em uma agradável conversa de 30 minutos que tivemos em Porto Alegre, se eu tinha aberto igrejas no Sertão de Pernambuco, ao que respondi que não. Entendi perfeitamente o que quis me transmitir o Rev. Ailton, em sua pergunta, mas, não tenho estrutura para isso, pois meu ministério ainda é pequeno, e se mantém com dificuldade. Já o dele, e o de outros que conheço, têem condições de abrir igrejas não só no Sertão, mas, também em muitos Países da América Latina e Países Africanos, onde não teriam lucro financeiro, (que sei que não é o propósito deles), mas, ganhariam milhares de almas. E em termos proporcionais, os missionários que eles têm, são pouco. Apesar de pequeno nosso ministério tem ministrado Curso Básico em Teologia, pagando professores para ensinar a alunos oriundos de várias igrejas, inclusive, assembleianas, sem que os catecúmenos paguem nenhum real. Só em Abreu e Lima, temos mais de 80 alunos, fora Recife, onde temos mais 50. Fazemos isso, sem proselitismo, não convidando ninguém sequer para nos visitar, o que mostra nosso desinteresse de pescar em aquário alheio.

Finalmente, pastor Altair, vejo uma solução para o caso, se todos os presidentes de Convenção se reunissem e deliberassem sobre o assunto, chegando a um denominador comum, em particular, devo dizer que respeitaria e acataria a decisão do meu presidente sem nenhum problema, seja ela qual for. Embora, não acredite que isso vá acontecer. No mais, temos que conviver e aceitar, a menos que nos nossos olhos não pairem nenhuma pedrinha.


Sem mais para o momento

“O que me incomoda, não é o barulho dos maus, mas, o silêncio dos bons”
Rev. Martin Luther King

Pr. Robson Aguiar
www.prrobsonaguiar.nireblog.com

Marcos disse...

Bem Lembrado essas igrejas Assembleias de Deus ganham muito $ pois tem muito fieis tmb ne?

Olha a Trava no olho!

Enock Jr. disse...

Pr. Altair,seu próprio comentário está tão perfeitamente bem explanado que dispensa comentários!seria díficil expressar algo acerca da matéria sem ser repititivo acerca do que ja foi exposto!deixo esta tarefa para ostros participantes do blog!
resta-me apenas usar uma simples palavra de afirmação concordando com a filosofia de repúdio em relação ao tema:AMÉM!

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre anônimo, meus comentários não estão fundamentados em mágoa de quem quer que seja.

A questão é indignação com a hipocrisia, com a política eclesiástica suja, com o mercantilismos e a relativização da Palavra de Deus.

Oro para que outros não venham a cair no erro e no entorpecimento que por vezes o "sucesso" promove.

Abraços sinceros em Cristo Jesus.

ALTAIR GERMANO, disse...

Marcos, a Bíblia ensina sobre a questão do uso do dinheiro.

Não é o ter ou ganhar dinheiro em si, mas o amor ao dinheiro a raiz de todos os males (1 Tm 6.10)

Um abraço!

Daniel Moreira disse...

Pr Altair, tenho pesquisado e refletido muito sobre o assunto em questão e não sei "quantificar" o numero de consequências derivadas dessa idéia de Evangelho "Business". Porém é facil identificar algumas delas como: Marketing na Igreja, Barganha, Motivações corrompidas e tudo que transforma nessa idéia de Evangelho como negócio. E como resultado dessa pesquisa, estou abismado com a quantidade de material que de certa forma causa toda uma "crise" de corrupção dentro das Igrejas. E te digo mais, a maioria dos pastores estão cientes de todas essas "tretas".

Uma certa vez, eu ganhei um festival de Música em uma igreja e conversando com os organizadores sobre a premiação, ele disseram que parte da premiação era uma jogada de Marketing. Ou seja, não existia de fato. Depois que aconteceu isso, tive a noção exata de como anda as coisas no contexto de algumas igrejas e por isso comecei a lutar contra todo mal derivado dessa idéia de comercialização do Evangelho.

No mais concordo e parabens pelo post.

ALTAIR GERMANO, disse...

Amado Enock, obrigado pelo apoio manifesto.

A paz do Senhor!

ALTAIR GERMANO, disse...

Nobre Robson, não foi sobre estas questões especificamente que escrevi.

De qualquer forma,obrigado pela participação.

Paz do Senhor!

Pr. Robson Aguiar disse...

Caro pr. Altair!

Se houve excesso em meus comentários, desfoque do tema, e também má interpretação, peço a todos desculpas, e retiro do meu comentário o que não se coaduna com o alvo principal.

Outrossim, agradeço a publicação na íntegra do que escrevi.

www.prrobsonaguiar.nireblog.com

Anônimo disse...

Esse blog tá cheio de cajado,
cada um q detone mais q o outro
é a livre espressão... direito de ir e vir... rsrs queimaaa!

marcel disse...

É VERDADE, DINHEIRO NO LUGAR DE PALAVRA, AI QUANDO FALAMOS ALGO OU ESCREVEMOS APARECEM PESSOAS PARA DEFENDER ESTE FALSO EVANGELHO, DEUS O ABENÇOE IRMÃO E CONTINUE NESTA PEGADA!!!
GRAÇA E PAZ FOREVER!

Luiz disse...

Pr.Luiz Rodrigues

Lendo os comentarios relacionados ao mesmo assuto notamos que existe um foco de entendimento relacionado ao mesmo assunto que aqui seria, o mercantilismo do evangelho. todos nos podemos muito bem entender que tudo isso que esta acontecendo e simplismente cumprimento da palavra de Deus; o que devemos fazer como homems de Deus e pregar o evangelho na sua integridade e deixar quem quiser fazer seu comercio porque sabemos que um dia todos prestara conta a Deus fiquem todos na paz